Na última reunião do ano, Copom deve manter juro básico em 6,5% ao ano

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central fará nesta quarta-feira (12) a última reunião do ano. A expectativa do mercado financeiro é que a taxa básica de juros da economia, a Selic, seja mantida em 6,5% ao ano. Se a previsão do mercado se confirmar, esta será a sexta manutenção seguida da taxa, que está no menor nível desde 1986, quando começa a série histórica do Banco Central. Com a inflação sob controle, a expectativa das instituições financeiras é que a taxa de juros começará a ser elevada pelo Copom somente em setembro do ano que vem – quando deve subir para 7% ao ano. Até o início de novembro deste ano, a previsão era que os juros começassem a subir em maio de 2019. Para o fim do próximo ano, a expectativa dos economistas do mercado financeiro &eacu...

Leia Mais

Por que não damos dinheiro de presente?

Na teoria, dinheiro é o presente perfeito. Dá ao presenteado a liberdade de escolher o que quer ganhar e permite aproveitar ao máximo os benefícios do valor recebido. Já um presente consiste apenas no bem ou experiência presenteados, com só uma chance de agradar. Mesmo assim o tabu persiste: não é bem visto dar dinheiro de presente. Economistas costumam prestar atenção à utilidade dos gastos, por isso muitos defendem uma mudança na tradição. Para começar, dar dinheiro de presente, pondera Joel Waldfogel, evita o desperdício. Em um artigo publicado em 1993 no The American Economic Review, ele estima que quem presenteia paga em média de 10% a 35% a mais pelo presente do que o presenteado pagaria. Waldfogel examinou os dados de duas pesquisas com 142 estudantes de graduação de Yale. Entrevistados sobre o que tinham recebido de presente no Natal, ...

Leia Mais

Vendas superam previsão e indústria automotiva retoma patamar de 2015

A venda de veículos vai superar as projeções da indústria automobilística em 2018. A última previsão da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) indicava um crescimento de 13,7%, mas, nesta quinta-feira (6), o presidente da entidade, Antonio Megale, disse que o avanço ficará em torno de 15%, num total próximo de 2,5 milhões de unidades. Isso significa voltar ao patamar de 2015. O resultado de novembro voltou a ficar acima das expectativas do setor. Foram emplacados 230,9 mil veículos novos em novembro, o que representou um crescimento de 13,1% em relação ao mesmo período de 2017. A média diária de licenciamentos de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus ficou em 11,5 mil unidades. “O mercado voltou a crescer de forma vigorosa”, disse Megale, que divulga, esta manhã, os resulta...

Leia Mais

Subsídios e tributos representam quase metade da conta de luz, diz associação do setor elétrico

Quase metade do valor pago pelos brasileiros na conta de luz em 2017 bancou subsídios e tributos, informou nesta terça-feira (4) a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee). Segundo a entidade, encargos como a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) e tributos como ICMS e PIS/Cofins representaram 41% da tarifa de energia elétrica daquele ano. Em 2016, subsídios e tributos respondiam por 40% do custo da energia paga pelos consumidores residenciais. No ano seguinte, houve um acréscimo de um ponto percentual na soma dessas despesas. O levantamento da Abradee aponta que, dos 33 países que fazem parte da Agência Internacional de Energia (AIE), o Brasil tem a quarta maior carga tributária sobre a energia, atrás apenas de Alemanha, Dinamarca e Portugal. Segundo o presidente da associação dos distribuidores de energia elétrica, Nelson Leite, o Br...

Leia Mais

Mercado prevê menos inflação e alta menor do PIB neste ano

Os analistas das instituições financeiras baixaram a estimativa de inflação para 2018 e também reduziram a previsão de crescimento da economia para este ano. As expectativas constam no boletim de mercado, também conhecido como relatório "Focus", divulgado nesta segunda-feira (3) pelo Banco Central (BC). O relatório é resultado de levantamento feito na semana passada com mais de 100 instituições financeiras. Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, o mercado financeiro reduziu a previsão de 3,94% para 3,89% para este ano. Foi a sexta queda seguida deste indicador. A expectativa do mercado segue abaixo da meta de inflação, que é de 4,5% neste ano, e dentro do intervalo de tolerância previsto pelo sistema. A meta terá sido cumprida se o IPCA ficar entre 3% e 6% em 2...

Leia Mais

Confiança dos serviços atinge maior nível desde 2014 e, da indústria, tem primeira alta desde maio

O índice da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que mede a confiança do setor de serviços registrou em novembro o maior nível desde abril de 2014. A alta foi de 5,1 pontos, ao passar de 88,3 para 93,4 pontos. Já a confiança da indústria avançou 0,2 ponto em novembro de 2018, para 94,3 pontos, primeira alta desde maio de 2018. De acordo com Silvio Sales, consultor da FGV IBRE, o avanço da confiança dos serviços está ligado à melhora das expectativas empresariais que parece refletir os efeitos do resultado do processo eleitoral. Mesmo com a melhora no ânimo das empresas, os indicadores de confiança permanecem na faixa abaixo dos 100 pontos, o que significa predomínio de respostas negativas sobre o ambiente de negócios. A alta do índice atingiu 85% das 13 principais atividades pesquisadas. O Índice de Expectativas avançou 8,3...

Leia Mais

Mercado projeta melhora do PIB no 3º trimestre, mas vê ano 'frustrante' e recuperação ainda lenta

A economia brasileira ganhou um pouco mais de força no 3º trimestre, na comparação com o 2º trimestre, mas a melhora entre os meses de julho a setembro se deve à fraca base de comparação com o trimestre anterior – cujo resultado foi afetado pela greve dos caminhoneiros no final de maio. É o que afirmam economistas ouvidos pelo G1. Na visão dos analistas, apesar da melhoria da confiança de empresários e consumidores, o ritmo de recuperação ainda segue lento e as projeções de avanço mais forte a partir de 2019 estão amplamente ancoradas na expectativa de medidas de ajuste fiscal, como a aprovação de uma reforma na Previdência já no 1º ano do governo de Jair Bolsonaro. O resultado oficial do Produto Interno Bruto (PIB) do 3º trimestre será divulgado na sexta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Esta...

Leia Mais

Black Friday cresce em faturamento, mas reclamações persistem

A Black Friday de 2018 cresceu em relação ao ano passado, sobretudo no e-commerce, mas as queixas dos consumidores seguiram elevadas. Os números mostram um crescimento de mais de 20% nas vendas. O levantamento realizado pela Ebit/Nielsen apurou que as vendas no e-commerce alcançaram R$ 2,6 bilhões no período, uma alta de 23% em relação a 2017. O número de pedidos cresceu 13%, para 4,27 milhões, enquanto o tíquete médio (valor médio por compra) teve alta de 8%, para R$ 608. Segundo o levantamento, o número de consumidores únicos (que fez ao menos uma compra online) cresceu 9% em relação ao ano anterior, para 2,41 milhões. No mapeamento realizado pelo Índice Cielo de Varejo Ampliado (ICVA), até as 17h, as vendas nas lojas físicas e e-commerce aumentaram 9,4% na comparação com 2017 - somente as vendas online tiveram alta ...

Leia Mais

Confiança da indústria é a maior dos últimos 8 anos, mostra CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), calculado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), atingiu 63,2 pontos em novembro. Trata-se da maior marca desde setembro de 2010, quando o indicador registrou 63,3 pontos. A última vez em que o índice superou 60 pontos foi março de 2011. Com a alta de 9,5 pontos registrada em novembro na comparação com outubro, o índice está nove pontos acima da média histórica, que é de 54,2 pontos. Os indicadores variam de zero a 100 pontos. Quanto mais acima dos 50 pontos, maior e mais disseminada é a confiança dos empresários. Confiança do empresário subiu 9,5 pontos em novembro — Foto: Divulgação Confiança do empresário subiu 9,5 pontos em novembro — Foto: Divulgação O aumento da confiança é generalizado, segundo a ...

Leia Mais

Atividade se recupera, mas em ritmo mais gradual que o esperado, mostra boletim regional do BC

A atividade econômica cresceu em quatro das cinco grandes regiões do país no período pós-greve dos caminhoneiros, com destaque para o Sul e o Nordeste, que apresentaram as maiores taxas de expansão. No Norte, o sinal ainda foi negativo, mas a queda arrefeceu, segundo dados do boletim regional divulgados nesta terça-feira (20) pelo Banco Central. Segundo o BC, o Índice de Atividade Econômica (IBCR) da Região Sul saltou 3,2% no trimestre até agosto, sobre aquele até maio, quando caiu 1,3%. No Nordeste, o IBCR subiu 1,5%, após recuo de 2,1% no trimestre até maio, a maior queda entre as regiões. Na média do país, a atividade cresceu 1,9% no trimestre até agosto, após queda de 1,4% no trimestre até maio, na série com ajuste sazonal. Por causa da paralisação, que durou 11 dias em maio, todas as regiões tiveram queda na ...

Leia Mais

Idosos ampliam espaço no mercado de trabalho, mas só 1/4 tem carteira assinada

O interesse das empresas por trabalhadores da terceira idade nunca foi notável, mas já se percebe um olhar um pouco mais amigável para a diversidade etária e a convivência entre gerações dentro do ambiente corporativo. Esse movimento atende a uma crescente demanda de pessoas mais velhas que buscam um emprego. Ainda que o percentual de pessoas acima de 60 anos no mercado de trabalho venha crescendo – bateu o recorde de 7,9% no segundo trimestre, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – apenas 26% têm carteira assinada. A maior parte ainda está na informalidade ou em ocupações por conta própria. A faixa etária mais excluída do mercado formal é também a que mais tem sofrido com o fechamento de vagas com carteira assinada, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Em agosto, enquanto a faixa etária at&e...

Leia Mais

97% dos empresários dizem que pretendem investir em 2019, diz pesquisa

Os empresários estão otimistas em relação à economia e seus negócios em 2019 e, neste cenário, a grande maioria diz que pretende investir no ano que vem. É o que aponta pesquisa feita pela Deloitte divulgada ao G1 nesta segunda-feira (11). No entanto, enquanto os que pretendem investir são 97% dos empresários, a parcela dos que devem criar novos postos de trabalho é menor, de 47%. O levantamento foi feito com 826 empresas que, juntas, tiveram faturamento de R$ 2,8 trilhões em 2017 – o equivalente a 43% do PIB do ano. Entre 97% dos empresários que dizem que vão realizar algum investimento em 2019, a maioria diz que pretendem lançar novos produtos ou serviços e adotar novas tecnologias. Já sobre o quadro de funcionários, a expectativa de aumentar as contratações atinge 47% dos empresários. Outros 32% dizem que vão manter ...

Leia Mais

Vendas de supermercados sobem 0,5% em setembro com consumidor ainda receoso, diz Abras

As vendas de supermercados no Brasil em setembro cresceram 0,47% em termos reais ante igual período de 2017, mas encolheram 0,05% na comparação com agosto, informou nesta terça-feira (30) a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). No acumulado do ano até setembro, o setor apurou crescimento real de 1,92% em relação aos nove primeiros meses de 2017, ficando abaixo da alta projetada para o ano de 2,53%, alertou a Abras.  “Nos últimos meses, o consumidor se manteve receoso com o cenário econômico e político do país, a nossa perspectiva é que isso melhore gradativamente passadas as eleições”, afirmou o presidente da associação, João Sanzovo Neto, em comunicado. Para o fim deste ano, a Abras projeta crescimento nominal de 10,27% nas vendas de supermercados brasileiros, de acordo com a Pesquisa Natal 2018, divulgada nesta ...

Leia Mais

Confiança da indústria recua para patamar de 2017 e dos serviços sobe em outubro

O índice que mede a confiança da Indústria, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), recuou 2 pontos em outubro, para 94,1 pontos – o menor desde setembro de 2017 (93,4 pontos). Com o resultado, o índice atinge sua terceira queda consecutiva e acumula perda de 6 pontos. Já a confiança dos serviços subiu 0,9 ponto em outubro, de 87,4 para 88,3 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 0,3 ponto, mantendo o sinal positivo pelo terceiro mês consecutivo. Segundo Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das Sondagens da FGV IBRE, a queda da confiança da indústria pelo terceiro mês consecutivo e a disseminação por quase 60% dos segmentos industriais foi influenciada pela deterioração no ambiente de negócios.  “A piora do cenário externo e o câmbio parecem ter peso adicional negativo na demanda...

Leia Mais

Vale a pena deixar de fazer faculdade?

Bill Gates, fundador da Microsoft, Steve Jobs, da Apple, e Mark Zuckerberg, criador do Facebook, fora a carreira de bilionários, costumam ser apontados sempre que o assunto é o sucesso de pessoas que não terminaram o curso superior. Também são fáceis de encontrar na internet relatos com histórias de pessoas que decidiram abandonar a faculdade. Mas será que o exemplo destes três gênios da tecnologia e alguns outros casos justifica a decisão de não completar o curso superior? A lista de bilionários americanos da revista Forbes, publicada este mês, pode não ser a prova definitiva, mas dá uma pista. Entre os 400 americanos mais ricos, pelo menos metade possui curso superior, contra uma média de 30% da população com o diploma de uma faculdade. O caso americano é especial devido aos altos custos. Estudar em uma das melhores universidades do pa&iacu...

Leia Mais

Os mercados financeiros ficam traumatizados?

Por muito tempo as bolsas de valores foram vistas pelos economistas como um mercado onde imperava a razão. A Hipótese do Mercado Eficiente, a teoria de que os preços os mercados refletem as informações disponíveis, acessíveis para todos, que, assim, fariam suas opções de investimento garantiam, em tese, um equilíbrio de preços. No entanto, de algumas décadas para cá sentimentos como otimismo e pessimismo, principalmente, mas também medo, ganância, excesso de confiança expectativa e circunstância acabam influenciando as operações. Investidores muitas vezes são irracionais e, com isso, os mercados se tornam mais voláteis. Julian Kozlowski, um economista do Fed, o banco central americano, e dois professores, Laura Veldkamp (Columbia) e Venky Venkateswaran (New York University), queriam verificar um sentimento em particular: será que ...

Leia Mais

O Instagram está deixando você mais pobre?

Estamos sempre nos comparando com os outros, definiu Leon Festinger no seu seminal artigo, de 1954, que introduziu a Teoria da Comparação Social, abrindo um ramo novo da ciência comportamental. O problema que com as redes sociais o impacto disso é muito maior. Lissette Calveiro é um bom exemplo. A americana, de 26 anos, ficou famosa na internet meses atrás ao revelar que se endividou em mais de US$ 10 mil entre 2013 e 2016 para mostrar uma vida glamurosa no Instagram. Foram gastos com roupas, jantares e viagens, que, confessou, ocorriam quase só para as postagens na rede social e no Snapchat. A extravagância terminou com Lissette tendo de passar uma temporada na casa dos pais e arrumar um emprego para quitar as dívidas, um fardo financeiro do qual que só conseguiu se livrar depois de quase dois anos trabalhando. Ninguém nega o lado bom das redes sociais em conectar pessoas, informar e muitas vezes da...

Leia Mais

Intenção de consumo das famílias cai em outubro após duas altas, aponta CNC

O índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), divulgado nesta quinta-feira (18) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), registrou queda de 0,3% em relação ao mês anterior, após duas altas consecutivas. O resultado foi de 86,7 pontos, em uma escala de 0 a 200. O estudo mostra que, dos sete componentes do índice, quatro subindicadores registraram queda na comparação com o mês imediatamente anterior, com destaque para "Momento para Duráveis" (-3,3%) e "Perspectiva de Consumo" (-1,2%). O subíndice "Renda Atual" subiu 1%, enquanto "Nível de Consumo Atual" e "Emprego Atual" cresceram 0,3% e 0,1%, respectivamente. A lenta recuperação do mercado de trabalho, o comportamento dos juros, o elevado endividamento, a alta do dólar, os reajustes das tarifas...

Leia Mais

Ter esperança ajuda alguém a sair da pobreza?

Dizer que a esperança é a última que morre repete um dos clichês mais conhecidos, mas estar esperançoso teria, no fundo, algum poder de motivar? A resposta pode vir de lugares de pobreza extrema. Uganda é um país africano que ficou mundialmente famoso há mais de 40 anos por um ditador extravagante, Idi Amin. O país amarga 162º IDH, Ìndice de Desenvolvimento Humano, do mundo. É onde Emma Riley, uma graduanda em Economia da Universidade de Oxford, decidiu exibir um filme para estudantes para melhorar seu desempenho. O filme Rainha de Katwe, uma produção da Disney, conta a história de uma garota pobre de Uganda que tem a chance de mudar de vida ao se tornar jogadora de xadrez, mas enfrenta muitas dificuldades. É baseado na história real de Phiona Mutesi, uma famosa enxadrista ugandense que ganhou vários torneios internacionais, e repete o tempo todo uma mensagem...

Leia Mais

Reforma trabalhista facilitou contratação e demissão para 40% dos empresários, mostra pesquisa

De cada dez pequenos e médios empresários, quatro relataram que houve melhora no processo de contratação e demissão de trabalhadores após a reforma trabalhista começar a vigorar. O levantamento foi divulgado nesta segunda-feira (15) pelo Centro de Estudos de Negócios do Insper e pelo banco Santander. Segundo o estudo, 38,94% dos entrevistados afirmaram que a reforma trouxe um impacto positivo ou muito positivo nas contratações e demissões. Já 49,39% dos empresários disseram que não houve qualquer tipo de influência com a reforma, enquanto 11,67% relataram que o impacto foi negativo ou muito negativo. "Eu vejo esse dado como uma boa notícia, de que 40% dos empresários consideram a mudança trazida pela reforma trabalhista como positiva", diz o professor do Insper Gino Olivares, responsável pelo estudo. "O objetivo da reforma é de ...

Leia Mais

Trabalhar em excesso é como dirigir bêbado

Longas jornadas de trabalho aumentam os riscos de acidentes, os níveis de estresse e provocam até dor física. Mas o grande problema é que muitas pessoas simplesmente não podem evitá-las. De acordo com as últimas estatísticas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), mais de 400 milhões de pessoas trabalham 49 ou mais horas por semana, uma proporção considerável do quase 1,8 bilhão de trabalhadores em todo o mundo. Em entrevista ao New York Times, até mesmo o empresário Elon Musk, criador da Tesla, se comoveu ao contar ter passado a noite de seu aniversário de 47 anos dentro de uma fábrica. "Sem amigos, nada", disse. E provavelmente foi só mais um dia em semana de 120 horas de trabalho. "Isso realmente tem ocorrido às custas de ver meus filhos. E de ver amigos", acrescentou. Mas esgotar-se como se isso vales...

Leia Mais

Por que evitamos as informações negativas?

Muitos sustentam que quanto mais informação, melhores decisões. Ninguém discorda, mas e se as pessoas evitam certas informações caso sejam ruins? Mesmo quando saem prejudicados pela ignorância, muitos de nós evitam dada informação se for negativa. Pessoas que estão fazendo dieta, por exemplo, deixam de verificar as calorias presentes antes de comer uma sobremesa suculenta. Gestores muitas vezes também não querem saber de más notícias que contrariem suas decisões prévias. E até mesmo doentes muitas vezes tendem a evitar o diagnóstico do médico, demonstra um estudo de Russel Golman, David Hagmann e George Lowerstein, publicado no ano passado no Journal of Economic Literature. Em um experimento citado no trabalho, estudantes tinham de decidir se gostariam de saber o resultado de um exame para o vírus da herpes ou pagar US$ 10 para n&ati...

Leia Mais

Medo do desemprego cai no último trimestre, mas ainda segue alto, diz levantamento da CNI

O Índice de medo do desemprego recuou 2,2 pontos no último trimestre, passando de 67,9 pontos em junho para 65,7 pontos em setembro, informou nesta quinta-feira (4) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A entidade divulgou o resultado de levantamento que foi feito com 2.000 pessoas entre 22 e 24 de setembro de 2018, em 126 municípios do país. Apesar o medo do desemprego de ter recuado nos três últimos meses, a entidade observou que o índice permanece em patamar elevado, pois está 16 pontos acima da média histórica de 49,7 pontos. Ao mesmo tempo, a Confederação Nacional da Indústria informou que o chamado "índice de satisfação" com a vida cresceu 1,1 ponto percentual na mesma comparação, alcançando 65,9 pontos em setembro. "O índice permanece 3,8 pontos abaixo da média histórica e 7,...

Leia Mais

Faturamento e produção industrial sobem em agosto, diz pesquisa da CNI

O faturamento da indústria, assim como as horas trabalhadas na produção (indicador do nível de atividade), avançaram em agosto deste ano, ao mesmo tempo em que o emprego ficou estável e a massa salarial caiu. Os resultados foram divulgados nesta terça-feira (2), por meio dos Indicadores Industriais, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa é realizada pela entidade, em parceria com 12 federações de indústria. "Os Indicadores Industriais de agosto mostram fragilidade do mercado de trabalho e um comportamento oscilante da atividade, que prejudicam a retomada de uma trajetória de recuperação mais duradoura e consistente", avaliou a CNI. De acordo com a entidade, o faturamento real da indústria cresceu 2,4% em agosto, na comparação com o mês anterior, e avançou 5,5% na parcial dos oito primeiros meses de...

Leia Mais

Mercado sobe estimativa de inflação para 2018 e 2019

Os economistas de instituições financeiras elevaram a estimativa de inflação para os anos de 2018 e de 2019. As expectativas constam no boletim de mercado, também conhecido como relatório "Focus", divulgado nesta segunda-feira (1º) pelo Banco Central. O relatório é resultado de levantamento feito na semana passada com mais de 100 instituições financeiras. Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, o mercado financeiro elevou a estimativa de 4,28% para 4,30% para este ano. Foi a terceira alta seguida do indicador. Com isso, a expectativa do mercado segue abaixo da meta de inflação, que é de 4,5% neste ano, e dentro do intervalo de tolerância previsto pelo sistema. A meta terá sido cumprida se o IPCA ficar entre 3% e 6% em 2018. A meta de inflação é fixada pe...

Leia Mais

Na contramão da crise, setor de franquias projeta expansão de 8% em 2018 no Brasil

Enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro tem expectativa de alta de 1,35% em 2018, conforme a última projeção do mercado financeiro, o setor de franquias prevê expansão de 8% em seu faturamento e de 3% em número de unidades. É o que apontam as estimativas da Associação Brasileira de Franchising (ABF), que promove, a partir desta quinta-feira (27), a 12ª edição da Expo Franchising no Rio. Segundo a ABF, o franchising brasileiro responde por 2,4% do PIB e emprega diretamente mais de 1,2 milhão de trabalhadores. Com cerca de 2,8 mil marcas franqueadoras e mais de 140 mil unidades franqueadas espalhadas por todo o país, o setor registra um faturamento anual na casa de R$ 160 bilhões. Em meio à crise econômica, o mercado de franquias tem mostrado desempenho superior ao dos setores de comércio e serviços no país. Até junho, o franchisin...

Leia Mais

Uso de cartões cresce 13,6% no 1º semestre, aponta associação

As compras pagas com cartões no Brasil cresceram quase 14% no primeiro semestre, refletindo sinais de retomada do consumo no país e na esteira da entrada de mais competidores no setor, o que tem reduzido as taxas cobradas de lojistas. Os dados são da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). Segundo a entidade que representa a indústria de meios de pagamentos, os pagamentos com cartões de débito e de crédito entre janeiro e junho somaram R$ 720 bilhões, um aumento de 13,6% ante mesma etapa do ano passado. Por categorias, as compras com cartões de crédito cresceram 14% no primeiro semestre, para R$ 450 bilhões, enquanto com cartões de débito o avanço foi de 12,3%, para 265,4 bilhões de reais. Os cartões de crédito foram usados 4,4 bilhões de vezes pelos brasileiros, os de débito...

Leia Mais

Você não lê os manuais dos produtos? Não está sozinho

Você costuma ler os manuais de instrução, os rótulos nos alimentos ou mesmo o contrato do plano de saúde? É claro que são importantes e você devia, mas se mesmo assim a sua resposta é não, ao menos não está sozinho. Quase ninguém lê. A conclusão, publicada no Interacting with Computers Journal em 2016, levou um estudo de Alethea Blackler, Rafael Gomez, Vesna Popovic e Helen Thompson, quatro pesquisadores australianos, a conquistar na semana passada o Ig Nobel, prêmio concedido a trabalhos científicos engraçados, mas que levam a pensar. A pesquisa aborda um ponto conhecido de muitos consumidores: a ansiedade diante da quantidade imensa de recursos que os novos produtos oferecem. Seja um computador ou um microondas, novos produtos são criados com cada vez mais opções e ajustes. Fabricantes gastam tempo e dinheiro depois produzindo manuais...

Leia Mais

Após dois meses de alta, índice de confiança do empresário recua em setembro

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) recuou 0,5 ponto percentual em setembro, para 52,8 pontos, informou nesta quinta-feira (20) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador é fruto de pesquisa com 2.806 empresas do país, entre os dias 3 e 13 de setembro de 2018. A queda aconteceu após dois meses de alta. "O resultado negativo é o primeiro registrado na comparação mensal desde a forte queda de junho (-5,9 pontos, por conta da paralisação dos serviços de transporte rodoviário)", informou a CNI. Avaliou ainda que recuperação acumulada em julho e agosto (+3,7 pontos) não foi suficiente para recuperar a queda de junho. Apesar do recuo, os empresários ainda estão "confiantes". Pela metodologia da pesquisa, valores acima de 50 pontos indicam "confiança do empresário&quo...

Leia Mais

Número de inadimplentes no país recua em agosto para 61,5 milhões, aponta Serasa

O número de consumidores inadimplentes no Brasil totalizou 61,5 milhões em agosto, uma queda de 0,16% em relação ao consolidado de julho, de 61,6 milhões, diz a Serasa Experian. Trata-se do segundo recuo consecutivo após o recorde da série, registrado em junho, quando chegou a 61,8 milhões de inadimplentes. Já na comparação com os 60,4 milhões de agosto de 2017, o aumento foi de 1,82%. O montante de dívidas em agosto atingiu R$ 274 bilhões, com média de quatro dívidas por CPF, totalizando R$ 4.453 por pessoa. Bancos e cartões de crédito seguiram com a maior participação no total de dívidas atrasadas em agosto, mas registraram a maior queda, de 1,6 ponto percentual, em relação ao apurado no mês correspondente de 2017. Já contas de energia elétrica, gás e água se destacaram como a mai...

Leia Mais

Dinheiro não traz felicidade? Ganhadores de loteria provam o contrário

Um clássico estudo de 40 anos atrás dá força à tese de que ter muito dinheiro não faz ninguém mais feliz. Ao comentar para os psicólogos Philip Brickman, Dan Coates e Ronnie Janoff-Bulman como se sentiam, 22 ganhadores de loterias dos Estados Unidos não estavam mais satisfeitos com a vida do que os antigos vizinhos e até do que pessoas que ficaram paraplégicas depois de acidentes graves. O trabalho, junto com alguns outros, passou a embasar a crença de que ter muito dinheiro não é lá uma grande coisa. As pessoas mostravam que rapidamente adaptam suas expectativas sobre o que as faz felizes, não importa a nova condição financeira. Por isso o barulho que um novo trabalho vem fazendo este ano entre economistas ao dizer o contrário. Ao entrevistar ganhadores de loterias suecas, Erik Lindqvist, Robert Östling e David Cesarini não encontraram ...

Leia Mais

Pesquisa mostra que 86% dos entrevistados aceitariam salário menor para voltar ao mercado

A 5ª edição do Índice de Confiança Robert Half apontou que 86% dos profissionais desempregados entrevistados para a pesquisa estão dispostos a aceitar uma proposta salarial inferior à do último emprego para voltar ao mercado de trabalho. Para Maria Sartori, gerente sênior de recrutamento da Robert Half, neste grupo de profissionais há os que estão vendo as reservas financeiras se esgotarem e precisam retornar ao mercado de trabalho com urgência. "Porém, também vejo outros que entendem que o momento atual é de estabilidade e são raras as propostas com pacotes de remuneração agressivos”, afirma. A pesquisa mostrou ainda que 64% dos desempregados entrevistados estão confiantes de que o mercado estará melhor nos próximos seis meses: 7% estão muito confiantes, 23% apresentam alta confiança e 34% revelaram um níve...

Leia Mais

Brasil melhora em ranking de corrupção transnacional, diz Transparência Internacional

O Brasil avançou no combate à corrupção transnacional, ou seja, no combate ao pagamento de propina por empresas nacionais para autoridades do exterior, de acordo com levantamento divulgado nesta terça-feira (11) pela Transparência Internacional. O estudo analisa 44 economias que representam 80% das exportações globais. Os países são classificados em quatro categorias de acordo com os esforços empenhados para combater o pagamento de propina: aplicação ativa, aplicação moderada, aplicação limitada e pouca ou nenhuma aplicação. No relatório divulgado nesta terça-feira, o Brasil aparece no grupo dos países que adotam uma "aplicação moderada" de medidas para o combate à corrupção transnacional. No levantamento de 2015, o país ocupava o grupo dos países que com "pouca ou n...

Leia Mais

A curiosidade matou o bolso: ser curioso faz você gastar mais

A curiosidade costuma ser ressaltada, com toda razão, como uma qualidade positiva. Muitas das invenções e descobertas da história nasceram de mentes curiosas. Mas existe uma consequência inesperada: pessoas curiosas são mais gastadoras. A curiosidade nos torna mais indulgentes na hora de comprar, sugere o estudo de três pesquisadores, Kyra L. Wiggin, Shailendra P. Jain e Martin Reimann. É certo que o marketing das empresas usa a curiosidade para vender, tentando deixar os consumidores atentos aos seus produtos. Mas o trabalho, publicado no Advances in Consumer Research Journal, aponta algo diferente: a mera curiosidade sobre qualquer coisa já é o bastante para se querer gastar em algo. Eles produziram vários experimentos para demonstrar como, curiosos, nos tornamos mais indulgentes. Em um dos testes, um grupo teve de rememorar ocasiões em que ficou muito curioso. Depois foi instruído a ima...

Leia Mais

Vendas de supermercados têm ligeira alta em julho

As vendas dos supermercados em julho registraram crescimento de 1,12% em relação a junho e alta de 0,30% na comparação com o mesmo mês de 2017, informou nesta terça-feira (4) a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Segundo a entidade, as vendas acumularam crescimento de 1,91%, de janeiro a julho, na comparação com o mesmo período do ano passado, também em termos reais. Em valores nominais, as vendas do setor apresentaram alta de 1,45% na comparação com o mês de junho e, quando comparadas a julho do ano anterior, crescimento foi de 4,78%. No acumulado do ano, as vendas nominais cresceram 5,34%.  “O resultado real acumulado mostra uma desaceleração no ritmo das vendas do setor. A recuperação da economia ainda é lenta, embora a taxa de desemprego esteja em queda, ainda atinge cerca de 13 milhões de brasileiros econom...

Leia Mais

A importância de falar sobre empreendedorismo

Esses dias, estava conversando com uma amiga que queria mudar de carreira ou, quem sabe, empreender. A dúvida que ela tinha era sobre como começar. Falamos sobre algumas possibilidades, mas isso ficou na minha cabeça. A dúvida dela não era como tirar uma ideia do papel, ou como investir em determinado setor, mas como ter ideias, como se inspirar. Fiquei pensando em iniciativas que eu tive, negócios que comecei, parceria que construí e como consegui executá-las. Cheguei a algumas conclusões; uma delas é: frequentar espaços de discussão que respiram novas ideias, porque o empreendedorismo nos ajuda a, desculpe o clichê, pensar fora da caixa. Me dei conta do quanto esses espaços são importantes. Por isso, quero dividir uma iniciativa interessante da Unibes Cultural aqui. A organização está trabalhando para se tornar uma referência em empreendedorismo. ...

Leia Mais

O que seus contatos no Facebook dizem sobre você

Com mais de 2 bilhões de usuários, o Facebook é, como todos sabemos, uma maneira de estar em contato com amigos, fazer negócios, organizar eventos e participar do debate político, entre muitas atividades, etc. Mas também é um gigantesco projeto social e, para cientistas, a rede social é o maior banco de dados da história sobre comportamento humano, registrando como interagimos uns com os outros. Michael Bailey, um pesquisador do próprio Facebook, junto com Rachel Cao, Theresa Kuchler, Johannes Stroebel e Arlene Wong, professores de universidades americanas usaram os dados para estudar a forma como lidamos com nossos contatos. Os resultados estão publicados na edição atual do Journal of Economic Perspectives. Os autores criaram um Índice de Conectividade Social (SCI na sigla original), permitindo explorar as conexões que todos temos dentro da rede social. Um exemplo: onde se lo...

Leia Mais

Confiança do empresário do comércio atinge nível mais baixo em um ano, diz CNC

A confiança do empresário do comércio na economia brasileira apresenta queda pelo quarto mês seguido. O indicador, divulgado nesta terça-feira pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), atingiu o nível mais baixo em dois anos. De acordo com a entidade, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) registrou 103,7 pontos em agosto – foi o mais baixo desde agosto do ano passado, quando ficou em 103,1. Na comparação com julho, o indicador teve redução de 2,5%, na série com ajuste sazonal. O levantamento mostrou que 72% dos empresários do varejo consideram que houve deterioração significativa do cenário econômico brasileiro nos últimos meses. Segundo o chefe da Divisão Econômica da CNC, Fabio Bentes, esta percepção se deve à conjuntura...

Leia Mais

Por que procrastinamos?

Aquele amigo estava com uma tarefa no trabalho, tinha um prazo até a sexta-feira para entregar um trabalho, mas na quinta passou o dia navegando na internet. Agora, atrasado, fica se maldizendo: “Por que sou assim?” Na verdade, é humano ter em algum grau tendência à procrastinação, o que varia é o grau. Em um estudo de 2001, entre 70% e 95% de um grupo de estudantes admitiram ser procrastinadores. Atrasar as tarefas, constatam trabalhos das últimas quatro décadas, é algo mais intenso na vida estudantil. Na vida adulta, o número de procrastinadores cai e fica entre 15% e 20%. Saber a razão é mais complicado. Sigmund Freud achava que procrastinamos por medo da morte - adiar uma tarefa no fim sempre nos deixaria com algo por fazer. Já Richard Thaler avalia que procrastinamos por uma concepção, errada, de que o trabalho que teremos de fazer nunca é importa...

Leia Mais

Confiança do comércio sobe em agosto após 4 quedas consecutivas, diz FGV

A confiança do comércio no Brasil voltou a melhorar em agosto após quatro recuos seguidos diante da melhora das expectativas, segundo os dados divulgados nesta sexta-feira (24) pela Fundação Getulio Vargas. Com alta de 1,1 ponto, o Índice de Confiança do Comércio (Icom) foi a 89,9 pontos neste mês, mostrou a FGV. "A reação da confiança do comércio em agosto é tímida diante dos resultados negativos recentes. As empresas continuam avaliando a situação atual de forma desfavorável, mas já esboçam uma melhora nas expectativas em relação aos próximos meses", disse o coordenador da FGV/IBRE, Rodolpho Tobler, em nota. O Índice da Situação Atual (ISA-COM) recuou 0,8 ponto, para 85,7 pontos no mês, atingindo o menor nível em oito meses, mas o Índice de Expectativas (IE-COM) avan&...

Leia Mais

Com incerteza eleitoral, risco-país do Brasil é o 2º que mais cresce na América Latina

Ainda sem ter se recuperado da crise, a economia brasileira sofre também os efeitos do calendário eleitoral. Diante da indefinição sobre o próximo governo - e, consequentemente sobre a política econômica a ser adotada a partir do próximo ano - vem crescendo a percepção de risco dos investidores internacionais em relação à economia brasileira. Entre as principais economias latino-americanas, o risco do Brasil só subiu menos que o da Argentina. O dólar em alta é o indicativo mais visível do crescimento da desconfiança dos investidores em relação ao Brasil. Na segunda-feira, a moeda dos EUA fechou no maior valor em mais de 2 anos, a R$ 3,95, enquanto investidores buscavam destinos mais seguros que o Brasil para o seu dinheiro. Todos os países emergentes têm sofrido com a piora das condições da economia mundial. O que te...

Leia Mais

Dinheiro faz você sentir menos dor

Na sala, a tarefa não era nada agradável. Jovens estudantes mergulhavam a mão em água quente. A temperatura, de 50º, era motivo de dor, mas não a mesma dor para todos. Alguns reclamaram menos do desconforto do que os outros. O experimento, conduzido por Kathleen Vohs, queria saber a razão. A psicóloga americana e professora da Carlson School of Management tem se notabilizado com pesquisas sobre como nos relacionamos com um elemento importante da vida de todo mundo: o dinheiro. O objetivo do estudo, realizado em parceria com Xinyue Zhou e Roy Baumeister, era responder a uma questão: o dinheiro é capaz de aliviar a dor? Por isso, antes de mergulhar a mão na água, metade dos estudantes - eram 96 no total - contou algumas notas de yuan, a moeda chinesa. Outros manipularam pedaços comuns de papel. Minutos depois, com a mão mergulhada na água quente, todos tinham de avaliar quanta dor...

Leia Mais

Desemprego entre os jovens é superior ao dobro da taxa geral, aponta IBGE

Em tempos de desemprego em alta, a falta de experiência faz com que os jovens sejam os que mais sofrem com o reduzido número de vagas. Dados do mercado de trabalho divulgados nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que, entre os trabalhadores entre 18 e 24 anos, a taxa de desemprego é mais que o dobro da taxa da população em geral. Enquanto a taxa geral ficou em 12,4% no segundo trimestre, entre os jovens esse percentual salta para 26,6%. "Essa taxa é muito maior entre os jovens por conta das barreiras que são impostas a ele para ingressar no mercado de trabalho. Capacitar uma pessoa para o mercado de trabalho custa caro. Por isso o mercado tende a buscar quem já tem experiência profissional", explica Cimar Azeredo, que gerencia a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). De acordo com o levantamento, a maior taxa de desemprego, no ent...

Leia Mais

BNDES registra lucro líquido de R$ 4,76 bilhões no primeiro semestre

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$ 4,76 bilhões no primeiro semestre de 2018. Segundo dados divulgados nesta segunda-feira (13) na sede do banco, no Centro do Rio de Janeiro, o crescimento é de 253,9% em comparação com o primeiro semestre do ano passado. O presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, atribuiu o lucro ao resultado bruto com intermediação financeira, que foi de R$ 6,5 bilhões. O valor foi afetado, conforme comunicado do banco, pela redução de R$ 4,69 bilhões (98,3%) da despesa com provisão para risco de crédito. Houve, ainda, influência de resultado bruto com participações societárias em R$ 4,10 bilhões (189,3%). Em relação ao desempenho positivo com participações societárias, o BNDES divulgou que houve reflexo de crescimento de R$ 2,28 bilh&ot...

Leia Mais

Crise faz crescer diferença salarial por anos de estudo

Ter um diploma de curso superior não é garantia de emprego, mas coloca o trabalhador em vantagem salarial cada vez maior. Um trabalhador com ensino superior completo recebe, em média, 5,7 vezes o rendimento de um brasileiro com até um ano de estudo. O aumento dessa disparidade é mais um dos efeitos perversos provocados pela crise econômica: os brasileiros que foram para a escola por menos tempo têm sido os mais prejudicados pela piora no mercado de trabalho. Atualmente, um trabalhador com ensino superior completo tem um rendimento médio de R$ 4.911,66, enquanto um brasileiro com até um ano de estudo ganha R$ 859,81. A diferença entre os rendimentos dos dois grupos, de 471%, é maior do que foi no ano passado, de 443%. Mas já foi ainda pior: em 2012, os mais escolarizados ganhavam em média quase 500% mais que os que tinham até 1 ano de estudo. E não piorou só para quem tem ...

Leia Mais

A economia pune os solteiros?

Suponha que você é dono de um apartamento. Há três candidatos ao aluguel e você deve escolher entre um casal, dois namorados que vivem juntos ou dois amigos, um homem e uma mulher, que há seis anos dividem o mesmo endereço. Entre eles, quem é o candidato mais provável a bagunçar o local, fazer barulho no horário de silêncio, pagar o aluguel atrasado e romper o contrato? Quem deve ficar com o apartamento? Se você respondeu “os solteiros” para a questão inicial e o casal para a segunda, não está sozinho. Foi o mesmo resultado de um experimento, publicado em 2007 no Group Processes & Intergroup Relations Journal, comprovando o que Bella DePaulo suspeitava. O trabalho da psicóloga, realizado ao longo das últimas quatro décadas, aborda uma faceta pouco explorada da ciência comportamental: a maneira como vemos tanto casados e, principalmente...

Leia Mais

No Brasil, 9 em cada 10 pessoas dizem que uso de cadeira de rodas já trouxe problemas no trabalho, diz pesquisa

No Brasil, 92% das pessoas que utilizam cadeira de rodas ou outro dispositivo de mobilidade relatam já ter vivenciado alguma consequência negativa na vida profissional em decorrência do uso desses equipamentos. É o que aponta uma pesquisa feita pela Toyota Mobility Foundation, uma entidade criada pela Toyota para discutir temas ligados à mobilidade. O levantamento foi feito com 575 pessoas que usam cadeira de rodas ou outro dispositivo de mobilidade no Reino Unido, EUA, Índia, Brasil e Japão. A proporção de 92% de pessoas que fazem relatos de dificuldades no mercado de trabalho em virtude do uso da cadeira de rodas é maior que a média entre os cinco países, de 89%. Entre os profissionais brasileiros, a dificuldade mais citada foi a necessidade de reduzir o número de horas trabalhadas por dia devido às dificuldades de acesso. Essa situação foi relatada por 45% dos entrevis...

Leia Mais

No escurinho do restaurante: comer na penumbra faz você ingerir mais calorias

O casal saiu para jantar. Era uma noite romântica e o local, um bistrô charmoso e pouco iluminado. Eles escolheram um lugar em um canto discreto, pediram a bebida e então examinaram o cardápio. A luz ambiente terá alguma influência na decisão de pedir ou não pratos mais calóricos? A pergunta serviu como ponto de partida para quatro pesquisadores - Dipayan Biswas, Courtney Szocs, Brian Wansink e Roger Chacko. Todos são autores de alguns estudos sobre como comemos e a influência do restaurante sobre nossas decisões de consumo. O comércio costuma usar a iluminação para ressaltar produtos e vender mais. Já é documentado também como sons, odores e até a aparência do chão e a altura do teto influenciam os pedidos dos clientes dos restaurantes, mas até agora ninguém havia dado atenção à iluminação. ...

Leia Mais

Dia dos pais deve movimentar R$ 14 bilhões este ano, mostra pesquisa

O dias dos pais deve movimentar R$ 14 bilhões neste ano, segundo levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Pela pesquisa, 61% dos brasileiros devem ir às compras, seis pontos percentuais a mais do que o verificado no ano passado. Em média, os brasileiros pretendem desembolsar R$ 150 com os presentes e 40% estimam gastar a mesma quantia de 2017. Outros 16% pretendem desembolsar menos e 32% vão gastar mais do que em 2017. O dinheiro é utilizado por 53% dos consumidores e é o meio de pagamento preferido. O cartão de crédito parcelado (24,7%) aparece em segundo lugar, seguido do cartão de débito (21,8%). "É importante respeitar o tamanho do próprio bolso, planejar os gastos e fazer muita pesquisa de preço, dando prioridade ao pagamento à vista",...

Leia Mais

Copom deve manter pela terceira vez consecutiva taxa básica de juros em 6,5% ao ano, aposta mercado

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve manter, nesta quarta-feira (1º), os juros básicos da economia em 6,50% ao ano, de acordo com a previsão da maior parte dos economistas do mercado financeiro. Se a estimativa se confirmar, essa será a terceira manutenção seguida da taxa Selic, que, mesmo assim, continuará no menor nível da série histórica do Banco Central – que teve início em 1986. O mercado financeiro avalia ainda que os juros devem permanecer em 6,5% ao ano até o fim de 2018. Para o fechamento do próximo ano, porém, a estimativa dos economistas para os juros básicos está em 8% ao ano. Ou seja, a expectativa é de alta nos juros em 2019. Em junho, Copom manteve Selic em 6,5% ao ano; se previsão de economistas se confirmar, taxa de juros será mantida nesta quarta-feira A definição ...

Leia Mais

Preço médio da gasolina e do diesel nas bombas termina a semana em queda

Os preços médios por litro da gasolina e do diesel terminaram a semana em queda, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (27) pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP). Para a gasolina, a queda foi e 0,24% no preço médio, passando de R$ 4,50 por litro para R$ 4,489. O valor representa uma média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos, e, portanto, os preços podem variar de acordo com a região. Na mesma semana, a Petrobras elevou o preço da gasolina nas refinarias em R$ 0,01, ou cerca de 0,36%, seguindo sua política de preços que reajusta os valores quase diariamente com o objetivo de acompanhar as cotações internacionais. O repasse ou não para o consumidor final depende dos postos. No ano, o preço da gasolina para o consumidor final acumula alta de 9,5% - bem acima da inflação esperada par...

Leia Mais

PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 3,4% em 2018, prevê Cepea

O PIB do agronegócio, que responde por pouco mais de 20% da atividade econômica do Brasil, deverá crescer 3,4% em 2018, impulsionado por uma retomada da atividade da agroindústria, estimou nesta quinta-feira (26) o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP. O crescimento deverá ser menor que o apontado no ano passado, quando o PIB do agronegócio saltou 7,6% com a força do setor primário turbinado por uma safra recorde de vários produtos, como soja e milho. Mas, ainda assim, a estimativa para este ano indica que o PIB do agronegócio ficará acima do que deve crescer a economia brasileira como um todo (1,5%, segundo a última pesquisa Focus, do Banco Central), em meio aos efeitos de uma greve histórica de caminhoneiros, em maio. O resultado do setor primário do agronegócio em 2018 deve limitar um crescimento maior do PIB do setor, apesar de um...

Leia Mais

Confiança do comércio cai em julho e atinge menor nível desde agosto de 2017

O índice de confiança do comércio da Fundação Getulio Vargas (FGV) recuou 0,8 ponto em julho, de 89,6 pontos, para 88,8 pontos, atingindo o menor nível desde agosto de 2017 (84,4 pontos). Trata-se da quarta queda mensal seguida no indicador. "O resultado negativo de julho sugere que o setor continua perdendo o fôlego da recuperação que vinha ocorrendo até o início do ano. A avaliação desfavorável sobre a demanda e a vagarosa retomada do mercado de trabalho contribuíram para a piora da percepção sobre a situação atual. Os resultados indicam que os empresários do setor continuarão cautelosos nos próximos meses, sob influência dos níveis elevados de incerteza política e econômica”, afirma Rodolpho Tobler, coordenador da sondagem. O Índice de Situação Atual caiu 0,7 ponto, par...

Leia Mais

Truques do restaurante: por que homens comem mais em grupo?

O Food Lab da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, é um dos centros mais interessantes de pesquisa comportamental, produzindo estudos a respeito de como comemos ou nos comportamos no restaurante. É a fonte, por exemplo, do trabalho que mostra que, diante de um garçom acima do peso, as pessoas são mais propensas a pedir a sobremesa. O objetivo agora era saber por que homens são mais glutões quando comem em grupo. Para investigar a hipótese, Kevin Kniffin e Brian Wansink montaram dois experimentos. O trabalho foi publicado em 2016 na Frontiers of Nutrition. Nos Estados Unidos, competições de gosto discutível de quem come mais comida são populares, com prêmios para os vencedores que chegam a 10 mil dólares. Todo ano, por exemplo, a TV exibe o famoso Concurso de Comer Cachorro-Quente. O primeiro teste envolveu 19 estudantes. Oito deles - quatro homens e quatro mulheres - iriam disputa...

Leia Mais

Cai número de brasileiros que preferem usar o dinheiro para pagamentos, diz pesquisa do BC

A maior parte dos brasileiros ainda prefere pagar suas compras com dinheiro, mas o uso dessa forma de pagamento vem caindo nos últimos anos, aponta pesquisa divulgada pelo Banco Central nesta quinta-feira (19). De acordo com o estudo, 60% dos entrevistados responderam que o dinheiro é a forma de pagamento utilizada com maior frequência. Na pesquisa anterior, divulgada pelo BC em 2013, esse índice era de 78%. O BC informou ainda que 4% dos entrevistados neste ano disseram que nunca usam dinheiro ou moedas para pagar compras. Em 2013, 100% disseram que o dinheiro era uma das formas utilizadas. Já o preferência pelo cartão de débito e de crédito aumentou: passou de 9% para 22%, no caso do cartão de débito; e de 12% para 15%, no caso do cartão de crédito. A pesquisa de 2018 do BC foi feita no mês de abril e ouviu 2 mil pessoas, sendo mil dos entrevistados da população em...

Leia Mais

Pedidos de recuperação judicial sobem 10% no 1º semestre, diz Serasa

O número de pedidos de recuperação judicial no Brasil cresceu 10% no primeiro semestre em comparação com o mesmo período de 2017, segundo dados divulgados pela Serasa. Entre os meses de janeiro e junho de 2018, 753 empresas entraram com pedido de recuperação judicial, contra 685 casos registrados no ano passado. É o segundo maior número para esse período, ficando atrás apenas do registro de 2016, quando 923 empresas entraram com pedido de recuperação judicial perante a justiça brasileira. Segundo a Serasa, entre os fatores que levam uma empresa a entrar com pedido de recuperação judicial estão a diminuição de seu fluxo de caixa e aumento de seu endividamento.

Leia Mais

Uso do eSocial passa a ser obrigatório para todas as empresas

Entra em vigor nesta segunda-feira (16) a obrigatoriedade de adesão ao eSocial para todas as empresas. O sistema deve ser usado para registrar informações de empregados e de eventos como férias e horas extras. Desde o dia 8 de janeiro, as empresas com faturamento anual superior a R$ 78 milhões já estão obrigadas a utilizar o eSocial. Já os entes públicos só terão que aderir ao sistema a partir de 14 de janeiro de 2019. De acordo com a Receita Federal, a determinação inclui as micro e pequenas empresas e as cadastradas no MEI. O governo estima que a implantação do eSocial pode aumentar a arrecadação em R$ 20 bilhões por ano só por eliminação de erros, que levam as empresas a pagarem menos do que o devido. Antes, somente patrões de empregados domésticos estão obrigados a usar o eSocial para o registro dessas a&cce...

Leia Mais

Grandes economias emergentes serão as mais prejudicadas se as tarifas comerciais subirem, diz OCDE

Grande economias emergentes como a China e a Índia sofrerão mais do que os países desenvolvidos se as tarifas de comércio retornaram aos níveis de 1990, disse a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta quinta-feira (12) em uma atualização de suas projeções econômicas de longo prazo. A OCDE estimou que as tarifas de importação mais altas vão gradualmente tirar meio ponto percentual do crescimento real do PIB global. Até o fim do horizonte de previsão da OCDE em 2060, isso deixará os padrões de vida média mundiais cerca de 14% mais baixos do que seria de se esperar. No entanto, Brasil, Rússia, Índia, Indonésia e China poderiam esperar uma perda de 18% do PIB real per capita até 2060, projetou a OCDE. Os 36 países desenvolvidos pertencentes à OCDE ver&...

Leia Mais

Senado autoriza retorno de até 470 mil empresas ao Simples Nacional

Senado aprovou nesta terça-feira (10), por unanimidade, um projeto que permite o retorno, ao Simples Nacional, de micro e pequenas empresas que foram excluídas do regime em janeiro deste ano por causa de dívidas tributárias. Segundo o relator da proposta, José Pimentel (PT-CE), o texto pode beneficiar até 470,9 mil empresários. De imediato, estima Pimentel, 215 mil terão condições de retornar ao programa. A proposta tem origem na Câmara dos Deputados e, como foi aprovada pelos senadores sem modificações no conteúdo, segue para a sanção do presidente Michel Temer. O Simples Nacional é um regime de arrecadação, cobrança e fiscalização de impostos que unifica oito impostos municipais, estaduais e federais em uma guia de pagamento. A medida foi criada há mais de 10 anos com o objetivo de desburocratizar o pagamento de im...

Leia Mais

Preços da gasolina e do diesel caem pela 5ª semana seguida, diz ANP

O preço médio da gasolina e do diesel para o consumidor final caíram pela 5ª semana seguida, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (6) pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP). Já o valor médio do etanol nas bombas teve a 4ª queda seguida. Segundo o levantamento de preços da ANP, o preço da gasolina teve leve recuo de 0,66%, terminando a semana a R$ 4,495 por litro. O valor representa uma média calculada pela ANP, que verifica os preços em diversos municípios. Eles, portanto, podem variar de acordo com o local. No acumulado do ano, o preço médio da gasolina para o consumidor tem alta de 9,66%. Nesta semana, a Petrobras elevou o preço da gasolina nas refinarias em aproximadamente 2,8%, seguindo sua política de preços adotada há 1 ano que reajusta os valores quase diariamente. O objeti...

Leia Mais

Para o ajuste fiscal ganhar apoio, 'situação vai ter que piorar', diz diretor do Ibre/FGV

Sem ajuste fiscal, o Brasil dificilmente retomará um ciclo positivo de crescimento econômico. A afirmação, abraçada por boa parte dos economistas do país, é também defendida pelo diretor do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Luiz Guilherme Schymura. Ele avalia, no entanto, que o quadro da economia nacional precisa piorar mais para que haja maior apoio às reformas necessárias para ajustar as contas públicas. "No meu modo de entender, eu acho que a situação vai ter que piorar um pouco para começar a se ter um apoio maior para que esse ajuste fiscal saia no nível necessário", disse Schymura. Para o economista, todos os gestores públicos concordam que o ajuste fiscal precisa ser feito. Porém, afirma que "há dificuldade de convencimento da classe política e da sociedade da urgê...

Leia Mais

Balança comercial registra superávit de US$ 30 bi no primeiro semestre deste ano

O Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC) informou nesta terça-feira (3) que a balança comercial registrou superávit de US$ 30 bilhões no primeiro semestre deste ano. Ao todo, segundo o governo federal, as exportações somaramUS$ 113,8 bilhões nos primeiros seis meses deste ano (melhor resultado desde 2013), e as importações, US$ 83,7 bilhões (melhor resultado desde 2015). O desempenho neste período é o segundo melhor da série histórica do MDIC, iniciada em 1989. O melhor resultado registrado até hoje é o do primeiro semestre de 2017, quando o superávit foi de R$ 36,2 bilhões. De acordo com o MDIC, a balança comercial registrou superávit de US$ 5,8 bilhões em junho deste ano. Este é o segundo melhor desempenho da série histórica para o mês de junho, atrás somente...

Leia Mais

Brasil levará dez anos para recuperar nível de emprego e renda pré-crise, diz Firjan

Brasil vai demorar uma década para retomar o nível de emprego e renda do período pré-crise econômica. É o que revela o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) divulgado nesta quinta-feira (28) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). O IFDM de Emprego e Renda do país ficou em 0,4664 em 2016, 7,6% acima do ano anterior (0,4336), mas 14,6% abaixo de 2013 (0,5461), ano que antecede o início da recessão econômica que deteriorou o mercado de trabalho brasileiro. Mesmo se voltar a crescer 1,5% ao ano – a melhor média de crescimento da série histórica do indicador – o índice só voltará ao patamar de 2013 em 2027. "O que a gente consegue perceber é que tivemos mais de uma década perdida para o desenvolvimento do mercado de trabalho. Este é um cenário bastante alarmante...

Leia Mais

Temer: País voltou a crescer, a gerar renda e atividade agrícola é um dos motores

O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira (26) durante anúncio de recursos para a safra 2018/2019 da Agricultura Familiar, que a atividade agrícola é um dos motores responsáveis pela retomada do crescimento e da geração de renda do país. "Ao assumir, encontramos o país em grande recessão e com graves consequências sociais. O Brasil voltou a crescer, a gerar renda e a atividade agrícola é um dos motores", afirmou, em cerimônia encerrada nesta tarde no Palácio do Planalto. No evento, o presidente afirmou que agricultura familiar é a base econômica da maior parte de municípios do Brasil. O país tem 40 milhões de pequenos agricultores, que representam 84% dos estabelecimentos rurais e responsáveis pela produção de 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros. Segundo a Sead (Secretaria Especial de...

Leia Mais

BC diz que manterá na próxima semana intervenção no mercado de câmbio para controlar dólar

Banco Central informou nesta sexta-feira (22) que continuará ofertando na próxima semana contratos de "swap cambial" (venda de dólares no mercado futuro) a fim de “prover liquidez e contribuir para o bom funcionamento do mercado de câmbio”. Os contratos de swap cambial fazem parte da estratégia do BC para controlar o avanço do dólar, que fechou em alta nesta semana. Nesta sexta-feira, a moeda norte-americana subiu 0,5%, cotada a R$ 3,7811. Na mínima do dia, a cotação chegou a R$ 3,7373 e na máxima, a R$ 3,7871. Na semana, a alta foi de 1,4%. O dólar turismo era vendido perto de R$ 3,94, sem considerar o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Em nota, o BC informou que “não vê restrições para que o estoque de swaps cambiais exceda consideravelmente os volumes máximos atingidos no passado”. O Banco Central ...

Leia Mais

Economia cresce 0,1% em abril, diz monitor do PIB da FGV

A economia brasileira subiu 0,1% em abril na comparação com março, segundo dados do Monitor do PIB-FGV, divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta terça-feira (19). Em relação ao trimestre findo em abril de 2017, atividade econômica cresceu 1,3%, e na comparação com o mesmo mês do ano passado, o crescimento foi de 2,9%. Já no trimestre terminado em abril, na comparação com o terminado em janeiro, houve retração de 0,4%. O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Pela ótica da oferta, na comparação com o trimestre findo em abril de 2017, à exceção da agropecuária, que apresentou variação negativa de 3,6%, indústria e serviços apresentaram as maiores ...

Leia Mais

Greve e incerteza política impactam carga de energia em maio, que fica estável

Um movimento de elevação gradual na carga de energia do Brasil que sinalizava retomada da atividade econômica foi interrompido em maio, em meio a impactos de uma greve de caminhoneiros sobre a demanda e com incertezas políticas e econômicas, apontou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) em boletim nesta sexta-feira (15). A carga, que representa a soma do consumo de eletricidade com as perdas na rede, havia subido em março e abril após cair em fevereiro, devido ao Carnaval, mas avançou apenas 0,1% em maio ante o mesmo mês do ano passado. "O comportamento da carga do sistema, que vinha apresentando sinais de crescimento em decorrência da retomada da economia, teve seu desempenho impactado pelo cenário do mercado externo e pelas incertezas econômicas e políticas", afirmou o ONS, ressaltando também os efeitos da paralisação de caminhoneiros nas úl...

Leia Mais

Dados do IBGE mostram retomada mais forte da economia em abril

O desempenho da economia em abril, o primeiro mês do segundo trimestre, foi bem melhor do que se esperava. A indústria cresceu 0,8% em relação a março. De janeiro a abril, cresceu 4,5%. No varejo, as vendas expandiram 1%, depois de terem aumentado 1,1% em março. No ano, alta de 3,4%. E os dados divulgados nesta quinta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o setor de serviços cresceu 1% também em abril, o primeiro resultado positivo do ano. Olhando para os dados dos três setores, observa-se que o desempenho positivo em abril foi generalizado nos três setores, o que não vinha acontecendo até março. Portanto, a recuperação espalhou-se pela economia, sinal de uma retomada mais consistente. A grande dúvida é como será daqui para frente, depois que a greve de 11 dias dos caminhoneiros paralisou a economia. Os comp...

Leia Mais

Ministério da Fazenda diz que greve dos caminhoneiros causou prejuízo de R$ 15,9 bilhões à economia

O Ministério da Fazenda informou nesta terça-feira (12) que calcula em R$ 15,9 bilhões o prejuízo à economia provocado pela greve dos caminhoneiros. Segundo o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fábio Kanczuc, a estimativa de R$ 15,9 bilhões abrange todos os efeitos da crise para a economia, como a queda na produção industrial e na arrecadação tributária. A categoria paralisou as atividades e fechou rodovias do país durante 11 dias no final de maio. Os caminhoneiros reivindicavam, entre outros pontos, valor mínimo para o frete e redução no preço do óleo diesel. Durante a greve, houve crise de abastecimento em todo o país. Faltaram combustível nos postos de gasolina e alimentos em mercados e feiras. Por escassez de querosene de aviação, aeroportos deixaram de funcionar. A gr...

Leia Mais

Usar um ritual faz você consumir mais

O menino não gostava de bolo. Mas se era a festa de aniversário de um colega, não recusava e até comia uma fatia. Já o pai comia bolo normalmente, mas, diante de um biscoito recheado, não resistia a abri-lo ao meio e comer primeiro o recheio. Longe de ser mera maluquice, rituais, mesmo simples, ajudam a realçar o sabor de um petisco. O prazer se intensifica e você aproveita mais. Mas a dúvida de três professores, Kathleen Vohs, Yajin Wang (ambos da Universidade de Minnesota) e Francesca Gino (Harvard), era outra: será que rituais também aumentam o consumo? Para descobrir, eles realizaram quatro testes em 2013. No primeiro experimento, 52 estudantes foram divididos em dois grupos. Os participantes do primeiro grupo tiveram de quebrar um chocolate em dois ainda na embalagem, então abrir cada pedaço e comer. O segundo grupo apenas abriu o chocolate e comeu. Cada grupo tinha de apertar um ...

Leia Mais

Guardia: Tesouro tem caixa de R$ 750 bilhões para enfrentar crise

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse ao blog nesta quinta-feira (7) que o Tesouro Nacional tem reserva de caixa disponível (colchão de liquidez) de R$ 750 bilhões para enfrentar a volatilidade do mercado financeiro, que neste momento provoca alta de juros no mercado futuro. O Tesouro mantém esse caixa para gerenciar a dívida pública. Com essa reserva, pode recomprar títulos da dívida que estão em mercado e, ao mesmo tempo, não colocar novos títulos em mercado. Com isso deixa de pressionar a taxa de juros, que vem subindo nos últimos dias. "Vamos retirar o risco de mercado e esperamos que a situação normalize", disse o ministro. Eduardo Guardia afirmou que as metas fiscais serão rigorosamente cumpridas, apesar dos gastos adicionais decorrentes do acordo para reduzir o preço do óleo diesel. "Tudo que houve de aumento de gastos foi comp...

Leia Mais

Banco Mundial prevê crescimento de 3,1% da economia global em 2018

O Banco Mundial (Bird) prevê que a economia global terá um "avanço robusto" de 3,1% em 2018, puxado pelos mercados emergentes. Por outro lado, o órgão estima que os próximos dois anos terão uma desaceleração liderada pelos países avançados, informou seu último relatório nesta terça-feira (5). O órgão manteve a previsão de crescimento do PIB brasileiro em 2,4% este ano, feita em abril. Para 2019 e 2020, o Bird estima que a atividade econômica brasileira vai avançar 2,5% e 2,4%, respectivamente. "A recuperação cíclica em andamento no Brasil deverá continuar, com previsão de crescimento acima de 2% este ano e em 2019", diz o relatório. Segundo o relatório, a atividade nas economias avançadas deverá aumentar 2,2% em 2018 antes de chegar a uma expansão menor, de 2%...

Leia Mais

Dar prêmios em dinheiro funciona? Depende do valor

Uri Gneezy é um dos mais criativos neuroeconomistas da atualidade, com estudos que vão de entender se as multas funcionam ou não às diferenças de gênero. Quase sempre tem a companhia do Aldo Rustichini. Os dois agora queriam resolver uma antiga questão entre economistas tradicionais e comportamentais. Os primeiros dizem que pagar recompensas em dinheiro melhora o desempenho das pessoas. Mas os economistas comportamentais dizem o contrário. Quem tem razão? Muitas empresas adotam incentivos em dinheiro, como bônus e prêmios por metas e comissões para os funcionários na crença de que são um estímulo para que trabalhem melhor. Os benefícios às vezes incluem viagens e outras vantagens. A prática existe em outras áreas. O Jabuti, principal prêmio literário do país, por exemplo, acaba de anunciar o valor de R$ 100 mil para o livro d...

Leia Mais

Novas regras para o cartão de crédito começam a valer nesta sexta-feira

Começam a valer nesta sexta-feira (1º) as novas regras para o cartão de crédito. As medidas foram aprovadas no fim de abril pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e buscam diminuir as taxas de juros cobradas nessa modalidade de crédito. A principal mudança foi o fim da regra que fixava o pagamento mínimo das faturas em 15% do valor total. A partir de agora, cada banco ou empresa (lojistas e empresas de seguro, por exemplo, que também emitem cartões) poderá definir um percentual de pagamento mínimo para cada cliente, de acordo com o perfil dele e relacionamento com a instituição. Também acabou a possibilidade de cobrança de duas taxas de juros diferentes para quem deixa de pagar a fatura total: a do rotativo "regular" e a do rotativo "não regular". Os juros do rotativo regular, mais baixos, são cobrados daqueles clientes que quitam pelo...

Leia Mais

Governo não tem recursos para baixar tributos sobre gasolina e gás de cozinha, diz Guardia

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta terça-feira (29) que o governo não tem recursos orçamentários para baixar a tributação sobre a gasolina e sobre o gás de cozinha, como está propondo fazer com o diesel. No domingo (27), o presidente Michel Temer anunciou novas medidas para tentar pôr fim à greve dos caminhoneiros, que chegou ao nono dia. Entre elas está a redução de R$ 0,46 no valor do litro de diesel. Parte desse desconto (R$ 0,16) virá do corte da Cide e redução do PIS-Cofins sobre o diesel. Os outros R$ 0,30, para chegar aos R$ 0,46, virão do subsídio do governo, que na prática é uma compensação à Petrobras, para manter por mais tempo a decisão da empresa de aplicar desconto de 10% no valor do litro do diesel. A estimativa do governo é que esse subsídio vai custar R$ 9,5 bilh&...

Leia Mais

Starbucks fecha 8 mil lojas nos EUA para treinamento contra racismo nesta terça-feira

Starbucks vai fechar 8 mil lojas próprias na tarde desta terça-feira (29) para treinar cerca de 175 mil funcionários sobre como evitar a discriminação racial. O treinamento ocorre depois que a prisão de dois homens negros no dia 12 de abril em um de seus cafés na Filadélfia despertou acusações de discriminação racial contra a empresa. A prisão dos dois rapazes, que esperavam um amigo, foi filmada e gerou condenação generalizada à empresa nas redes sociais, protestos em frente à unidade e convocação de boicote à rede. "Embora não se limite à Starbucks, estamos comprometidos em sermos parte da solução", declarou o presidente da empresa, Kevin Johnson, na ocasião. Rashon Nelson e Donte Robinson fecharam com a Starbucks e a cidade da Filadelfia um acordo simbólico no qual receberam uma ind...

Leia Mais

Maia e Eunício anunciam acordo com o governo federal para 'zerar' tributos de combustíveis

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), anunciaram nesta terça-feira (22) que chegaram a um acordo com o governo federal para tentar minimizar o impacto do aumento dos combustíveis ao consumidor. Segundo os parlamentares, pelo acordo, o governo irá reduzir tributos que incidem sobre os combustíveis e, em troca, o Congresso aprovará o projeto da reoneração da folha de pagamentos prevendo que os recursos provenientes do texto sejam utilizados para compensar a perda da arrecadação. De acordo com o colunista do G1 Valdo Cruz, interlocutores do Ministério da Fazenda confirmaram a negociação com os presidentes da Câmara e do Senado e explicaram que, no caso do diesel, a proposta é zerar a cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide). Pode haver "Eu est...

Leia Mais

Brasil cria 115 mil empregos formais em abril, melhor resultado para o mês em cinco anos

A economia brasileira gerou 115.898 empregos com carteira assinada em abril, segundo números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta sexta-feira (18) pelo Ministério do Trabalho. É o melhor resultado para o mês desde 2013, quando foram abertas 196.913 vagas formais. Ou seja, foi o melhor resultado para abril em cinco anos. Quando o país cria vagas de trabalho em um determinado período, significa que as contratações superaram as demissões. Em abril, foram registradas 1.305.225 contratações e 1.189.327 desligamentos. Por meio de sua conta no Twitter, o presidente Michel Temer comemorou o resultado. "É inquestionável. Tivemos cerca de 115 mil empregos de carteira assinada criados em abril. Os defensores da crise perderam. O otimismo voltou", declarou. No ano de 2017 fechado, a economia brasileira fechou 20.832 postos de trabalho formais. Foi o te...

Leia Mais

Dólar em alta leva BC a segurar juro

Uma frase do comunicado divulgado pelo Banco Central explica a decisão do Copom de manter inalterada a taxa básica de juros: "O cenário externo tornou-se mais desafiador e apresentou volatilidade". Ou seja, a pressão sobre as cotações do dólar, que se acentuou nos últimos dias, levou a o Banco Central a pisar no freio. Até porque, em tudo o mais não houve alteração: inflação muito baixa e atividade econômica esfriando antes mesmo de aquecer. A alta de juros nos Estados Unidos e com a moeda se valorizando em relação às demais, mudou a direção do vento para o Brasil e países emergentes. Ficou difícil andar na contramão: reduzir o juro aqui no Brasil enquanto aumenta na principal economia do planeta. Ao manter a taxa de juros nesta quarta-feira (16), o Banco Central sinaliza que está vendo mais turbu...

Leia Mais

Alta do dólar é movimento internacional e Brasil não está 'imune', diz ministro da Fazenda

  A alta do dólar registrada nos últimos dias é um "movimento internacional" e o Brasil não está imune a ele, afirmou nesta terça-feira (15) o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, a jornalistas. Nesta terça, o dólar operou em alta diante da incerteza eleitoral no país e do temor de que os juros nos Estados Unidos subam mais do que esperado neste ano. Na véspera, a moeda dos Estados Unidos fechou no maior nível em mais de 2 anos. "Vejo [a valorização] como uma tendência internacional de fortalecimento do dólar. Se olharmos para os países emergentes, ou para as principais moedas, estão se desvalorizando em relação ao dólar", declarou Guardia. Questionado sobre as medidas que o governo pode adotar para controlar a disparada da moeda norte-americana, o ministro disse que a melhor resposta do governo é persist...

Leia Mais

Após trégua, dólar avança e fecha a R$ 3,60 pela 1ª vez em quase 2 anos

O dólar voltou a fechar em alta após ter dado uma trégua a uma sequência de altas, e alcançou o patamar de R$ 3,60 nesta sexta-feira (11) pela primeira vez em quase dois anos. O mercado buscou a moeda para se proteger de um cenário instável no exterior, com a disparado do petróleo, e também de incerteza sobre o ciclo de queda da taxa de juros no Brasil. A moeda dos Estados Unidos avançou 1,55% sobre o real, a R$ 3,6011. Veja mais cotações. Já o dólar turismo era vendido a R$ 3,76. A última vez que o dólar encerrou a sessão acima deste patamar foi em 31 de maio de 2016, quando foi cotado a R$ 3,6142. Na semana, a moeda acumulou alta de 2,20% e, no mês de amio, sobe 2,81%. Desde o início do ano, o dólar tem valorização de 8,68%. O dólar turismo era vendido a R$ 3,76. Na quinta-feira (10), a moeda terminou o dia em queda de...

Leia Mais

Governo não cogita abrir mão de impostos para conter alta de preço dos combustíveis, diz ministro da Fazenda

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta quinta-feira (10) ao G1 que não há possibilidade neste ano de o governo abrir mão de parte da arrecadação de impostos para conter a alta de preço dos combustíveis. Embora os tributos correspondam a 45% do preço da gasolina, segundo dados da Petrobras, o ministro afirmou que, devido à crise fiscal, não há espaço para diminuir o peso dos impostos na composição do preço dos combustíveis. "Infelizmente, neste ano, dada a situação fiscal que todos conhecem, não estamos discutindo nenhuma possibilidade de redução de impostos", afirmou. O aumento de tributos, somado aos reajustes feitos pela Petrobras, fez disparar o preço dos combustíveis, o que vem gerando preocupação no governo. Nesta quinta-feira, caminhoneiros fizeram uma carreata de protesto c...

Leia Mais

Ministro da Fazenda diz que não há risco de crise na Argentina contagiar o Brasil

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta terça-feira (8), após participar de audiência pública na Câmara dos Deputados sobre a privatização da Eletrobras, que não há risco de o Brasil ser contagiado pela mais recente crise vivida pela Argentina. Mais cedo nesta terça-feira, o presidente argentino, Mauricio Macri, informou que está buscando um acordo de financiamento com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para lidar com a recente volatilidade do mercado que levou à queda do peso e ao aumento da taxa de juros para 40% ao ano. "Não há canal de contágio. Temos uma situação externa extremamente confortável", disse Guardia. Ele apontou que o Brasil tem déficit das contas externas pequeno e financiado por investimentos estrangeiros diretos, além de possuir reservas internacionais "extremamente elevadas", de U...

Leia Mais

Como dólar mais caro fez juros na Argentina subirem a 40% -- e qual o risco para o Brasil

Banco Central da Argentina (BCRA) elevou a taxa de juros três vezes em uma semana para tentar conter os estragos causados pela forte desvalorização do peso argentino. Foram 12,75 pontos percentuais de alta, elevando a taxa de 27,25% a 40% ao ano nesta sexta-feira. Para efeito de comparação, a taxa básica de juros no Brasil, a Selic, está em 6,5% ao ano. O peso está entre as moedas que mais se desvalorizaram em relação ao dólar neste ano. Até o fim de abril, a moeda argentina havia perdido 10% de seu valor ante a moeda americana. O real também se desvalorizou nesse período, 7,8%, assim como as moedas da maioria dos países emergentes -- Rússia e Turquia, por exemplo. A pressão cambial é uma combinação especialmente de dois fatores: o aumento dos juros nos Estados Unidos e os desequilíbrios macroeconômicos de cada país. Ass...

Leia Mais

Após reforma, número de novas ações trabalhistas cai quase 45% no 1º trimestre

Mais de cinco meses após a reforma trabalhista entrar em vigor, o número de novas reclamações abertas nas varas do trabalho caiu consideravelmente, mostrou um levantamento feito pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). Entre janeiro e março, a quantidade de novos processos trabalhistas despencou 44,79%. Segundo o TST, foram ajuizadas 355.178 ações no primeiro trimestre deste ano, contra 643.404 no mesmo período de 2017. A reforma entrou em vigor no dia 11 de novembro. Em relação ao número de pedidos (que abrangem todo tipo de indenização dentro de uma ação), também houve uma queda expressiva. Eles passaram de 3,9 milhões no primeiro trimestre de 2017 para 1,6 milhão nos três primeiros meses do ano. Esta redução ocorreu, em grande parte, nos pedidos de danos morais, disse nesta quinta-feira (3), em São Paulo, o ministro do TST...

Leia Mais

Mercado mantém projeções para a inflação e crescimento do PIB

Os economistas do mercado financeiro mantiveram inalteradas as previsões para a inflação e para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018. Para este ano, os analistas esperam inflação de 3,49% e crescimento do PIB de 2,75%. A previsão está no relatório de mercado, também conhecido como "Focus", feito com base em pesquisa realizada na semana passada pelo BC com mais de 100 instituições financeiras. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (30). A expectativa dos analistas para a inflação está abaixo da meta central de 4,5% que deve ser perseguida pelo Banco Central neste ano. Mesmo assim, o número está dentro do intervalo de tolerância previsto pelo sistema, que considera que a meta terá sido cumprida pelo BC se o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficar entre 3% e 6%. A meta de inflaç&atild...

Leia Mais

Serviços perdem força e devem contribuir para segurar inflação nos próximos anos

Brasil está diante de um cenário inflacionário incomum. Se por vários anos os serviços pressionaram a inflação, serão eles que vão desempenhar um papel fundamental de manter os preços em um patamar mais controlado daqui para frente. De forma geral, a inflação tem surpreendido positivamente desde o ano passado. Em março, o índice acumula alta de 2,68% em 12 meses. Boa parte da melhora, no entanto, ocorreu até agora por causa da deflação de alimentos - ou seja, queda de preços. “Nós esperamos uma recomposição dos preços dos alimentos este ano e, dessa forma, a inflação de serviços deve colaborar bastante nos próximos anos (para segurar os preços)”, afirma a economista e sócia da Tendências Alessandra Ribeiro. A inflação de serviços já mostro...

Leia Mais

Está triste? A tendência é você gastar mais

Sempre que as operadoras nos Estados Unidos descobrem que alguém se divorciou, cortam o limite do seu cartão de crédito. Pior ainda se for um homem, o valor cai pela metade. Pode parecer uma medida sem sentido ou mesmo injusta, mas na prática, diz o autor americano Charles Duhigg, que conta a história no livro “O poder do hábito”, as empresas economizam. Bisbilhotando o perfil do Facebook dos clientes – prática que é permitida no país –, matemáticos notaram que muitas vezes quando alguém mudava de status para “solteiro", perdia o controle dos gastos. O dado não surpreende quando 59% dos divorciados nos Estados Unidos dizem que as finanças foram responsáveis, pelo menos em parte, pelo fim do casamento, segundo uma pesquisa da Experian. Mas um estudo mostra que pelo menos no pós-separação existe uma razão emocional no descontr...

Leia Mais

Superávit da balança comercial supera marca de US$ 15 bilhões na parcial de 2018

O superávit da balança comercial brasileira atingiu US$ 15,409 bilhões no acumulado entre o início de janeiro até domingo (8), informou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) nesta segunda-feira (9). Isso significa que o valor das exportações foi US$ 15,409 bilhões superior ao das importações neste período. O resultado, porém, é 3,7% menor do que o verificado no mesmo período do ano passado, quando o superávit da balança foi de US$ 15,994 bilhões. No acumulado deste ano até 8 de abril, as exportações somaram US$ 58,891 bilhões, com média diária de US$ 892 milhões (alta de 10% sobre o mesmo período do ano passado). As importações, por sua vez, totalizaram US$ 43,482 bilhões, ou US$ 658 milhões por dia útil (au...

Leia Mais

Alta de 2,6% para PIB este ano está calibrada, mas crescimento pode ser um pouco melhor, diz Ilan

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta terça-feira (2) que a projeção do BC de um crescimento de 2,6% para o Produto Interno Bruto (PIB) este ano está calibrada, mas que o avanço pode ser um pouco melhor. Ilan repetiu que a recuperação da atividade está ocorrendo de forma consistente, mas ponderou que o processo é gradual. "Temos dito que núcleos da inflação têm andado baixos, mas com recuperação da economia essa inflação baixa vai andar em direção à meta", afirmou Ilan durante evento em São Paulo, repetindo que o BC acredita que possa ser necessário fazer uma pausa no ciclo de afrouxamento na Selic após mais um corte nos juros em maio. A previsão dos analistas de bancos para 2018 é de crescimento de 2,84%, segundo relatório de mercado, também conhecido como &qu...

Leia Mais

Qual o cheiro que te faz gastar mais?

Você passa em frente a uma confeitaria e sente um cheiro de torta de maçã que logo te transporta para a memória da receita que sua avó fazia para você na sua infância. O primeiro encontro com uma pessoa parece ir por água abaixo quando você nota que a (o) pretendente está usando o mesmo perfume que usava sua ex-namorada ou ex-namorado. Basta destampar o filtro solar pela manhã e você sente um aroma que te faz pensar na areia quente da praia ou de uma espreguiçadeira à beira da piscina, em pleno verão. Se a memória olfativa é tão relevante para nos despertar sentimentos e sensações, não seria de se estranhar que o marketing, está prestando cada vez mais atenção para esse sentido, considerado o mais primitivo de todos. As campanhas publicitárias costumavam dar maior atenção para visão e a audi&cce...

Leia Mais

A teoria econômica que deu origem à ideia de uma moeda comum

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, 45 países se reuniram na Conferência de Bretton Woods. Nesse encontro, foi definido que o dólar americano seria a principal moeda das transações internacionais e estipulado um sistema de câmbio fixo atrelado ao dólar. Além disso, o FMI (Fundo Monetário Internacional) e o Banco Mundial foram criados com o intuito de dar suporte ao sistema monetário recém instalado. Atualmente, existem dois modelos mais populares para o câmbio: o fixo e o flutuante. O câmbio fixo é estipulado pelo Currency Board, que define uma taxa de câmbio imutável com o tempo. Já o flutuante tem o seu valor estipulado pela dinâmica de mercado, sendo este afetado por qualquer manifestação política ou econômica. Em 1961, Robert Mundell publicou o artigo A Theory of Optimum Currency Areas, no qual ele discute qual seria o mel...

Leia Mais

Como Paul Krugman desvendou o comércio internacional

Paul Krugman, professor da Universidade de Princeton e colunista do The New York Times, recebeu o Prêmio Nobel de Economia de 2008, em função de suas contribuições para os estudos da economia internacional e da nova geografia da atividade econômica. Assim, numa abordagem tradicional, o comércio internacional se baseia nas diferenças no acesso tecnológico, na oferta de mão de obra e no capital. Com isso, tal concepção explicaria o porquê de alguns países exportarem produtos agrícolas enquanto outros exportam bens-industriais. Mas, percebe-se que um mesmo país pode importar e exportar um mesmo produto, fato esse que desconstrói a teoria de que estas diferenças ditariam o comércio internacional. A fim de entender os novos padrões do comércio internacional, o economista identificou que o tamanho de um mercado pode proporcionar vantagens a um ...

Leia Mais

Venda de PCs volta a crescer no Brasil após 5 anos

As vendas de PCs no país voltaram a crescer em 2017 depois de cinco anos, segundo pesquisa da consultoria de Tecnologia de Informação IDC Brasil. Foram 5,19 milhões de máquinas vendidas no ano passado, alta de 15% ante 2016. Só no último trimestre, foram 1,48 milhão de unidades comercializadas. Em termos valores, o crescimento ano contra ano foi de 3,3%, totalizando R$ 11,73 bilhões em vendas. De acordo com a IDC, a diferença entre os índices de crescimento em volume e receita é explicada pela queda do preço médio do PC, que passou de R$ 2.524 em 2016 para R$ 2.262 em 2017, baixa de 10,5%. A redução nos preços foi motivada por ofertas para impulsionar as vendas e por uma cotação mais favorável do dólar, segundo o estudo.  “O segmento de PCs já é bem consolidado e maduro (no Brail), com uma boa penetra&...

Leia Mais

G20 defende livre comércio e EUA prometem apoiar o interesse nacional

Os líderes financeiros do mundo procuraram apoiar o livre comércio nesta segunda-feira (19), em meio a preocupações com as tarifas norte-americanas sobre o aço e o alumínio, ao mesmo tempo em que os Estados Unidos disseram que não poderiam sacrificar os interesses nacionais para fazer o sistema funcionar. Ministros das Finanças e banqueiros centrais das 20 maiores economias do mundo estão reunidos em Buenos Aires para discutir as perspectivas econômicas globais, fluxo de capital, criptomoedas, como bitcoin, e como impedir a evasão fiscal das empresas. Mas desde a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no dia 8 de março, de impor tarifas de 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio, o comércio se tornou o ponto focal da reunião. "Estou seriamente preocupado que o pilar da nossa prosperidade - o livre comércio - esteja sendo colocado em ...

Leia Mais

Mais de 60% dos brasileiros gastaram mais do que ganharam em 2017,

Mais da metade dos brasileiros (62%) sentiram que suas despesas eram maiores que seus rendimentos ao menos uma vez nos últimos doze meses. Os dados são de pesquisa elaborada pela Serasa Experian, que mostra também que apesar de ter acesso à informação e saber como deve agir, brasileiro apresenta comportamento financeiro inadequado. Pesquisa revela que 61 milhões de brasileiros estão com dívidas atrasadas Em novembro do ano passado, 61,1 milhões de pessoas estavam com dívidas atrasadas no país. Com a inadimplência em recorde histórico, segundo o órgão, os brasileiros precisaram de jogo de cintura para conseguir pagar suas contas em 2017. A pesquisa da Serasa também avaliou os conhecimentos dos brasileiros sobre finanças pessoais por meio do Indicador de Educação Financeira (IDEF). Nesse quesito, a nota do brasileiro em 2017 foi a mesma de 20...

Leia Mais

Intenção de investimentos da indústria atinge maior nível desde 2013

  O Indicador de Intenção de Investimentos da Indústria avançou 7,7 pontos no 1º trimestre, atingindo 123,7 pontos, maior nível desde o quarto trimestre de 2013 (129,5), segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador mede o ímpeto de investimento entre as empresas industriais. "O resultado corrobora um cenário de aceleração dos investimentos em 2018, respaldado pela expectativa de retomada do crescimento do setor da construção e de mais um bom ano da agropecuária e da indústria de transformação”, diz Aloisio Campelo Jr., Superintendente de Estatísticas Públicas da FGV/IBRE. Segundo ele, a sondagem também identificou redução da incerteza quanto à execução dos planos de investimento, uma boa notícia, mas que deve ser absorvida ainda com cautela diante das dúvidas com...

Leia Mais

O ano começa bem para o varejo

Os dados de vendas do varejo divulgados nesta terça-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram desempenho dinâmico do setor na virada do ano. Além do aumento de 0,9% em janeiro, na comparação com dezembro, o IBGE revisou o dado de dezembro, de uma queda de 1,5% para 0,5%, na comparação com novembro. Os números mais expressivos aparecem na comparação de janeiro deste ano com o mesmo mês no ano passado: alta de 3,2%, com destaque para vendas em supermercados (alta de 6,7%) móveis (17,9%) eletrodomésticos (22%) veículos (18,2%) e material de construção (7,3%). Na contramão, a queda de 4% na venda combustíveis, depois de já ter caído 7% em dezembro e 2,5% em novembro. Ou seja, as pessoas estão comprando mais carros e enchendo menos o tanque. É o efeito dos sucessivos aumentos de preç...

Leia Mais

Conta de luz acumula alta média de 31,5% entre 2014 e 2017

Rufino, declarou que o patamar da tarifa de energia está em um nível preocupante. "Isso [encarecimento das contas de luz] de fato nos incomoda também, e acho que a todos, às distribuidoras, aos consumidores, ao regulador, porque o valor da tarifa está assumindo um patamar muito preocupante", disse. De acordo com a Abrace, o aumento no custo de produção da energia, devido ao uso mais intenso de termelétricas, e os subsídios embutidos nas tarifas, são as razões para a alta das contas de luz no período. (leia mais abaixo) O maior reajuste no período ocorreu na região Norte, onde as contas de luz acumulam alta média de 44,04%. Em seguida vem o Centro-Oeste, com 41,09%; e o Nordeste, com 33,09%. As regiões Sul (+28,09%) e Sudeste (+30,5%) registraram os menores aumentos. Dados do IBGE mostram que, em 2017, os estados do Norte e Nordeste tiveram a pior renda p...

Leia Mais

Faturamento do comércio eletrônico cresce 7,5% em 2018

O ano de 2017 marcou uma inversão de tendência para o comércio eletrônico. Com a inflação mais controlada, o setor viu uma expansão do faturamento puxada pelo aumento no número de pedidos em vez da elevação de preços, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (8) pelo Ebit. De acordo com o relatório, o faturamento do comércio eletrônico cresceu 7,5% em 2017, e deve ter avanço maior neste ano. As vendas pela internet totalizaram R$ 47 bilhões no ano passado, e a estimativa do Ebit para 2018 é de R$ 53 bilhões, o que representaria um avanço de 12%. Ao contrário dos anos anteriores, o avanço em 2017 foi puxado pelo avanço no número de pedidos, que subiu 5%, para 111 milhões. Enquanto isso, o valor médio gasto por casa consumidor cresceu apenas 3% - um avanço fraco, em linha com a inflação ma...

Leia Mais

Renda de 38% dos consumidores não é suficiente para cobrir despesas

Pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) revela que 38% dos entrevistados estão com as contas no vermelho. Isso significa que a renda deles não é suficiente para pagar todas as despesas. O levantamento foi realizado em fevereiro em 12 capitais brasileiras e ouviu 800 consumidores com idade igual ou superior a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais. Ainda de acordo com a pesquisa, a maior parte dos consumidores ouvidos, 40%, informaram estar no "zero a zero", ou seja, sem sobra e nem falta de dinheiro. Outros 18% disseram que estão com sobra de recursos para consumir ou fazer investimentos. Os 4% restantes não souberam ou preferiram não responder. De acordo com as entidades, quase a metade (49%) dos consumidores entrevistados em fevereiro manife...

Leia Mais

Quais são as cinco economias que mais devem crescer em 2018

Uma década após a eclosão da crise financeira que abalou o mundo, a economia global começou a se recuperar, e muitos países emergentes e em desenvolvimento estão liderando esse processo. "O crescimento ganha força à medida que os investimentos e o consumo privado se consolidam, particularmente nas economias exportadoras de produtos básicos", disse o Banco Mundial em seu relatório sobre as perpectivas da economia mundial. Nesse panorama, surgem quatro países africanos e um asiático à frente: Gana, Etiópia, Costa do Marfim, Djibuti e Índia. Por que esses países estão na dianteira do crescimento, em termos percentuais? "Por diferentes razões, ainda que o gasto público tenha um papel importante em muitos casos", responde Carlos Arteta, economista-chefe do Grupo de Perspectivas Globais de Desenvolvimento do Banco Mundial. "...

Leia Mais

Crescimento de 1% em 2017 mostra recuperação consistente da economia, dizem especialistas

O crescimento de 1% do PIB em 2017 ainda é tímido, mas reforçou a segurança de que os anos de recessão ficaram para trás, avaliam os economistas consultados pelo G1. Para o economista Claudio Considera, pesquisador associado do FGV-IBRE, o resultado positivo era previsto, mas o número surpreendeu. "É surpreendente que a economia tenha tido essa reação durante esse ano. Você não sai na recessão de 3% negativo para 1% positivo. Na verdade você cresceu 4%. As previsões eram de que íriamos reagir, mas 0,2%. Cresceu 1%, que é cinco vezes o valor esperado. É surpreendente que a economia tenha tido um desempenho tão bom". Após dois anos apertando o cinto, o consumo das famílias cresceu em 2017 e contribuiu para a alta do PIB. "A inflação em queda foi um elemento importantíssimo. As pessoas tiveram aumento rea...

Leia Mais

Moody’s eleva previsão de alta para PIB brasileiro em 2019

A agência de classificação de risco Moody’s manteve sua previsão para o crescimento do PIB do Brasil em 2,5% em 2018 e elevou a estimativa para 2,7% em 2019, de 2,5% antes. “A economia do Brasil está melhorando firmemente, com o apoio de um forte setor externo. A moderação da inflação e a melhora do mercado de trabalho facilitaram uma aceleração do consumo privado, que responde por dois terços do PIB”, diz a agência em relatório sobre a economia global. A Moody’s afirma que o investimento das empresas deve provavelmente começar a acelerar nos próximos trimestres, especialmente se os riscos políticos se dissiparem. A agência aponta também que as pressões inflacionárias devem permanecer contidas por enquanto, dada a considerável capacidade ociosa. A projeção é que o Banco Central termine o at...

Leia Mais

Trabalho intermitente tem baixa adesão e comércio como maior empregador

Passados 3 meses da entrada em vigor da nova lei trabalhista, a oferta de vagas de trabalho intermitente ou esporádico – modalidade em que se ganha por hora trabalhada e não há garantia de jornada ou remuneração mínima por mês – ainda é pequena e teve adesão de poucas empresas, a maioria delas do setor de comércio. A contratação com carteira assinada de trabalhadores nessa categoria foi permitida com a aprovação da reforma trabalhista, que entrou em vigor em novembro do ano passado. O G1 conversou com empresas de recrutamento e varejistas e verificou que ainda são poucos os empregadores que estão contratando nesta modalidade e que também tem sido mais difícil preencher esse tipo de vaga. Os empresários ainda se mostram cautelosos e com dúvidas sobre a aplicação das novas regras, e falam também em inseguran&c...

Leia Mais

Não há possibilidade de criação de imposto para financiar segurança, diz Meirelles

Não há possibilidade de criação de imposto para financiar a segurança pública, afirmou nesta quinta-feira (22) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acrescentando que o governo não trabalha com nenhum aumento de impostos neste ano. "Não há a menor possibilidade de fazer isso (criação de imposto de segurança). Isso não está em estudo no governo, não está em estudo no Ministério da Fazenda", disse em entrevista à Rádio Itatiaia. Meirelles também afirmou que a não aprovação da reforma da Previdência em 2018 vai demandar corte equivalente de despesas em outras áreas da administração no próximo ano, sem especificar os montantes envolvidos. Nesta semana, o governo jogou a toalha em relação à proposta devido à decisão pela intervenç&ati...

Leia Mais

Preço da gasolina fica estável após registrar primeira queda em 14 semanas

Após registrar a primeira queda em 14 semanas, o preço médio da gasolina por litro se manteve estável na semana terminada no dia 17 de fevereiro. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (20) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Segundo o levantamento, o valor médio para o consumidor nas bombas ficou em R$ 4,212. Na mesma semana, a Petrobras reajustou os preços da gasolina para baixo nas refinarias, em 2,61%. O repasse ou não para o consumidor final depende dos postos. A medida faz parte da política de preços da Petrobras, adotada em julho do ano passado, que reajusta o valor dos combustíveis quase diariamente com o objetivo de acompanhar as cotações internacionais. No mesmo mês, o governo subiu os impostos sobre os combustíveis. Desde então, o preço médio para o consumidor final nas bombas ac...

Leia Mais

Setor de serviços cai 2,8% em 2017

O setor de serviços acumulou queda de 2,8% em 2017, apesar de ter crescido 1,3% em dezembro ante novembro. A receita nominal (desconsiderada a inflação) cresceu 2,5% no ano. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e já consideram ajustes sazonais. Na comparação com o último mês de 2016, o volume do setor cresceu 0,5% em dezembro, interrompendo uma sequência de 32 resultados negativos. A série não considera ajustes sazonais. Entre os grandes segmentos, no ano cresceram apenas os serviços de transportes auxiliares dos transportes e correio (2,3%). De novembro para dezembro, cresceram os serviços de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correios (2,3%); os serviços profissionais, administrativos e complementares (0,6%) e outros serviços (0,7%). O agregado especial de atividad...

Leia Mais

Mercado financeiro reduz expectativa para a inflação em 2018

Os analistas do mercado financeiro revisaram para baixo a estimativa para a inflação deste ano, informou o Banco Central nesta quarta-feira (14), por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. A pesquisa ouviu mais de 100 instituições financeiras na semana passada. Para a inflação de 2018, a previsão do mercado recuou de 3,94% para 3,84%. Foi a segunda queda seguida do indicador. A expectativa dos analistas continua abaixo da meta central de 4,5% para a inflação, que deve ser perseguida pelo Banco Central neste ano. Mas está dentro do intervalo de tolerância previsto pelo sistema, e que prevê que a meta terá sido cumprida pelo BC se o IPCA ficar entre 3% e 6%. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Se...

Leia Mais

Mastercard admite que mulheres ganham menos que homens

Mastercard, uma das maiores empresas de pagamento do mundo, admitiu que suas funcionárias ganham menos do que seus funcionários. Segundo o relatório de diversidade da companhia, publicado nesta segunda-feira (12), as mulheres que trabalham na Mastercard ganham, em média, 91% do que recebem homens que ocupam a mesma posição e têm o mesmo desempenho. Ou seja, para cada US$ 991 que elas recebem, eles recebem US$ 1 mil. As mulheres são quase 40% de sua força de trabalho em todo mundo, de acordo com dados da Mastercard dezembro de 2017. A empresa diz que está tentando reduzir a distância entre a remuneração de homens e mulheres. “Como parte do ciclo de compensação deste ano, nós estamos tomando ações apropriadas para ajudar a fechar essa lacuna para mulheres.” A informação sobre a diferença salarial consta de uma revis&at...

Leia Mais

Copom reduz juro básico para 6,75% ao ano, menor taxa desde 1986

Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (7) a redução da taxa básica de juros da economia, que passou de 7% para 6,75% ao ano. A decisão já era esperada pelo mercado. Este foi o 11º corte consecutivo na Selic, que alcançou o menor patamar já registrado desde o início do regime de metas de inflação, em 1999. Também é a menor taxa de juros de toda a série histórica do BC, iniciada em 1986. Os principais bancos do país anunciaram uma nova redução das taxas de juros cobradas no crédito para pessoas físicas e empresas. Os comunicados de Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander foram divulgados à imprensa minutos após a decisão do Copom. No documento em que comunica a decisão, o Copom informou que, dado o cenário atual, o mais adequado &eacut...

Leia Mais

Mercado baixa estimativa de inflação e eleva previsão de alta do PIB para 2018

Os economistas do mercado financeiro revisaram para baixo a estimativa para a inflação neste ano, ao mesmo tempo em que subiram a previsão para o crescimento da economia brasileira em 2018. As expectativas do mercado constam no relatório de mercado, também conhecido como "Focus", feito com base em pesquisa realizada na semana passada pelo Banco Central com mais de 100 instituições financeiras, e divulgado nesta segunda-feira (5). Para a inflação de 2018, a previsão do mercado recuou de 3,95% para 3,94% na semana passada. Com isso, a expectativa dos analistas continua abaixo da meta central de 4,5%, mas dentro do intervalo de tolerância (entre 3% e 6%). A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e deve ser perseguida pelo Banco Central, que, para alcançá-la, eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic). Pa...

Leia Mais

Meirelles minimiza bloqueio de R$ 16,2 bi do orçamento de 2018

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, minimizou o anúncio feito na manhã desta sexta-feira (2) pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, de que vai bloquear R$ 16,2 bilhões do orçamento da União em 2018. Segundo Meirelles, o anúncio vem acompanhado de boas notícias, com destaque para o aumento da arrecadação federal.  “Não há dúvida de que os números são bastante melhores do que aquilo que se esperava e também há um dado relevante de que a arrecadação está crescendo”, disse Meirelles ao ser questionado sobre o bloqueio. O montante anunciado pelo Planejamento é o menor valor bloqueado do orçamento desde 2008. No ano passado foram bloqueados R$ 42,1 bilhões. De 2008 até 2017, o contingenciamento nunca ficou abaixo de R$ 19,4 bilhões. "Nós estamos no início do ano, a ar...

Leia Mais

Produção da indústria fecha 2017 com alta de 2,5%, após 3 anos de queda

Depois de fechar no vermelho por três anos seguidos, a indústria brasileira voltou a crescer e fechou 2017 em alta de 2,5%. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2017, a indústria teve o melhor resultado desde 2010, quando a produção industrial havia avançado 10,2%. Apesar desse resultado positivo, a indústria ainda está longe da quantidade que já produziu. "Quando a gente compara o patamar de produção, estamos ainda 13,8% distantes do pico da série histórica, observado em junho de 2013. Mas esse distanciamento já foi bem superior. Em fevereiro de 2016, por exemplo, essa distância era de 21,6%", disse o gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, André Macedo. Em dezembro, o setor registrou alta de 2,8% em relação a novembro - a maior desde junho de 2013, quando chegou a 3,5%. ...

Leia Mais

Foco das privatizações deve ser eficiência e não solução de caixa, dizem economistas

Com os governos em crise, as privatizações são necessárias para acelerar a retomada do investimento na economia brasileira, avaliam especialistas consultados pelo G1. Eles alertam, no entanto, que a escolha de projetos não deve considerar apenas as receitas extras, mas também uma melhora na eficiência das estatais e dos serviços prestados à população. Levantamento do G1 mostra que há ao menos 238 projetos em desenvolvimento pelos governos federal, estaduais e capitais no Brasil. O objetivo é obter recursos para fechar as contas públicas e atrair investimentos privados. "Os projetos precisam ser pautados pela busca da maximização da eficiência e não como uma alternativa para solução de caixa de curto prazo", disse Rodrigo Reis, sócio fundador do Radar PPP, empresa que monitora os negócios entre governos e iniciativa priva...

Leia Mais

Bolsa de criptomoedas hackeada em Tóquio devolverá US$ 425 milhões a clientes

A bolsa de criptomoedas com sede em Tóquio Coincheck Inc. disse neste domingo (28) que irá devolver cerca de 46,3 bilhões de ienes (US$ 425 milhões) que perdeu para hackers há dois dias, em um dos maiores roubos de dinheiro virtual na história. O NEM é a 10ª criptomoeda em maior valor de mercado no mundo. O montante representa quase 90% dos 58 bilhões de ienes em moedas NEM que a companhia perdeu em um ataque que a forçou a suspender na sexta-feira (26) os saques de todas criptomoedas, exceto bitcoin. A Coincheck disse em um comunicado que irá devolver os recursos a cerca de 260 mil donos de moedas NEM em ienes japoneses, mas que ainda trabalha para definir quando e como isso será feito. O roubo evidencia preocupações de segurança e regulação quanto ao bitcoin e outras moedas virtuais, mesmo em meio a um boom global das criptomoedas que ainda dá poucos si...

Leia Mais

Meirelles diz na Suíça que governo não pensa em elevar tributos neste momento

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quinta-feira (25) que o governo não pensa em elevar tributos neste momento. A declaração foi feita durante entrevista à TV Bloomberg em Davos, na Suíça, onde ele participa do Forum Econômico Mundial. Neste ano, o governo busca cumprir uma meta para as contas públicas que é de déficit (despesas maiores do que receitas) de até R$ 159 bilhões. O aumento de impostos poderia ser necessário se o governo enfrentasse dificuldades para cumprir essa meta, como no caso de a arrecadação ficar abaixo da prevista. No ano passado: diante da frustração das receitas, o governo anunciou o aumento dos tributos sobre os combustíveis. A medida foi adotada devido ao risco de descumprimento da meta para as contas públicas de 2017 e também por conta da falta de recursos, que chegou a paralisar alguns servi&cced...

Leia Mais

Governo não vai rever valor do salário mínimo neste ano e cortará orçamento, diz ministro do Planejamento

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou nesta terça-feira (23) que o governo não vai rever o valor do salário mínimo neste ano, apesar de a correção ter ficado abaixo da inflação. A Força Sindical, associação que une vários sindicatos no país, pediu na última semana ao Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar regra que permite ao governo reajustar o salário mínimo com índice menor que a inflação registrada no ano. O reajuste de 1,81% no valor do salário mínimo para o ano de 2018, de R$ 937 para R$ 954, é o menor desde o início do Plano Real, em 1994. O mínimo é reajustado com base em uma conta que leva em consideração a variação do INPC e o resultado do PIB de dois anos antes. No fim do ano passado, o presidente Michel Temer fixou em R$ 954 o salário m&ia...

Leia Mais

Com inflação fraca, 8 em cada 10 acordos salariais tiveram aumento real em 2017

Em um ano marcado por alta de preços mais controlada, a maioria dos acordos salariais trouxe ganhos reais em 2017 para os trabalhadores. É o que aponta pesquisa divulgada nesta terça-feira (23) pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), com dados do Ministério do Trabalho e Emprego. De todos os reajustes salariais acertados no ano passado, 79% conseguiram aumentos acima da inflação, segundo a Fipe. Em 2016, esse percentual foi bem menor - de 27%. Os dados consideram a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2017, o INPC avançou 2,07%. Apesar do recuo da inflação, 10% dos acordos tiveram reajustes inferiores ao índice. Trata-se de uma redução em relação ao número registrado em 2016, de 46%, marcando o pior ...

Leia Mais

Amazon abrirá sua 1ª loja sem caixas e atendentes na segunda-feira

A Amazon abrirá sua loja de conveniências sem caixa registradora na segunda-feira (22), após mais de um ano de testes, disse a empresa, avançando em um experimento que pode alterar dramaticamente o varejo físico. A unidade havia sido aberta para testes em dezembro de 2016. A loja sediada em Seattle, conhecida como Amazon Go, confia em câmeras e sensores para acompanhar o que os clientes retiram das prateleiras e o que devolvem. As caixas registradoras e filas de pagamento se tornam supérfluas – os clientes são cobrados após deixarem a loja usando o cartão de crédito registrado. Para as lojas, a abertura da unidade anuncia outra potencial disrupção nas mãos da maior varejista online do mundo, que adquiriu a rede de supermercados de alto padrão Whole Foods Market no ano passado por US$ 13,7 bilhões. Longas filas podem afastar os consumidores, então a empresa qu...

Leia Mais

Procurar estágio de janeiro a março aumenta chances, diz Nube

Entre janeiro e março, o mercado para estagiários fica bastante aquecido em virtude dos contratos encerrados no fim do ano por conta da efetivação de muitos colaboradores e também por diversos estudantes concluírem sua graduação. O alerta é do Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube). Além disso, como janeiro e fevereiro são meses de férias, muitas pessoas viajam e, naturalmente, a concorrência diminui. “As faltas nos processos seletivos chegam a até 40% durante essa época. Quem está atento e disponível para participar das entrevistas já ganha pontos com os recrutadores e disputa com menos pessoas aquela oferta de estágio”, diz Carlos Henrique Mencaci, presidente do Nube. O Nube prevê crescimento de 9,4% na contratação de estagiários este ano – total de 35 mil vagas devem ser abertas - apó...

Leia Mais

'Se não conseguir voto em fevereiro, não vota mais', diz Maia sobre Previdência

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (16) que, se o governo não conseguir os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência em fevereiro, a Câmara não votará mais a proposta. Pelo cronograma anunciado por Maia ainda no ano passado, a discussão sobre a reforma está marcada para o próximo dia 5 de fevereiro e a votação, para 19 de fevereiro. A proposta só será aprovada se tiver o apoio mínimo de 308 dos 513 deputados, em duas votações. "Na minha opinião, se não conseguir voto em fevereiro, não vota mais. Depois, nós vamos ter outras agendas que precisam avançar", disse Rodrigo Maia, acrescentando que há medidas provisórias na pauta, além do projeto que restringe o chamado foro privilegiado. Maia está em Washington, nos Estados U...

Leia Mais

Mercado financeiro aumenta previsão de crescimento do PIB em 2018, divulga BC

Analistas do mercado financeiro aumentaram para 2,70% a previsão de crescimento da economia em 2018. A nova previsão está no relatório de mercado conhecido como "Focus". No último relatório, a previsão dos economistas ouvidos pelo Banco Central era um crescimento de 2,69% para o PIB deste ano. Para 2019, a previsão de crescimento do PIB ficou estável em 2,8%. Já a previsão de inflação de 2018 e 2019 ficaram estáveis em 3,95% e em 4,25%, respectivamente, mantendo o índice dentro da meta fixada pelo governo. Em 2017, a inflação ficou em 2,95%, abaixo do piso da meta, o que obrigou o presidente do Banco Central a escrever uma carta pública ao ministro da Fazenda explicando as razões para a variação fora da previsão. O Focus é feito com base em pesquisa do Banco Central com mais de 100 instituições ...

Leia Mais

Henrique Meirelles diz que rebaixamento de nota do Brasil por agência não impacta crescimento

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou neste sábado (13) que o rebaixamento da nota do Brasil pela agência internacional de risco Standard&Poor's (S&P) não impactará no crescimento da economia do país. Ele comentou o assunto ao sair de uma reunião com o diretor de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV), Marco Aurélio Ruediger, no Rio de Janeiro. Na última quinta (11), a S&P rebaixou a nota de crédito soberano do Brasil de "BB" para "BB-". Com isso, o rating do país segue sem o selo de bom pagador, mas agora está três degraus abaixo do grau de investimento. Já a perspectiva para a nota mudou de negativa para estável. "A reação sobre o rating ela é maior do que o próprio significado do rating em si, que é uma coisa técnica e pontual... ...

Leia Mais

Governo estuda medidas para incentivar economia, como ocorreu com liberação do FGTS, diz Meirelles

A equipe econômica está estudando medidas para dar novo impulso à economia, na linha da liberação de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), afirmou nesta quinta-feira (11) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ressaltando que não há nada já definido. "Estamos estudando diversas coisas que podem ser feitas, agora eu não tenho no momento uma decisão a anunciar", disse o ministro em entrevista à Rádio Bandeirantes. "O que estamos agora estudando são maneiras, e não tenho ainda definições, como por exemplo foi feito no ano passado, quando foi liberado o FGTS, as contas inativas do FGTS", completou. Segundo Meirelles, os estudos buscam ações que não criem problemas na economia ou para as contas públicas. No ano passado, os saques totais a contas inativas do FGTS somaram R$ 44 bilh&otil...

Leia Mais

Inflação abaixo da meta não é resultado de demora no corte dos juros, diz presidente do Banco Central

  O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, negou nesta quarta-feira (10) que tenha havido atraso no processo de corte da taxa básica de juros, a Selic, e que isso tenha levado a inflação em 2017 a ficar abaixo do piso da meta. Mais cedo nesta quarta, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), informou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, ficou em 2,95% no ano passado. Pelo sistema de metas, deveria ter ficado entre 3% e 6%. Goldfajn foi obrigado a enviar ao ministro da Fazenda uma carta aberta para explicar as razões para o descumprimento da meta. No documento, ela afirma que isso ocorreu devido à queda no preços de alimentação no domicílio acima da esperada. "Há uma crítica de que, se a inflação ficou baixa, poderia reduzir o juro mais cedo. Nossa visão &e...

Leia Mais

Indicador de tendência de emprego da FGV atinge maior nível desde 2008

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) da Fundação Getulio Vargas (FGV), termômetro para o mercado de trabalho, avançou 3,1 pontos, em dezembro, para 107,0 pontos. É o maior nível da série iniciada em junho de 2008, informou a fundação em relatório publicado no seu site nesta terça-feira (9). Com o resultado, o índice avançou 17,0 pontos em 2017 e sinaliza continuidade da tendência de recuperação do mercado de trabalho nos primeiros meses de 2018, diz a FGV. A alta do IAEmp em dezembro ocorreu em seis dos sete indicadores que o compõem, com destaque para os que medem a situação dos negócios para os próximos seis meses, na Sondagem da Indústria de Transformação, e a situação dos negócios atual, da Sondagem de Serviços, com variações de 9,1 e 4,4 pontos, na margem, respecti...

Leia Mais

Mercado reduz previsão do PIB e de inflação de 2018, divulga BC

Analistas do mercado financeiro reduziram suas previsões de inflação e de crescimento da economia para 2018. Segundo dados do relatório de mercado conhecido como "Focus", os economistas ouvidos pelo Banco Central estimam uma inflação de 3,95% em 2018, contra 3,96% do último relatório. Já a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2018 caiu de 2,70% para 2,69%. O Focus é feito com base em pesquisa do Banco Central, da semana passada, com mais de 100 instituições financeiras. Este foi o primeiro relatório feito em 2018. Para 2017, o mercado elevou a previsão de crescimento do PIB de 1% para 1,01% e aumentou de 2,78% para 2,79% a inflação prevista para 2017. Com isso, a inflação em 2017 deve ficar abaixo da meta fixada pelo governo. Pelo sistema brasileiro, a meta central é de 4,5% para este ano e para 2018, com um in...

Leia Mais

Alto desemprego mantém inadimplência das famílias elevada, aponta CNC

O percentual de famílias endividadas ficou estável em 62,2% em dezembro, depois de cinco altas seguidas. Os dados constam da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada nesta sexta-feira (5) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na comparação com dezembro de 2016, houve alta de 3,2 pontos percentuais. A proporção das famílias com dívidas ou contas em atraso também ficou praticamente estável em dezembro, atingindo 25,7% do total, ante 25,8% em novembro. Na comparação com dezembro de 2016, houve alta de 1,7 ponto percentual. O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar as suas contas ou dívidas em atraso recuou de 10,1% em novembro para 9,7% em dezembro, mas apresentou alta em relação aos 9,1% de dezembro de 2016, diz a CNC. ...

Leia Mais

Islândia é 1° país do mundo a impor igualdade salarial entre homens e mulheres

A Islândia se tornou o primeiro país do mundo a criar uma lei que exige a igualdade de salários entre homens e mulheres. A legislação entrou em vigor em 1° de janeiro de 2018. A nova lei islandesa torna efetivamente ilegal pagar salários mais altos a homens, entre funcionários que exerçam funções semelhantes. Pelas novas regras, todas as empresas privadas e agências governamentais que tenham mais de 25 funcionários passam a ser obrigadas a obter uma certificação oficial, junto ao governo, que comprove suas políticas de igualdade salarial entre homens e mulheres. Os empregadores que não cumprirem a legislação estarão sujeitos a multa. A meta da Islândia é eliminar a desigualdade de salários entre homens e mulheres até 2020. "O fosso salarial de gênero ainda é, infelizmente, um fato no mercado de trabalho...

Leia Mais

Após 4 anos de quedas, venda de veículos novos no Brasil deve subir 9% em 2017

A indústria brasileira de veículos voltou a elevar vendas de modelos novos em dezembro, ajudando a encerrar 2017 com alta de 9%, o primeiro crescimento depois de quatro anos seguidos de quedas, informou nesta quarta-feira (3) uma fonte do setor com acesso a dados de emplacamentos. Os dados oficiais serão divulgados na quinta-feira (4) pela federação dos concessionários, a Fenabrave. As vendas de veículos novos em dezembro no país somaram 212,6 mil unidades, informou a fonte, citando dados preliminares. Com as vendas de dezembro, a indústria teve 2,24 milhões de licenciamentos de veículos novos em 2017 ante 2,05 milhões em 2016. O pico registrado pelo setor ocorreu em 2013, com 3,8 milhões de veículos novos vendidos. A indústria automotiva, responsável por cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e por 22% do PIB do setor de transformaç&atil...

Leia Mais

Entra em vigor obrigatoriedade de nota fiscal em encomendas enviadas pelos Correios

Começou nesta segunda-feira (2) a exigência de apresentar nota fiscal nas encomendas sujeitas a tributação enviadas pelos Correios. Nenhuma encomenda será aceita nas agências sem que o documento esteja devidamente afixado externamente à embalagem. Para produtos que não estão sujeitos a tributação, o remetente deverá preencher uma declaração de conteúdo, que também deverá ser fixada na parte externa da encomenda. Segundo os Correios, a medida é para atender às exigências dos órgãos de fiscalização tributária em relação às legislações para a circulação de mercadorias no país, que determinam que o transporte de qualquer mercadoria sujeita a tributação deve ocorrer com a nota fiscal. As empresas de e-commerce já adotam essa práti...

Leia Mais

Temer assina decreto definindo salário mínimo de 2018 em R$ 954

O presidente da República, Michel Temer, assinou nesta sexta-feira (29) decreto que fixa em R$ 954 o valor do salário mínimo em 2018, aumento de R$ 17 em relação ao valor em vigor. Atualmente, o salário mínimo está em R$ 937. A medida será publicada ainda nesta sexta em edição extra do "Diário Oficial da União". O reajuste valerá a partir de 1º de janeiro. O reajuste do salário mínimo em 2018 é o menor em 24 anos. Também é menor do que a estimativa que havia sido aprovada pelo Congresso Nacional, de R$ 965. Com isso, o governo prevê economizar R$ 3,3 bilhões no ano que vem (veja mais abaixo neste texto). O decreto presidencial estabelece ainda que o valor diário do salário mínimo corresponderá a R$ 31,8, e o valor horário, a R$ 4,34. O valor de R$ 954 que valerá para 2018 &e...

Leia Mais

Confiança da indústria do Brasil termina 2017 no melhor nível em quase 4 anos, diz FGV

O setor industrial do Brasil terminou 2017 com a confiança na máxima em quase quatro anos diante do maior otimismo para o futuro, apontou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (28). Os dados divulgados pela FGV mostraram que o Índice da Confiança da Indústria (ICI) subiu 1,3 ponto em dezembro e terminou o ano com 99,6 pontos, nível mais alto desde os 100,1 pontos de janeiro de 2014. "A indústria percebe melhora no ambiente de negócios e acredita na manutenção dessa trajetória favorável nos próximos meses... pela primeira vez desde setembro de 2013, há prevalência de respostas otimistas na pesquisa, o que reforça a perspectiva do setor de continuidade da recuperação da confiança em 2018", disse a coordenadora da Sondagem da Indústria da FGV/IBRE, Tabi Thuler Santos, em nota. Entre os 19 segmentos industri...

Leia Mais

Venda de produtos e serviços online deve trazer preços à vista de forma destacada

Desde a semana passada, o comércio eletrônico deve seguir nova regulamentação referente à forma de divulgar os preços de produtos e serviços nos sites. A Lei 13.543 determina que os preços devem ser colocados à vista no site, mediante divulgação ostensiva, ao lado da imagem do produto ou descrição do serviço, em caracteres facilmente legíveis, com tamanho de fonte não inferior a 12. Essa exigência foi incluída na Lei 10.962, de 2004, que disciplina as formas de afixação de preço de comerciantes e prestadores de serviços e traz outras obrigações de empresas como cobrança de valor menor se houver anúncio de dois preços diferentes. Segundo o Ministério da Justiça, a lei veio para eliminar de vez a prática de sites que colocam produtos sem preço ou com menor destaque, o qu...

Leia Mais

Mercado espera Selic abaixo de 7% em 2018 e eleva previsão para o PIB

Após 13 semanas seguidas prevendo a taxa básica de juros, a Selic, de 7% ao ano no final de 2018, analistas do mercado financeiro reduziram a previsão da Selic de 2018 para 6,75%. Atualmente, a taxa está em 7% ao ano. Segundo dados do relatório de mercado conhecido como "Focus", o mercado também aumentou a previsão de crescimento da economia em 2017 de 0,96%, da semana anterior, para 0,98% e de 2,68% em 2018, contra 2,64% do último boletim Focus. O Focus é feito com base em pesquisa do Banco Central, da semana passada, com mais de 100 instituições financeiras. No último relatório, os economistas entrevistados pelo Banco Central reduziram mais uma vez a previsão de inflação para 2017, de 2,83% para 2,78%, mantendo o índice abaixo do piso da meta do governo, que é de 3%. No último relatório de inflação, divulgado n...

Leia Mais

Vendas de supermercados no Brasil avançam 2,95% em novembro

As vendas de supermercados do Brasil subiram 2,95% em novembro em termos reais (ajustadas pela inflação do período) sobre o mesmo período do ano passado e avançaram 3,58% na comparação com outubro, afirmou a associação que representa o setor, Abras, nesta sexta-feira (22). No acumulado do ano até novembro, as vendas reais dos supermercados do país avançaram 1,1% sobre um ano antes. Para o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, o resultado acumulado até novembro, reflete um ano positivo, compatível com a recuperação da atividade econômica.  “Apesar da retomada lenta do consumo, os brasileiros estão normalizando seus hábitos de compra e voltando a consumir. A prévia oficial da inflação indica que os preços devem encerrar 2017 com a menor alta acumulada em quase duas décadas, abaixo do piso da met...

Leia Mais

Taxa de Juros de Longo Prazo cai de 7% para 6,75% ao ano, decide Conselho Monetário Nacional

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu nesta quinta-feira (21) reduzir a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 7% para 6,75%. A nova taxa vigorará de janeiro a março de 2018. A taxa serve de referência para os empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao setor produtivo, que financiam investimentos em produção e obras de infraestrutura. A TJLP servirá como base para os financiamentos feitos pelo BNDES até o fim deste ano. A partir de 2018, os novos contratos terão como base a Taxa de Longo Prazo (TLP). A TLP será composta pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e pela taxa de juros real prefixada, mensalmente, de acordo com o equivalente ao rendimento real das Notas do Tesouro Nacional – Série B (NTN-B) no prazo de cinco anos. Com essa nova sistemática, a taxa ficará nos...

Leia Mais

Ministério do Trabalho diz em nota técnica que reforma trabalhista não anistia infrações anteriores à lei

Uma nota técnica do Ministério do Trabalho determina que a nova legislação trabalhista não vale para infrações cometidas antes da entrada em vigor das novas regras. Com isso, segundo a nota, condutas ilícitas praticadas antes da vigência da reforma trabalhista e que, com a nova lei, deixaram de ser infração, continuam passíveis de punição. O documento foi aprovado na última sexta-feira (15) pela secretária de Inspeção do Trabalho, Maria Teresa Pacheco Jensen, e deverá ser seguido pelos auditores-fiscais do trabalho, que fiscalizam a aplicação da lei. Segundo a pasta, o objetivo é sanar “dúvidas gerais em relação a fiscalizações em andamento que estavam pendentes de finalização”. As mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) entraram e...

Leia Mais

Confiança do empresário sobe em dezembro e é a maior em 5 anos

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) subiu 1,8 ponto percentual de novembro para dezembro, alcançando 58,3 pontos neste mês - o melhor resultado desde novembro de 2012, ou seja, em pouco mais de cinco anos. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (18) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que fez pesquisa com 2.852 empresas do país entre os dias 1 e 13 de dezembro. Índice de Confiança do Empresário Industrial (Foto: Reprodução de estudo da Confederação Nacional da Indústria) Índice de Confiança do Empresário Industrial (Foto: Reprodução de estudo da Confederação Nacional da Indústria) Índice de Confiança do Empresário Industrial (Foto: Reprodução de estudo da Confederação Nacional da Indústria) "O...

Leia Mais

Temer reduz duração do horário de verão e muda início para novembro

O presidente Michel Temer editou nesta sexta-feira (15) um decreto para reduzir a duração do horário de verão, transferindo o início de outubro para novembro a partir do ano que vem. De acordo com a Secretaria de Comunicação Social da Presidência, o decreto será publicado na próxima segunda (18) no "Diário Oficial da União". À TV Globo, o Planalto informou que a medida foi adotada atendendo a um pedido do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes (leia detalhes mais abaixo). Segundo a assessoria de Temer, o decreto não mudará a data de encerramento do horário de verão, que continuará no terceiro domingo de fevereiro de cada ano. Atualmente, adotam o horário de verão os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goi&aacu...

Leia Mais

CNI estima aceleração do PIB industrial em 2018, com alta de 3%

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresentou nesta quinta-feira (14) uma previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) industrial de 3% para o ano que vem. Se a estimativa do Informe Conjuntural do 4º Trimestre de 2017 da entidade se confirmar, será a maior expansão do parque industrial brasileiro em cinco anos. A confederação, entretanto, baixou de 0,8% para 0,2% a previsão de crescimento do PIB do setor em 2017. O PIB é a soma de todos as riquezas produzidas no país durante um determinado período. "A indústria da construção ainda não conseguiu se reativar. Nossa expectativa é de que só vai mostrar alguma melhoria no ano que vem, e ainda assim moderada. Neste ano, vai cair 5%, o que puxa o resultado da indústria para baixo", explicou o chefe da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo...

Leia Mais

Vendas do varejo caem 0,9% em outubro, maior queda desde 2008

As vendas do varejo caíram 0,9% em outubro ante setembro, o maior recuo para o mês desde 2008, quando a queda registrada foi de 1% contra o mês anterior. O número foi divulgado nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e já considera ajustes sazonais. O IBGE revisou os dados do varejo de setembro. Ao invés de um crescimento de 0,5% nas vendas, conforme havia sido divulgado, o avanço foi de 0,3%. A revisão ocorre por conta da atualização de informações. No confronto com outubro de 2016, na série sem ajuste sazonal, o comércio teve alta de 2,5%. De acordo com Isabella Nunes, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, esta foi a sétima taxa positiva consecutiva nesta base de comparação, todavia a menor observada nos últimos seis meses. No ano, porém, o varejo acum...

Leia Mais

OMC está perdendo foco e deve repensar definição de desenvolvimento, diz chefe de comércio dos EUA

Ochefe de comércio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que a Organização Mundial do Comércio está perdendo seu foco nas negociações comerciais a favor dos contenciosos e precisa repensar como ela define as economias em desenvolvimento. Estabelecendo um tom combativo no início da 11ª reunião ministerial da OMC em Buenos Aires, o Representante Comercial dos EUA, Robert Lighthizer, reclamou que muitos países não seguem as regras da OMC e muitos membros mais ricos receberam isenções injustas como países em desenvolvimento. "Precisamos esclarecer nosso entendimento de desenvolvimento dentro da OMC. Não podemos sustentar uma situação na qual as novas regras só podem ser aplicadas a alguns e que outros receberão um passe em nome do status de desenvolvimento autoproclamado", disse Lighthizer à sess...

Leia Mais

O nascimento da econometria e sua contribuição para a sociedade

Lousas rabiscadas de equações matemáticas, barulhos de calculadoras e cheiro de giz permeiam o ambiente. Para quem não frequenta as aulas de econometria, tal cenário pode parecer uma bolha matemática muito distante da realidade. Engana-se quem pensa assim. Um dos maiores interesses de um economista é ver se o que foi proposto pela teoria se aplica na realidade. Isso, porém, sempre representou um dos maiores desafios da Economia. Diferentemente das ciências naturais, o economista raramente consegue realizar experimentos controlados, por isso os dados coletados em Economia são resultados de muitas relações de interdependência, o que torna difícil inferir relações de causa e consequência. Para tentar resolver este problema foi desenvolvida a Econometria: braço da Economia responsável por, justamente, estimar e testar as relações apresentadas pelos...

Leia Mais

Indicador de emprego tem maior nível da série e indica tendência favorável, diz FGV

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) mostrou tendência favorável ao mercado de trabalho brasileiro ao atingir em novembro o maior nível da série iniciada em 2008, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A FGV informou que o IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, subiu 1,0 ponto em novembro, na terceira alta seguida, para 103,9 pontos. "A elevação do IAEmp vem em linha com a expectativa de melhora do crescimento da economia brasileira em 2018. O crescimento ainda é fraco em 2017, mas as expectativas para 2018 são positivas", afirmou em nota o economista da FGV/Ibre Fernando de Holanda Barbosa Filho. Os indicadores que mais influenciaram na melhora do IAEmp foram os que medem o ímpeto de contratações nos três meses seguintes, da Sondagem da Indústria de Transformação, e a expecta...

Leia Mais

'Fica mais fácil para viver', diz Temer sobre redução da taxa básica de juros

O presidente Michel Temer divulgou vídeo no Twitter nesta quarta-feira (6) no qual comemorou o novo corte na taxa básica de juros da economia, anunciado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. A redução foi a décima consecutiva, o que levou a taxa ao menor patamar desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. Para o presidente, o corte na taxa Selic facilita o cotidiano dos brasileiros. “Fica mais fácil para viver, mais fácil para trabalhar, mais fácil para comprar, mais fácil para morar, porque naturalmente isso reduz também os juros de todo o sistema bancário”, disse Temer. De acordo com o presidente, a “boa notícia” é resultado do trabalho do governo. “Não posso deixar de comemorar com você essa decisão do Banco Central, reveladora de que o Brasil est&aac...

Leia Mais

'Teremos o melhor Natal em muitos anos', diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (5) que “nós teremos o melhor Natal em muitos anos, graças à retomada da economia e da confiança”, após apontar que indicadores mostram que a atividade continua se recuperando após a crise. No ano passado e no anterior, o comércio registrou queda nas vendas de Natal. Segundo o SPC Brasil, o número de consultas para vendas a prazo, usado para medir o desempenho do comércio varejista, teve queda de quase 16% em 2015 e de 1,5% em 2016. Para este ano, a expectativa é de um cenário melhor. Os lojistas de shopping centers do país, por exemplo, esperam aumento de 7% nas vendas, segundo a associação que representa o setor. Nesta terça, ainda comentando sobre a retomada da atividade, o ministro Meirelles afirmou que a recuperação da confiança impulsionou também os inve...

Leia Mais

Mais de 40% das empresas querem ampliar equipe em 2018, diz pesquisa

Prevendo uma melhora do faturamento no próximo ano, 41% das grandes e médias empresas pretendem aumentar o número de funcionários em 2018. No ano passado, esse objetivo era citado por apenas 26% das empresas. É o que aponta uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (5) pela Deloitte. Entre as companhias pesquisadas, 12% apontam que pretendem reduzir o número de empregados, enquanto 47% devem mantê-lo inalterado no próximo ano. Em média, as empresas esperam que as vendas subam quase 20% entre 2017 e 2018. O estudo mostra ainda que há perspectiva de aumento dos investimentos. A justificativa para isso, de acordo com 63% das empresas, é a expectativa de retomada do crescimento econômico no Brasil. A estimativa das empresas, em média, é que eles aumentem 15,8% entre este ano e o próximo. No terceiro trimestre de 2017, os investimentos no Brasil voltaram a subir após ...

Leia Mais

Consumo de cerveja deve recuar pelo 3º ano seguido em 2017, mas faturamento do setor cresce

Apesar da recuperação da economia, o brasileiro ainda não retomou o padrão de consumo de antes da recessão e, em se tratando de cerveja, a tendência é continuar bebendo menos, porém gastando mais para adquirir um produto melhor, segundo pesquisas da Euromonitor e da Nielsen, que monitoram o mercado de bebidas. As vendas de cerveja em volume no país continuam em queda e devem recuar pelo 3º ano seguido em 2017. Pelos dados da Nielsen, a queda no acumulado no ano, até setembro, é de 2%, na comparação com o mesmo período do ano passado. A Euromonitor ainda não revisou a sua projeção de queda de 0,6% no ano, mas estima recuo ao redor de 1%. A Ambev, a maior fabricante de cerveja e refrigerantes da América Latina, acumula nos 9 primeiros meses do ano queda de 1,9% no volume de vendas no Brasil. As outras gigantes do mercado, Heineken e o Grupo Petróp...

Leia Mais

Bitcoin pode ameaçar estabilidade financeira, diz membro do Fed

O uso generalizado de criptomoedas como o bitcoin poderia ameaçar a estabilidade financeira, alertou nesta quinta-feira (30) o membro do Federal Reserve (Fed), Randal Quarles. Suas declarações foram feitas quando o bitcoin despencou após atingir, na quarta-feira (29), um valor dez vezes maior que o do começo do ano. O bitcoin está na mira de mercados como o Nasdaq, e as bolsas de valores e mercadorias que operam em Chicago anunciaram que vão trabalhar com bitcoins no futuro. O bitcoin está presente nas plataformas de trocas específicos, mas não nos mercados regulados. Ele não tem um banco central que lhe respalde e é regido por uma ampla comunidade de internautas. Às 19h GMT (17h de Brasília), um bitcoin valia US$ 9.734,98. Na quarta-feira, chegou a US$ 11.434, para em seguida cair mais de 15%. Nesta quinta, Quarles disse que em tempos de crises, a demanda de liquidez dos de...

Leia Mais

"Temos que ser adultos e tomarmos decisões", diz Mansueto Almeida sobre a reforma da Previdência

Não foi a primeira vez e não será a última que as redes sociais serão usadas por autoridades para dar recados ou chamar atenção para algum debate. O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, foi para Twitter nesta quarta-feira para falar sobre a reforma da previdência. Também não é inédita a aparição dele para debater o tema, mas os posts de hoje chamaram atenção porque ele sinalizou como certo o que ainda era uma ideia sem confirmação: o fim da DRU, a Desvinculação das Receitas da União. Quem argumenta que não há déficit na previdência aponta a DRU como uma das vilãs das contas, já que ao liberar parte da arrecadação dos impostos para usar como quiser, o governo estaria “tirando dinheiro” destinado à segur...

Leia Mais

Energia e combustíveis foram vilões da inflação em 2017

O governo anunciou que a conta de luz vai baixar um bocado em dezembro. A bandeira tarifária continuará no vermelho, mas vai baixar do nível 2 para o nível 1, o que aliviará um pouco o orçamento das famílias e, consequentemente, reduzirá a pressão sobre a inflação. Na mesma toada estão os combustíveis que tiveram vários reajustes para cima nas últimas semanas e agora, pelo menos o preço da gasolina pode oscilar um tiquinho para baixo com a redução anunciada pela Petrobras esta semana. A energia elétrica e os combustíveis figuram entre os maiores vilões da inflação deste ano. Segundo cálculos dos economistas do Itaú Unibanco, cada um destes itens, que compõem o IPCA, subiu cerca de 10% em 2017. Em ambos os casos as altas foram provocadas não apenas pelo preço do produto em si, mas pelo aumen...

Leia Mais

Aneel anuncia bandeira tarifária vermelha 1 em dezembro com valor de R$ 3 a cada 100 kWh

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta segunda-feira (27) que a bandeira tarifária em dezembro será vermelha em patamar 1. O custo da energia no mês que vem, segundo a agência, será de R$ 3 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. De acordo com a Aneel, em razão de, ao longo do mês de novembro, ter ocorrido uma "pequena evolução" na condição dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação a outubro, foi possível acionar a bandeira vermelha 1. Em novembro, por conta da estiagem que reduziu o nível dos reservatórios, a Aneel havia elevado a energia elétrica para bandeira vermelha patamar 2, a mais alta da escala criada pela agência para sinalizar o custo real da energia gerada. Na ocasião, o custo de 100 kWh havia saltado para R$ 5. À época, a justificativa para o reaju...

Leia Mais

Reforma da Previdência é 'mais do que suficiente para ajustar a situação fiscal do país', diz Meirelles

Em nenhum momento esperávamos que fosse aprovado 100% do projeto [reforma da Previdência]", disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, nesta sexta-feira (24) em encontro com empresários e políticos catarinenses, em Florianópolis. Na última quarta-feira (22), uma nova versão da reforma da Previdência, mais enxuta que a proposta anterior, foi apresentada pelo governo. O projeto inicial previa uma economia nos gastos com aposentadorias de cerca de R$ 800 bilhões em 10 anos no país. Com as alterações, e caso aprovada como está no novo texto, a previsão é cobrir 60% da economia original, com isso, gerar uma redução de R$ 480 bilhões aos cofres públicos em uma década. Meirelles afirma que, mesmo com a redução significativa, o impacto financeiro seria "suficiente" para as contas públicas. "O projeto como ...

Leia Mais

Mercado financeiro não está ‘calado' sobre a Previdência

Os ativos financeiros negociados no mercado são termômetro para medir várias coisas. Como anda a economia, se vai crescer ou não, se há confiança na condução do país, como estão os fundamentos (contas públicas, inflação) e, principalmente, quais as perspectivas para o curto e médio prazos. No caso do Brasil, um país emergente com baixa previsibilidade, o “preço” dos ativos é mais volátil, mas nem por isso deixa de sinalizar com clareza o que veem e o que esperam os investidores que negociam ativos domésticos. Olhando para dólar e bolsa de valores, tudo parece relativamente calmo. A discussão da reforma da Previdência está no topo da lista das preocupações porque a aprovação dela, mesmo que seja um projeto mais enxuto, significa que as contas públicas não vão explodir...

Leia Mais

Brasileiros são maiores alvos de ataque virtual que faz promessa para roubar dados

Os internautas brasileiros foram os que mais sofreram em 2017 com ataques cibernéticos de phishing, mensagens falsas que prometem descontos ou outras vantagens, mas têm o intuito de roubar dados pessoais ou disseminar pragas virtuais. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (22) pela fabricante russa de antivírus Kaspersky Lab. Ela também informou que os brasileiros só perdem para os russos quando o assunto é ser vítima de cavalos de Troia - programas maliciosos que parecem trazer benefícios, mas prejudicam os usuários. Os rankings foram elaborados pela empresa com base nos internautas que usam suas ferramentas de segurança. Com base nos ataques detectados e bloqueados, a Kaspersky calculou qual a fatia de seus clientes foi vítima em cada país. Espalhados por mensagens digitais, o Phishing é um golpe que simula comunicados de empresas. São promessas de desc...

Leia Mais

Por que o mercado costuma empregar psicopatas em postos de chefia - e por que isso pode ser um erro

Olhe em volta em seu escritório. Você classificaria algum de seus colegas como um psicopata? Ainda que o termo seja mais associado a descrições cinematográficas de matadores a sangue frio como Hannibal Lecter e Dexter Morgan, há evidências de que há muitos psicopatas no ambiente de trabalho. Estudos indicam que até um em cada cinco pessoas em postos elevados ou conselhos de empresas estão escondendo tendências psicopatas usando alguns traços de personalidade para atrair e manipular pessoas e conseguirem o que querem. Uma pesquisa do psicólogo Paul Babiak, baseado em Nova York, mostra que até 4% dos líderes de negócios nos Estados Unidos poderiam ser considerados psicopatas. Outro estudo sobre gerentes de logísticas indica que entre 3% e 21% deles sofrem de psicopatia. A prevalência da doença mental na população em geral é de 1%. ...

Leia Mais

No melhor mês de outubro em 4 anos, Brasil cria 76 mil vagas formais de trabalho

O Brasil criou 76.599 vagas de trabalho com carteira assinada em outubro deste ano, de acordo com informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Os números foram divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta segunda-feira (20). O número é a diferença entre as contratações, que somaram 1.187.819, e o de demissões no mês passado, que totalizaram 1.111.220. Foi o sétimo mês seguido com criação de postos de trabalho com carteira assinada no país; O resultado de outubro também foi o melhor para um mês registrado em 2017; Além disso, foi a primeira vez, desde 2013, em que as contratações superaram as demissões no mês de outubro. Deste modo, foi o melhor mês de outubro em quatro anos. "São números que dão ainda mais certeza de que as medidas adotadas pelo governo colocaram o Brasi...

Leia Mais

Ilan diz esperar que Fed eleve juros de forma gradual e mantenha cenário benigno para o Brasil

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou esperar que o Federal Reserve, o banco central norte-americano, continue a elevar a taxa de juros dos Estados Unidos de forma gradual, permitindo que o cenário relativamente benigno para o Brasil seja mantido. "Se continuarmos a ver as coisas se normalizando de maneira gradual, acho que ficará bem", disse ele em entrevista à Reuters no sábado, após conferência na Universidade da Califórnia, Estados Unidos. Para ele, Jerome Powell, indicado pelo presidente norte-americano Donald Trump para suceder Janet Yellen como presidente do banco central dos EUA em fevereiro, deve continuar a elevar os juros gradualmente, o que "será bom para os mercados emergentes". "Se virmos as coisas...menos gradual e mais intensas, seja vindo do lado fiscal ou qualquer outro fator que leve a inflação a subir mais do que o esperado, aí será um...

Leia Mais

"2018 será ano em que brasileiro vai se sentir bem”, diz economista

Entre os otimistas e pessimistas com o futuro próximo do Brasil há os “positivos” com a dinâmica atual da economia e de como ela deve se comportar no ano que vem. É o caso do economista Armando Castellar, do IBRE/FGV. Para ele não cabe muito falar em otimismo porque o “cenário é mediano”, mas também não dá para negar a melhora da atividade e, especialmente, a força crescente do consumo das famílias – que irá puxar o resto da economia para cima.  “É positivo se for comparado ao que vivemos nos últimos anos. O PIB agora responde mais rápido, a inflação está baixa, as contas externas equilibradas, o desemprego está caindo, os juros também. Então, é  bastante positivo e o consumo das famílias que vai puxar o resto. Vamos viver um cenário de ‘feel good’, com a...

Leia Mais

'Mercado da saudade' volta com força e leva produtos brasileiros ao exterior

Voltar com a mala cheia de produtos típicos do Brasil vira prática do passado para os brasileiros radicados no exterior. Depois de alguns anos de retração, devido à crise econômica, a exportação de especiarias como pão de queijo, açaí ou cachaça cresceu 77% em 2016, de acordo com a Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (Apex). O chamado “mercado da saudade” leva os produtos para lojas especializadas na América do Norte e na Europa e, muitas vezes, é a porta de entrada para a ampliação dos negócios no exterior. Estados Unidos e Canadá são os principais destinos dos ingredientes brasileiros no mundo, um negócio que movimentou pelo menos US$ 50 milhões no ano passado e deve crescer mais 10% neste ano. Na Europa, são o Reino Unido e Portugal, que abrigam as maior...

Leia Mais

'Ano que vem a economia vai andar de lado, como agora', diz economista

O consumidor brasileiro voltou aos supermercados. As vendas ganharam força em setembro e reforçaram o desempenho do varejo naquele mês. O setor cresceu 0,5% no mês e 6,4% na comparação com mesmo período de 2016. Em 2016, quando o movimento nos mercados despencou, marcou o pior momento da crise, quando os brasileiros começam a cortar produtos básicos da vida.  “Recuperação dos supermercados é claramente um sinal de bom porque é produto básico. Há uma forte melhora geral de todos os indicadores de atividade, uma mudança de patamar entre 2016 e 2017. Mas acho que no ano que vem vai ficar andando de lado, como tem andado mais recentemente. Eu estou com a turma que acredita num PIB de 2% (2018) porque não vejo melhora a partir deste novo patamar, não sem investimento e sem aumento do emprego”, disse em entrevista exclusiva ao Blog o economista chefe...

Leia Mais

Superávit comercial supera US$ 60 bilhões na parcial de 2017 e bate recorde

A balança comercial brasileira registrou superávit (exportações maiores que importações) de US$ 60,28 bilhões no acumulado deste ano, até domingo (12), informou nesta segunda-feira (13) o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). O superávit registrado na parcial deste ano é recorde. No mesmo período do ano passado, a balança também registrou saldo positivo, mas menor: US$ 39,95 bilhões. O saldo comercial do acumulado de 2017 supera, ainda, o resultado positivo de todo ano passado (US$ 47,7 bilhões), que era o maior da série histórica, que começa em 1989. Na parcial de 2017, até 12 de novembro, as exportações somaram US$ 189,71 bilhões, com média diária de US$ 878 milhões (alta de 19,7% sobre o mesmo período do ano passado). Já as importa&cc...

Leia Mais

Nova lei trabalhista aproxima Brasil dos países desenvolvidos

A reforma trabalhista já não é mais uma reforma, é lei. A partir deste sábado, 11 de novembro, as novas regras passam a valer dando início a uma modernização necessária e desejável do mercado de trabalho. O Brasil passa a se inserir, agora com novos instrumentos e fundamentos, no grande debate internacional sobre o dilema entre emprego e trabalho. O emprego como o conhecemos até hoje está em extinção. Aquele que representa a segurança financeira, pacotes de benefícios, o “vestir a camisa” da empresa, um vínculo longevo com as corporações, está perdendo espaço para outras noções de sucesso e estabilidade na vida profissional – por bons e maus motivos. O movimento de desmantelamento de empregos partiu da automação e das novas tecnologias que têm destituído as pessoas de sua particip...

Leia Mais

Meirelles fala em 'medidas complementares'

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quinta-feira (9), durante um seminário em Brasília, que podem ser necessárias "medidas complementares" à reforma da Previdência para garantir o cumprimento da regra que fixou o teto para os gastos públicos. Aprovada no final do ano passado, a regra do teto de gastos começou a valer em 2017. Ela limita as despesas do governo, em um ano, ao valor do ano anterior, corrigido pela inflação. Trata-se de uma das medidas do ajuste fiscal do governo Michel Temer e tem o objetivo de controlar o aumento das despesas para reequilibrar as contas públicas. Mais cedo nesta quinta, Meirelles participou de um café da manhã em que foram discutidas mudanças na proposta de reforma da Previdência. Após o encontro, o ministro estimou que o provável texto que será submetido à votação no Congresso deve...

Leia Mais

Dificuldade de concentração e interrupções são as principais queixas de quem trabalha de casa

A dificuldade de concentração em assuntos profissionais é a principal queixa das pessoas que trabalham em casa, seguida por interrupções de familiares. Os dados se referem à prática de home office no Brasil, e fazem parte de uma pesquisa divulgada pela empresa Space, que ouviu 900 brasileiros que trabalham em casa. Os entrevistados atuam em empresas de nove setores diferentes: consultoria e serviços, utilities, tecnologia, automotivo, bancário e financeiro, varejo, turismo, saúde e farmacêutico, comunicação e marketing. Segundo o levantamento, 48% dos brasileiros que trabalham em casa dizem que não é fácil se concentrar em assuntos do trabalho. Além disso, 44% dizem que a família interrompe reuniões e ligações, e 43% dizem que as pessoas em casa demandam atenção de quem está trabalhando. Mas nem tudo são d...

Leia Mais

Governo pode criar fundo para segurar variação de preços de energia, diz Meirelles

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira (7) que a privatização da Eletrobras vai viabilizar a criação de um fundo para segurar as variações de preço da energia. Para ele, a venda da estatal é positiva porque vai trazer capital a empresa e permitir novos investimentos por parte da Eletrobras. "Essa entrada de recursos vai também viabilizar outras coisas. Por exemplo, uma certa parte será direcionada a um fundo de amortecimento de variações de preço de eletricidade em função de situações como a atual onde há uma seca e tende a haver uma flutuação", afirmou o ministro após participar de evento em São Paulo. O preço da energia cobrada dos consumidores brasileiros varia conforme o volume dos reservatórios das hidrelétricas. Quando eles estão cheios, o sistema ...

Leia Mais

Investir em educação aumenta a riqueza de um país?

Diversas discussões políticas, mesmo as mais polarizadas e divergentes, concordam sobre uma pauta: investir em educação é saudável para os países. Tal noção foi efetivamente sistematizada pela primeira vez no trabalho do economista vencedor do Nobel em 1979, Theodore Schultz. Ele analisou os efeitos da educação na capacidade de produção agrícola e, consequentemente, em toda a economia, trazendo a resposta para a seguinte questão: investir em educação aumenta a riqueza de um país? A questão da riqueza dos países é estudada há séculos. Adam Smith escreveu sua principal obra, “A Riqueza das Nações”, em que o autor busca cientificamente explicar por que alguns países são mais ricos que outros. Na obra, o pai da Economia (como Adam Smith ficou conhecido) busca explicar, utilizando abordagen...

Leia Mais

Chorar sobre o leite derramado é tendência humana

Todo mundo sabe que não adianta chorar sobre o leite derramado. No entanto, por que continuamos a ignorar o clássico conselho e a sofrer com aquilo que os economistas chamam de custos incorridos (sunk cost)? Para entender o dilema, imagine que você comprou um par de ingressos para um show da sua banda preferida com meses de antecedência. No entanto, no dia do espetáculo, cai um temporal na cidade e o trânsito fica um caos. Se você não tivesse já gastado dinheiro com aquele show, não sairia de casa por nada no mundo. No entanto, como você já comprou os ingressos, sente-se na obrigação de ir. Nenhum economista clássico hesitaria neste momento: tendo ou não desembolsado o valor do ingresso, a decisão de não ir ao evento seria a mesma. Afinal, o dinheiro já foi embora, mas isso não quer dizer que você precisa ir a um show contra a sua vontade, &ldq...

Leia Mais

Recuperação econômica começa com criação de emprego informal, diz presidente do BC

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta terça-feira (31) que é normal que a recuperação econômica se dê, em um primeiro momento, por meio da criação de vagas de trabalho informais, por meio de pessoas que trabalham por conta própria ou então de postos sem carteira assinada. "Foi colocado aqui que a taxa de desemprego está caindo por conta do emprego por conta própria ou sem carteira. Isso é verdade, mas na recuperação se dá assim. Quando se sai da recessão, começa a gerar emprego assim", afirmou o Goldfajn durante audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO). Ele afirmou, no entanto, que os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, mostram recuperação do emprego formal também. Até setembro, o Brasil criou 208.874 postos com c...

Leia Mais

O que aprender com a recessão?

Foram 11 trimestres de atividade em queda no Brasil, ou seja, 33 meses andando para trás, entre abril de 2014 e dezembro de 2016. O país acaba de sair da pior recessão da sua história, segundo a linha do tempo da economia elaborada pelo Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (Codace) da FGV. Olhar pelo retrovisor será tão importante quanto acompanhar a saída da crise, não só para que os diagnósticos sejam bem fundamentados, mas, principalmente, para que lições tenham sido aprendidas. Uma recessão não nasce de um dia para o outro. Ela pode ser provocada por um abalo extemporâneo, o estouro de uma bolha e então a economia reage pela via da insegurança total com o futuro. Foi o que aconteceu em 2008, depois da quebradeira geral do sistema financeiro mundial. Passado o tempo necessário para reflexão, fica claro que aquela crise foi...

Leia Mais

John Nash: as brilhantes contribuições de uma das maiores mentes da economia

A teoria dos jogos é uma maneira matemática de modelar uma situação em que duas pessoas interagem para a tomada de uma decisão. Sua aplicação se dá nos mais variados contextos, abrangendo desde a biologia para explicar evolução, até na aplicação de  dilemas éticos. No último século, este campo do pensamento avançou muito, sendo John Nash o maior contribuinte para o tema. John Forbes Nash Jr., nascido em 1928 no estado de Virginia, nos Estados Unidos, graduou-se em Matemática pela Universidade Carnegie Mellon. Em 1950, Nash obteve seu doutorado pela Universidade de Princeton, com uma tese a respeito de jogos não cooperativos. Tal tese levou mais tarde à publicação de três artigos importantes para o desenvolvimento dos estudos de Jogos. Dotado de extrema inteligência desde criança, o matemático come&cce...

Leia Mais

Aprovação da reforma da Previdência interessa a todos os partidos, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meireles, disse hoje (26) que este é o momento de aprovar a reforma da Previdência, principalmente para os partidos que pretendem estar no poder em 2019. “É interesse de todas as áreas políticas a aprovação da reforma da Previdência agora, neste governo, porque todos aqueles partidos que aspiram estar no poder em 2019, acredito que estarão muito melhor, se vieram a ganhar, independente qual o partido que seja, se a Na avaliação de Meirelles, os parlamentares que votarem a favor da reforma da Previdência poderão usar isso como plataforma eleitoral para a campanha de 2018. “Na medida em que a votação dessas reformas todas e o avanço da economia levam à criação de empregos, à inflação mais baixa, levam portanto à melhora do padrão de vida de todos, eu acredito que isso é um...

Leia Mais

Confiança do consumidor sobe e retorna ao nível anterior à crise política

A confiança do consumidor da Fundação Getulio Vargas subiu 1,4 ponto em outubro, atingindo 83,7 pontos, maior nível desde março (85,3). Em relação ao mesmo período no ano anterior, o índice avançou 3,8 pontos. Em maio, foi deflagrada a maior crise política do governo, com a revelação do conteúdo do encontro do presidente Michel Temer com o empresário Joesley Batista, dono da JBS, no Palácio do Jaburu. "A recuperação mais consistente da economia fez com que a confiança do consumidor retornasse ao nível anterior à crise política. Na comparação com indicadores empresariais, no entanto, a confiança do consumidor ainda é baixa, sinalizando cautela diante dos níveis elevados de incerteza. Os resultados sugerem que a melhora do consumo nos últimos meses tem sido sustentada mais pela libera&cc...

Leia Mais

Como é bom ter inflação baixa

O aumento da tarifa da banda vermelha da conta de luz será muito alto, escandaloso até, já que chega a 43%. O valor acionado nas contas passará de R$ 3,50 para R$ 5,00 a cada 100 kWh consumidos. O ajuste busca equilíbrio entre a oferta e a demanda de energia no país, num momento em que temos reservatórios das usinas hidrelétricas em baixa e a necessidade de acessar a energia mais cara produzida no mercado. A proposta da Aneel, agência reguladora do setor elétrico, traz outras mudanças relevantes no funcionamento da bandeira tarifária, que podem ajudar a gerir melhor a dança dos preços entre um patamar e outro, a depender das condições de geração de energia e do seu custo. De qualquer forma, no curto prazo, a conta já vai ficar bem mais salgada, antes que qualquer um de nós entenda um benefício possível da mudança. O impact...

Leia Mais

Juros próximos ao recorde de baixa

Nesta semana os juros no Brasil vão chegar muito perto do recorde de baixa que tivemos em 2012. Na penúltima reunião do Banco Central de 2017, marcada para a próxima quarta-feira, a Selic deve cair para 7,5%, muito perto dos 7,25% alcançados há cinco anos. Os números são próximos e parecidos, mas as condições econômicas dos dois períodos são absolutamente diferentes, a começar pela dinâmica da inflação. As expectativas para o IPCA de 2017 estão correndo próximas aos 3% e o movimento com a taxa de juros que está sendo promovido pelo BC agora já faz parte da estratégia para 2018, já que há defasagem no efeito da política monetária. Em dezembro teremos o último encontro do Comitê de Política Monetária do ano e a Selic vai cair para 7%, novo recorde, e não deve parar po...

Leia Mais

Setores de construção civil e investimentos de empresas dão sinais de melhora, diz monitor do PIB da FGV

A economia brasileira voltou a apresentar crescimento em todas as bases de comparação, segundo dados do Monitor do PIB-FGV, divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (20). A construção civil e a formação bruta de capital fixo (acréscimo de investimentos das empresas para aumentar a sua capacidade de produção) mostraram melhora, apesar de ainda estarem em níveis baixos. Segundo o monitor do PIB-FGV, houve crescimento de 0,2% do PIB em agosto na comparação com julho. No trimestre terminado em agosto, o crescimento foi de 0,6% em comparação com o trimestre terminado em julho. Em ambas as comparações, os resultados apontam para a terceira variação positiva consecutiva do indicador. Em comparação com agosto de 2016, o PIB apresentou crescimento de 2% - quarta taxa mensal positiva consecutiva. “No mês...

Leia Mais

País abre 34,3 mil vagas formais no melhor mês de setembro em 3 anos

O Ministério do Trabalho informou nesta quinta-feira (19) que o Brasil gerou 34.392 vagas de trabalho com carteira assinada em setembro deste ano. Os dados constam do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No mês passado, foram registradas 1.148.307 contratações e 1.113.915 demissões de trabalhadores com carteira assinada. Esse foi o sexto mês seguido com criação de postos de trabalho com carteira assinada no país. Foi também a primeira vez, desde 2014, em que as contratações superaram as demissões no mês de setembro. Deste modo, foi o melhor mês de setembro em três anos. "Os números de setembro confirmam, mais uma vez, o processo de recuperação gradual do mercado de trabalho, como reflexo da retomada do crescimento da economia do país", avaliou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, por meio de nota à imprens...

Leia Mais

Pequenos negócios já empregam mais da metade dos trabalhadores no país, diz IBGE

A crise financeira que o Brasil enfrenta há três anos provocou mudança na dinâmica do mercado de trabalho. Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que são os micro e pequenos negócios que têm movimento a contratação no país. O levantamento tem como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) realizada em 2016. Os dados mostram que as empresas que têm entre um e cinco funcionários passaram a ocupar mais da metade dos trabalhadores ativos do país. Até 2014, empreendimentos deste porte empregavam, em média, 46,6% dos trabalhadores. Em 2015 este percentual saltou para 48,1%, chegando a 50,1% no ano passado. Já as empresas de grande porte, com 51 ou mais pessoas ocupadas, respondiam em média, até 2014, por 30,3% dos trabalhadores ocupados. Em 2015 este percentual ...

Leia Mais

Empréstimos do BNDES caem 20% no ano até setembro

O volume de desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entre janeiro e setembro foi de R$ 50 bilhões, 20% menor que no mesmo período do ano anterior, informou a instituição nesta terça-feira (17). A maior queda aconteceu na região Sudeste, onde os empréstimos foram 35% menores. Em seguida, a região Sul mostrou a segunda maior retração nos recursos do banco de fomento, de 20%. Por outro lado, o Nordeste teve o maior crescimento no volume desembolsado, de 19%, alcançando R$ 9,4 bilhões neste período. No Centro-Oeste, a queda foi de 1%, e na região Norte, de 10%. Nos últimos 12 meses, os desembolsos feitos pelo banco representaram R$ 76 bilhões, uma queda de 27% na comparação com o período imediatamente anterior. Houve uma queda de 12% nas consultas por crédito no BNDES, a etapa inicial do processo, a...

Leia Mais

Vendas do Dia das Crianças sobem 2,9% e registram melhor desempenho desde 2014, diz Serasa Experian

As vendas do comércio para o Dia das Crianças tiveram o melhor desempenho desde 2014, segundo a Serasa Experian. Durante a semana da data, de 5 a 11 de outubro, as vendas subiram 2,9% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já no final de semana antes do Dia das Crianças (6 a 8 de outubro), houve aumento de 1,4% em todo o país na comparação com o final de semana equivalente ao do ano anterior (7 a 9 de outubro). Na cidade de São Paulo, as vendas realizadas na semana do Dia das Crianças subiram 2,7% ante a mesma semana do ano passado. No final de semana da data, as vendas aumentaram 0,7% em relação ao período equivalente ao ano anterior. De acordo com os economistas da Serasa Experian, a recuperação da renda real dos consumidores, proporcionada pelo recuo sistemático da inflação, a melhora dos níveis de confiança e a retomad...

Leia Mais

Meirelles diz que aprovar reforma da Previdência neste ano 'é questão de bom senso'

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira (12) que acredita que "há uma chance muito boa" de o Brasil aprovar uma proposta de reforma da Previdência até o final do ano e alertou que o adiamento da votação pode ser prejudicial para o próximo governo que for eleito em 2018. "É uma questão de bom senso para o país aprovar agora a reforma da Previdência", disse Meirelles a jornalistas em Washington, nos Estados Unidos. "A reforma da Previdência é interesse ou deveria ser o interesse das diversas facções políticas. Porque, inclusive, se não for aprovada agora, ela terá que ser discutida e aprovada no próximo governo. Então isso será ruim para quem assumir, porque o primeiro desafio será exatamente enfrentar a reforma da Previdência", continuou. Meirelles, que participou de uma sess&...

Leia Mais

Ser otimista ou pouco otimista com Brasil? Eis a questão!

A Comissão Econômica para América Latina e Caribe, a Cepal, acaba de revisar para cima sua projeção de crescimento para a região em 2017 e 2018: 1,2% e 2,2%. O Brasil é a maior economia do continente e certamente a melhora no ritmo da retomada na parte de cá colaborou para a revisão. Ao mesmo tempo, olhar como vão se sair os vizinhos pode comprometer o alento que muita gente vem tendo com a recuperação da nossa economia. O PIB do México deve crescer 2,2%, da Argentina, 2,4%, da Colômbia, 1,8% e o Brasil, apenas 0,7%. Como tudo na vida depende do ponto de vista, se a gente ficar olhando para os lados, a frustração será inevitável. Não só pela força do crescimento, mas pela noção de que perdemos o bonde de retomada da economia internacional, que tem espalhado benefícios até os cantos – isso tudo porque erramo...

Leia Mais

Brasil crescerá menos do que os países da América Latina em 2017 e 2018, diz FMI

A economia brasileira vai crescer mais do que o esperado em 2017 e em 2018, mas ainda assim vai ficar bem aquém da média dos países da América Latina e do Caribe, segundo relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgado nesta terça-feira (10). O FMI projetou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país este ano deve avançar 0,7%, bem menos do que o 1,2% esperado para a América Latina toda, segundo o documento "Perspectiva Econômica Global". Para 2018, a estimativa é de que o Brasil tenha expansão de 1,5% e a região, de 1,9%. Na comparação com as contas feitas em julho, o FMI aumentou a expectativa para o PIB brasileiro em 0,4 e 0,2 ponto percentual para 2017 e 2018, respectivamente. Neste ano, a melhora veio pelo bom desempenho da safra agrícola recorde e pela melhora do consumo. Quando comparado com os dados divulgados em abril, a projeç...

Leia Mais

Nobel de Economia jogou luz na forma como pensamos em dinheiro

Não pensamos (e nem agimos) conforme preveem os livros e manuais de economia – este é o ponto principal do trabalho do Richard Thaler, vencedor do Prêmio Nobel de Economia deste ano. A “racionalidade limitada” – ou, de forma mais direta, nossa irracionalidade – é a base da produção de Thaler, que soube casar os universos da economia e da psicologia como poucos. Dentro deste universo da irracionalidade do ser humano, Thaler desenvolveu a teoria da “Contabilidade Mental”. Dada a dificuldade de organizarmos e planejarmos nossas vidas financeiras, simplificamos o processo de tomada de decisão sobre o nosso dinheiro e criamos “contas correntes” diferentes em nossas cabeças. Com isso, simplificamos demais as decisões de compras, por não olharmos para o todo. Thaler ilustra a questão com uma anedota: “O problema pode ser ‘O Sr. S. admira uma malha...

Leia Mais

Bandeira vermelha: é hora de economizar energia

Por conta do baixo volume de chuva nas regiões das hidrelétricas, entrou em vigor em outubro a bandeira vermelha nível dois pela primeira vez na conta de energia. Isso significa um acréscimo de R$ 3,50 por cada 100 Kw/h consumidos em energia elétrica - um aumento de 75% nessa tarifa adicional. Em setembro, estava em prática a bandeira amarela, com uma tarifa adicional de R$ 2. Energia elétrica é um produto inelástico segundo os economistas. Isso quer dizer que seu consumo muda pouco com aumento ou redução de preços. Quando o preço sobe, não é fácil diminuir o seu consumo, exceto para quem desperdiça. A discussão é, portanto, inevitável: quais são as classes sociais e os setores da economia mais atingidos? O que podemos fazer para economizarmos mais energia elétrica? Quais os possíveis impactos para a economia? E o que o g...

Leia Mais

Mundo deve 'agarrar oportunidade' de recuperação global, diz diretora do FMI

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, disse nesta quinta-feira (5), que o mundo está vivendo uma recuperação econômica, abrindo uma janela para os países tocarem reformas destinadas a alcançar uma prosperidade mais ampla e duradoura. "A muito esperada recuperação global está criando raízes", disse ela em um pronunciamento nesta noite na Kennedy School of Government de Harvard. Países ao redor do mundo vivem uma expansão econômica renovada ou sustentada, e isso coincide com maior estabilidade dos bancos e confiança dos mercados, afirmou. "Será que o mundo pode agarrar a oportunidade de uma ascensão para garantir a recuperação e criar uma economia mais inclusiva, que funcione para todos?", questionou. Os apontamentos de Lagarde foram feitos uma semana antes do começo do encontro an...

Leia Mais

Governo diz que abastecimento de eletricidade está assegurado apesar de seca

Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) afirmou nesta quarta-feira (4) que as condições de abastecimento de energia elétrica no país estão asseguradas, apesar das previsões de chuvas abaixo da média em grande parte das regiões de hidrelétricas do Brasil e dos níveis críticos dos reservatórios do Nordeste. Segundo nota do órgão formado por autoridades da área de energia do governo após reunião nesta quarta-feira, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apresentou simulações atualizadas de expectativa de armazenamento nas hidrelétricas Três Marias e Sobradinho ao longo do período seco, utilizando os piores cenários de afluências verificados no histórico, "que têm se aproximado da realidade vivenciada atualmente". E os resultados apontam para o atingimento dos n&...

Leia Mais

Alta na conta de luz – custo e aprendizado

A conta de luz ficou mais salgada com a aplicação da bandeira tarifária vermelha, no segundo nível, o mais caro que nunca tinha sido ativado. O gatilho foi acionado porque os reservatórios de água estão vazios e a geração de energia terá que sair das caríssimas termelétricas. A alta pode perdurar por meses até que haja segurança hídrica para voltar a ligar as usinas. Para o consumidor, há o custo maior e, para o país, um aprendizado. Quando a oferta de um produto barato diminui, resta a opção mais cara e no caso da luz, como abrir mão dela? Não vai dar para ficar sem, mas será preciso aumentar a vigília para não deixar nada aceso ou ligado sem necessidade em casa. Mesmo para quem trocou as lâmpadas pelas de Led, que consomem até 80% a menos, o que for usado vai custar mais. O aprendizado está na...

Leia Mais

Com inflação 'bastante favorável', BC indica que juro deve continuar recuando

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta segunda-feira (2), durante palestra na Universidade de São Paulo (USP), que o comportamento da inflação, de uma forma geral, permanece "bastante favorável" e indicou que, por conta disso, o processo de corte de juros deve ter continuidade. Atualmente, os juros básicos da economia estão em 8,25% ao ano, após oito cortes consecutivos. Os juros recuam ao menor nível desde julho de 2013, ou seja, em pouco mais de quatro anos. Em termos reais, ou seja, após o abatimento da inflação estimada para os próximos 12 meses, Goldfajn informou que os juros estão em 3,1% ao ano, um patamar "baixo do ponto de vista histórico brasileiro e tende a estimular a economia", disse Goldfajn. Segundo ele, as projeções do BC indicam uma inflação sob controle, situando-se em 3,2% neste ano e em 4,3% e...

Leia Mais

Por que um picolé custa mais caro nos dias de verão?

Por que os preços oscilam? Como os mercados conseguem se regular? Durante séculos, economistas debateram entre si e buscaram a compreensão das dinâmicas de mercado e sobre como os preços são determinados. Falecido em fevereiro de 2017 aos 95 anos, o economista Kenneth Arrrow conseguiu trazer uma resposta para o problema. A Teoria do Equilíbrio Geral, trabalho que lhe deu o prêmio Nobel de Economia de 1972, aos 51 anos de idade – o mais jovem a ganhar o prêmio –, estabelece que elementos distantes de uma economia influenciam um ao outro, mesmo afastados, e que, em tal cenário, os preços tendem a se ajustar para que o equilíbrio geral ocorra. O trabalho, feito em conjunto com Gerard Debreu (ganhador do prêmio Nobel de 1983), resultou na formulação de sua teoria, na qual os dois aperfeiçoaram o modelo de equilíbrio geral proposto anteriormente por Léon W...

Leia Mais

CNC prevê contratação de 73,1 mil temporários e aumento de 4,3% nas vendas de Natal

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) prevê que o Natal de 2017 terá aumento nas vendas e na abertura de vagas temporárias, após dois anos consecutivos de queda. Devem ser contratados 73,1 mil trabalhadores temporários, avanço de 10% em relação aos 66,7 mil postos criados em 2016. Em relação ao volume de vendas do fim de ano, a CNC prevê avanço de 4,3% no varejo, o equivalente à movimentação financeira de R$ 34,3 bilhões até dezembro. A temporada de oferta de vagas no setor deve ocorrer entre setembro e dezembro – um “efeito de adiamento” em relação aos anos anteriores. “Antes da crise, mais de 20% das vagas começavam a ser preenchidas em setembro e outubro. Nos dois últimos anos, esse percentual não passou dos 15%”, afirma Fabio Bentes, c...

Leia Mais

Confiança do comércio avança em setembro após 4 quedas seguidas, aponta FGV

A confiança do comércio brasileiro teve forte alta em setembro após quatro quedas seguidas, em meio a um alívio após incertezas políticas e preocupações com a sustentação das vendas. O Índice de Confiança do Comércio (Icom) do Brasil apresentou em setembro alta de 6,8 pontos, chegando a 89,2 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira (27). "A queda da confiança nos meses anteriores havia refletido o aumento da incerteza com a crise política de maio e, mais recentemente, a preocupação coma sustentação das vendas após o fim do período de liberação de recursos do FGTS. O bom resultado de setembro mostra que este momento já passou", explicou em nota o superintendente de Estatísticas Públicas da FGV/IBRE, Aloisio Campelo Jr. A melhora da confiança ...

Leia Mais

Confiança da construção sobe e recupera patamar de 2015

O índice de confiança da construção subiu 1,4 ponto em setembro, alcançando 77,5 pontos, na série com ajuste sazonal. Após o quarto mês seguido de alta, o índice recuperou o patamar de abril de 2015 (77,2 pontos), segundo divulgação da Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (26). “Em setembro, a melhora da confiança começou a se mostrar mais disseminada entre os segmentos. Vale destacar, especialmente, a sexta alta consecutiva da confiança no segmento de preparação de terreno, um segmento antecedente do início de obras, o que pode significar um cenário menos negativo para as empresas da construção neste segundo semestre”, diz Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE. A alta decorreu da melhora tanto da percepção sobre o momento presente do empres...

Leia Mais

IPCA abaixo da meta – não há nada que BC possa fazer para 2017

A ameaça rondava, mas estava ainda no campo das probabilidades baixas. Agora ficou mais real e quase irrefutável. O IPCA de 2017 vai ficar abaixo da meta de inflação, que é de 4,5%, com limite inferior de 3%. O relatório Focus do BC que trouxe a confirmação do que muito já se via nos cenários possíveis para o ano. A projeção dos analistas está agora em 2,97% para o índice oficial. E já está também abaixo dos 4,5% para 2018.  “Não há mais nada que o BC possa fazer para impedir que o IPCA fure o piso da meta, que é de 3%. Qualquer decisão que ele tome agora só terá impacto na inflação do ano que vem. Ele pode ter a ‘sorte’ de acontecer algum repique com preços de alimentos ou a energia elétrica ficar em bandeira vermelha até o final do ano, mas é pouco pro...

Leia Mais

‘The Chicago Boy’: Milton Friedman e suas contribuições para a economia

O que você faz quando ganha um dinheiro extra? Milton Friedman, um dos nomes mais influentes da economia do século XX, respondeu essa questão. Ele foi conhecido por ser um dos grandes nomes da chamada “Escola de Chicago”, a qual ficou famosa por se opor aos Keynesianos, nome dado aos discípulos do notório economista britânico John Keynes, e por defender uma menor intervenção estatal na economia. Friedman realizou importantes estudos na micro e macroeconomia e levou o prêmio Nobel de Economia em 1976. Na “Teoria da Função do Consumo”, o economista ofereceu uma visão inovadora para a relação entre renda e consumo. Até então se defendia que qualquer aumento no rendimento dos indivíduos resultaria em uma alta imediata do consumo e, portanto, da demanda como um todo. Friedman, no entanto, tinha uma visão diferente. Segundo ele, o rendimento...

Leia Mais

País abre 35 mil vagas em agosto, e emprego cresce pelo quinto mês seguido

A economia brasileira abriu 35.457 vagas de trabalho com carteira assinada em agosto deste ano, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta quinta-feira (21). No mês passado, foram registradas 1.254.951 contratações e 1.219.494 demissões de trabalhadores com carteira assinada. A diferença entre os dois números é o saldo positivo de 35.457 vagas. Foi o quinto mês seguido com criação de postos de trabalho com carteira assinada no país. Foi também a primeira vez, desde 2014, em que as contratações superaram as demissões no mês de agosto. Deste modo, foi o melhor mês de agosto em três anos. Em agosto de 2015 e de 2016, respectivamente, foram fechadas 86.543 e 33.953 vagas de trabalho. Em agosto de 2014, por sua vez, foram abertas 101.425 vagas de empregos com carteira assinada. ...

Leia Mais

A Reconstrução do Brasil, de José Fucs, é roteiro para crescimento da economia (Opinião)

Todos os adjetivos já foram aplicados para qualificar a crise que atingiu o Brasil desde 2014. Livros e artigos analisaram diversos aspectos das causas e das consequências dos desequilíbrios gerados pela gestão de Dilma Rousseff, das pedaladas à recessão. Chega agora às bancas uma nova obra que passa pela visão do passado, mas olha essencialmente para frente, para os desafios para um futuro que não pode demorar a chegar.  “A Reconstrução do Brasil”, do jornalista José Fucs, acaba de ser lançado pela editora do jornal O Estado de S.Paulo, reúne uma série de 15 reportagens especiais publicadas entre setembro de 2016 e janeiro deste ano. O ponto de partida foi o impeachment de Dilma, em maio do ano passado. Com a expectativa de uma virada radical na política econômica do governo, que acabou acontecendo, Fucs fez mais de 50 entrevistas para traçar ...

Leia Mais

Ilan reforça redução moderada no ritmo de corte de juros

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, reforçou nesta terça-feira (19) a mensagem de que o BC vê neste momento uma desaceleração moderada no ritmo de afrouxamento da Selic como adequada para a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em outubro, em apontamento feito em Nova York durante reunião com investidores. Em discurso bastante similar ao proferido em evento em São Paulo na semana passada, Ilan acrescentou que essa perspectiva leva em conta uma evolução do cenário básico dentro do esperado. Sob essas mesmas condições, o Copom vê o encerramento gradual do ciclo de distensão monetária. No início deste mês, o BC cortou os juros básicos em 1 ponto percentual, a 8,25% ao ano. Desde que começou a reduzir a Selic em outubro do ano passado, já diminuiu a taxa básica em 6 pontos....

Leia Mais

Oração, sim. Milagre, não

Henrique Meirelles pediu que oremos pela criação de empregos no Brasil. Num país de governo laico, mas predominantemente cristão, o pedido do ministro da Fazenda não chega ser estranho, mas pede um complemento. Para que a recuperação da atividade econômica, que engatinha agora, seja capaz de gerar contratações de trabalho, oração até vale, mas não vale milagre. O novo ciclo que parece estar em curso ainda depende de muita ação dos homens, especialmente os que ocupam o poder público, para proporcionar a alegria esperada por Meirelles. Em vídeo gravado para um evento de uma igreja da Assembleia de Deus, Meirelles afirmou que compartilha com os mesmos valores da igreja, os valores “da lei de Deus. Infelizmente, ou felizmente, depende do ponto de vista, o que nós precisamos mesmo é de uma lei do Congresso Nacional – as de Deus n&ati...

Leia Mais

Grupos podem ser mais inteligentes do que indivíduos, exceto quando se comportam como manada

Saques, linchamentos e outros atos de violência: por diversos motivos, acredita-se que as multidões podem fazer barbáries quando reunidas. Provavelmente foram eventos do tipo que fizeram o filósofo Friedrich Nietzsche escrever: “A loucura é uma exceção nos indivíduos, mas a regra nos grupos.” O mesmo defendia o escritor francês Gustave Le Bon, que escreveu diversos tratados sobre a selvageria coletiva entre o final do século 19 e começo do século 20. Essa impressão ficou para nossos tempos, especialmente quando usamos termos como “massa”. Porém, grupos podem ser mais inteligentes e assertivos do que a maior parte dos indivíduos – basta que as experiências individuais sejam somadas e que se produza uma média a partir delas. Quem relata este fenômeno é o jornalista James Surowiecki, em seu livro “A Sabedoria das Multid&oti...

Leia Mais

Economia reage a despeito do desrespeito da política

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, diz que o governo está pronto para revisar para cima as expectativas oficiais para o crescimento da economia em 2017 e 2018. Meirelles quer seguir a onda dos economistas do setor privado que já reviram suas projeções para o PIB depois de conhecerem os resultados sobre a atividade nos últimos meses. O mais recente é o IBC-Br, calculado pelo BC, que registrou alta de 0,41% em julho, sinalizando um bom começo de segundo semestre. Outros dados que já foram divulgados corroboram a recuperação, ainda lenta, porém mais forte do que se esperava. Mesmo a acomodação nos serviços e no comércio em julho estão longe de ser uma inflexão na trajetória positiva. A acomodação é esperada em tempos de virada de ciclos. A composição de estímulos que vão garantir a continuidade da recup...

Leia Mais

Oscilação dos serviços faz parte do ciclo de recuperação (Opinião)

O ciclo de recuperação da economia brasileira já está em curso. Mas seu ritmo e intensidade ainda vão apresentar oscilações nos resultados mensais. É o que mostra desempenho do setor de serviços, com queda de 0,8% em julho, depois de três altas seguidas, segundo IBGE. A mesma coisa pode-se dizer do resultado das vendas do comércio, que foi de estabilidade no mês de julho, também depois de três meses seguidos de alta.  Olhando para este comportamento fica claro que o dinheiro do FGTS foi determinante para estimular a demanda das famílias. Ainda assim, os dados do IBGE mostram também que a escolha pelo destino da renda está sendo seletiva e voltada para coisas do dia a dia. O turismo teve queda de 2,1% em julho, pleno mês de férias escolares do país. A acomodação em julho não significa que o efeito terá ficado apena...

Leia Mais

Emprego na construção no país sobe em julho após 33 meses de queda, diz sindicato

O nível de emprego na indústria brasileira de construção civil em julho subiu pela primeira vez após 33 meses consecutivos de queda, informou nesta terça-feira (12) o Sindicato da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP). O setor contratou 1.677 pessoas em julho, empregando um total de 2,458 milhões de trabalhadores, um número 0,07% maior em relação ao mês anterior, mostrou uma pesquisa da entidade em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) com base em dados do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE). O Sinduscon-SP atribuiu a melhora a segmentos como preparação de terrenos e obras de infraestrutura, mas alertou que ainda não vê uma inversão da tendência para este ano. "Tanto a atividade da construção imobiliária como a da infraestrutura seguirão em queda em 201...

Leia Mais

Cenário para inflação é positivo e inusitado (Opinião)

O que está acontecendo com o processo inflacionário no Brasil é certamente positivo e inusitado, ao mesmo tempo. Positivo porque a redução da carestia beneficia trabalhadores e assalariados que recuperam poder de compra. Depois de dois anos de meio de recessão e de ter enfrentado um IPCA de dois dígitos, a economia brasileira caminha para conviver com uma inflação mais civilizada, em torno dos 3% ao ano. Segundo relatório Focus, produzido pelo BC, os analistas do mercado financeiro esperam que o IPCA feche 2017 em 3,14%, menor do que os 3,38% da semana anterior e dos 3,50% de duas semanas atrás. A previsão derrete diante do comportamento dos preços na economia, numa velocidade que ninguém está conseguindo adiantar. O patamar esperado agora pelos economistas reacende um risco inédito no Brasil, a parte inusitada da queda da inflação. O arcabouço que ...

Leia Mais

Ritmo de crescimento pode atingir 4% em 2018, diz Mendonça de Barros

O economista Luiz Carlos Mendonça de Barros acredita que no final do ano que vem o Brasil poderá estar crescendo a uma taxa de 4%. Na média do ano ficará abaixo disso. Mas é a mais otimista projeção, mesmo entre aqueles que já avaliam que a economia está mesmo entrando num ritmo mais forte de recuperação. Uma combinação de fatores explica essa retomada mais forte. A queda do desemprego, que vem se verificando mês a mês, terá impacto importante não somente porque aumenta o número de pessoas empregadas. Mas porque também afeta a disposição ao consumo daqueles que, mesmo empregados, estavam receosos de serem demitidos. E por isso eram e ainda são consumidores cautelosos. A reversão da tendência muda o comportamento das pessoas empregadas, um contingente de cerca de 90 milhões de trabalhadores. Os dados do Banco Ce...

Leia Mais

Manter o foco – Uma simples maneira que funciona para empreendedores

Ser mais produtivo e conseguir dar vida aos projetos mais importantes é uma das maiores vontades dos empreendedores. Mas, apesar de ser algo difícil ou parecer impossível de alcançar, existe uma maneira que pode simplificar: o foco. Por isso, para melhorar a sua concentração e te ajudar a manter o foco com mais facilidade, reuni informações incríveis e que te ajudarão a ter sucesso no dia a dia. Em nosso dia a dia, somos todos multitarefas. Enquanto nos preparamos para pagar uma conta, também pensamos nas tarefas do trabalho, no horário de buscar o filho na escola, na viagem do final de semana e em muitas outras obrigações. Por mais que a sua maior preocupação naquele momento seja, de fato, o pagamento da conta, as outras tarefas ainda estarão no seu radar. A falta de clareza e atenção para aquilo que é realmente importante faz com que ...

Leia Mais

Idalberto Chiavenato abre a caixa de ferramentas do Administrador

Todo profissional tem a sua caixa de ferramentas particular e específica. Sem ela, o profissional faz o serviço de maneira incompleta ou não realiza o trabalho. Dias atrás solicitei o serviço de um eletricista. Ele veio à minha casa, ouviu rapidamente o que devia fazer e foi até o seu carro buscar uma caixa de ferramentas. Era de metal e continha alicates de vários tipos, martelos e chaves de fendas. Em seguida percebeu que o problema era maior do que pensava. Voltou ao seu carro e buscou outra caixa de ferramentas mais completa com cabos, fios, e outros equipamentos. Ao final, resolveu voltar novamente ao carro para apanhar outra caixa que raramente utilizava. Essa continha instrumentos mais sofisticados. Cada caixa tinha sua finalidade precípua para trabalhos simples ou técnicos ou ainda mais apurados. Todas essas incursões me fizeram pensar na caixa de ferramentas do administrador. Cada profissional t...

Leia Mais

‘Pai do IDH’, Amartya Sen defendeu desenvolvimento além do PIB

Nascido na Índia em 1933, Amartya Kumar Sen ficou conhecido por ter sido o primeiro – e até o momento, único – acadêmico de um dos países não desenvolvidos a ganhar o Prêmio Nobel de Economia. O indiano deu enormes contribuições acadêmicas, sendo ainda reitor e professor na Universidade de Cambridge, professor em Oxford e Harvard. Além disso, foi um dos fundadores do Instituto Mundial de Pesquisa em Economia do Desenvolvimento. Desempenhou um papel importantíssimo na análise do desenvolvimento dos países, ao criar em 1990, em parceria com o paquistanês Mahbub ul Haq, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): uma nova maneira de medir o desenvolvimento dos países, considerando não apenas os fatores econômicos, mas também os sociais. Para o notório professor, o desenvolvimento de uma sociedade se dá pelo o bem-estar social, e ...

Leia Mais

Trabalho sem carteira assinada não é necessariamente informal

Está acontecendo o que nenhum economista previu. O mercado de trabalho está reagindo e gerando empregos na economia. A PNAD Contínua, calculada pelo IBGE, mostrou que a taxa de desemprego caiu para 12,8% no trimestre terminado em julho. É o segundo mês consecutivo de recuo do indicador e a curva que se desenha no comportamento do mercado de trabalho pode ser uma nova trajetória. “Vejo que se configura esse cenário. Eu não mudo minha cabeça de que será uma reação lenta, mas está começando a retomada da economia e o emprego está reagindo a ela. Nós temos incerteza política, mas não temos incerteza econômica. O quadro está muito definido com queda da inflação e dos juros e isto está ajudando as pessoas a se organizarem, consumirem, contratarem”, disse o economista chefe do banco BBM, Leandro Hothmuller. O que atrap...

Leia Mais

Banco Central lança campanha para impulsionar uso de moedas

Ao mesmo tempo em que a Câmara dos Deputados começa a discutir a regulamentação de bitcoins – e a tendência já defendida por deputados é de, no futuro, tributar também essa modalidade de pagamento -, o Banco Central lança, nesta quarta-feira (30), uma campanha para aumentar a circulação de moedas no Brasil. Chamada de “Caça ao Tesouro”, a ofensiva, divulgada pelo presidente do BC, Ilan Goldfajn, tenta resgatar o uso de moedas para, segundo a própria entidade, “aumentar a oferta do numerário, facilitar o troco e reduzir o gasto público”. “É papel do Banco Central sensibilizar o público quanto à necessidade de promover a recirculação das moedas guardadas, pois o entesouramento, além de contribuir para a dificuldade de troco, motiva a necessidade de produção de novas moedas, cujos custos t&e...

Leia Mais

Black Friday corre o risco de mudar de data em 2018

Se as previsões se confirmarem, a Black Friday de 2018 não deve ocorrer em novembro. Segundo apurou a reportagem do E-Commerce Brasil, lojistas, principalmente do varejo físico, pretendem antecipar a data para setembro, mais precisamente na segunda quinzena. A mudança, que só aconteceria no próximo ano, viria para diminuir o impacto de vendas e margem de lucro da Black Friday sobre o Natal, uma reclamação recorrente entre varejistas. As discussões têm sido lideradas pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). Até agora, ocorreram três encontros que reuniram entre 50 e 60 representantes de empresas, incluindo e-commerce, segundo a Alshop. Apesar de não revelar, a reportagem apurou que B2W e Via Varejo estão entre as consultadas. Também foram chamadas para a discussão a câmara-e.net, Ebit e FecomercioSP. Nas reuniões realizadas...

Leia Mais

Meirelles estima crescimento 'baixo' da economia no segundo trimestre

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, estimou nesta segunda-feira (28) que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) que será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na sexta (1º), deve mostrar um crescimento baixo da economia brasileira ou mesmo "próximo do equilíbrio", ou seja, próximo de zero. Segundo o ministro, isso deve ocorrer porque o setor da agricultura, que cresceu muito no primeiro trimestre e puxou o PIB de janeiro a março para cima, teve um desempenho bem inferior no segundo trimestre, o que levou a variação geral para baixo. No primeiro trimestre, a economia brasileira cresceu 1% na comparação com o quarto trimestre de 2016. Foi a primeira alta no índice após oito trimestres seguidos de queda. "A agricultura cresce muito no primeiro trimestre e, no segundo, cresce menos, é até negativo. O efeito disso é ...

Leia Mais

Capital de giro pode ser o segredo de um negócio bem-sucedido

O capital de giro é o dinheiro que garante a operação da empresa mesmo quando ela não tem faturamento. Para ter esse dinheiro de segurança, uma coisa é fundamental: planejamento. “O capital de giro é um dinheiro basicamente de curtíssimo prazo para cobrir uma necessidade de caixa eventual durante um curto espaço de tempo. Acho que essa é a palavra chave do capital de giro”, explica Ricardo Assaf, presidente da Associação Brasileira das Sociedades de Microcrédito. É um dinheiro que pode pagar, por exemplo, funcionários, aluguel e matéria-prima. Serve para quando acontece um “descasamento de caixa” da empresa. Mas muitas empresas quebram, justamente, porque o empresário só calcula o investimento inicial do negócio e se esquece que precisa ter uma reserva para manter a empresa nos tempos de vacas magras. “Os clientes n&ati...

Leia Mais

OMC divulga na semana que vem relatório que condena o Brasil

O governo federal já foi informado de que até o final do mês a Organização Mundial de Comércio (OMC) vai tornar público o relatório de novembro do ano passado que condenou o Brasil na ação movida por União Europeia e Japão contra a política de incentivos para a indústria automobilística, o Inovar-Auto, programa criado no primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. A condenação, considerada a mais severa que o Brasil já sofreu, atinge também outros instrumentos de política industrial, como a Lei de Informática, o Programa de Inclusão Digital e o Reintegra, o programa de subsídio aos exportadores. Ciente da iminente divulgação do relatório que condena o Brasil, o Itamaraty e o Ministério do Desenvolvimento já preparam recurso junto ao órgão de apelação da O...

Leia Mais

Em evento no Planalto, BNDES lança crédito de R$ 20 bilhões para micro e pequena empresas

Em cerimônia nesta quarta-feira (23) com a presença do presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto, o governo federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançaram um programa para facilitar acesso ao crédito de micro, pequenas e médias empresas. Com o BNDES Giro, o governo projeta disponibilizar cerca de R$ 20 bilhões em novos financiamentos até agosto de 2018. As empresas já poderão solicitar os empréstimos a partir da próxima semana. “São mais R$ 20 bilhões que vão ser canalizados para essa retomada. Parece pouco, mas é chuva depois de muita seca. Precisamos irrigar essa terra seca e dura do capital de giro da empresa brasileira”, disse o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro. Em seu discurso, Temer afirmou que a inciativa do BNDES tem como objetivo ajudar no combate ao desemprego. “Neste momento o B...

Leia Mais

Prévia da confiança da indústria indica alta em agosto pelo 2º mês seguido

A prévia do Índice de Confiança da Indústria (ICI) apontou melhora pelo segundo mês seguido em agosto, recuperando as perdas observadas em junho devido principalmente à melhora das expectativas. A Fundação Getulio Vargas (FGV) informou nesta terça-feira que a prévia do ICI mostrou alta de 1,5 ponto e chegou a 92,3 pontos em agosto, depois de subir 1,3 ponto em julho. Assim, recuperou a queda de 2,8 pontos vista em junho. De acordo com a FGV, o Índice de Expectativas (IE) aumentaria 1,9 ponto e chegaria a 95,3 pontos, enquanto o Índice da Situação Atual (ISA) subiria 0,9 ponto, para 89,3 pontos no mês. Para o Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria, o resultado preliminar de agosto indica ainda queda de 1,0 ponto percentual para 73,7 por cento. A economia brasileira vive um momento de inflação e juros baixos, o que ...

Leia Mais

Busca das empresas por crédito cresce 1,2% em julho

A busca das empresas por empréstimos cresceu 1,2% em julho em relação ao mesmo mês de 2016, segundo a Serasa Experian. O aumento foi puxado pelos micro e pequenos negócios. Foi a primeira alta na comparação anual em seis meses. A última vez que a demanda por crédito havia subido foi em janeiro, quando avançou 6,2%. Segundo os economistas da Serasa, a queda dos juros e a "retomada gradual" da atividade econômica foram os impulsos para que as empresas buscassem financiamento. Os pequenos e médios negócios puxaram o aumento da demanda por crédito em julho. Para essas empresas, houve aumento de 1,8% em relação ao mesmo mês de 2016. As companhias maiores, porém, estão tomando menos empréstimos. Foi registrada queda de 9,5% na demanda das médias e de 8,7% nas grandes companhias, na comparação anual. No acumulado do...

Leia Mais

Crise faz empreendedorismo por necessidade voltar a crescer no Brasil

Depois de fazer mais de 30 entrevistas e procurar emprego por um ano e meio, Cael Horta, formada em marketing, decidiu trabalhar por conta própria em 2016. Sem dinheiro e com um financiamento imobiliário para pagar, abriu uma agência de marketing digital em São Paulo. Hoje trabalha em casa, sozinha, e fatura entre R$ 3 mil e R$ 4 mil por mês. "Eu tinha um bom currículo e não entendia por que não era contratada. Era só o meu marido para pagar todas as contas, eu tinha urgência em voltar a trabalhar", lembra Cael. Assim como ela, muitos brasileiros que perderam o emprego na crise enxergaram no empreendedorismo a saída para voltar ao mercado de trabalho. Segundo o Sebrae, 11,1 milhões de empresas foram criadas por necessidade nos últimos 3,5 anos no Brasil. A crise econômica fez crescer o chamado empreendedorismo por necessidade, que estava em queda nos anos tempos de crescimen...

Leia Mais

Sem reforma da Previdência, governo vai propor 'medidas mais fortes', diz secretário

O secretário nacional de Previdência Social, Marcelo Caetano, afirmou nesta quinta-feira (17) que, sem a reforma da Previdência, o governo terá de propor "medidas mais fortes" que as já apresentadas. Caetano participou de audiência no Senado. Enviada pelo governo no ano passado, a reforma está em análise no Congresso Nacional. O projeto já foi aprovado pela comissão especial da Câmara, mas ainda precisa ser votado pelo plenário para, então, seguir para o Senado. "Caso a reforma não venha a ser aprovada, significa então que, em um futuro muito próximo, vai ser necessário o encaminhamento de uma outra proposta com medidas que sejam ainda mais fortes do que aquelas que nós propusemos", declarou Marcelo Caetano. "Cremos que seja possível, com esforço, objetivando o bem do país, que tenhamos uma reforma aprovada em o...

Leia Mais

PIB do segundo trimestre positivo? (Opinião)

A novidade no setor de serviços, com crescimento de 1,3% em junho e 0,3% entre abril e junho, vai provocar uma onda de revisões nas expectativas para o PIB do segundo trimestre. Não era esperado este resultado positivo dos serviços, assim como já surpreenderam os dados de comércio e indústria no mesmo período. A maioria das instituições e consultorias via um desempenho levemente negativo da atividade no segundo trimestre. E a ressalva para esta previsão tinha dois pesos mais relevantes: agricultura e serviços. O agronegócio deu seu tiro de canhão no primeiro trimestre e nos levou a um PIB de 1% entre janeiro e março. No período seguinte, já era esperado um recuo no setor. Se viesse negativo, o resultado dos serviços corroboraria a expectativa dos analistas. O desempenho revelado pelo IBGE, além de provocar um alvoroço nos números, tamb&ea...

Leia Mais

Número de inadimplentes tem primeira queda em 7 meses, diz Serasa

O número de consumidores inadimplentes no país chegou a 60,6 milhões em junho, queda de 0,7% em relação a maio, quando eram 61 milhões, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor. Foi o primeiro registro de queda em sete meses. Ainda assim, ao se verificar os números no ano de 2017, a quantidade de inadimplentes em junho é maior que todos os meses do ano, com exceção de maio. Segundo os economistas da Serasa, a queda da inflação, a redução das taxas de juros, o ingresso dos recursos do FGTS na economia e a reação do mercado formal de trabalho estão contribuindo para reduzir o patamar de inadimplência do consumidor. Na comparação com junho de 2016, houve aumento de 1,51%. A região com maior percentual de inadimplentes do país é a Sudeste, com 45,2% do total, seguida do Nordeste, com 25...

Leia Mais

Gastos com publicidade no Brasil crescem 2% no 1º semestre

Os investimentos em publicidade no Brasil somaram R$ 61,9 bilhões no 1° semestre, o que representa uma alta de 2% na comparação com o mesmo intervalo de 2016 (R$ 60,7 bilhões), de acordo com balanço divulgado nesta segunda-feira (14) pela Kantar Ibope Media, que acompanha e monitora os principais meios de comunicação do país. O resultado, segundo o Ibope, aponta para um indicativo de retomada, após os gastos dos anunciantes com propaganda ter recuado 1,6% em 2016. “Nos últimos cinco anos, em torno de 47% do total de compra de mídia foi realizada na primeira metade do ano. Portanto, se essa tendência se repetir, o resultado que estamos projetando para o restante do ano irá superar os números de 2016”, afirma Dora Câmara, diretora executiva comercial da Kantar Ibope. Segundo o relatório, o resultado do 1º semestre foi impulsionado pelo aumento dos in...

Leia Mais

BNDES prepara ‘maior planejamento estratégico da história do banco’

O Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) prepara um novo plano estratégico e, para isso, contará com a atuação de consultores externos com experiência internacional. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (11) durante coletiva de imprensa para apresentação de dois novos diretores do banco. Segundo Carlos da Costa, que assumiu a diretoria de Planejamento e Pesquisa do banco, trata-se do “maior planejamento estratégico da história” do BNDES. O plano contará com metas de médio e longo prazo – a primeira até 2023 e a segunda até 2030. “Estamos fazendo uma rediscussão profunda do que deve ser um banco de desenvolvimento moderno, um banco que tem como papel integrar diferentes visões políticas e empresariais”, enfatizou Costa. Carlos da Costa (esquerda), diretor de Planejamento e Pesquisa e Carlos Thadeu de Freitas, das á...

Leia Mais

Investimentos nos municípios atingiram o menor nível em 10 anos

Boa Vista (RR) foi uma das três capitais que tiveram conceito excelente em investimentos no ano de 2016. (Foto: Prefeitura de Boa Vista/Divulgação) Boa Vista (RR) foi uma das três capitais que tiveram conceito excelente em investimentos no ano de 2016. (Foto: Prefeitura de Boa Vista/Divulgação) Apenas 6,8% do orçamento das prefeituras no Brasil foi destinado a investimentos em 2016. Foi o que apontou o Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) divulgado nesta quinta-feira (10) pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Segundo a entidade, este foi o menor percentual de investimento registrado nos municípios brasileiros desde 2006. Em comparação com 2015, os municípios deixaram de investir R$ 7,5 bilhões. “Normalmente, o último ano de governo tem 20% a mais de investimentos que nos três anos anteriores”, destacou o economista G...

Leia Mais

Com 35,9 mil vagas abertas em julho, emprego formal sobe pelo 4º mês seguido

Brasil gerou 35.900 vagas formais de emprego em julho deste ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira (9). No mês passado, foram registradas 1.167.770 contratações e 1.131.870 demissões de trabalhadores com carteira assinada. Esse foi o quarto mês consecutivo com criação de vagas com carteira assinada e a primeira vez, desde 2014, em que as contratações superaram as demissões no mês de julho. Foi o melhor mês de julho em quatro anos. No mesmo mês de 2015 e do ano passado, respectivamente, foram fechadas 157.905 e 94.724 vagas de trabalho. Em julho de 2014, por sua vez, foram abertas 11.796 vagas de empregos com carteira assinada. No acumulado de janeiro a julho deste ano, ainda de acordo com o governo, foram gerados 103.258 empregos com carteira assinada. No mesmo período do ano passado...

Leia Mais

Desemprego alto impede que fim da recessão seja percebido, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reconheceu nesta terça-feira (8) que ainda vai levar alguns meses para a população sentir a melhora da economia, mas voltou a reafirmar que o Brasil já saiu da recessão e que o país já está “na rota certa”. “O feel good factor [expressão em inglês que indica o momento em que a maior parte da população começa uma melhora] vai começar a aparecer daqui a um pouco na economia, vamos começar a ver isso devagar, mas vai aparecer”, disse o ministro em palestra em congresso da Fenabrave, em São Paulo. Em entrevista, Meirelles avaliou que o processo de retomada do crescimento ainda não é perceptível pela maior parte das pessoas "porque o desemprego continua muito elevado e atividade saindo de um nível baixo”. “Já saímos da recessão mais longa da ...

Leia Mais

Cesta básica nos mercados de bairro custa quase o mesmo que nas grandes varejistas

O preço da cesta básica é quase o mesmo nos supermercados de bairro e nas grandes varejistas do Brasil, aponta uma pesquisa da consultoria GFK divulgada nesta segunda-feira (7). Para a GFK, os pequenos comerciantes sacrificaram sua margem para não perder clientes durante a crise econômica. A pesquisa aponta que o preço médio dos 35 produtos da cesta básica custa R$ 247,16 nas grandes redes, centavos a menos do que o preço nos mercadinhos de bairro, de R$ 247,34. O estudo recolheu dados de 400 estabelecimento do país inteiro no primeiro trimestre deste ano. A rigor, o preço costuma ser maior nos mercados de bairro. As grandes redes têm ganhos de escala e conseguem negociar preços melhores com fornecedores, o que viabiliza a cobrança de um preço menor do consumidor. O responsável da pesquisa, Marco Lima, diz que o diferencial de preços entre grandes e pequenos var...

Leia Mais

Dividir espaço com várias empresas é estratégia para pequenos negócios

Dividir o mesmo espaço com várias empresas tem sido uma estratégia valiosa para os pequenos negócios. A chamada economia colaborativa cresceu tanto no Brasil que hoje o país é líder latino-americano nesse tipo de iniciativa. Enquanto o Felipe usa o espaço da cozinha, a Mari vende acessórios femininos. O Cauê trabalha concentrado com a equipe. E o Leandro expõe os tênis da marca francesa no Brasil. “É a primeira experiência da marca como varejo. E a gente se unir a outras marcas num espaço colaborativo é mais rentável financeiramente. A gente consegue dividir custos, consegue somar público”, diz Leandro Miguel, representante da marca de tênis. O pensamento do Leandro é o mesmo dos outros empresários. Eles querem crescer dentro de um ambiente multiuso e não se importam em compartilhar bens e serviços. É a ...

Leia Mais

Expectativa é de quedas adicionais dos juros 'à frente'

O presidente do Banco Central, Ilan Golfajn, afirmou nesta quinta-feira (3), ao participar de um evento do banco Goldman Sachs, em São Paulo, que a expectativa é de quedas adicionais dos juros "à frente". Atualmente, a taxa Selic, fixada pelo Banco Central com base no sistema de metas de inflação, está em 9,25% ao ano e registrou sete quedas seguidas. Recentemente, por meio da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o BC sinalizou que deve manter o ritmo de corte de um ponto percentual em sua próxima reunião, o que reduziria a taxa básica da economia para 8,25% ao ano no começo de setembro. Para isso, porém, informou que o ritmo de redução dependerá da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ...

Leia Mais

BC registra retirada de US$ 2,63 bilhões do país no acumulado de julho

A saída de dólares da economia brasileira superou o ingresso da moeda em US$ 2,63 bilhões na parcial de julho até a última sexta-feira (28), de acordo com o Banco Central. A evasão de divisas acontece após o agravamento da crise política provocado pelas delações de executivos do frigorífico JBS e que envolvem o presidente Michel Temer. Com base nas delações, a Procuradoria Geral da República denunciou Temer por crime de corrupção passiva. No acumulado deste ano, até a última sexta-feira, porém, o ingresso de dólares supera as retiradas em US$ 4,84 bilhões. No mesmo período do ano passado, US$ 9,05 bilhões haviam sido retirados do Brasil. A saída de dólares favorece, em tese, a alta da moeda em relação ao real. Isso porque, com menos dólares no mercado, seu preço tenderia a subi...

Leia Mais

Recuperação gradual da economia deve reaquecer demanda por crédito

Apesar de ter visto sua carteira de crédito cair 3,5% no primeiro semestre, o Itaú Unibanco espera uma recuperação gradual nos próximos balanços. A afirmação foi feita nesta terça-feira (1) por Marcelo Kopel, diretor de Relações com Investidores do banco, salientando que, apesar da variação negativa, o ritmo de queda do crédito já vem desacelerando. “Em algum momento, isso vai ser neutralizado”, disse Kopel em teleconferência com jornalistas, um dia após a divulgação dos resultados trimestrais do banco. Ele afirma que a retomada da confiança, ainda que reduzida por causa da piora na crise política, deve elevar a demanda por crédito. “Na medida em que surge mais demanda por crédito, o crédito vai acelerar”, estima o diretor. “Existe uma mudança gradual na economia, a confian&ccedi...

Leia Mais

Confiança empresarial avança e recupera parte de perda de junho

A confiança empresarial, medida pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 0,6 ponto em julho, para 84,8 pontos, recuperando parte da perda de 2 pontos do mês anterior. Em julho, o aumento da confiança empresarial ocorreu na indústria, nos serviços e na construção. O comércio destoou, com uma queda de 2,3 pontos. A confiança aumentou em 53% de 49 segmentos pesquisados pela FGV/IBRE. A maior contribuição para o aumento da confiança em julho foi dada pelo Índice de Situação Atual, com aumento de 0,7 ponto em relação a junho, para 80,3 pontos. Já o Índice de Expectativas permaneceu no nível do mês anterior (91,7 pontos). A distância entre o nível dos indicadores que medem a percepções atual e futura dos empresários continua elevada, mas manteve a tendência de queda ao registrar o menor...

Leia Mais

Com consumidores cortando gastos, atacarejo foi o setor varejista que mais cresceu no ano

O atacarejo foi o segmento do varejo que mais cresceu em 2016, seguido pelo setor de ótica e pelas farmácias. Os dados fazem parte de uma pesquisa feito pelo Centro de Inteligência Padrão (CIP) em parceira com o Serasa com as 350 maiores empresas do setor. Enquanto isso, os segmentos de materiais de construção, vestuário e lojas de departamento tiveram os piores desempenhos – sendo que o primeiro foi o único que teve queda nas receitas. Considerado um meio termo entre o atacado e varejo, o atacarejo foi o grande destaque de 2016, segundo a pesquisa. Esse tipo de varejo oferece produtos a preços menores do que os supermercados tradicionais, em uma estrutura menos conveniente - em geral, as lojas de atacarejo ficam fora dos bairros centrais. Roberto Meir, presidente do Grupo Padrão, consultoria responsável pelo centro de pesquisas que realizou o estudo, explica que o dado é reflexo da pr&oac...

Leia Mais

Pesquisa aponta estado anêmico das empresas

Estudo do economista Carlos Rocca, do Centro de Estudo de Mercado de Capitais, para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que 45% das empresas não estão gerando receita suficiente para cobrir  as despesas. A pesquisa foi realizada por uma amostra de empresas de capital aberto e fechado. A crise financeira das empresas, segundo o levantamento, foi causada pela queda nas vendas durante o longo período de recessão, alta dos juros, encarecendo do crédito e, finalmente, a falta mesmo de crédito a partir do momento em que os bancos, temendo inadimplência, passaram a ser mais rigorosos na hora de aprovar empréstimo. Para completar, o endividamento aumentou. Segundo Carlos Rocca, nessa situação, as empresas sequer conseguem atender à demanda, dificultando a retomada do crescimento. Sem capital de giro, não têm como comprar matéria-prima. "As empre...

Leia Mais

Na 7ª queda seguida, juro básico da economia recua para 9,25% ao ano

Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (26), por unanimidade, baixar os juros básicos da economia brasileira de 10,25% para 9,25% ao ano. Foi o sétimo corte seguido na taxa Selic. Com a decisão, que confirmou a expectativa dos economistas do mercado financeiro, o BC manteve o ritmo de redução de um ponto percentual verificado na última reunião, realizada no fim de maio. Em 9,25% ao ano, os juros recuam ao patamar de um dígito, algo que não acontecia desde o final de 2013, ou seja, em quase quatro anos. A previsão dos economistas das instituições financeiras é de que a taxa básica de juros continue a recuar nos próximos meses e chegue a 8% ao ano no final de 2017, permanecendo neste patamar até 2021. A definição da taxa de juros pelo BC tem como foco o cumprimento da meta de inflaç&a...

Leia Mais

Dinheiro gasto para ganhar tempo 'compra' felicidade

Pagar para ganhar mais tempo livre aumenta a sensação felicidade, segundo um novo estudo canadense. Um experimento mostrou que indivíduos se sentiam mais felizes quando gastavam US$ 40 (R$ 125) para ter mais tempo à disposição - como, por exemplo, pagando alguém para cuidar de determinadas tarefas domésticas, como cozinhar ou fazer faxina - em vez de gastar dinheiro em bens materiais. Psicólogos explicam que o estresse por conta da falta de tempo reduz o bem-estar e contribui para a ansiedade e a insônia. Ainda assim, eles dizem que até os mais ricos em países como EUA, Canadá e Holanda são relutantes em pagar pessoas para fazer trabalhos que não gostam de fazer. "Em uma série de questionários, descobrimos que pessoas que gastam dinheiro para comprar mais tempo livre são mais felizes, ou seja, se sentem mais satisfeitas", disse Elizabeth Dunn, ...

Leia Mais

Juros em um dígito novamente

A última vez que o Brasil teve uma taxa básica de juros em um dígito foi em novembro de 2013. Há quatro anos, tudo parecia caminhar bem no país, mas o “tapete” da economia estava só engordando com tanta coisa sendo escondida e disfarçada pelo governo. Agora, quase quatro anos depois, o Banco Central deve nos levar novamente aos juros de um dígito, mas num país sem tapete e com muita sujeira espalhada. A reunião do Copom desta semana tem uma decisão fácil a ser tomada – derrubar os juros dos atuais 10,25% para 9,25% ao ano. A redução mais acentuada da taxa Selic é o movimento mais esperado pelos economistas e também pela sociedade. Fácil? Quando a alternativa é pouco, fica fácil escolher certo. A fraqueza da atividade econômica, a queda surpreendente da inflação e o esforço que o governo tem feito para blinda...

Leia Mais

Preço do frete deve subir de 2,5% a 4% com aumento de impostos sobre diesel, dizem entidades

O aumento da alíquota de PIS/Cofins sobre o diesel, anunciado pelo governo na quinta-feira (20), deve impactar os custos do frete rodoviário na faixa de 2,5% a 4%, em média, estimam entidades que representam as empresas de transporte de cargas. A previsão de 2,5% foi calculada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e a mais alta, pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC & Logística). Ambas afirmam que os alimentos e outros produtos ficarão mais caros com a mudança. O aumento dos custos com frete deve pesar principalmente sobre os itens de menor valor agregado (que têm pouca margem para absorver o impacto) e que são transportados por longas distâncias, afirma a NTC & Logística. Nessa lista, estão incluídos os produtos de cesta básica, como arroz, feijão e farinha, além de água, ovos, frutas ...

Leia Mais

Meirelles usou todo espaço que podia e segue homem forte do governo

Quem achava que o ministro Henrique Meirelles estava desgastado diante da crise política, acabou de ter uma demonstração de que sua força segue grande e impositiva. Depois de pouco mais de um ano tentando domar o desequilíbrio fiscal na unha, Meirelles teve que se render e anunciar aumento de impostos. E, ainda assim, saiu vitorioso da batalha contra a impopularidade da medida. Foi um dia de muitas idas e vindas, desinformações nos bastidores e, finalmente, numa estratégia de última hora, o governo anunciou a elevação das alíquotas de PIS e Cofins para combustíveis e, um “plus a mais” de R$ 5,9 bilhões de contingenciamento nos gastos. Não houve muita explicação ou entrevistas. Às pressas antes de embarcar para Argentina, Meirelles falou rapidamente com jornalistas na porta do Ministério. Os detalhes das medidas e seus impactos serão ...

Leia Mais

Luta contra impostos é política e não matemática

Falar com a equipe econômica esses dias tem sido interessante. Todos afirmam com veemência que a situação das contas públicas está grave e que está ficando impossível escapar de um aumento de impostos. Bancar o aumento, ninguém quer, nem falando anonimamente. A temperatura que eu sinto daqui é de que a luta é política e não matemática. Aumentar imposto no meio do serpentário político que cresce sobre as lideranças em Brasília, especialmente sobre o presidente Michel Temer, é como levar uma mordida de uma cobra bem venenosa. O que está na mesa é o aumento da PIS e do Cofins dos combustíveis, mas outras medidas não estão descartadas. Aumento da CIDE, outra contribuição, é sempre citada. Mas pode ter mais. “A situação é dramática, mas o martelo só será...

Leia Mais

Economia do Brasil deve continuar se estabilizando, mas crise política preocupa, diz Moody's

A agência internacional de risco Moody’s disse nesta terça-feira (18) que a economia do Brasil deve continuar se estabilizando neste ano, mas a crise política pode dificultar a recuperação na medida em que reduz a capacidade do governo em aprovar no Congresso reformas para reequilibrar as contas públicas. A Moody’s destaca as dificuldades de aprovação da reforma da Previdência como a principal preocupação em relação ao cenário político conturbado. “Um fracasso para passar essas reformas enfraqueceria a força fiscal do Brasil”, diz a agência, apontando que que os gastos do governo apresentam um “crescimento insustentável”. A aprovação da reforma da Previdência, ainda segundo a Moody’s, “poderia melhorar a confiança do investidor e dar suporte à uma recuperação econ&...

Leia Mais

OMC projeta recuperação gradual da economia brasileira em 2017

A economia do Brasil se recuperará de forma gradual neste ano, mas seu crescimento se manterá em níveis baixos durante um longo período, é o que diz a análise de política comercial realizada pela Organização Mundial do Comércio (OMC). A avaliação, apresentada nesta segunda-feira (17), põe em evidência a fragilidade da maior economia da América do Sul ao apontar que, apesar de os "parâmetros fundamentais" de sua economia serem sólidos, há riscos de piora da situação. Os fatores que tornam a economia brasileira mais vulnerável estão relacionados com a eventualidade de uma nova crise política e com a lentidão na hora de corrigir os desequilíbrios fiscais. De acordo com a OMC, "a prosperidade e o crescimento sustentável futuros dependem da realização de reformas estruturais q...

Leia Mais

CLT era empecilho para modernização, diz secretário do Ministério da Fazenda

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, avaliou neste sábado (15) que a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) era um “empecilho para a modernização”. Segundo ele, de 35% a 39% da mão de obra no Brasil é informal e, portanto, “não tem direito algum”. Um dos principais argumentos do governo federal, ao defender as novas leis trabalhistas, é que a legislação vai permitir a criação de mais empregos no país. Dados do IBGE mostram que o desemprego ficou em 13,3% no trimestre encerrado em maio. No período, o Brasil tinha 13,8 milhões de desempregados. De acordo com o Ministério Público do Trabalho, porém, estudos apontam que as mudanças são “inconstitucionais e contrariam a Constituição Federal e as convenções inter...

Leia Mais

Recessão no Brasil está perto do fim, mas crise política é risco para economia

A profunda recessão econômica no Brasil parece estar perto do fim. A avaliação é do Fundo Monetário Internacional (FMI), que divulgou nesta quinta-feira (13) um relatório sobre a economia do país. No entanto, o fundo ressalva que a crise política agravou a recessão causada por desequilíbrios macroeconômicos. “Enquanto o fim da recessão parece estar à vista, um aumento recente da incerteza política lançou uma sombra sobre as perspectivas. ” O FMI também melhorou levemente sua projeção de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2017, de 0,2% para 0,3%. Para 2018, no entanto, o Fundo piorou suas expectativas em relação ao Brasil - de um crescimento esperado de 1,7% para 1,3%. O Fundo ressalva que fez as projeções considerando que a reforma da Previdência será aprovada. As estimativas do FMI s...

Leia Mais

Vendas do varejo caem 0,1% em maio

As vendas do comércio varejista brasileiro recuaram 0,1% em maio frente ao mês anterior (com ajuste sazonal), informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (12). Contudo, em relação a maio de 2016 o varejo cresceu 2,4% (sem ajuste sazonal), o melhor resultado para o mês desde 2014 nesta base de comparação. Ambos resultados ficaram abaixo do esperado pelo mercado. Segundo pesquisa da Reuters, a expectativa era de alta de 0,35% na comparação com abril e avanço de 3,20% contra maio de 2016. Em abril, as vendas haviam tido o melhor resultado para o mês em 11 anos, com avanço de 1,0% frente a março. "O volume de varejo se mantém estável, mas em um patamar abaixo de índices registrados no passado. Há margem para recuperação, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido", afirmou Isabella Nun...

Leia Mais

Quantidade de inadimplentes aumenta 2,6% no primeiro semestre

O número de pessoas com contas em atraso aumentou 2,6% no primeiro semestre deste ano, chegando a 59,8 milhões, segundo dados divulgados nesta terça-feira (11) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Na passagem de maio para junho, no entanto, houve leve queda de 0,5% na quantidade de pessoas inadimplentes. Na comparação como mesmo mês do ano passado, quando havia 59,1 milhões de consumidores com pendências, houve alta de 1,1%. “A estimativa de devedores vem se mantendo próxima ao patamar dos 59 milhões desde o segundo trimestre do último ano. Isso acontece porque, se as dificuldades do cenário recessivo fazem crescer o número de devedores, a maior restrição do crédito e queda na propensão do consumo por parte das famílias, provocada pela pr&oacu...

Leia Mais

Balança comercial registra superávit de US$ 1 bi na primeira semana de julho

O Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC) informou nesta segunda-feira (10) que a balança comercial registrou superávit (exportações maiores que importações) de US$ 1,04 bilhão na primeira semana de julho. Segundo o governo, as exportações somaram US$ 4,05 bilhões no começo deste mês, com média diária de US$ 811 milhões (aumento de 4,3% na comparação com o mesmo mês do ano passado). As importações, no mesmo período, somaram US$ 3,01 bilhões (US$ 602 milhões por dia útil) e avançaram 7,6% sobre julho de 2016. De acordo com o MDIC, no acumulado deste ano, até este domingo (9), a balança comercial registra superávit de US$ 37,26 bilhões. O resultado é melhor se comparado ao mesmo período do ano passado, quando o saldo comercial positi...

Leia Mais

Na Alemanha, Meirelles diz que economia do país 'vai bem'

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira (7) em Hamburgo, na Alemanha, que a economia do país "vem bem", segundo áudio divulgado pelo ministério da Fazenda. Também nesta sexta, o presidente Michel Temer disse a jornalistas que "não há crise econômica no país". "A economia vai bem, que é o aspecto mais relevante. Os mercados têm mantido relativa estabilidade, e do nosso ponto de vista continuamos com alguns ajustes e cronograma trabalhando junto aos parlamentares tendo em vista a aprovação das reformas", disse o ministro antes da reunião dos chefes de Estado e de governo dos Brics, no G20. Mais cedo, Temer disse a jornalistas antes de entrar no hotel onde está hospedado, em Hamburgo, que não existe crise econômica no Brasil não existe. "Não, pode levantar os dados e você verá que n&oac...

Leia Mais

Pedidos de recuperação judicial caem 25,8% no 1º semestre

O número de pedidos de recuperação judicial caiu 25,8% no acumulado de janeiro a junho ante o mesmo período em 2016, para 685 ocorrências, segundo dados do Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, divulgado nesta quarta-feira (5). De janeiro a junho de 2016, foram 923 pedidos contra 492 em 2015. No primeiro semestre de 2017, as micro e pequenas empresas tiveram 403 pedidos, seguidas pelas médias (179) e pelas grandes empresas (103), segundo a Serasa. Segundo economistas da Serasa, a redução da inflação e dos juros, a estabilização do dólar e a retomada, ainda que lenta, contribuíram para a redução no número de pedidos no período. Somente no mês de junho, foram feitos 111 pedidos de recuperações judiciais, queda de 36,9% em relação a maio. Já em relação a junho de 201...

Leia Mais

PIB passou no teste da crise política (opinião)

Para o economista Sergio Vale, da Consultoria MB Associados, os dados da produção industrial de maio (alta de 4% na comparação com maio de 2016), o aumento de 13,5% na venda de automóveis no mês de junho e outros indicadores relativos ao mês passado indicam que a economia deve ter crescido no segundo trimestre. Não se confirmando, portanto, o temor de que a delação de Joesley Batista pudesse reverter a recuperação do primeiro trimestre e trazer de volta a recessão. “Podemos ter uma surpresa positiva, com aumento do PIB no segundo trimestre tanto na comparação com o primeiro trimestre quanto em relação ao segundo trimestre do ano passado. O PIB do segundo trimestre passou no teste da crise política”, disse ele. A crise política atrapalha. Mas estaria prevalecendo a melhoria de alguns fundamentos econômicos: inflação b...

Leia Mais

Cai consumo de fralda, iogurte e lâmina de barbear no Brasil

Em tempos de "dinheiro curto" e altas taxas de desemprego, o brasileiro passou a racionalizar as compras e a substituir alguns produtos por similares mais baratos ou até mesmo por outras categorias. Pesquisa da Kantar Worldpanel, que monitora 11,3 mil lares (representativos de 53 milhões de domicílios), mostra que a composição do carrinho de compras do brasileiro mudou e que, para incluir novas tendências de consumo na "cesta básica", as famílias passaram a comprar menos ou com menos frequência outros itens tradicionais das prateleiras. Segundo o levantamento, que analisou 96 categorias de alto giro no período de abril de 2016 a março deste ano, os produtos cujas vendas mais cresceram em unidades no último ano foram: chá líquido (+71%), complemento alimentar (+44%), cappuccino solúvel (+25%), molho para salada (+25%) e água de coco (19%). Na outra pont...

Leia Mais

Produção e faturamento industrial avançam em maio

As horas trabalhadas na produção, o faturamento e o emprego industrial reagiram em maio deste ano, na comparação com abril, segundo informou nesta segunda-feira (3) a Confederação Nacional da Indústria (CNI), que divulgou os indicadores industriais do mês retrasado. "Esse desempenho favorável ocorre após um mês de números em sua maioria negativos – somente o rendimento médio real havia crescido em abril", acrescentou a entidade. A CNI afirmou, porém, que mesmo com os resultados favoráveis de maio, a comparação do acumulado do ano com o mesmo período de 2016 "mostra quedas em todas variáveis". "A maior é registrada justamente no faturamento real, 5,7%. Ou seja, apesar do resultado positivo do faturamento industrial em maio, os resultados dos meses anteriores foram mais negativos, prejudicando o desempenho agrega...

Leia Mais

Desemprego alto e baixa arrecadação, dois obstáculos para recuperação

O desemprego apresentou queda no trimestre terminado em maio, em comparação com período terminado em fevereiro - a taxa saiu de 13,7% para 13,3%. Como disse o coordenador do IBGE, "houve uma desaceleração da desocupação, mas uma forte queda de carteira assinada". Isso quer dizer que, apesar da queda da taxa, a qualidade do mercado de trabalho segue piorando. Em um ano, 1,2 milhão de pessoas perdeu emprego com formal. Hoje há no país 33,3 milhões de empregados formais. Há 3 anos, eram 36,7 milhões. Como estariam sobrevivendo estes milhões de brasileiros sem emprego? Muitos, certamente, foram para informalidade, sub-emprego ou empreenderam - situações que não geram segurança de renda ou mesmo de trabalho. O desafio de trabalhar por conta própria também não acomodou tanta gente, ao contrário. De um ano para cá, ...

Leia Mais

Vendas de supermercados têm alta de 1,06% em maio sobre um ano antes

As vendas de supermercados do Brasil em maio subiram 1,06% em termos reais (descontada a inflação) sobre o mesmo período do ano passado, mas recuaram 6,96% na comparação com abril, afirmou a associação que representa o setor, Abras, nesta quinta-feira (29). No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, as vendas reais dos supermercados do país avançaram 0,61%. “Nos últimos dois meses o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) registrou aumento nos postos de trabalho, a inflação também tem se mantido em baixos patamares, fatores que influenciam diretamente no resultado acumulado das vendas do setor. Mas sabemos que o momento ainda é de cautela, o cenário político brasileiro tem passado por novas reviravoltas, e isso também afeta na confiança e na intenção de compra da população”, disse o presidente da ...

Leia Mais

PIB vai crescer menos de 0,5% em 2017, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira (28) que a economia brasileira irá crescer menos que 5% em 2017 e que a estimativa oficial do governo para o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano deve ser revisada para baixo nas próximas semanas. A piora nas expectativas acontece em meio a incertezas em torno da crise política envolvendo o governo de Michel Temer. "Será um pouco menor do que 0,5%, mas certamente será positivo", disse o ministro. "Estamos avaliando o efeito de tudo isso [crise política] para chegarmos numa conclusão. Mas é importante dizer que existe um certo ajuste, mas não é um ajuste onde haja um impacto relevante", acrescentou. A previsão anterior era de que a economia cresceria 0,5% neste ano. Essa projeção já era uma redução, visto que a estimativa anterior era de 1%. Segundo o minist...

Leia Mais

Mercado de computadores volta a crescer após 5 anos no Brasil

O mercado brasileiro de computadores voltou a crescer no primeiro trimestre de 2017 após cinco anos de resultados negativos, mostra um estudo da empresa de consultoria IDC. Entre janeiro e março, foram vendidas 1,1 milhão de máquinas - 5% a mais que no mesmo período de 2016. O crescimento não era registrado desde 2012. Os dados mostram que, do total de aparelhos vendidos no primeiro trimestre, 405 mil unidades foram desktops e 701 mil notebooks. Os computadores destinados ao consumidor representam 65% do total, enquanto o segmento corporativo foi responsável pela compra de 35% das máquinas. Ainda segundo o estudo, o preço médio nos três primeiros meses desse ano foi de R$ 2.141, 22% menor em relação ao registrado no primeiro trimestre de 2016 (R$ 2.750). Para a empresa, a redução, motivada principalmente pela queda do dólar, foi decisiva para o crescimento do mercado....

Leia Mais

Para o mercado, a denúncia contra Temer já “está no preço”

Saiu a primeira denúncia contra o presidente Michel Temer. A Procuradoria Geral da República finalmente apresentou ao STF, na noite desta segunda-feira (26), o teor da acusação preparada por Rodrigo Janot, registrando o primeiro episódio deste tipo na história da República – um presidente denunciado no exercício do cargo. Temer e Rodrigo Rocha Loures estão sendo acusados de corrupção passiva. A segunda-feira foi inteira de expectativas para conhecer o conteúdo da acusação de Janot. E o mercado não pareceu nem um pouco preocupado com o que estava por vir. A Bolsa de Valores subiu 1,8% e o dólar caiu 1,13%. Por que ninguém ficou preocupado com alguma surpresa que pudesse piorar ainda mais a crise política? Porque já estava no “preço”, como sempre acontece, os movimentos são antecipados pelo mercado. E mais... “Por...

Leia Mais

Reforma trabalhista é boa para os consumidores

O Congresso Nacional precisa urgentemente aprovar a reforma trabalhista, para evitar custos extras para empresas e consumidores, disse neste sábado (24) o copresidente do conselho de administração do Itaú Unibanco, Roberto Setubal. A rigidez excessiva da legislação trabalhista está criando um enorme fardo para os cidadãos, que acabam pagando mais pelos bens e serviços que compram, disse em evento da XP Investimentos. Segundo o executivo, a turbulência política dificilmente diminuirá nos próximos meses, colocando desafios à agenda de reformas do presidente Michel Temer. As políticas bem sucedidas até agora ajudaram a mitigar esses riscos, disse ele. "As pessoas precisam entender que reformar um código trabalhista desatualizado é bom para os negócios, mas em última análise para os consumidores, que estão sobrecarregados com...

Leia Mais

Confiança do empresário volta a recuar em junho

Após quatro meses de estabilidade, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu 1,8 ponto percentual em junho, para 51,9 pontos, informou nesta quinta-feira (22) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com a entendida, a queda da confiança do empresário mostra que haverá dificuldades para impulsionar os investimentos produtivos na economia brasileira. A pesquisa foi realizada entre 1º e 12 de junho, com 2.958 empresas do país. Os indicadores da pesquisa variam de zero a 100 pontos. Quando estão acima de 50 pontos mostram que os empresários estão confiantes. Abaixo de 50 pontos, indicam pessimismo. A queda no indicador, portanto, mostra que os empresários estão menos otimistas sobre a situação da economia brasileira e das empresas nos próximos seis meses. "Embora esteja 6,2 pontos acima do registrad...

Leia Mais

Mercado de capitais não vai crescer se BNDES continuar a dar crédito subsidiado

O desenvolvimento do mercado de capitais no Brasil passa por uma reestruturação dos modelos de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), afirmou nesta quarta-feira (21) o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Leonardo Pereira. Para o executivo, o banco de fomento deve conceder empréstimo às empresas em um estágio prévio à abertura em bolsa. Ele disse ainda que essa visão está alinhada com a nova postura do BNDES, que já anunciou a criação de um novo juro de mercado e menor subsídio para empréstimos. "Não adianta querer ter um mercado de capitais grande se tem um banco de desenvolvimento dando dinheiro subsidiado a quem não precisa de dinheiro subsidiado", afirmou o executivo durante o 19º Encontro Internacional com Investidores e Mercado de Capitais, em São Paulo. Dura...

Leia Mais

Brasil abre 34,2 mil vagas formais de trabalho em maio

O Ministério do Trabalho informou nesta terça-feira (21) que, no mês de maio, a abertura de vagas formais de trabalho superou as demissões em 34,2 mil postos. Os dados constam do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).   Pelo segundo mês seguido houve criação de postos de trabalho com carteira assinada e esta foi a primeira vez desde 2014 que um mês de maio registrou mais contratações do que demissões. Ao divulgar os dados, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, avaliou que, aos poucos, o Brasil tem recuperado os empregos fechados nos últimos anos em razão das crises econômica e política.   "O governo federal tem feito um esforço grande e constante para adotar medidas que incentivem a geração de empregos. E o resultado nós temos visto no desempenho do Caged desde o ano passado, mas, sobretudo, nos últimos ...

Leia Mais

“Balança comercial é conjuntural, não estrutural”, diz presidente da AEB

A balança comercial brasileira tem de tudo, menos instabilidade. Desde o começo do ano as transações comerciais entre nós e o mundo acumulam alta de 48% na comparação com mesmo período do ano passado. Em valores isso significa que, entre janeiro de meados de junho de 2016, o saldo entre compras e vendas internacionais ficou positivo em US$ 22 bilhões. Agora, a soma chega a US$ 32,6 bilhões. “Estamos tendo este resultado com a pauta pobre da exportação. A quantidade de commodities é elevada e sobre ela não temos nenhum controle, nem de preço nem de quantidade. Nós dependemos de terceiros, nada do que fazemos aqui gera crescimento para as exportações. Este resultado tão positivo está longe de ser estrutural, ele é conjuntural”, disse o presidente da Associação Brasileira de Exportadores, José Augusto de Cast...

Leia Mais

Ainda não é hora de abraçar o otimismo com dados sobre economia

Abril é o primeiro mês do segundo trimestre e está surpreendendo. O que aconteceu naquele mês na economia mostra boas notícias, mas não pode nos afastar da realidade. O crescimento do comércio e dos serviços, e agora o IBC-Br de 0,28% em abril, inibem o excesso de pessimismo com o segundo trimestre. Ao mesmo tempo, não são assertivos sobre a continuidade da trajetória. Foi no segundo mês do segundo trimestre que a "casa caiu" com a delação da JBS e o vai-não-vai do governo de Michel Temer e dos partidos quase-aliados. O escândalo estourou na segunda metade de maio e, apesar do consenso sobre os efeitos nefastos que ele vai causar na economia, ainda é cedo para compreender a intensidade da contaminação. O mercado financeiro é o primeiro "anel" das ondas de respostas à crise. Ele se distorceu com força nu...

Leia Mais

Ainda sem saber o que será (Opinião)

A opinião disseminada entre os economistas do setor privado de que a crise do governo Temer, deflagrada há quase um mês com a divulgação dos áudios da delação premiada de Joesley Batista, vai necessariamente interromper o processo de retomada da economia é vista com ressalvas no centro de decisões da equipe econômica. O impacto inicial sobre as expectativas dos agentes econômicos já foi constatado nos mais recentes levantamentos. E isso vai afetar de algum modo a economia real, pelo menos nessas primeiras semanas da crise. O que se pondera em Brasília é que nos últimos doze meses houve uma melhora significativa das expectativas de empresários e consumidores. Mas isso não se traduziu, na mesma proporção, em desempenho da economia. Pode ser que agora o mesmo fenômeno ocorra, só que em sentido inverso: uma ligeira piora das expectat...

Leia Mais

Com inflação em queda, poupança tem maior ganho real em 11 anos

A queda da inflação está contribuindo para elevar a rentabilidade da mais tradicional modalidade de aplicação financeira no país. No acumulado em 12 meses até maio, a caderneta de poupança ofereceu um ganho real (descontada a inflação) de 4,37%, segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica. Trata-se da maior taxa de retorno desde 2006, quando o modalidade rendeu 5,1% na mesma base de comparação. O IBGE divulgou nesta sexta-feira (9), que o índice de que mede a inflação oficial do país (IPCA) ficou em 0,31% no mês de maio, acumulando variação de 3,6% em 12 meses. Com isso, o ganho real da poupança no mês foi de 0,27%. No acumulado em 5 meses, o retorno descontada a inflação está em 1,66%, se aproximando do ganho real obtido nessa aplicação durante todo o ano pass...

Leia Mais

Preço médio da gasolina cai pela 3ª semana seguida e atinge menor patamar desde 2015

O preço médio da gasolina caiu de R$ 3,590 para R$ 3,572, atingindo assim o menor patamar desde novembro de 2015. O levantamento semanal foi divulgado nesta sexta-feira (9) pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). A queda de 0,5% acontece duas semanas após a redução dos preços nas refinarias pela Petrobras. Já o preço do diesel apresentou alta entre uma semana e outra, passando de R$ 3,006 para R$ 3,011 por litro - um aumento de 0,17%. Pelo Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), do IBGE, o preço da gasolina acumula queda de 2,99% no ano até maio. Já o do etanol caiu 8,13% no ano e do o diesel recuou 0,1%. No dia 25, a Petrobras anunciou queda de 5,4% do preço da gasolina nas refinarias. O repasse ou não da redução do preço aos consumidores dependem dos postos de gasolina. No último comunicado, a Petrobras sinalizou ainda q...

Leia Mais

Preços de serviços e presentes para o Dia dos Namorados subiram mais que inflação em 1 ano

Os preços de serviços e presentes para o Dia dos Namorados subiram em média 4,78% entre junho de 2016 e maio deste ano, segundo o Instituto Brasileiro de Economia da FGV (IBRE). O percentual é maior que a inflação do período, de 4,05%, medida pelo IPC/FGV. O índice foi puxado pelos serviços, que ficou em 6,14%. Entre as opções de lazer mais procuradas pelos casais, o teatro foi a que mais registrou alta (27,14%), seguida por show (12,92%) e cinema (6,91%). Já a inflação dos restaurantes foi de 5,73%, enquanto a dos bares e lanchonetes ficou em 6,73%. Apenas hotéis/motéis ficaram mais baratos, com queda de 4,29%. “Apesar de estarem subindo acima da inflação, a taxa está recuando. A recessão e seus efeitos sobre o mercado de trabalho estão reduzindo a demanda por serviços, e os preços estão aumentando com maior...

Leia Mais

OCDE melhora projeção para PIB do Brasil e prevê alta de 0,7% em 2017

A OCDE passou a ver um crescimento de 0,7% este ano para o PIB brasileiro, depois de projetar estabilidade anteriormente. A entidade também melhorou a perspectiva para o ano que vem em 0,1 ponto percentual, para 1,6%. “A economia brasileira está finalmente emergindo de uma recessão severa e prolongada. Mas a recuperação deve ser fraca e lenta. A confiança dos consumidores e das empresas está aumentando, e a exportação agrícola começou o ano com grande força”, diz o relatório. “No entanto, o desemprego deve começar a diminuir apenas no final deste ano e continuar a cair gradualmente. A inflação tem caído significativamente, em parte devido à baixa demanda, e deve fechar o ano abaixo da meta de 4,5%. Já as desigualdades permanecem grandes”, acrescenta a entidade. A economia global está a caminho de registrar neste ano...

Leia Mais

Vendas do comércio no Dia dos Namorados devem ser melhores que no ano passado

As vendas do comércio no Dia dos Namorados de 2017 devem ser melhores na comparação com o ano passado, segundo previsões de diferentes entidades. Neste ano, a data será comemorada na próxima segunda-feira (12). Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), as vendas devem ser 2,5% maiores que em 2016. A FecomercioSP espera alta de 3% nas vendas do comércio paulista. O sindicato que representa o comércio de flores em São Paulo (Sindiflores) estima crescimento das vendas de 4,5 % sobre o ano anterior. No Rio de Janeiro, a expectativa dos empresários também é positiva, de alta de 12% no faturamento, superando o Dia das Mães e a Páscoa, segundo a FecomércioRJ e a FGV Projetos. Fabio Bentes, economista da CNC, diz que o resultado melhor das vendas que o ano passado deve ser puxado pela inflação baixa, al&eac...

Leia Mais

Comércio e indústria vão impulsionar crescimento global em 2017

O Banco Mundial manteve a previsão de que o crescimento global vai melhorar para 2,7% neste ano, citando aceleração na indústria e no comércio, confiança maior do mercado e a recuperação dos preços das commodities. A atualização do relatório Perspectivas Econômicas Globais do banco de desenvolvimento marcou a primeira vez em vários anos que as previsões de junho não foram reduzidas em relação àquelas publicadas em janeiro devido aos maiores riscos ao crescimento. A previsão de crescimento global do Banco Mundial em 2017 de 2,7% se compara à estimativa de 2,4% em 2016, valor elevado em 0,1 ponto percentual desde janeiro. O Banco Mundial disse que as economias avançadas mostram sinais de melhora, especialmente o Japão e a Europa, enquanto os sete maiores mercados emergentes --China, Brasil, México, Índia, In...

Leia Mais

Febre do ouro digital no Japão faz valor do bitcoin disparar no mundo

No Japão já é possível pagar com bitcoins em restaurantes, lojas de equipamentos eletrônicos e até a conta de gás, graças a uma legislação pioneira que gerou a febre do ouro digital no país asiático e fez sua cotação disparar em nível global. Empresas e usuários japoneses adotaram com entusiasmo a moeda virtual desde que entrou em vigor em abril a primeira lei no mundo todo que reconhece o bitcoin e as novas moedas digitais como forma de pagamento; e está previsto que, este ano, até 300 mil estabelecimentos no Japão aceitem este tipo de dinheiro. A repentina explosão do bitcoin na terceira maior economia mundial levou sua cotação para níveis recordes: no dia 25 de maio ultrapassou os US$ 2.700, e situou o iene como a moeda mais trocada por bitcoins, à frente do dólar e do iuane chinês, segundo dados do ...

Leia Mais

Economia brasileira continuará a crescer se política for mantida, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou, em entrevista à TV Globo, que o crescimento de 1% do PIB no primeiro trimestre de 2017, o primeiro depois de dois anos de recessão, mostra que a economia brasileira “entrou em outro ritmo.” Para o ministro, mesmo com a crise política que ameaça a permanência de Michel Temer no Palácio do Planalto, a economia continuará a acelerar ao longo deste ano desde que haja perspectiva de avanço nas reformas e manutenção da política econômica. “É inquestionável que a economia brasileira já entrou em outro ritmo, comparado com o que nós vivemos mesmo antes de ela entrar totalmente na recessão. Ela já está num ritmo bastante bom”, disse. De acordo com o ministro, após o crescimento de 1% no primeiro trimestre, a economia brasileira deve registrar uma “acomodaçã...

Leia Mais

Brasil supera apenas Venezuela e Mongólia em ranking de competitividade

Brasil está próximo da lanterna da competitividade global, aponta um relatório divulgado nesta quarta-feira pelo instituto de pós-educação suíço IMD em parceria com a Fundação Dom Cabral. Segundo o levantamento anual, apenas Venezuela e Mongólia estão em situação pior do que o Brasil. O país está na 61ª posição dentre as 63 economias avaliadas. De acordo com o diretor do estudo, o professor Arturo Bris, a má performance se deve à crise política no país. No topo do ranking estão Hong Kong e Suíça, já haviam garantido o primeiro e segundo lugar na edição passada, seguidos por Cingapura e Estados Unidos, respectivamente, que trocaram de posição em relação à análise anterior. Em 2016 o Brasil figurava na 57ª posição, mas ca...

Leia Mais

Brasil e China criam fundo de US$ 20 bilhões para financiar infraestrutura

Brasil e a China anunciaram nesta terça-feira (30) a criação de um fundo de investimento com aporte de US$ 20 bilhões para fomentar obras de infraestrutura. O fundo, lançado oficialmente no Fórum de Investimentos Brasil 2017, em São Paulo, deve financiar projetos de interesse mútuo para os dois países e começará a ser operado em junho. A maior parte do aporte financeiro, de US$ 15 bilhões, virá do Fundo de Cooperação Chinês para Investimento na América Latina (Claifund). Os outros US$ 5 bilhões serão financiados pelo Brasil. Somente empresas dos dois países poderão participar dos projetos. Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, o fundo focará setores prioritários como logística, energia, recursos minerais, agricultura, indústria de manufatura e serviços dig...

Leia Mais

'Não há plano B para a previdência'

Com o atraso na votação da reforma da Previdência no Congresso Nacional, começam a surgir especulações sobre saídas paralelas para o que é hoje a maior ameaça à economia brasileira. A crise política afastou a aprovação da reforma do curto prazo e tem colocado muitas dúvidas sobre a capacidade de o governo conseguir cumprir metas e limites do orçamento diante do rombo crescente do sistema de aposentadorias e pensões. “Não há plano B. O governo continua empenhado em aprovar o projeto que está lá no Congresso, mesmo que atrase um pouco. É isso que o ministro Henrique Meirelles vai falar hoje no compromisso que tem em São Paulo”, me disse uma fonte graduada do governo. Henrique Meirelles chega nesta segunda-feira (29) em São Paulo para participar do seminário sobre a previdência promovido pela revista ...

Leia Mais

Bandeira tarifária será verde em junho; taxa extra na conta de luz será suspensa

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta sexta-feira (26) que a bandeira tarifária de junho será verde. Dessa maneira, não haverá cobrança extra na conta de energia no mês que vem. Em abril e maio, a bandeira tarifária ficou na cor vermelha, patamar 1, e os consumidores pagaram uma taxa extra de R$ 3 a cada 100 kWh consumidos. Segundo a Aneel, "os fatores que contribuíram para o retorno da bandeira verde foram a maior afluência das vazões que chegaram aos reservatórios das hidrelétricas em maio de 2017 e a perspectiva de redução do consumo de energia elétrica." Em abril, o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, havia afirmado que a tendência era que a bandeira tarifária continuasse vermelha até novembro. Isso porque as regiões Sudeste e Centro-Oeste, onde estão as principais hidrelétricas do p...

Leia Mais

Confiança do comércio recua em maio

A confiança do comércio recuou em maio, segundo sondagem da Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgada nesta quinta-feira (25). O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) recuou 0,5 ponto em maio, ao passar de 89,1 para 88,6 pontos. O resultado ocorre após cinco altas consecutivas em que o ICOM acumulou alta de 11,1 pontos. "Nota-se recentemente uma melhora de humor nos segmentos relacionados às vendas a prazo, um possível reflexo da tendência de queda dos juros e liberação de recursos do FGTS. A coleta de dados para a pesquisa de maio já estava quase terminando quando foi deflagrada uma crise política, no dia 17, com potencial para aumentar o grau de incerteza econômica e afetar o ritmo (já lento) de recuperação do setor", afirma Aloisio Campelo Jr., superintendente de estatísticas públicas da FGV/IBRE. A queda do ICOM em ma...

Leia Mais

Produção cai em abril e CNI vê dificuldades para indústria sair da recessão

Depois de uma pequena recuperação em março, a produção da indústria brasileira voltou a cair em abril, assim como também recuaram o nível do emprego e de uso do parque fabril, informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (24). "A indústria ainda encontra dificuldades para superar a recessão econômica enfrentada pelo país", avaliou a entidade, que realizou levantamento com 2.387 empresas entre 2 e 12 de maio. Segundo a pesquisa, o indicador de evolução da produção caiu para 41,6 pontos em abril, o de número de empregados ficou em 47 pontos, e o de utilização da capacidade instalada em relação ao usual (nível de uso do parque fabril) diminuiu pra 36,6 pontos. Os indicadores da pesquisa variam de zero a 100 pontos. Quando estão abaixo de 50 pontos, revelam queda na p...

Leia Mais

'Reforma da previdência é inescapável', diz Sérgio Werlang

Quanto mais o tempo passa, mais aumenta a preocupação com o andamento da reforma da previdência no Congresso Nacional. Por baixo de toda fumaça que envolve a crise política em Brasília, o ambiente para a votação da proposta na Câmara dos Deputados, ora piora, ora piora menos. Qualquer que seja o desfecho encontrado por quem quer que consiga liderar uma decisão, a reforma da previdência não pode de forma alguma sair da agenda de emergência e urgência do parlamento.  “É inescapável, temos que aprovar uma reforma da previdência boa, forte. Mais importante do que o apoio a quem quer que seja escolhido para governar, é saber se essa pessoa vai conseguir engajamento político do Congresso Nacional para encaminhar as votações”, me disse em entrevista exclusiva o ex-diretor de Política Econômica do Banco Central, Sér...

Leia Mais

Sem capitão, sem leme e na tempestade (Opinião)

A analogia com um barco perdido em alto mar, debaixo da tempestade do século, serve para encaixar o atual momento no Brasil. Mas pode ser pior do que isso...e é. O barco brasileiro está nestas condições sem capitão e sem leme. O vácuo de poder assusta tanto quanto o escândalo da JBS e seus desdobramentos.  A semana está começando sob um clima de suspense ainda maior do que aquele que entramos no fim de semana. Com a resistência de Michel Temer em aceitar uma derrota política, aumenta o espaço para as conspirações e hipóteses – em muitos casos, preocupantes – sobre o futuro próximo do país.  A única certeza que se tem nesta segunda-feira (22) é de que o Brasil vai sangrar por mais tempo. Não se sabe quanto vai perder de sangue, mas a ferida vai continuar aberta e expondo o país a todo e qualquer tipo de conseq...

Leia Mais

Brasil tem 'amortecedores robustos', diz presidente do BC

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, declarou nesta sexta-feira (19) que o Brasil tem amortecedores robustos e, por isso, está menos vulnerável a choques, internos ou externos. As declarações foram feitas durante almoço no banco Santander, em São Paulo, e divulgadas pela assessoria do Banco Central. O mercado financeiro tem registrado instabilidade após as denúncias envolvendo o presidente Michel Temer e a delação de executivos do frigorífico JBS. "A política econômica doméstica mudou de direção há um ano e as reformas implementadas neste curto período mostraram resultados positivos, por isso a importância de se continuar nesse caminho virtuoso", acrescentou. Goldfajn admitiu que as incertezas aumentaram nos últimos dias, por conta de "informações advindas do ambiente político", mas reiterou ...

Leia Mais

Crise política pode afetar recuperação da economia brasileira, dizem especialistas

A crise política pode afetar a recuperação da economia brasileira, afirmaram especialistas ouvidos pelo G1. Após a delação dos donos da JBS afirmando que gravaram o aval do presidente Michel Temer para comprar o silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os mercados entraram em pânico na manhã desta quinta-feira (18), com o dólar cotado acima de R$ 3,40, e a Bovespa chegou a interromper os negócios depois de cair mais de 10%. Esse cenário trouxe incertezas quanto ao andamento das reformas da Previdência e Trabalhista, que estão em análise no Congresso. Até mesmo o ritmo de queda da taxa Selic, a taxa básica de juros da economia, pode ser afetado pelas incertezas na economia e política, de acordo com os especialistas. Segundo Alexandre Wolwacz, diretor técnico da L&S Investimentos, a crise política trouxe consequências econ&o...

Leia Mais

Brasil registra criação de 59,8 mil empregos formais em abril

O Brasil voltou a gerar empregos com carteira assinada em abril deste ano, apontam dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira (16) pelo Ministério do Trabalho. No mês passado, as contratações superaram as demissões em 59.856 vagas. Foi o primeiro resultado positivo para abril desde 2014. Abril também foi o segundo mês de 2017 em que houve geração de empregos formais - em fevereiro, as contratações também superaram as demissões, em 35.612 vagas, no que foi o primeiro registro de criação de postos com carteira assinada no país em quase dois anos. Após o resultado positivo de fevereiro, porém, o país voltou a fechar vagas de trabalho em março. Naquele mês, 63.624 postos foram fechados. "Espero que no mês que vem, quando venhamos a conversar novamente, possamos comemorar ...

Leia Mais

Temer diz que governo estuda ampliar faixa de isenção do IR

O presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (15) que o governo federal estuda promover uma correção na tabela do Imposto de Renda para ampliar a faixa de isenção do tributo. Segundo o presidente, o tema ainda está em fase de "conversa inicial". Durante entrevista a rádios regionais, o presidente foi questionado sobre novas medidas que o governo estuda adotar para a economia e sobre se a correção da tabela do IR seria uma delas. Sem dar detalhes, respondeu: "O governo fez uma primeira análise para ampliar a faixa de isenção. Ainda é uma conversa inicial". Em outro momento da entrevista, ele voltou a falar sobre o assunto ao ser questionado sobre se a proposta em estudo seria dobrar a faixa de isenção do IR – neste ano, a faixa de isenção foi de R$ 1.903,98. Nesta segunda, uma reportagem do jornal "Valor Econômico"...

Leia Mais

Presidente do BC diz que reforma da Previdência é fundamental para conter inflação

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, destacou os avanços na condução da política monetária obtidos no último ano e defendeu as reformas propostas pelo atual governo como o melhor caminho para que o país volte a crescer e manter a inflação sob controle. As afirmações foram feitas em palestra que encerrou o 19º Seminário Anual de Metas de Inflação, evento realizado pelo Banco Central no Rio de Janeiro. Segundo ele, todas as projeções de mercado e do governo mostram que as atuais políticas econômica e monetária apontam para a retomada do crescimento econômico, como o avanço nos preços de vários ativos no mercado internacional. Goldfajn lembrou que o regime de metas de inflação, muito criticado após a crise econômica de 2008, prevaleceu e segue mostrando sua utilidade. Nos últimos...

Leia Mais

Governo avalia mudanças de regulação no setor elétrico

O governo prepara uma reforma no setor elétrico que pretende "liberalizar" o mercado, mas as mudanças serão implementadas com transparência e de maneira gradual, sem quebrar contratos e com regras de transição em relação à atual regulamentação, disse nesta quinta-feira (11) o secretário de Planejamento do Ministério de Minas e Energia, Eduardo Azevedo. A Reuters publicou recentemente que o governo avançará com uma revisão do modelo do setor, o que inclui estudos para o desmonte de uma série de medidas implementadas pelo governo da presidente Dilma Rousseff entre 2012 e 2013. Essas medidas tinham como objetivo reduzir as tarifas, mas causaram enormes custos para os consumidores e perda de valor para empresas. As expectativas quanto às mudanças fizeram as ações da Eletrobras dispararem nesta quinta-feira (11), com os papé...

Leia Mais

Taxa de juros do cartão de crédito cai ao menor nível desde 2015

As taxas médias de juros cobradas nas operações de crédito caíram em abril pelo 5º mês seguido, segundo pesquisa mensal divulgada nesta quinta-feira (13) da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Os juros do cartão de crédito ficaram em 397,75% - a menor média desde abril de 2015, quando a taxa era de 378,76%. Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor executivo de estudos e pesquisas da Anefac, aponta, no entanto, que os patamares dos juros ainda são considerados altos. Segundo o levantamento, todas as 6 linhas de crédito para pessoa física e 3 linhas para pessoa jurídica pesquisadas reduziram suas taxas de juros no mês na comparação com o mês anterior. A nova queda é atribuída à nova redução da Selic promovida pelo Banco Central em sua &uacu...

Leia Mais

Com fim da greve, Correios dizem que entregas devem ser normalizadas esta semana

Os Correios informaram nesta terça-feira (9) que, com o fim da greve dos trabalhadores da empresa, as entregas em atraso devem ser normalizadas ainda esta semana. Segundo a estatal, a paralisação de empregados chegou ao fim em todo o Brasil. "Levantamento realizado nesta terça-feira (9) mostra que 99,85% do total de empregados dos Correios está trabalhando", informou a empresa, destacando que nos estados onde ainda houver carga represada, "as ações contingenciais continuarão a ser adotadas até que as entregas sejam normalizadas". A maioria dos sindicatos que representa os trabalhadores dos Correios decidiu acabar com a greve e voltar ao trabalho nesta segunda-feira. A greve dos Correios começou no dia 26 de abril e durou 12 dias. "Desde o início da paralisação, os Correios colocaram em prática um plano de continuidade de negócios, estabelecendo aç...

Leia Mais

Balança comercial tem superávit de quase US$ 1 bilhão no começo de maio

A balança comercial registrou superávit (exportações maiores que importações) de US$ 997 milhões na primeira semana de maio, informou nesta segunda-feira (8) o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Segundo o governo, as exportações somaram US$ 3,58 bilhões no começo deste mês e, com isso, tiveram um aumento de 7% sobre o mesmo mês de 2016. Nesta comparação, subiram as vendas de produtos básicos e semimanufaturados, mas recuaram as exportações de manufaturados. Os dados do governo mostram também que as importações continuaram subindo. Na primeira semana de maio, avançaram 21,9%, na comparação com o mesmo mês de 2016, para US$ 2,58 bilhões. Cresceram as compras de bebidas e álcool, cereais e produtos da indústria da moagem e combustíveis ...

Leia Mais

Criação de empregos será retomada ainda neste ano

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira (4) que a criação de empregos deve voltar a crescer ainda neste ano. "Já no segundo semestre nós esperamos ter um crescimento do emprego", afirmou. "A preocupação com o desemprego é de todos, agora vai diminuir". O ministro ressaltou que, em meio a uma crise econômica, "o emprego demora um pouco mais" para reagir na comparação com outros indicadores. "O país precisa crescer para que possa diminuir o desemprego". O ministro também voltou a afirmar que a economia "já está crescendo" novamente. "A nossa previsão é que o país cresceu no primeiro trimestre 0,7 a 0,8%. A nossa previsão para o crescimentos no ano, comparando o final do ano com o começo do ano, é 2,7%". Meirelles voltou a defender a reforma da Previdê...

Leia Mais

“Não dá para fazer reforma da previdência sem mercado de trabalho”, diz economista do IPEA (Opinião)

O envelhecimento da população é a principal e mais irrefutável justificativa para reformar a previdência no Brasil. É matemática pura ponderar a quantidade de trabalhadores em idade ativa que serão necessários para sustentar cada aposentado, numa sociedade em que os idosos serão mais numerosos do que as crianças daqui 13 anos! Este argumento parece ter convencido o parlamento já que os nobres deputados decidiram pela idade mínima de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres (uma nota sobre esta decisão, ela apenas reforça a desigualdade entre nós e eles no mercado de trabalho e na convivência social). Além disso, o tempo mínimo de contribuição também vai aumentar para permitir que o sistema seja alimentado por mais tempo e corresponda melhor ao benefício que será recebido pelo cidadão. Tudo bem, já e...

Leia Mais

Nova proposta é mais 'palatável' e gradual, diz ministro do Planejamento

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse nesta terça-feira (25) que a proposta de reforma da Previdência, após as alterações feitas pelo relator, deputado Arthur Maia (PPS-BA), é "mais palatável". De acordo com o ministro do Planejamento, realizar neste ano a reforma da Previdência permite ter um controle maior sobre a proposta e, com isso, apresentar um texto menos "radical". "Se esperarmos 4 ou 5 anos para fazer essa reforma, não teremos essa oportunidade [de fazê-la de forma gradual]", acrescentou. "Alguns países não aproveitaram e deixaram para fazer a reforma depois de perder o controle, como Grécia, Portugal, tiveram de reduzir benefício, congelar salários, fazer cortes, confiscos, fazer uma reforma radical", declarou ele durante seminário promovido pelo jornal "Correio Braziliense". Dyogo Oliveira afirmou...

Leia Mais

Superávit da balança comercial em 2017 se aproxima dos US$ 20 bilhões

A balança comercial brasileira registrou um superávit (exportações maiores que importações) de US$ 19,6 bilhões no acumulado deste ano até domingo (23), informou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O resultado representa forte melhora em relação ao mesmo período do do ano passado, quando o saldo positivo foi bem menor: US$ 10,93 bilhões. No acumulado de 2017, as exportações somam US$ 63,54 bilhões, com média diária de US$ 836 milhões (alta de 23,1% sobre o mesmo período de 2016). Já as importações somam US$ 43,93 bilhões no período, com média de US$ 578 milhões por dia útil (aumento de 9,6%). Os números do MDIC mostram, porém, recuo de 1,8% nas exportações de carnes. Neste mês, até domingo (23), o valor...

Leia Mais

Brasil volta a perder postos de trabalho em Março

Depois de gerar empregos em fevereiro, a economia brasileira voltou a demitir mais do que contratar em março. No mês de março, as demissões superaram as contratações em 63.624 vagas. Os números do emprego divulgados nesta quinta-feira (20) têm como base o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A redução das 63.624 vagas de emprego é resultado de 1.261.332 admissões e de 1.324.956 demissões em março. No acumulado do primeiro trimestre de 2017, o país registrou o fechamento de 64.378 postos de trabalho. No mês de fevereiro, após 22 meses de queda no número de postos de trabalho formal, o Brasil voltou a gerar emprego, com um saldo de 35.612 novos postos de trabalho com carteira assinada. Na série ajustada, divulgada nesta quinta, o número de fevereiro subiu para uma criação de 40.147 vagas. Apesar do resultado negat...

Leia Mais

Olhando o Brasil de fora

O Banco Mundial espera que a economia brasileira cresça mais em 2017. Na mais nova revisão para o PIB deste ano, a entidade subiu de 0,5% para 0,7% sua previsão. Na outra direção, o Fundo Monetário Internacional manteve sua expectativa para o nosso PIB em apenas 0,2% - mais pessimista até que economistas brasileiros, que esperam alta de 0,41%. Por que esta diferença entre as estimativas? Para o Banco Mundial o estimulo importante para uma recuperação mais robusta da economia será a redução das taxas de juros que está em curso pelo Banco Central. Os economistas da instituição consideram bastante positiva a saída da recessão e a estabilização da atividade que está sendo confirmada pelos dados de 2017 revelados até agora. Com este ambiente e a queda mais intensa dos juros, o consumo e os investimentos podem acelerar até o final...

Leia Mais

Não te oferecer um produto explicitamente pode fazer você ter mais vontade de consumi-lo

Apesar de já não serem mais veiculadas, muita gente deve se lembrar das propagandas de cigarro que circulavam na mídia até a década de 1990 - algumas muito emblemáticas tendo como ícone o caubói rústico em uma paisagem de tirar o fôlego. A proibição governamental desse tipo de propaganda e a tendência mundial a apoiar iniciativas antitabagistas fazem com que a população não sinta falta desse tipo de anúncio. O que muita gente não sabe é que as alternativas de mercado encontradas pelas marcas de cigarro para contornar as proibições de propagandas explícitas acabam despertando ainda mais vontade de fumar do que acontecia quando as propagandas não eram proibidas. Isso é o que mostra o professor Martin Lindstrom, em estudo relatado no livro "A lógica do consumo". O exemplo das cobras pode ter um paralelo...

Leia Mais

Relator da reforma trabalhista prevê que mudanças entrem em vigor em junho

O relator do projeto de lei sobre a reforma trabalhista, deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), prevê que as alterações na legislação da CLT entrem em vigor em meados de junho, antes do recesso parlamentar. Em evento na Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham), em São Paulo, Marinho defendeu a reforma alegando que a CLT perdeu sua condição de atender às necessidades atuais do mercado de trabalho. "A ideia foi modernizar a lei para adequá-la ao espírito do tempo", afirmou. Entre os principais pontos do projeto estão a prevalência da negociação entre empresas e trabalhadores sobre a lei para pontos como flexibilização da jornada, fragmentação de férias, trabalho por produtividade e mudanças na representatividade dos trabalhadores dentro das empresas, sem necessidade de o escolhido ser s...

Leia Mais

Quando metas podem acabar com uma empresa

Atualmente existem poucas empresas (e colaboradores) que não trabalham com metas: quantos negócios precisam fechar por mês, quantas propostas devem apresentar, o tamanho da produção, e assim por diante. As metas são vistas como um sistema fundamental que contribui para o crescimento e produtividade da empresa. No entanto, o economista comportamental Dan Ariely alerta que empresas e organizações podem errar feio ao ligar a política de salários ao sistema de metas. O problema surge quando os negócios passam a tratar todos os aspectos do trabalho como se pudessem ser contados, medidos e, assim, transformados em meta. Uma parte do nosso trabalho certamente é quantificável: número de vendas fechadas, número de carros produzidos, e assim por diante. Contudo, existe uma outra dimensão do trabalho que não é quantificável, difícil de definir ou contar....

Leia Mais

Será que teremos juros civilizados no Brasil? (Opinião)

O país está envolto na poeira de Brasília. Parece que não faremos outra coisa a não ser ver e ouvir horas de vídeos com as delações do fim do mundo sobre o maior esquema de corrupção do país – e do mundo também. Tanto assim que o Banco Central fez o movimento mais intenso de redução da taxa de juros em anos e ninguém deu muita bola. O Copom baixou de 12,25% para 11,25% a taxa básica da economia, a Selic. A decisão veio sem surpresas, já que tinha sido mais do que alardeada pelo próprio BC nas últimas semanas. Aliás, este tema merece uma observação. Na tentativa de melhorar sua comunicação com o mercado e com a sociedade, o BC comandado por Ilan Goldfajn tem antecipado frequentemente as decisões sobre os juros. Na avaliação de um economista que já passou por Brasília e pe...

Leia Mais

Mercado deu só um ‘pulinho na cadeira’ ao ver a Lista de Fachin

A lista de Fachin está recheada de nomes importantes de todas as esferas de poder público do país, de todas as ideologias. Aliás, eles têm todos a mesma ideologia: a do caixa dois para financiar seus projetos políticos. O país estava em suspense aguardando a confirmação dos nomes e seus delitos, ou pelo menos a quantidade de dinheiro recebido por baixo dos panos.  Assim que a lista saiu no jornal "O Estado de S.Paulo" a turma do mercado financeiro deu um pulinho na cadeira. O dólar estava caindo e passou a subir, mas nada surpreendente – alta de 0,29%, em R$ 3,14. A bolsa de valores que tinha caído muito durante o dia, se recuperou no finalzinho do pregão e fechou em baixa mais amena, de 0,45%.  “A divulgação da lista não é uma novidade já que muitos nomes já tinham vazado e isso tudo já está no preço dos...

Leia Mais

Balança comercial registra superávit de US$ 1,59 bilhão na 1ª semana de abril

O Ministério da Indústria e Comércio Exterior informou nesta segunda-feira (10) que as exportações brasileiras superaram as importações em US$ 1,59 bilhão na primeira semana de abril, resultando em um superávit da balança comercial no período. Segundo o governo, na primeira semana deste mês, as exportações somaram US$ 4,68 bilhões, com média diária de US$ 937 milhões e alta de 22% sobre o mesmo mês do ano passado. Ainda de acordo com o ministério, se comparadas as primeiras semanas de abril de 2016 e de 2017, as exportações cresceram nos casos de produtos básicos (+14,9%), manufaturados (+28,6%) e semimanufaturados (+32%). As exportações de carne registraram média diária de US$ 57 milhões na primeira semana de abril. Esse valor é 0,7% menor que a média diária do m&e...

Leia Mais

Preço médio da gasolina cai e atinge o menor valor em mais de 6 meses

O preço médio da gasolina terminou a semana em queda nos postos pelo país e atingiu o menor valor em mais de seis meses, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (7) pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). Segundo o levantamento semanal, o preço médio por litro no país foi de R$ 3,670 na semana passada para R$ 3,647 - uma queda de 0,62%. É o menor patamar desde a última semana de setembro (R$ 3,638) e também desde que a Petrobras iniciou sua nova política de preços, em outubro (veja mais abaixo). O preço do diesel também recuou na semana, passando de R$ 3,028 por litro em média para R$ 3,018 - redução de 0,33%. Já a queda do preço médio do etanol foi de 1,15%, de R$ 2,691 por litro para R$ 2,66. A Petrobras pratica desde outubro uma nova política de definição de preços dos combustíveis, com reuni...

Leia Mais

Varejo pega carona nos saques do FGTS, mas impacto nas vendas é tímido

De olho no dinheiro dos saques das contas inativas do FGTS, o comércio varejista investiu em publicidade e promoções para tentar fisgar os consumidores. Os primeiros indicadores apontam que o dinheiro trouxe uma leva alta nas vendas nos primeiros dias de saque, com destaque para o aumento da procura por produtos como celular, TV e móveis. O movimento, no entanto, durou pouco, segundo varejistas. O primeiro lote de saques das contas inativas do FGTS começou no dia 10 de março, apenas para pessoas nascidas em janeiro e fevereiro. O próximo lote - para nascidos em março, abril e maio - será liberado no próximo sábado (8). Para tentar fisgar o trabalhador que recebeu um dinheiro inesperado, diversas empresas fizeram anúncios direcionados ao saque do FGTS. O Bradesco, por exemplo, colocou publicidade em pontos de ônibus e no vidro de táxis do Rio e de São Paulo. Gafisa anunciou no r...

Leia Mais

Supersafra deve ter tirado Brasil da recessão no 1º trimestre

A economia brasileira deve ter saído da recessão no primeiro trimestre deste ano quase que exclusivamente com o agronegócio, o que levará o crescimento mais consistente e disseminado ocorrer só mais à frente, de acordo com economistas consultados pela Reuters. Na projeção de bancos e consultorias, o Produto Interno Bruto (PIB) deve crescer de 0,1% a 0,3% entre janeiro e março quando comparado com o quarto trimestre de 2016, com o salto que pode chegar a 8% da agropecuária pela supersafra que o país registrou no período. "Projetamos expansão bastante significativa, de 8%, para a agropecuária. Se não fosse essa contribuição, a variação do PIB seria negativa", resumiu o economista do banco Santander Rodolfo Margato, para quem o PIB terá expansão de 0,3% no primeiro trimestre. Tradicionalmente, os números da agropecu&aa...

Leia Mais

Estoques conservadores sugerem cautela de varejistas de vestuário para coleção outono/inverno

A Economia ainda frágil no Brasil e incertezas relacionadas à intensidade do clima frio neste ano colocaram freios na formação de estoques de varejistas de vestuário, apesar de alguns sinais de recuperação nas vendas em março, afirmaram agentes do setor. De acordo com o diretor-executivo da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), Edmundo Lima, as grandes redes de varejo trabalharam seus estoques com a mesma estimativa de venda do ano passado, "talvez um pouco menos, pois 2016 teve um inverno atípico (...) As empresas estão super cautelosas". A entidade tem entre as associadas grandes grupos como Lojas Renner, C&A, Marisa Lojas e Guararapes Confecções, dona da rede Riachuelo. As vendas da coleção outono/inverno, que tem produtos de maior valor agregado, demoraram para deslanchar no ano passado, com temperaturas ainda elevadas em abril, mas...

Leia Mais

Atividade e emprego industrial sobem em fevereiro, mas uso do parque fabril recua

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) informou nesta segunda-feira (3) que o faturamento real da indústria, as horas trabalhadas (indicador de atividade) e o emprego no setor registraram alta em fevereiro na comparação com o mês de janeiro (saiba todos os resultados mais abaixo). No mesmo boletim, contudo, a CNI informou que a massa salarial, o rendimento do trabalhador e o nível de uso do parque fabril recuaram no mesmo período. As variações foram calculadas após ajuste sazonal. "Os indicadores ainda não apontam retomada. Os dados da indústria seguem caracterizados pela ambiguidade. Ao longo dos últimos meses, dados positivos são sucedidos por acomodações ou quedas. Dentro do mesmo mês, parte dos indicadores mostra evoluções positivas, enquanto outra caminha na direção contrária", avaliou a entidade. ...

Leia Mais

Preços de aluguel de escritórios cai e empresas aproveitam para mudar de endereço

Com espaços de sobra e baixa procura, os preços despencaram mais de 30% e recuaram para valores de cerca de 6 anos atrás. Segundo o índice FipeZap, o preço médio anunciado caiu 7,07% em São Paulo em 2016, na comparação com 2015. No Rio, a queda foi maior, de 14,4%. Com a virada do mercado, o momento passou a ser favorável ao inquilino, que tem conseguido descontos tanto parar permanecer onde está como também para migrar para espaços maiores e melhores. Segundo agentes do mercado ouvidos pelo G1, entre o preço pedido e preço fechado, os descontos tem ficado, na média, em cerca de 20% pelo menos. Também tem sido praxe a oferta de outros atrativos como auxílio em alguma etapa da reforma e carência de vários meses no pagamento do aluguel. Entre as empresas que aproveitaram o momento para mudar de endereço está a americana UnitedHe...

Leia Mais

Conselho Monetário reduz juro de longo prazo para 7% ao ano no 2º trimestre

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu nesta quinta-feira (30), em reunião extraordinária, baixar a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 7,5% para 7% ao ano entre os meses de abril e junho deste ano. A decisão foi publicada na página do Banco Central na internet. Esta é a primeira vez que a taxa é reduzida desde 2013. A taxa serve de referência para os empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao setor produtivo. Os empréstimos concedidos pelo BNDES financiam investimentos em produção e grandes obras de infraestrutura. A 7% ao ano, a TJLP estará no patamar mais baixo desde o terceiro trimestre de 2015, quando estava em 6,5% ao ano. O Conselho Monetário Nacional (CMN) é formado pelos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira, e pelo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn.

Leia Mais

BC estima inflação ao redor de 4% em 2017 e alta menor do PIB

O Banco Central estimou nesta quinta-feira (30) que a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficará ao redor de 4% neste ano e, também, que o Produto Interno Bruto (PIB) terá um crescimento menor em 2017. As informações constam no relatório de inflação do primeiro trimestre. No caso da inflação, a autoridade monetária projetou que o IPCA ficará entre 3,9% e 4% em 2017. Em dezembro do ano passado, a previsão era de que a inflação oscilaria entre 4,4% e 4,7% neste ano. Para 2018, a previsão do Banco Central é de que a inflação oficial do Brasil ficará entre 4% e 4,5%. Para 2017 e para o próximo ano, a meta central é de 4,5% e o teto é de 6%. Deste modo, o BC estimou uma inflação abaixo do objetivo central para este ano. Em 2015, o IPCA so...

Leia Mais

Vendas reais de supermercados caem 0,24% em fevereiro

As vendas reais (descontada a inflação) dos supermercados do Brasil em fevereiro caíram 0,24% sobre o mesmo período de 2016 e 1,93% na comparação com janeiro, informou nesta terça-feira (28) a associação que representa o setor, Abras. No primeiro bimestre, Índice Nacional de Vendas acumula declínio de 0,07% na comparação anual. Em termos nominais, as vendas do setor supermercadista em fevereiro subiram 4,56% ante fevereiro de 2016, mas caíram 1,61% em relação a janeiro. "O Brasil ainda sente os reflexos da crise; a taxa de desemprego vem crescendo desde o ano passado, e em janeiro chegou a 12,6%, o que impacta o poder de compra do brasileiro, que está mais cauteloso e indo menos ao ponto de venda", disse o presidente da Abras, João Sanzovo Neto. Em nota distribuída com os dados de fevereiro, ele disse que a entidade aguarda um n&uacu...

Leia Mais

Apenas 10% dos brasileiros pretendem usar dinheiro do FGTS para consumo

A maioria dos brasileiros pretende usar o dinheiro do saque das contas inativas do FGTS para quitar dívidas ou poupar, aponta pesquisa divulgada nesta segunda-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). Segundo o levantamento, apenas 9,6% dos que têm valores a receber planejam usar o dinheiro em compras ou gastos com lazer. Por outro lado, 41,2% dos entrevistados com recursos a receber disseram que o destino será a quitação de dívidas em atraso, e 24% pretendem poupar. Segundo a pesquisa, 11,9% não souberam dizer como utilizarão os recursos. O pagamento de impostos foi citado por 2,7% e outras finalidades não especificadas por 10,6%. Foram consultados 2.042 brasileiros entre os dias 02 e 22 de março. Levando-se a expectativa do governo de uma liberação de R$ 43,1 bilhões até o final de junho, R$ 2,1 bilhões ...

Leia Mais

Banco Central quer facilitar a entrada de bancos estrangeiros

O Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, admitiu a possibilidade de o governo mudar o sistema de autorização de instituições financeiras no Brasil. A afirmação foi feita durante uma aula inaugural concedida a alunos do curso de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV) na tarde desta sexta-feira. Ele não deu detalhes de como essa mudança ocorreria, mas afirmou que seria necessário um decreto presidencial admitindo interesse nacional na entrada de outros bancos no Brasil – Goldfajn lembrou que, sem esse instrumento, essa ação não é permitida pela Constituição. "Qualquer banco que quiser vir ao Brasil será bem-vindo. Atualmente, a legislação exige um decreto presidencial. Nós queremos facilitar esse processo", disse o presidente, lembrando que a saída de bancos estrangeiros do Brasil - como o HSBC - aco...

Leia Mais

Governo está fazendo 'o máximo' para evitar aumento de impostos, diz Meirelles

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira (23) que o governo federal está se esforçando para evitar a necessidade de aumento de impostos, como medida para compensar a queda na previsão de arrecadação. "Nós estamos exatamente fazendo o máximo possível para evitar [alta de tributos], por isso que não anunciamos precipitadamente ontem", disse o ministro, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto. O ministro se refere ao anúncio, na quarta, de que a arrecadação federal será menor que a prevista e, as despesas do governo, um pouco maiores, o que gerou um buraco de R$ 58,2 bilhões no orçamento de 2017. Esse rombo surgiu porque, quando da elaboração do orçamento, o governo previa um crescimento de 1,6% para a economia brasileira neste ano. Entretanto, essa estimativa foi revista e agora é...

Leia Mais

Governo reduz de 1% para 0,5% projeção de alta do PIB em 2017

O Governo baixou de 1% para 0,5% sua estimativa de crescimento da economia brasileira neste ano, anunciou nesta quarta-feira (22) o Ministério da Fazenda. A nova previsão está em linha com a do mercado financeiro. Apesar da redução, o governo manteve a projeção de que a economia brasileira deve crescer em 2017, após dois anos seguidos de recessão. No ano passado, o PIB brasileiro encolheu 3,6% em relação a 2015. De acordo com o Ministério da Fazenda, o PIB deverá registrar crescimento de 0,49% no primeiro trimestre de 2017; no segundo, alta de 0,68%; no terceiro, aumento de 0,73% e, no quarto trimestre deste ano, alta de 0,79%. O resultado é sempre em relação ao trimestre anterior. Nesta comparação, o crescimento do PIB no quarto trimestre de 2017 será de 2,7% em relação ao mesmo período de 2016, segundo a Secretaria de Pol&i...

Leia Mais

IDH não é o único indicador do nosso retrocesso (Opinião)

Estagnação, luz amarela, retrocesso. Estes foram os principais adjetivos usados pela coordenação do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) na apresentação do Índice de Desenvolvimento Humano de 2015. O Brasil ficou na mesma posição de 2014, em 79º lugar, no ranking que mede qualidade de vida, renda e escolaridade entre 188 países. Os mesmos adjetivos escolhidos pela equipe do Pnud servem para descrever vários aspectos da economia brasileira nos últimos anos e o levantamento da ONU é mais um triste reflexo da sequência cruel de erros cometidos pelo governo do PT, especialmente a partir de 2012. Se você achou ruim o IDH de 2015, feche os olhos e tampe os ouvidos no próxima ano, quando iremos conhecer o índice de 2016. O duplo ano de recessão profunda teve em 2016 seu pior momento. A explosão do desemprego, a perda da...

Leia Mais

Carne, inflação e impostos (Opinião)

Surpresas são inevitáveis. Quando elas chegam num momento de muito desequilíbrio, o estrago pode ser bem maior do que o normal. É o que estamos vendo agora com o escândalo da operação Carne Fraca. A descoberta de um esquema hediondo de manipulação da produção de carnes colocou o Brasil no centro das atenções mundiais. Vários países já anunciaram boicote às exportações brasileiras e, mesmo que muito já tenha sido esclarecido sobre a abrangência do estrago nos produtos, o estrago na imagem do país só faz crescer. Muito disso vem das falhas de gestão dos principais implicados na situação, desde a Polícia Federal até o presidente Michel Temer que demorou para reagir com mais contundência ao escândalo. A resposta mais rápida, como sempre acontece, se dá no preço do...

Leia Mais

Não é hora de 'mudanças abruptas' na política de subsídios, diz Meirelles

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou neste sábado (18) que o governo não deve fazer "mudanças abruptas" na política de subsídios durante o período de recuperação econômica. Meirelles participa da reunião financeira do grupo dos 20 países mais ricos do mundo (G-20), em Baden-Baden, na Alemanha. “É muito importante que não se faça mudanças fiscais importantes em momentos de recuperação da economia. A previsibilidade, a ausência de surpresas em políticas econômicas é fundamental”, afirmou o ministro. Ao ser questionado sobre se os programas de subsídios seriam mantidos pelo menos até a data de vencimento, Meirelles afirmou que ele não estava assumindo essa posição e disse que os programas de isenções e subsídios serão analisados à med...

Leia Mais

Após quase 2 anos de queda, emprego formal cresce no país em fevereiro

A economia brasileira voltou a gerar empregos com carteira assinada em fevereiro. No mês passado, as contratações superaram as demissões em 35.612 vagas. Foi a primeira vez em 22 meses que o país registrou abertura de postos de trabalho. O resultado foi comemorado pelo governo. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (16) pelo presidente Michel Temer e pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, no Palácio no Planalto - nos últimos meses, a divulgação vinha sendo feita pelo ministério apenas via nota em sua página na internet. Temer disse que os dados do emprego são "boas novas" e um sinal da retomada do crescimento da economia brasileira. Segundo o presidente, esses sinais são "a cada dia, mais claros." “Na verdade, um começo. Mas isso [criação de vagas] é depois de 22 meses de números negativos. É praticamente a ...

Leia Mais

Moody's vê sinal de recuperação e melhora perspectiva do Brasil

A Moody's alterou nesta quarta-feira (15) a perspectiva do ratings dos títulos da dívida do Brasil de negativa para estável. A nota do país foi mantida em Ba2, na categoria de especulação. Com isso, o país deixa de ter previsão de novos rebaixamentos nas próximas revisões. Um mês antes, outra agência internacional de risco, a Standard and Poor's (S&P) decidiu reafirmar a perspectiva negativa do Brasil, assim como foi feito pela Fitch em novembro de 2016. "A expectativa da Moody's de que os riscos de deterioração refletidos na perspectiva negativa estão diminuindo e as condições macroeconômicas se estabilizando, enquanto a economia apresenta sinais de recuperação, a inflação em queda e o cenário fiscal está mais claro", justificou a agência em nota. O relatório citou ainda &quo...

Leia Mais

Aneel diz que vai corrigir contas de luz e devolver R$ 1,8 bilhão a consumidores

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai retificar as tarifas de todas as distribuidoras de energia para devolver o R$ 1,8 bilhão cobrado a mais nas contas de luz em 2016. A devolução também será feita via conta de luz e a expectativa da agência é que isso aconteça até o final de abril. Segundo Rufino, a cobrança irregular, que se refere a um repasse para a usina nuclear de Angra III, que não entrou ainda em operação, continua a ser feita mas será suspensa no próximo dia 28. Depois disso, a agência vai estudar como fazer a devolução, que deve ocorrer até 30 dias depois dessa data. A devolução será feita de uma vez. Portanto, as contas de luz de todos os brasileiros devem ficar um pouco mais baratas em abril, devido ao fim da cobrança irregular e à devolução, que será feita ...

Leia Mais

Financiamento de veículos novos cai 13% em fevereiro; o de usados sobe 8,5%

O financiamento de veículos novos caiu 12,9% em fevereiro, na comparação com 1 ano atrás, segundo dados da Cetip, que opera a base integrada de dados que reúne o cadastro das restrições financeiras de veículos oferecidos como garantia em operações de crédito. No mês passado, foram vendidos 117.322 carros, motos e caminhões zero quilômetro financiados. A venda de usados, que representou 66% do total dos financiamentos de veículos em fevereiro, aumentou 8,5%, somando 233.923 unidades. No acumulado do ano, o volume de financiamentos de veículos novos foi 11,2% menor do que o registrado em janeiro e fevereiro de 2016. E a venda de usados nessa modalidade cresceu 15%, na mesma comparação. O ano de 2016 fechou com baixa tanto no financiamento de novos quanto no de usados, na comparação com os números de janeiro a dezembro do ano anterior...

Leia Mais

Quanto maior o salário, melhor o emprego?

Na hora em que vamos comparar duas ofertas de trabalho, o principal critério de desempate costuma ser o salário. Afinal, quem quer ganhar menos, quando você pode aceitar um emprego que pague mais?  No entanto, economistas comportamentais descobriram que somos ruins na hora de prever o nosso futuro. Achamos que um fator pode pesar mais do que outros lá na frente – um salário maior compensa uma localização ruim do escritório ou um ambiente de trabalho pesado. Contudo, na hora de enfrentar horas e horas de trânsito para chegar ao trabalho, parece que nem o maior salário do mundo compensa aquele transtorno todo.  Neste sentido, a geração Y, dos nascidos entre os anos 1980 e 1990, parece estar mais avançada: para muitos jovens, diversos benefícios contam mais do que o salário. Tornou-se muito mais atraente ter um trabalho próximo de casa, com flexibilidade de h...

Leia Mais

IBGE prevê safra de grãos 21,8% maior que a de 2016

A safra brasileira de grãos deve avançar 21,8% este ano em relação a 2016, para 224,2 milhões de toneladas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta quinta-feira (9), na segunda estimava para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas. Em 2016, a safra foi de 184 milhões de toneladas. A estimativa da área a ser colhida é de 60,3 milhões de hectares, apresentando acréscimo de 5,7% frente à área colhida em 2016 (57,1 milhões de hectares). Em comparação com os dados de janeiro, a produção variou positivamente 1,3% e a área 0,8%. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que, somados, representaram 93,0% da estimativa da produção e responderam por 87,1% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior, houve acr&eacu...

Leia Mais

Indústria sobe em janeiro de 2017, após 34 meses seguidos de queda

A Produção da indústria brasileira iniciou 2017 em queda de 0,1% em relação a dezembro. No entanto, frente a janeiro de 2016, a atividade fabril avançou 1,4%, interrompendo 34 meses seguidos de retração nessa base de comparação. Em 12 meses, a produção industrial acumula baixa de 5,4%. Os números foram divulgados nesta quarta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Há uma melhora de ritmo dessa produção industrial, mas isso não significa que haja uma trajetória positiva de crescimento. Em termos de patamar, continua próximo do patamar que a indústria operava entre janeiro e fevereiro de 2009", disse André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE. O pesquisador destacou que, ao observar a média móvel trimestral, se nota uma melhora do...

Leia Mais

Cesta básica cai em 25 das 27 capitais em fevereiro

O custo da cesta básica caiu em 25 das 27 capitais brasileiras, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). As retrações mais expressivas ocorreram em Manaus (-5,14%), Maceió (-5,10%), Porto Alegre (-4%), Brasília (-3,71%) e Rio de Janeiro (-3,55%). As elevações foram em Natal (0,59%) e São Luís (0,14%). Apesar de ter caído 4%, Porto Alegre teve a cesta básica mais cara no mês passado (R$ 435,51), seguida de Florianópolis (R$ 434,13), São Paulo (R$ 426,22) e Rio de Janeiro (R$ 424,55). Os menores valores médios foram observados em Rio Branco (R$ 330,58) e Recife (R$ 344,06). Em 12 meses, 11 cidades acumularam alta. As elevações mais expressivas foram em Maceió (6,89%), Natal (5,99%) e Porto Alegre (4,48%). As reduções foram em 16 cidades, com destaque para Manaus (-14,26%) e Boa Vista (-...

Leia Mais

Atividade do comércio esboça reação em fevereiro

A atividade do comércio cresceu 1,8% no país em fevereiro, ante janeiro, feitos os ajustes sazonais. Na comparação com o mesmo período em 2016, houve queda de 2,7%, segundo dados da Serasa Experian. Em 12 meses, a atividade do setor cai 5,9%, ante recuo de 6,1% nos 12 meses encerrados em janeiro. Segundo os economistas da Serasa, depois da queda de 2,1% em janeiro, ante dezembro, houve certa reação do varejo em fevereiro, mas parcial. "Apesar do impacto benéfico da queda da inflação sobre alguns segmentos varejistas (supermercados, por exemplo), fatores como a alta do desemprego ainda impedem uma recuperação mais significativa do varejo", diz o birô de crédito em nota. Com alta de 2,1% em fevereiro, material de construção teve o melhor desempenho do setor, após ter caído 3,5% em janeiro, na série com ajuste sazonal. Supermercados, hipermerc...

Leia Mais

Pedidos de falência registram queda de 13,5% em um ano

Os pedidos de falência registraram queda de 13,5% em fevereiro ante o mesmo mês de 2016, de acordo com a Boa Vista SCPC. Em relação a janeiro, houve aumento de 28,7%, enquanto no acumulado em 12 meses houve elevação de 6%. Em 12 meses, as falências decretadas subiram 15,9% em relação ao período anterior, enquanto na comparação com fevereiro de 2016 houve alta de 11,1%, e elevação de 38,9% ante janeiro. Já as recuperações judiciais deferidas, no acumulado em 12 meses, subiram 31,3%. Ante janeiro, a alta foi de 44,7%. Os pedidos de recuperação judicial tiveram queda de 26,9% em relação a fevereiro de 2016, alta de 76,3% ante janeiro e de 22,5% no acumulado de 12 meses. De acordo com a Boa Vista, considerando os resultados de 12 meses, os indicadores de falências e recuperações judiciais demonstraram continuidade da te...

Leia Mais

Em 8ª queda seguida, mercado baixa estimativa de inflação em 2017 para 4,36%

Os analistas das instituições financeiras reduziram a estimativa de inflação para este ano, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 4,43% para 4,36%. Foi a oitava redução seguida do indicador. As expectativas dos analistas do mercado financeiro foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas nesta quarta-feira (1º) por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de cem instituições financeiras foram ouvidas. Com isso, o mercado financeiro manteve a expectativa de que a inflação em 2017 ficará abaixo da meta central para ano, que é de 4,5%. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e deve ser perseguida pelo Banco Central, que para isso eleva ou reduz a taxa de juros (Selic). A meta central de inflação não é atingida ...

Leia Mais

Copom indica em ata que pode intensificar ritmo de corte dos juros

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central sinalizou nesta quinta-feira (2), por meio da ata de sua mais recente reunião, quando os juros foram reduzidos de 13% para 12,25% ao ano, que pode optar, nos próximos meses, por intensificar o ritmo de corte da Selic. A definição da taxa de juros pelo BC tem como foco o cumprimento da meta de inflação que é definida todos os anos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Normalmente, quando a inflação está em alta, o BC eleva a Selic na expectativa de que o encarecimento do crédito freie o consumo e, com isso, a inflação caia. Quando as estimativas para a inflação estão em linha com as metas predeterminadas pelo CMN, o BC reduz o juros. É o que está acontecendo agora. Por conta do cenário de recessão na economia, a inflação está em queda livr...

Leia Mais

Petrobras anuncia nova redução de preços da gasolina e diesel

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (24) redução do preço do diesel em 4,8%, e da gasolina em 5,4%, em média, nas refinarias. Os novos valores começam a ser aplicados a partir deste sábado (25). De acordo com a empresa, a decisão é explicada principalmente pelo efeito da valorização do real desde a última revisão de preços, pela redução no valor dos fretes marítimos e ajustes na competitividade da Petrobras no mercado interno. "A Petrobras reafirma sua política de revisão de preços pelos menos uma vez a cada 30 dias, o que lhe dá a flexibilidade necessária para lidar com variáveis com alta volatilidade. Os novos preços continuam com uma margem positiva em relação à paridade internacional, conforme princípio da política anunciada, e estão alinhados com os objetivos do plano...

Leia Mais

Onde e quando recolocar 24,3 milhões de trabalhadores? (Opinião)

Os números de 2016 continuam assustando. A fotografia sobre mercado de trabalho, captada pelo IBGE, ganhou alta resolução nos últimos meses e ressaltaram a crueldade da recessão. A taxa de desemprego mostra um contingente de 24,3 milhões pessoas sem emprego, ou que estão trabalhando menos do que poderiam/gostariam e também aqueles que desistiram de procurar uma vaga, os desalentados. A taxa composta de subutilização da força de trabalho fechou 2016 em 20,6%. No último trimestre do ano passado o indicador ficou em 22,2%, numa alta impressionante na comparação com mesmo período de 2015 quando ficou em 17,3%. A leitura por regiões também assusta porque escancara a desigualdade de oportunidades e qualidade do trabalho. No Nordeste, a taxa foi de 33% enquanto na região Sul ela ficou em 13,4%. A pergunta que grita é: quanto tempo será necess&aac...

Leia Mais

Um terço dos brasileiros diz estar tão endividado quanto no começo de 2016

A inflação em queda ainda não se traduziu em folga financeira para uma parcela significativa dos brasileiros. Segundo pesquisa da "Pulso Brasil" divulgada nesta quarta-feira (22), 31% das famílias do país se consideram tão endividadas no início deste ano quanto estavam no mesmo período do ano passado. O estudo foi encomendado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), junto ao Instituto Ipsos Public Affairs, e ouviu 1.200 pessoas em 72 cidades pelo Brasil. A questão abrange todos os tipos de financiamentos que os entrevistados devem pagar no ano, como cheque especial e cartão de crédito. As famílias que não se consideram endividadas correspondem à segunda maior parcela da amostra, com 27%. Na sequência, aparecem as que se dizem menos endividad...

Leia Mais

'Recessão já terminou', mas Brasil ainda sente consequências, diz Meirelles

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (21) que a recessão no Brasil já terminou. Entretanto, o país ainda sente as consequências geradas pela crise econômica que, segundo ele, é a “maior da história”. “O Brasil hoje já está crescendo. Isso é muito importante porque todos nós passamos por um momento muito difícil quando o Brasil enfrentou a maior recessão de sua história. Mas a mensagem aqui importante é que essa recessão já terminou. Vivemos ainda as consequências dela em muitos aspectos. Ela foi longa, difícil, dura, gerou esse número de desempregados, mas o Brasil já começou a crescer”, disse Meirelles. A declaração foi dada durante uma reunião no Palácio do Planalto com a presença do presidente Michel Temer, ministros e parlamentares...

Leia Mais

Juros mais baixos não são milagre econômico

Surpresa boa tem de ser sempre comemorada, mas há de se ter cuidado com a dose da euforia para a realidade não escapar. A inflação começou a derreter diante da recessão e, principalmente, da explosão do desemprego. A atividade econômica começa a dar sinais evidentes de que o pior está ficando para trás. O mercado dos investidores, que sempre antecipa os ciclos, desenha um cenário mais positivo para o Brasil e isto se reflete nos preços de tudo que nos representa no mundo financeiro, caso do dólar e da medida de risco do país que melhoraram muito desde janeiro. É para este quadro que o Banco Central está olhando para tomar a segunda decisão sobre os juros de 2017. E sem poder negar o avanço dos indicadores, especialmente da inflação, o Copom deve promover mais um corte de 0,75 pontos na taxa básica da economia e cortar os juros dos 1...

Leia Mais

Em 3 anos, malha cicloviária mais que dobra de tamanho nas capitais do país

Em três anos, a malha cicloviária das capitais do país mais que dobrou de tamanho. São 3.009 km de vias destinadas às bicicletas hoje. Em 2014, eram 1.414 km. É o que mostra levantamento feito pelo G1 junto às prefeituras das 26 cidades e ao governo do Distrito Federal. Agora, as ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas correspondem a 2,8% da malha viária total dos municípios (108.720 km). Para o professor Valter Caldana, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o avanço tem sido positivo porque as cidades brasileiras estão muito atrasadas nesta questão. Por outro lado, a implantação das ciclovias de maneira açodada faz o número de falhas pontuais aumentar, diz. “No Brasil, adotamos um modelo de desenvolvimento urbano rodoviarista. As nossas cidades foram se desenvolvendo baseadas nesse modelo, que é o do automóv...

Leia Mais

Confiança do empresário aumenta em fevereiro

O índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) avançou 3,1 pontos em fevereiro deste ano, na comparação com janeiro, para 53,1 pontos, informou nesta quinta-feira (16) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A entidade fez pesquisa com 3.080 empresas de todo o país, entre os dias 1º e 13 deste mês. De acordo com a metodologia, valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança do empresário. Já os valores acima de 50 indicam confiança, que é maior conforme aumenta o índice. Segundo a CNI, o índice de fevereiro se aproxima do registrado em setembro de 2016, quando ficou em 53,7 pontos, o maior nível desde janeiro de 2014. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o indicador apresentou crescimento de 16 pontos. "O mês de fevereiro foi caracterizado por uma melhora em todos os componentes do ICE...

Leia Mais

Chega de serviços caros e ineficientes (Opinião)

O setor de serviços amargou perdas intensas nos dois últimos anos, mas não perdeu importância na composição da economia brasileira. Ele continua respondendo por quase 70% do PIB e segue como maior empregador do país. Entre 2014 e agora aumentou bastante a distância entre os consumidores e os prestadores de serviços. Afinal, quem não promoveu cortes de restaurantes, salão de beleza, internet, curso de idioma, viagens, financiamentos e tantos outros itens da enorme cesta que abriga os serviços?  O excesso de demanda a partir dos anos 2000, somado ao esgotamento da mão de obra disponível, fez os preços dos serviços dispararem. Tanto assim que a inflação do setor anda bem acima do índice oficial, o IPCA, há uma década. A alta nos preços dos serviços também está entre as maiores preocupações do Banc...

Leia Mais

Saque do FGTS alivia o bolso, mas impacto na economia é limitado

O dinheiro do FGTS que mais de 30 milhões de trabalhadores poderão sacar a partir de março poderá ajudar a reduzir a inadimplência, mas terá um impacto limitado para reaquecer o comércio e a economia. Parte desses recursos será usada para quitar dívidas, enquanto o restante deve ir para o consumo e aplicações financeiras, acreditam economistas ouvidos pelo G1. O governo espera que os saques vão injetar R$ 34 bilhões na economia. O saldo das cerca de 49 milhões de contas do FGTS com direito ao resgate soma hoje R$ 43 bilhões. “Esse dinheiro não vai entrar necessariamente na economia para consumo. A grande parte dos recursos, até mesmo por se tratar de conta de baixo valor, serão usados para o pagamento de dívidas mesmo”, avalia o diretor executivo de Estudos e Pesquisa da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, o dinheiro dever&aac...

Leia Mais

Mercado prevê inflação no centro da meta em 2017

Os economistas do mercado financeiro baixaram sua estimativa de inflação para este ano, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 4,64% para 4,47% na semana passada. As expectativas dos analistas do mercado financeiro foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas nesta segunda-feira (13) por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de cem instituições financeiras foram ouvidas. Com isso, o mercado financeiro passou a estimar que a inflação ficará abaixo da meta central de inflação deste ano, fixada em 4,5% pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), e que o objetivo central será atingido. A última vez que o mercado havia estimado que a meta central de inflação deste ano seria atingida foi em outubro de 2013, quando os economistas estimaram um IPCA de 4,50% para 2017. A meta central de inf...

Leia Mais

Número de empresas do Brasil exportando pela 1ª vez mais que dobra em 2016

Com o consumo em baixa no Brasil, o número de empresas locais de olho no mercado externo aumentou durante a crise. Em 2016, a quantidade de companhias que exportaram produtos pela primeira vez mais que dobrou, e atingiu o maior valor já registrado. No ano passado, 4.843 empresas brasileiras venderam produtos para outros países pela primeira vez – um aumento de 149% em relação a 2015. Antes, o aumento do número total de empresas exportadoras brasileiras havia sido de 7,3% - de 10.289 em 2015 para 11.048 em 2016. Os dados fazem parte de um levantamento feito pela Investe São Paulo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), divulgado ao G1. A pesquisa também mostra que aumentou a proporção de empresas estreantes entre o total de exportadoras. Em 2016, 43% de todas as exportadoras brasileiras fizeram esse tipo de operação pela primeira vez, cont...

Leia Mais

Mercado deve subir para mais de 0,5% previsão para PIB de 2017

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira (9), em Brasília, que o mercado financeiro deve revisar para cima sua estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. "O país já está na trajetória de crescimento", declarou. Até o momento, o mercado estima que o PIB tenha uma expansão de cerca de 0,5% neste ano, em relação ao ano passado, mas, para o ministro, essa previsão deve ser revista para cima. A expectativa dos economistas das instituições financeiras foi divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central, após ouvir mais de 100 analistas na semana passada. "Mantemos a nossa previsão anterior e estamos com esse crescimento na ponta de 2% [do último trimestre de 2017 contra o mesmo período de 2016] e o crescimento médio do mercado está em 0,5%. O nosso está acima disso, vamos aguardar um ...

Leia Mais

IPCA tem a menor variação para janeiro desde 1979

O Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,38% no primeiro mês de 2017 - o mais baixo da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que teve início em dezembro de 1979. No mesmo mês de 2016, o IPCA havia atingido 1,27%. Em 12 meses, o índice também desacelerou e acumulou 5,35%, abaixo dos 6,29% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Já na comparação mensal, de dezembro para janeiro, a variação do IPCA ganhou força. No último mês de 2016, a inflação oficial havia fica em 0,3%. As tarifas de ônibus urbanos foram os destaques de alta em janeiro, com aumento de 2,84%, puxado pelos reajustes de Brasília (14,75%) e Vitória (15,19%). Além das tarifas dos ônibus, os preços dos combustí...

Leia Mais

BC quer reduzir custo do crédito de forma sustentável nos próximos anos

O Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta terça-feira (7) que a autoridade monetária quer reduzir o chamado "spread" bancário, que é a diferença entre o que os bancos pagam pelos recursos e quanto cobram nos empréstimos, e consequentemente o custo do crédito no país nos próximos anos de forma "estrutural e sustentável". Para isso, ele afirmou que é preciso endereçar alguns problemas no sistema de crédito brasileiro, como a existência do chamado crédito direcionado (habitacional, BNDES e rural), que tem taxas menores, influenciando as demais linhas de crédito, além de problemas com as garantias concedidas, com a segurança jurídica, com inadimplência e do lucro dos bancos. "Estamos procurando a redução estrutural e sustentável do custo do crédito. Estrutural para serem medidas...

Leia Mais

Governo vai simplificar pagamento de impostos ainda em 2017

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira (6) que, até o final de 2017, deve começar a funcionar um sistema que vai simplificar o pagamento de tributos por empresas no país. De acordo com ele, o sistema, que já está em teste em algumas cidades, deve, além e tornar mais rápido o processo de pagamento, proporcionar economia às empresas. “Hoje as empresas despendem recursos humanos e técnicos importantes simplesmente para conseguir pagar os impostos corretamente. Estamos fazendo um esforço muito grande de reformulação de normas, de regulamentos da Receita Federal, de sistemas eletrônicos, de maneira que o pagamento de impostos possa ser feito de maneira simples e rápida”, disse Meirelles. O ministro deu a informação a jornalistas após cerimônia no Palácio do Planalto em que foram anunciadas mudanças no pro...

Leia Mais

O que fevereiro promete (Opinião)

O carnaval só começa na última semana do mês. Até lá, muitas decisões podem e devem ser tomadas pelas lideranças no país. O alvo maior no radar é a reforma da Previdência que está na Câmara dos Deputados. A eleição de Rodrigo Maia para a presidência da Casa abre caminhos para um trâmite mais rápido e limpo da proposta enviado pelo governo. Maia une uma base suficiente para aprovação dos projetos importantes para o governo em plenário e as mudanças na Previdência serão o seu maior teste em 2017. A previsão feita por analistas e consultores políticos é de que todo o processo se encerre até final de abril na Câmara dos Deputados. Para que tudo isso dê certo, o encaminhamento inicial deve acontecer neste mês. Chegou ao fim o mistério sobre a condução da Lava ...

Leia Mais

Pedidos de falência em janeiro têm queda de 12,2%

O número de empresas que pediram falência em janeiro caiu 12,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (2) pela Boa Vista SCPC. Entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017, a queda foi maior, de 33,9%. No entanto, considerando os últimos 12 meses terminados em janeiro, os pedidos de falência tiveram aumente de 11,1%. Já o número de falências decretadas em janeiro aumentou em relação ao mesmo mês de 2016, com alta de 4,3%. Na comparação entre dezembro de 2016 e janeiro de 2014, houve queda de 24,2%. Em 12 meses, há aumento de 14%. A pesquisa também mostra que houve queda no número de empresas que pediram recuperação judicial em janeiro. Na comparação com o mesmo mês de 2016, o recuo foi de 35%. Entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017, a queda foi de 36,5%. Diminuiu tamb&eacu...

Leia Mais

Brasil deve sair da recessão no primeiro trimestre de 2017, diz Meirelles

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avaliou nesta quarta-feira (1º) que a economia brasileira está em processo de retomada do crescimento e que a expectativa é de que o país saia da recessão já no primeiro trimestre d 2017. “A nossa expectativa é de um crescimento moderado no primeiro trimestre”, disse o ministro a jornalistas. Ele participou de um evento de Credit Suisse em São Paulo. Questionado se essa variação positiva do Produto Interno Bruto (PIB) garantirá a saída da recessão, o ministro respondeu que sim. “Nossa expectativa é que sim, saia da recessão. (O PIB) Cresce a uma taxa moderada no primeiro trimestre, mas já entra em uma trajetória de crescimento durante o ano”, afirmou Meirelles. O ministro voltou a projetar que o crescimento no 4º trimestre de 2017, na comparação com o 4º trimestre de 2016,...

Leia Mais

Meta de inflação caminha para perto de 3% no longo prazo

O Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta terça-feira (31) que a inflação continua em trajetória de queda e que o país deverá caminhar para metas mais baixas e mais próximas de outros países emergentes, "perto de 3%". Ele ressalvou, entretanto, que esta avaliação se refere para o "longo prazo". "Por enquanto estamos buscando nossa meta anual, que é 4,5%", disse Goldfajn, destacando que as projeções do BC são de IPCA (Índice de Preços ao Consumidor - Amplo) de 4,4% para o fechamento de 2017 e de 4,5% em 2018. O comentário do presidente do BC foi feito durante participação em evento do Credit Suisse, em São Paulo, após ser questionado pela plateia sobre quando o país chegará a uma inflação parecida com a de outros países. "Minha resposta é: ...

Leia Mais

Vendas em supermercados sobem 1,58% em 2016, diz Abras

As vendas dos supermercados subiram 1,58% em 2016, em valores reais (deflacionando os valores a preços correntes, por meio do IPCA, índice oficial da inflação), segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em dezembro, as vendas reais subiram 2,23% em relação ao mesmo mês de 2015. Ante novembro, o crescimento real foi de 20,89%, reflexo das vendas de Natal. Para 2017, a estimativa da Abras é de expansão real de 1,3%. Em valores nominais, as vendas do setor em 2016 cresceram 10,44%. Em dezembro, houve alta de 21,26% em relação a novembro e, quando comparadas a dezembro do ano anterior, a alta foi de 8,66%.

Leia Mais

O muro do Trump e o seu dinheiro

“O novo presidente dos Estados Unidos parece ter uma síndrome bem comum no Brasil: a de achar que as coisas podem ser grátis. Mal tomou posse, Donald Trump já mandou construir o prometido muro na divisa com o México, e avisou que os vizinhos vão ter que colocar a mão no bolso e pagar por ele. Todos os estimados US$ 15 bilhões. O México, que não é bobo e não anda com esse dinheiro todo sobrando, mandou um sonoro não.  Eis que, diante da porta na cara, a equipe de Trump agora diz que esse pagamento pode ser feito “indiretamente”, possivelmente com a aplicação de uma taxa de 20% sobre os produtos importados do México, que só no ano passado chegaram a US$ 316 bilhões.  O problema é que qualquer taxa de importação acaba saindo é do bolso do consumidor — que, nesse caso, serão os próprios ameri...

Leia Mais

Confiança do comércio abre 2017 em alta

Influenciada por uma melhora na avaliação da situação atual, a confiança dos empresários do comércio teve pequena alta em janeiro, de acordo com sondagem mensal realizada pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O Índice de Confiança, síntese da pesquisa, subiu 0,6 ponto, ao passar de 78,3 pontos em dezembro de 2016 para 78,9 pontos no primeiro mês deste calendário, o maior nível desde outubro passado. Na métrica de médias móveis trimestrais, contudo, o índice caiu 0,3 ponto. Na comparação com janeiro de 2016, houve alta de 9,5 pontos. "Após avançar 10 pontos entre fevereiro e agosto do ano passado, a confiança do comércio estabilizou-se na faixa entre 78 e 80 pontos nos últimos seis meses. O segmento parece incomodar-se pouco com a incerteza do ambiente político e se preocupar bastante com o custo...

Leia Mais

Crescimento maior é 'primordial' para melhora das contas públicas

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avaliou nesta quarta-feira (25) que "uma maior taxa de crescimento é primordial para o sucesso dos esforços de consolidação fiscal" do governo, ou seja, para a melhora das contas públicas neste e nos próximos anos. A análise está em mensagem do ministro dentro do Plano Anual de Financiamento (PAF) da dívida pública de 2017, divulgado pela Secretaria do Tesouro Nacional. "O crescimento econômico permite um aumento das receitas governamentais, ao mesmo tempo em que reduz a pressão sobre alguns componentes dos gastos públicos", continua o ministro, no texto. Segundo ele, um dos principais pilares de uma economia saudável é o "equilíbrio fiscal", ou seja, das contas públicas, que em sua visão é "essencial para o desenvolvimento do crédito, o incremento da poupança...

Leia Mais

Indústria quer retirada da multa e dos juros de novo parcelamento do governo

O presidente do Conselho de Meio Ambiente da CNI, Marcos Guerra, afirmou nesta terça-feira (24) que o novo parcelamento proposto pelo governo federal, em dezembro do ano passado, precisa contemplar a retirada de multa e dos juros incidentes sobre o saldo devedor. O parcelamento foi anunciado pela equipe econômica em um pacote, no fim de 2016. "Um ponto que precisa ser trabalhado é a retirada de multa e juros do parcelamento. Essa seria a principal demanda da indústria porque entendemos que, com 120 meses [de parcelamento], os valores de face vão dobrar e automaticamente os devedores não terão condição de pagar", declarou Guerra após reunião de representantes do setor produtivo com senadores e com os ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento). Pelas regras propostas pelo governo por meio de Medida Provisória, que ainda precisam ser regulamentadas e posteriorment...

Leia Mais

Fim do TPP pode beneficiar agronegócio brasileiro

A saída dos Estados Unidos da Parceria Transpacífica, determinada nesta segunda-feira (23) pelo presidente Donald Trump, pode resultar em benefícios para o agronegócio brasileiro caso o Brasil aproveite a oportunidade para negociar com os mercados que vão deixar de receber produtos norte-americanos em condições especiais, avalia o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. "Como os EUA são concorrentes do Brasil na exportação de carne bovina, suco de laranja, açúcar, soja, entre outras commodities, pode haver um impacto positivo para nós, mas o governo brasileiro tem de tomar ações para se aproximar dos países que fazem parte da parceria e não apenas ficar esperando", afirmou. O acordo, conhecido pela sigla TPP em inglês, é voltado a eliminar a maioria das tarifas e out...

Leia Mais

Produção industrial recua em dezembro, mas expectativa do empresário melhora

A produção industrial manteve-se em queda em dezembro, registrando redução pelo quarto mês consecutivo, informou nesta sexta-feira (20) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento ouviu 2.268 empresas entre 3 e 13 de janeiro. O indicador de produção ficou em 40,7 pontos no mês passado. Pela pesquisa, números abaixo de 50 pontos significam queda da produção e, acima de 50 pontos, alta. De acordo com a entidade, o emprego industrial também continuou em queda em dezembro de 2016, com seu índice atingindo 44,7 pontos - o menor desde julho do último ano. Segundo a CNI, o resultado mostra "queda mais intensa do emprego". Pela metodologia empregada, os índices de evolução da produção e de número de empregados variam de zero a 100 pontos, sendo que valores abaixo dos 50 pontos indicam queda da produ&cced...

Leia Mais

Temer diz em SP que país 'está começando a sair da recessão'

O presidente Michel Temer disse nesta quinta-feira (19), em Ribeirão Preto, que o país "está começando a sair da recessão". Ele foi ao interior de São Paulo participar de um evento de anúncio de R$ 12 bilhões em crédito para o setor agrícola. No discurso, Temer enumerou as fases que o país precisar passar para retomar o pleno emprego. A primeira delas, segundo ele, é superar a recessão econômica. "O primeiro passo é superar a recessão. Superada a recessão, vamos para o crescimento e, depois, para o pleno emprego. Essas são as  fases que temos que atravessar. Agora, graças a Deus, estamos começando a sair da recessão", afirmou o presidente. Temer defendeu as ações tomadas pelo governo na economia e disse que um dos sinais de que as medidas estão surtindo efeito é o resultado da infl...

Leia Mais

Governo anuncia R$ 8,2 bilhões de crédito para pequenas e microempresas

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (18) a liberação de R$ 8,2 bilhões em financiamentos para pequenas e microempresas para os próximos dois anos a partir de março. O dinheiro estará disponível em empréstimos do Banco do Brasil e do BNDES. O programa, chamado de "Empreender Mais Simples: Menos Burocracia, Mais Crédito", também prevê o investimento de R$ 200 milhões na melhoria de dez sistemas informatizados para auxiliar na desburocratização e gestão de empresas. Os primeiros módulos modernizados serão lançados em fevereiro, segundo o Sebrae, um dos responsáveis pelo programa. As medidas são promovidas pelo Sebrae e Banco do Brasil, além do próprio governo federal. Elas visam reduzir a burocracia enfrentada por empreendedores e orientá-los na busca de verbas para expandir o negócio. Dos R$ 8,2...

Leia Mais

O comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central informou nesta terça-feira (17), por meio da ata de sua última reunião, que a decisão de intensificar o ritmo de redução dos juros contribui, desde já, para o processo de estabilização e posterior retomada da atividade econômica. A ata se refere à decisão do Copom da semana passada de baixar a taxa básica da economia, a Selic, de 13,75% para 13% ao ano. Foi o maior corte em quase cinco anos e o terceiro seguido promovido pelo colegiado. O documento aponta, porém, que esse ritmo maior de corte de juros não implicará em desvio em relação ao objetivo de levar a inflação para a meta de 4,5% em 2017 e 2018. O BC estima que o IPCA ficará entre 4% e 4,4% neste ano, abaixo da meta central de inflação fixada para o período, e entre 3,4% e 4,5% no ano...

Leia Mais

Governo oficializa reajuste de 6,58% para aposentados que ganham acima do mínimo

Os aposentados e pensionistas do INSS que recebem benefícios com valor acima de um salário mínimo terão seus benefícios reajustados em 6,58% em 2017, segundo portaria publicada no "Diário Oficial da União" desta segunda-feira (16). O valor refere-se à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano passado, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e que serve de referência para a correção dos benefícios previdenciários. Com o reajuste, o teto da Previdência Social subiu para R$ 5.531,31, ante R$ 5.189,82 em 2016. Conforme mostrado por reportagem do G1 do dia 11, pela primeira vez em 20 anos o reajuste das aposentadorias e benefícios do INSS de quem ganha acima de um salário mínimo será superior ao aumento do salário mínimo, que teve reajuste de 6,48% ...

Leia Mais

Preços de produtos e serviços consumidos no verão avançam 9,25%

Os preços de produtos e serviços consumidos no verão avançaram 9,25%, entre janeiro e dezembro de 2016, na comparação com o mesmo período de 2015, segundo levantamento do pesquisador André Braz, da FGV/IBRE. O acréscimo superou a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor, da FGV, que fechou 2016 em 6,18%. Os principais vilões foram passagens aéreas (35,92%), refrigerantes light/diet (16,16%) e frutas (14,99%), que registraram os aumentos mais expressivos. Por outro lado, erva mate (-12,05%), hotel (-1,62%), excursão e tour (-1,56%) apresentaram quedas. Segundo André Braz, ao analisar os reajustes, é preciso levar em consideração que houve aumento na taxação das bebidas e que as passagens áreas, por conta da redução da concorrência e da influência do dólar, permaneceram em um pata...

Leia Mais

Setor de serviços recua 5% até novembro

De janeiro a novembro, o volume do setor de serviços acumula queda de 5%, segundo informou nesta quinta-feira (12) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação de novembro frente outubro, no entanto, o setor registrou uma ligeira alta de 0,1%. Setor de transportes recuou de outubro para janeiro e pressionou o índice. (Foto: Heloise Hamada/G1) Setor de transportes recuou de outubro para janeiro e pressionou o índice. (Foto: Heloise Hamada/G1) Setor de transportes recuou de outubro para janeiro e pressionou o índice. (Foto: Heloise Hamada/G1) No ano, as maiores quedas partiram de transportes (-7,6%); serviços profissionais (-5,6%) e serviços prestados às famílias (-4,6%). A atividade com maior peso na composição da taxa é a de serviços de informação e comunicação, que representa 35,7% da taxa. No acumulado do ano, a qu...

Leia Mais

Planalto diz que queda dos juros para 13% permite retomada do crescimento

Em pronunciamento no Palácio do Planalto, o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, afirmou nesta quarta-feira (11), na visão do presidente Michel Temer, a decisão do Banco Central de reduzir os juros para 13% ao ano cria as condições necessárias para a retomada do crescimento do país. Ainda de acordo com Parola, o governo acredita que a queda da Selic também auxiliará a gerar novos empregos ao longo de 2017. No início da noite desta quarta, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou o terceiro corte seguido na taxa básica de juros da economia brasileira, de 13,75% para 13% ao ano. O corte de 0,75 ponto percentual é o maior em quase cinco anos – a última vez que a Selic teve queda semelhante foi em abril de 2012, quando passou de 9,75% para 9% ao ano. "A decisão do Banco Central, que delibera de forma independente e...

Leia Mais

Banco Mundial prevê alta de 0,5% para o PIB brasileiro em 2017

O Banco Mundial (Bird) previu nesta terça-feira (10) que a economia brasileira vai crescer 0,5% em 2017, mesma projeção feita por economistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central nesta segunda-feira (9). Em novembro, o governo estimou que o PIB do país crescerá 1% este ano. Para 2018, o Bird projeta crescimento de 1,8% para a economia brasileira, e avanço de 2,2% em 2019. A alta esperada de 0,5% para o Brasil em 2017 ajudará a puxar o crescimento de 1,2% da América Latina após dois anos de recessão, prevê o órgão. Economia mundial Para o PIB global, o órgão projeta um crescimento de 2,7% em 2017, graças à recuperação de grandes mercados emergentes como Brasil e Rússia, e devido ao maior estímulo fiscal esperado em economias avançadas como os Estados Unidos. Este número deixa para trás os 2,3% de ex...

Leia Mais

Investimentos voltam a cair em novembro, mas em ritmo menor

O indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que mede o quanto as empresas aumentaram os seus bens de capital, recuou 1,1% em novembro ante outubro, após ajuste para a sazonalidade. No entanto, foi a menor queda mensal desde julho. Na comparação com novembro de 2015, a queda foi de 11,4%. Já a taxa de crescimento acumulado em 12 meses passou de 12,9% para 12,5%. O levantamento foi feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O indicador mede o quanto as empresas aumentaram os seus bens de capital, ou seja, aqueles bens que servem para produzir outros bens. São basicamente máquinas, equipamentos e material de construção. Ele é importante porque indica se a capacidade de produção do país está crescendo e também se os empresários estão confiantes no futuro. A Formação Bruta de Capital Fixo é calculada tr...

Leia Mais

Shoppings têm queda de 3,5% no movimento em 2016

O fluxo de visitantes nos shoppings do país apresentou recuo de 3,48% em 2016 na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo o índice IVSC (Índice de Visitas a Shopping Centers), realizado pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), em parceria com a FX Retail Analytics, empresa especializada no monitoramento de fluxo do varejo. Em 2015, o fluxo teve alta de 2,9% em relação a 2014. Na comparação com o dezembro de 2015, o volume de pessoas que circularam os shopping centers no último mês do ano sofreu queda de 1,52%. O maior recuo em 2016 ocorreu na região Sudeste, de 3,71%. As regiões Sul e Nordeste, por sua vez, registraram aumento no fluxo de 0,37% e 1,15%, respectivamente. Por outro lado, impulsionado pelas festas de fim de ano, o mês de dezembro teve aumento de 25,6% no fluxo de visitantes em relação a novembro. Seg...

Leia Mais

Governo publica medida provisória que cria programa de regularização tributária

O governo publicou nesta quinta-feira (5) no "Diário Oficial da União" uma medida provisória que cria o programa de regularização tributária. A medida valerá para pessoas e empresas com dívidas com a Receita Federal até novembro de 2016. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já havia anunciado, na semana passada, que o governo criaria o programa. Um dos principais focos da medida são empresas que tiveram prejuízos acumulados fortes. As empresas poderão transformar o prejuízo em crédito e abater até 80% das suas dívidas tributárias. O restante será pago à vista ou dividido em um prazo de até 24 meses. Para as empresas que trabalham com lucro presumido, as dívidas tributárias poderão ser pagas em um prazo mais longo, de até 96 meses. Quando anunciou que o governo criaria o programa, Meirel...

Leia Mais

Saques de contas inativas do FGTS devem injetar até R$ 30 bilhões na economia

Os saques de recursos mantidos nas contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) devem injetar até R$ 30 bilhões na economia em 2017. A previsão é do conselho curador do FGTS e foi divulgada nesta quarta-feira (4) pelo Ministério do Trabalho. A liberação do saque foi anunciada em dezembro do ano passado pelo presidente Michel Temer. Na ocasião, o próprio presidente já havia afirmado que a expectativa era de que os saques chegassem a R$ 30 bilhões. A possibilidade de saque de recursos mantidos em contas inativas é mais uma medida do governo para tentar reaquecer a economia e reverter a recessão que atinge o país. Poderão ser retirados recursos de contas inativas até dezembro de 2015. De acordo com o Ministério do Trabalho, atualmente existem 18,6 milhões de contas inativas há mais de um ano, onde estão depositados R...

Leia Mais

Feriados de 2017 devem gerar perda de R$ 10,5 bilhões ao varejo

O comércio varejista brasileiro deve ter prejuízo de R$ 10,5 bilhões em 2017 devido aos feriados nacionais e pontes, prevê um estudo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). A perda é 2% maior que a projetada em 2016, principalmente pelo fato de que este ano haverá uma ponte a mais que no ano anterior e um destes feriados cairá em dia de semana. O feriado de 1º de maio, em 2016, foi celebrado no domingo e agora será na segunda-feira. O setor de vestuário, tecidos e calçados deve perder cerca de R$ 1,1 bilhão com os feriados e pontes de 2017, prejuízo 23% maior em relação a 2016. Em termos de faturamento, o segmento de "outras atividades" perderá cerca de R$ 3,9 bilhões, 8% a menos que em 2016, o único com variação negativa. Nesse grupo, destacam-se o ...

Leia Mais

E-commerce cresce 11% em 2016; vendas do Natal sobem 3,8%

O e-commerce brasileiro faturou em 2016 o total de R$ 53,4 bilhões - crescimento de 11% em relação a 2015. Para 2017 a previsão é que o setor alcance R$ 59,9 bilhões, segundo a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico). Para Mauricio Salvador, presidente da ABComm, a crise econômica não muda a trajetória de crescimento do setor, mas afeta seu potencial. “Se por um lado a expansão e elevação da Classe C e D, para a classe média aumentou o poder de consumo dos brasileiros, por outro a crise econômica teve um efeito negativo que afetou essa nova camada social”. As vendas de Natal totalizaram R$ 7,7 bilhões no e-commerce em 2016, representando crescimento nominal de 3,8% ante o mesmo período do ano passado, aponta o monitoramento da Ebit, empresa de informações sobre o comércio eletrônico nacional. ...

Leia Mais

Conta de luz começa 2017 sem cobrança extra da bandeira tarifária

O anoo de 2017 começará sem cobrança extra na conta de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou nesta sexta-feira (30), que a bandeira tarifária de janeiro continuará verde. Segundo a Aneel, “a condição hidrológica está mais favorável, o que determinou o acionamento de térmica com Custo Variável Unitário (CVU) abaixo de R$ 211,28 por megawatt-hora (R$/MWh).” A taxa extra da bandeira tarifária é cobrada na conta de luz sempre que o custo de geração de energia no país fica mais alto. Esse custo aumenta quando é necessário acionar mais usinas termelétricas, que produzem energia mais cara. Geralmente, aumenta o número de térmicas acionadas quando chove pouco, o que reduz o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas. Atualmente, quando o custo da t&e...

Leia Mais

Governo regulamenta salário mínimo de 2017 no valor de R$ 937

Foi publicado no "Diário Oficial da União" desta sexta-feira (30) o decreto que atualiza o valor do salário mínimo dos atuais R$ 880 para R$ 937 (aumento equivalente a 6,47%) a partir de 1º janeiro de 2017. O novo salário mínimo é R$ 57 maior do que o atual, mas ficou R$ 8,8 abaixo dos R$ 945,8 que haviam sido propostos em agosto pelo governo federal. Segundo o decreto, o valor diário do salário mínimo corresponderá a R$ 31,23 e o valor horário, a R$ 4,26. De acordo com o governo, o reajuste do mínimo para R$ 937 deve gerar um incremento de R$ 38,6 bilhões nos salários dos brasileiros em 2017, correspondente a 0,62% do PIB. Na véspera, ao justificar por meio de nota o fato de o reajuste ter sido menor do que as previsões iniciais, o Ministério do Planejamento disse que apenas aplicou as regras previstas na legislação. ...

Leia Mais

O ritmo de crescimento da inadimplência das empresas diminuiu em novembro, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira (28) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). No mês, o número de empresas com contas em atraso subiu 6,8% em relação a novembro de 2015, uma alta menor que a registrada em outubro, de 7,27%. A quantidade de dívidas em atraso em nome de pessoas jurídicas subiu 6,4% em novembro na comparação com 2015. “De um lado, a recessão econômica afeta a capacidade de pagamento das empresas e, do outro, a falta de confiança dificulta o acesso ao crédito por meio de análises de crédito mais rigorosas e taxas de juros mais elevadas”, explicou em nota o presidente da CNDL, Honório Pinheiro. As dívidas de pessoas jurídicas com empresa...

Leia Mais

Indicadores de Varejo e Serviço - FGV

O volume de vendas do comércio brasileiro deverá cair 5% no primeiro semestre de 2017, segundo projeção da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Para o fechamento de 2016, a expectativa é de um recuo de 6,3% sobre 2015. “Os dados apontam que nos próximos meses as retrações vão se arrefecer em direção a uma recuperação, porém em ritmo bastante lento", diz Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), em nota. As quedas deverão ser menores devido à melhora da confiança do brasileiro em relação ao futuro e à reposição dos estoques de artigos básicos de consumo. Outro fator é a base fraca de comparação de 2016. Serviços O índice de Confiança de Se...

Leia Mais

Vendas de Natal do comércio têm queda na comparação com o ano passado

O Natal de 2016 foi marcado por vendas mais fracas no comércio brasileiro. A queda foi de 4,8% nas vendas durante a semana que antecede a data, na comparação com o ano passado, segundo pesquisa divulgada pela FecomercioSP com dados da Boa Vista SCPC. A FecomercioSP ressalva que a pesquisa contempla todos os setores varejistas, incluindo os que não são diretamente relacionados ao Natal (como concessionárias de veículos, móveis e decoração e material de construção). Isso pode ter puxado para baixo o resultado geral do comércio neste Natal. Outra pesquisa aponta ainda que houve recuo nas vendas a prazo, indicando que os consumidores optaram por presentes mais baratos e pagos à vista. Segundo levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), as vendas a prazo tiveram qu...

Leia Mais

Alta da confiança do comércio não reverte cenário de novembro

A confiança do comércio, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), subiu 0,7 ponto em dezembro, para 79, depois de cair 3,6 pontos no mês anterior. “A suave alta da confiança em dezembro é insuficiente para reverter a queda do mês anterior, mantendo assim um cenário de curto prazo desfavorável para o setor. A demora na retomada da demanda e as incertezas no ambiente político e econômico impedem a melhora da percepção sobre a situação corrente e geram um sentimento pessimista em relação à tendência futura dos negócios sinalizando dificuldade para o comércio nos próximos meses”, diz Viviane Seda Bittencourt, coordenadora de sondagens do FGV/IBRE. O resultado positivo foi concentrado em 5 dos 13 segmentos pesquisados e determinado sobretudo pela melhora das expectativas. O Índice de Expectativas subiu 1,2 ponto...

Leia Mais

Finalmente, os bilhões para estimular a economia

O “vai devagar que estou com pressa” de Henrique Meirelles foi substituído por um “corre senão te atropelo” de Michel Temer. Em uma semana o governo fez anúncio atrás de anúncio para tentar reativar a economia. Só nesta quinta-feira (22) que aparecerem os primeiros bilhões de reais que podem socorrer os trabalhadores. A liberação de saques de contas inativas do FGTS pode injetar até R$ 30 bilhões, numa operação que não passa pelos cofres do Tesouro Nacional – que está vazio, by the way.  Desde que assumiu com seu “dream team” econômico, uma agenda árida e extensa para ser aprovada, o presidente Temer só tinha anunciado bilhões “a mais” quando aumentou a previsão do déficit fiscal de R$ 96 bi para R$ 170 bilhões. Nos sete meses de governo, o peemedebista foi bom no bilh&otild...

Leia Mais

Vendas nos supermercados recuam em novembro, mas sobem no ano

As vendas do setor supermercadista caíram 0,23% no mês de novembro, já descontada a inflação, em comparação com outubro, mostrou nesta quarta-feira (21) o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). No acumulado do ano, contudo, houve alta de 1,51% nas vendas frente ao mesmo período do ano passado. Em relação a novembro de 2015, o desempenho do setor foi 5% melhor no último mês. Sem considerar a inflação, as vendas em novembro recuaram 0,05% em relação ao mês anterior, mas quando comparadas a novembro de 2015, subiram 12,34%. No acumulado do ano, as vendas cresceram 10,15%. No mês de novembro, o preço da cesta de produtos pesquisada pela entidade, com os 35 produtos mais consumidos nos supermercados, registrou queda de 0,82%, passando de R$ 484,67 para R$ 480,69. Já no acumulado de 12 meses...

Leia Mais

Entidades pedem ao STF para suspender PEC da reforma da Previdência

Entidades sindicais pediram nesta terça-feira (20) ao Supremo Tribunal Federal que suspenda a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) enviada pelo governo no início deste mês que estabelece uma reforma na Previdência Social. A proposta foi apresentada pelo presidente Michel Temer no Palácio do Planalto e, entre outros pontos, estabelece idade mínima de 65 anos para homens e mulheres poderem se aposentar. A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara já autorizou a tramitação da PEC e uma comissão especial analisará o tema a partir de 2017. No pedido ao STF, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria Química, a Federação dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio do Estado de São Paulo e o Sindicato Nacional dos Aposentados Pensionistas e Idoso...

Leia Mais

Inflação: entre o possível e o provável

Não está fácil criar cenários e fazer previsões no Brasil. Não há modelo econômico que consiga medir o tamanho do risco que a governabilidade (ou a sua implosão) impõe ao país. Ainda assim os economistas tentam e conseguem preencher suas planilhas. Não estou desmerecendo o trabalho deles, ao contrário. Até porque, com estas estimativas calibramos a expectativa individual, num movimento que acaba confirmando, ou não, a trajetória da economia.   Quer ver como funciona? Na pesquisa Focus da semana passada os analistas esperavam que o IPCA fechasse o ano em 6,52%. Apenas uma semana depois este número caiu para 6,49% - o que significa que o índice de preços voltará para dentro do sistema de metas de inflação que, por sua vez, é balizador essencial da formação das expectativas. Quando olhamos para o dado da ...

Leia Mais

Compra com cartões de débito e crédito deve crescer 6,5% em 2017, diz Abecs

As compras com cartões de crédito e débito no Brasil devem aumentar cerca de 6,5% em 2017, movimentando uma cifra recorde de R$ 1,22 trilhão, estimou a Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito (Abecs) em comunicado divulgado nesta sexta-feira (16). Compra com cartões deve crescer no ano que vem, prevê Abecs. (Foto: Reprodução Globo News) Compra com cartões deve crescer no ano que vem, prevê Abecs. (Foto: Reprodução Globo News) Para 2016, a Abecs também projeta crescimento de 6,5% nas transações, que devem somar R$ 1,14 trilhão. No terceiro trimestre, os brasileiros movimentaram R$ 175 bilhões com o uso de cartões de crédito, e R$ 108 bilhões com os de débito, altas de 4% e 8,4%, respectivamente, em relação ao mesmo período de 2015. Ainda de acordo com o levantamento, o sa...

Leia Mais

Quase metade dos consumidores dizem que terão ceia de Natal mais modesta

Quase metade dos consumidores farão uma ceia de Natal menos farta em 2016 na comparação com 2015, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (15) pela Boa Vista SCPC. Entre os entrevistados, 47% disseram que as comemorações serão mais modestas neste ano. O percentual de consumidores que acreditam que a ceia será menor aumento entre as classes D e E, para 55%, e entre moradores da região Norte, também para 55%. Já os consumidores que dizem que a ceia deste ano será mais farta são minoria, com 11% - uma diminuição em relação ao ano passado, quando a proporção era de 14%. Outros 42% dizem ela que será igual à do ano passado. A pesquisa também mostra que o valor médio que as famílias pretendem gastar com as festas de Natal e Ano Novo diminuiu, e não deve ultrapassar R$ 449,84. Esses gastos incluem alimentos, pres...

Leia Mais

Setor de serviços cai 7,6% e tem o pior resultado desde 2012

O volume do setor de serviços recuou 7,6% em outubro de 2016, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi a maior queda, nessa base de comparação anual, desde o início da série histórica do indicador, em janeiro de 2012. Já na comparação mensal, de setembro para outubro, a retração foi menor, de 2,4%. Em setembro, havia sido de 0,3% e, em agosto, de 1,6%. No ano, o setor de serviços acumula queda de 5% e nos últimos 12 meses, de 5,1%. "A recessão explica essa piora do setor de serviços em outubro, que mudou de patamar. Esperamos que seja o fundo do poço", disse o coordenador da pesquisa no IBGE, Roberto Saldanha. Na comparação mensal, tiveram resultados negativos transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-7,0%);...

Leia Mais

Acabou a mágica com dinheiro público

Agora é para valer: O Brasil tem uma nova lei que impõe um limite para o aumento das despesas do governo federal.  A aprovação da PEC do Gasto no Congresso Nacional foi rápida, até demais diante do caos político e social. Debaixo da reprovação de 60% da população, segundo Datafolha, e sob fortes críticas de economistas e até entidades internacionais de peso, como a ONU, o primeiro grande projeto do governo de Michel Temer foi mais forte.  “Teoricamente a aprovação de uma PEC demandaria mais tempo e mais análise. Na medida em que temos um presidente que assumiu governo há sete meses com popularidade baixa, sob uma crise absurda, e que ainda assim aprovou uma medida que vai congelar gastos por 20 anos – a vitória de Michel Temer é inegável e expressiva. A reforma da previdência de FHC levou dois anos e meio. A de Lula, ...

Leia Mais

Medidas microeconômicas devem ser anunciadas ainda este ano

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o pacote de medidas microeconômicas para estimular o crescimento deve ser anunciado nos próximos dias. A declaração foi feita em evento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) nesta segunda-feira (12), em São Paulo. “A nossa expectativa é uma apresentação neste ano”, disse o ministro. “Estamos trabalhando intensamente uma análise de medidas que possam ser tomadas depois da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do teto de gastos.” No Senado, a votação em segundo turno da PEC está marcada para esta terça-feira (13). Meirelles afirmou que as medidas devem abranger vários setores e terão objetivo de aumentar a produtividade da economia brasileira “em todas as áreas, desde o registro da empresa, mudanças estatutá...

Leia Mais

Custos industriais e preços têm alta de 0,3% no 3º trimestre, aponta CNI

O indicador de custos industriais registrou alta de 0,3% no terceiro trimestre deste ano, em comparação com os três meses anteriores, apontou levantamento divulgado nesta sexta-feira (9) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O índice foi obtido já descontando os efeitos sazonais. Ao mesmo tempo, o estudo da CNI aponta que os preços dos produtos industriais subiram 0,5% no mesmo período. "Com a pequena diferença entre os preços e os custos, a lucratividade das empresas ficou estável", analisou a entidade. Ainda de acordo com a CNI, houve redução dos gastos das indústrias com energia e bens intermediários (insumos industriais usados na produção) e com o capital de giro. O estudo mostrou que as quedas registradas nesses indicadores da indústria compensaram o aumento de 2% nos custos com pessoal e de 1,6% no custo tribut&a...

Leia Mais

IBGE prevê que safra de 2017 será 14,2% superior a de 2016

A segunda previsão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para a safra de 2017 aponta uma produção de cereais, leguminosas e oleaginosas de 210,1 milhões de toneladas: 14,2% acima da safra de 2016. O aumento se deve às maiores produções previstas para todas as regiões: Norte (5,1%), Nordeste (53,9%), Sudeste (8,3%), Sul (5,4%), Centro-Oeste (20,1%). Entre os produtos de maior importância para a próxima safra de verão, apenas um produto apresenta variação negativa na produção em relação a 2016, o amendoim (em casca) 1ª safra (-1,9%). Os demais apresentam variações positivas na produção: algodão herbáceo (em caroço) (7,1%), arroz (em casca) (8,5%), feijão (em grão) 1ª safra (25,0%), milho (em grão) 1ªsafra (18,0%) e soja (em grão) (7,8%). Já...

Leia Mais

Meirelles diz que retomada será lenta e mantém previsão de alta do PIB em 2017

Apesar dos analistas de mercado terem piorado nas últimas semanas as projeções para a economia brasileira em 2017, com algumas instituições prevendo até mesmo estagnação no ano que vem, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira (6) que o governo continua com a avaliação de que o país sairá da recessão em 2017 e voltará a registrar alta do PIB. “É um processo normal, lento de retomada da atividade em função da profundidade e gravidade da crise”, disse em entrevista a jornalistas. “Certamente o Brasil voltará a crescer de forma sólida a partir do ano que vem”, acrescentou. Segundo ele, está mantida por enquanto a projeção do governo de alta de 1% do PIB em 2017. “Se vai cair, não sei. Vamos aguardar a evolução dos acontecimentos”, disse. Se...

Leia Mais

Alta da gasolina deve ter impacto na inflação,

O aumento do preço da gasolina anunciado pela Petrobras deve ter um impacto de até 0,13 ponto percentual na inflação deste ano, mas não muda o cenário para a política monetária diante da expectativa de arrefecimento do IPCA. Com isso, a possibilidade de a inflação terminar o ano no teto da meta --de 4,5% com margem de 2 pontos percentuais-- diminui, com as projeções subindo para mais perto de 7%. Oficina do G1 - Mito ou Verdade - 1º abastecimento com gasolina (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker) Oficina do G1 - Mito ou Verdade - 1º abastecimento com gasolina (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker) "Psicologicamente era importante ficar abaixo do teto depois de ter estourado no ano anterior, o Banco Central não precisaria fazer a carta (explicando os motivos)", destacou o economista-chefe do Banco ABC Brasil, Luis Otávio Leal, que passou a ver o IPCA neste ano em 6,7%. Aind...

Leia Mais

Economia informal cresce pelo 2º ano consecutivo

A Economia informal subiu pelo 2º ano consecutivo em 2016 em meio ao agravamento da crise econômica e a deterioração do mercado de trabalho formal, segundo estudo do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), em conjunto com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/IBRE). De acordo com o levantamento, o mercado informal ou a chamada economia subterrânea deverá movimentar neste ano R$ 983 bilhões, o correspondente a 16,3% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro ante um percentual de 16,2% em 2015 – no ano passado, o índice cresceu pela 1ª vez depois de 11 anos seguidos de queda. A pesquisa define economia subterrânea como a "produção de bens e serviços não reportada ao governo deliberadamente, com o objetivo de sonegar impostos, evadir contribuições para a seguridade social, driblar o cumprimento de lei...

Leia Mais

Pedidos de falência crescem 11% em novembro

O número de empresas que pediram falência ou recuperação judicial aumentou de janeiro a novembro na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (2) pela Boa Vista SCPC. Segundo a pesquisa, o aumento da quantidade de pedidos de falência no acumulado do ano foi de 11,7%. Já as requisições de recuperação judicial subiram 52,9%. Em 12 meses, os pedidos de falência subiram 10,9%, enquanto os de recuperação judicial aumentaram 53,3%. No entanto, a Boa Vista SCPC aponta que a tendência é de desaceleração do aumento do número de empresas que solicitam essas medidas. Porém, mesmo com o crescimento menos intenso do que o observado no começo do ano, os números acumulados devem se manter maiores do que os registrados no ano anterior. Segundo a Boa Vista SCPS, isso aponta que os poss&ia...

Leia Mais

Balança comercial tem superávit de US$ 4,75 bilhões em novembro

As exportações brasileiras superaram as importações em US$ 4,75 bilhões em novembro, informou nesta quinta-feira (1º) o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Trata-se do melhor resultado da balança comercial brasileira, para meses de novembro, em toda a série histórica, que começa em 1989. O superávit do mês passado é quase três vezes maior que o registrado em novembro de 2015, quando as exportações superaram as importações em US$ 1,19 bilhão. Em novembro de 2016, o país exportou US$ 16,22 bilhões, com média diária de US$ 811 milhões, alta de 17,5% em relação a novembro de 2015. Já as importações somaram US$ 11,46 bilhões, com média diária de US$ 573 milhões, valor que é 9,1% menor que o registrado em nove...

Leia Mais

17,5 mil vagas temporárias ainda estão abertas para o Natal

A pouco menos de um mês para o Natal, 17,5 vagas temporárias ainda estão disponíveis. Destas, 59% estão no comércio, 36% no setor de serviços e 5% na indústria. Entre as empresas contratantes pesquisadas, 71% preferem contratar temporários com experiência anterior, revela pesquisa da Federação Nacional dos Sindicatos de Empresas de Recursos Humanos, Trabalho Temporário e Terceirizado (Fenaserhtt) e do Sindicato das Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros e de Trabalho Temporário do Estado de São Paulo (Sindeprestem), realizada pelo Centro Nacional de Modernização Empresarial (Cenam). Para Vander Morales, presidente da Fenaserhtt e do Sindeprestem, o levantamento reflete a situação econômica do país. “O comércio, no geral, contrata pontualmente para atender ao acréscimo de movimentaç&at...

Leia Mais

Inadimplência de empresas desacelera em outubro

O crescimento do número de empresas inadimplentes desacelerou em outubro em relação ao mês anterior, porém, segue apresentando taxas expressivas. De acordo com o indicador calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a alta foi de 7,27% na comparação com outubro do ano passado - em setembro a variação anual havia sido de 9,61%. Além do aumento no número de empresas inadimplentes, houve também crescimento da quantidade de dívidas em atraso em nome de pessoas jurídicas: 7,49% maior em outubro frente ao mesmo mês de 2015. Os dados levam em consideração todas as regiões brasileiras, incluindo o Sudeste. Segundo o indicador, a região em que mais aumentou o número de empresas inadimplentes no último mês foi o Nordeste, com ...

Leia Mais

Crédito imobiliário cai 44% no acumulado até outubro, diz Abecip

O volume de empréstimos concedidos para aquisição e construção da casa própria com recursos da poupança pelos agentes financeiros no âmbito do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) somou R$ 3,6 bilhões em outubro, uma queda de 22,4% na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo divulgou nesta segunda-feira (28) a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança em São Paulo (Abecip). No acumulado entre janeiro e outubro, os financiamentos imobiliários atingiram R$ 37,2 bilhões, montante 44,2% menor do que o registrado nos 10 primeiros meses do ano passado. Em 2015, o volume de empréstimos para aquisição e construção de imóveis caiu 33% e somou R$ 75,6 bilhões. O ritmo menor de financiamentos imobiliários concedidos ocorre em meio a um...

Leia Mais

Vendas da Black Friday são 60% maiores que em 2015, diz Ebit

Balanço parcial da Ebit, empresa de dados sobre o comércio eletrônico brasileiro, aponta que as vendas da Black Friday atingiram R$ 519 milhões das 20h de quinta-feira (24) até as 8h desta sexta-feira (25). O faturamento é 60% superior ao registrado em 2015, no mesmo intervalo. Na mesma base de comparação, o número de pedidos cresceu 23%, de 621 mil para 763 mil. Os organizadores da Black Friday informaram que não irão divulgar balanços parciais de vendas neste ano. Até às 14, as vendas somaram R$ 1,1 bilhão. O Ebit não divulgou, no entanto, um comparativo com o mesmo período do evento do ano passado. Segundo o Ebit, no intervalo de maior movimento da Black Friday, entre 0h e 1h, foram realizados cerca de 50 pedidos por segundo no varejo eletrônico brasileiro. Monitoramento realizado pela Ebit nesta quinta-feira indica que, com o início dos descont...

Leia Mais

Black Friday começa nesta sexta com previsão de vendas de R$ 2 bilhões

A 6ª edição da Black Friday, evento anual que traz super descontos no setor de comércio e serviços, começa oficialmente à 0h desta sexta-feira (25). Em meio a vendas fracas no varejo durante o ano, devido à retração da economia, os organizadores do evento ainda assim esperam faturamento de R$ 2 bilhões - aumento de 30% em relação a 2015. A data já é a segunda maior do varejo em termos de vendas, só perdendo para o Natal. E a cada ano vem sendo cada vez mais antecipada - alguns varejistas começam a oferecer os descontos um mês antes da última sexta-feira de novembro. E as promoções têm sido ainda estendidas até a segunda-feira seguinte, a chamada "Cyber Monday". A Black Friday, que nasceu no varejo tradicional, com descontos concentrados em eletroeletrônicos, eletrodomésticos e vestuário, tem se e...

Leia Mais

Lojas físicas vão abrir mais cedo para receber clientes na Black Friday

As grandes redes de varejo vão abraçar a Black Friday e ampliar o horário de atendimento nas lojas durante o evento. Casas Bahia, Extra, Magazine Luiza, Pontofrio, Ricardo Eletro e Walmart são algumas das empresas que terão horário estendido e até mesmo vão virar a madrugada com as portas abertas em algumas unidades. Nos Estados Unidos, a tradição do Black Friday nasceu no varejo físico e só depois foi adaptada para a internet. Cenas de consumidores disputando produtos com desconto nas prateleiras ganhavam o noticiário. No Brasil, foi o contrário. A primeira edição do evento, em 2010, foi exclusivamente no varejo online. No ano seguinte, algumas lojas, como o Extra, aderiram também às promoções, mas ainda timidamente. Agora o varejo físico entrou de vez na onda de promoções. Algumas lojas físicas vão abri...

Leia Mais

Mercado tem 22,9 milhões de trabalhadores subutilizados, diz IBGE

A taxa composta da subutilização da força de trabalho no país ficou em 21,2%, chegando a 22,9 milhões de pessoas, acima dos 20,9% registrados nos três meses anteriores e dos 18% referentes ao mesmo período de 2015. No país, a maior taxa da subutilização da força de trabalho foi observada no Nordeste (31,4%), e a menor na região Sul (13,2%). Os estados que registraram as maiores taxas foram Bahia (34,1%), Piauí (32,6%) e Maranhão e Sergipe (ambos com 31,9%). Na outra ponta, estão Santa Catarina (9,7%), Mato Grosso (13,2%) e Paraná (14,2%). Das 27 unidades da federação, 14 registraram recorde da taxa de subutilização da força de trabalho considerando toda a série histórica da PNAD, que teve início em 2012. Os dados, que consideram as taxas de desocupação, de desocupação por insufici&ecir...

Leia Mais

Governo baixa de 1,6% para 1% projeção de alta do PIB em 2017

O Ministério da Fazenda admitiu oficialmente nesta segunda-feira (21) que a economia brasileira vai crescer menos em 2017 e anunciou a revisão de sua estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB) para o próximo ano, de 1,6% para 1%. O governo também anunciou que prevê um ecolhimento ainda maior da economia em 2016. A previsão, que era de queda de 3%, passou para 3,5%. "O que realmente causou essa recessão foi uma queda de confiança causada por questões fiscais [problemas nas contas públicas]. O empresário retrai investimento. O mais importante que a gente tem de resolver é a questão fiscal. É o âmago de tudo", declarou o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fabio Kanczuk. As novas previsões do governo para o PIB estão em linha com o que projeta o mercado financeiro, conforme mostra o mais recente lev...

Leia Mais

Venda de celulares no Brasil avança 7,2% no 3º trimestre de 2016, diz IDC

O mercado de celulares do Brasil movimentou 12,6 milhões de dispositivos no terceiro trimestre, alta de 7,2% ante mesmo período de 2015, afirmou nesta sexta-feira (18) a consultoria IDC Brasil. O crescimento veio após cinco trimestres seguidos de queda. As receitas com as vendas dos aparelhos no período somaram R$ 10,9 bilhões. Sobre o segundo trimestre, a alta nas vendas foi de 4,2%. O aquecimento do mercado refletiu a preparação para a Black Friday, neste mês, considerada a data mais importante do calendário no mercado de celulares, disse o analista da IDC Brasil, Diego Silva. "Os varejistas anteciparam compras e abasteceram os estoques para a Black Friday, enquanto os fabricantes enxugaram os portfólios para atender a demanda com preços mais competitivos", disse Silva, em nota. Com a alta no terceiro trimestre, a IDC agora prevê uma queda menor das vendas neste ano em relaç...

Leia Mais

Mercado segue prevendo que meta fiscal de 2017 não será atingida

Os economistas do mercado financeiro continuam prevendo que o governo federal não vai atingir a meta fiscal fixada para o ano que vem. A avaliação está no mais recente levantamento feito pelo Ministério da Fazenda e divulgado nesta quinta-feira (17) dentro do chamado "Prisma Fiscal". A meta fiscal para 2017 é de déficit primário de R$ 139 bilhões. Isso significa que o governo prevê que seus gastos vão superar a arrecadação com impostos neste valor. Essa meta não inclui despesas com pagamento de juros da dívida pública. Segundo a pesquisa da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, feita com bancos em outubro deste ano e divulgada nesta quinta, o governo central - composto pela União, Previdência e Banco Central - deverá registrar um déficit primário de R$ 144,77 bilhões em 2017, acim...

Leia Mais

Setor de serviços tem queda de 4,9%, a maior para setembro desde 2012

Em setembro, o volume do setor de serviços recuou 4,9% em relação ao mesmo mês de 2015. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), essa é a maior queda para o mês desde o início da série histórica do indicador, em janeiro de 2012. Já na comparação com agosto, a queda foi um pouco mais branda, de 0,3%. No mês anterior, frente a julho, a queda havia sido maior, de 1,4%. No ano, de janeiro a setembro, o setor acumula queda de 4,7% e, nos últimos 12 meses, de 5%. De agosto para setembro, recuaram outros serviços (-2,5%); serviços prestados às famílias (-0,9%) e serviços de informação e comunicação (-0,6%). O agregado especial das atividades turísticas cresceu 1,5%, bem como serviços profissionais, administrativos e complementares (0,7%) e transportes, serviços auxiliares dos tra...

Leia Mais

FMI vê recuperação lenta no Brasil e alerta para riscos à frente

O comitê executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nesta terça-feira (15) que a economia brasileira pode estar perto de sair de uma forte recessão, mas enfrenta um longo e duro caminho de recuperação que depende da aprovação de reformas impopulares. "O Brasil está pronto para sair de recessão profunda", disse o FMI nas considerações do relatório anual sobre o Brasil.  O comitê executivo afirma, entretanto, que apesar dos esforços do novo governo para evitar uma crise fiscal, eles esperam uma recuperação gradual da economia brasileira, destacando que a atividade deverá permanecer "fraca por um período prolongado". Os diretores elogiaram as medidas de controle das despesas apresentadas pelo governo, como a PEC do teto de gastos, mas destacaram a necessidade de medidas complementares como a de uma reforma da Previd&e...

Leia Mais

Presidente do BC diz que não vai deixar faltar 'liquidez' aos mercados

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, declarou nesta sexta-feira (11), no Chile, onde participa da conferência anual da autoridade monetária daquele país, que o Brasil passa por "volatilidade nos mercados" (sobe e desce de cotações, como bolsa de valores e dólar) por conta de um "choque global". Nos últimos dias, o dólar tem operado pressionado e a bolsa de valores em queda por conta da vitória do candidato republicano, Donald Trump, nas eleições norte-americanas. Registrando perdas nos mercados, os investidores podem estar retirando recursos do Brasil para tapar buracos em outras localidades. No Chile, o presidente do BC brasileiro afirmou que a instituição continua "monitorando os mercados" e que não deixará "faltar liquidez" para as instituições. "Vamos continuar atuando", acrescentou ele. "O obj...

Leia Mais

Bandeira tarifária deve voltar a ser verde em dezembro, diz secretário

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, disse nesta quinta-feira (10) que a bandeira tarifária pode voltar para a cor verde em dezembro, o que suspenderia a cobrança extra nas contas de luz. Em novembro, a bandeira mudou para a cor amarela devido à piora na condição dos reservatórios de hidrelétricas, após 7 meses na cor verde. Segundo Pedrosa, a decisão sobre a bandeira é técnica, mas dados apresentados na reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), que aconteceu na quarta (9), apontam previsão de chuvas na região dos reservatórios nas próximas semanas. “Está se estabelecendo, finalmente, o mecanismo climático que cria um corredor em que a umidade da Amazônia flui para a área central [do país], aonde estão os reservatórios. Isso se reflete e...

Leia Mais

Banco Fator passa a ver estagnação da economia do Brasil em 2017

O Banco Fator revisou a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no ano que vem e passou a ver estagnação da economia, reduzindo com força a previsão anterior de crescimento de 1,2%. A mudança foi motivada por uma piora na perspectiva para o mercado de trabalho e para o investimento, e não leva em conta a os possíveis efeitos da vitória do republicano Donald Trump na eleição presidencial dos Estados Unidos. "A piora esperada para o mercado de trabalho nos levou a rever a nossa projeção para o consumo", afirmou o economista-chefe do banco Fator, José Francisco Gonçalves. Segundo o economista, o mercado de trabalho só deve parar de piorar no meio do ano que vem e uma recuperação "será muito lenta". Gonçalves também não descarta mais um ano de recessão em 2017. Os economistas reb...

Leia Mais

Quais os efeitos das eleições nos EUA para a economia do Brasil?

Rafael Cortez, cientista político da Tendências Consultoria, aponta que uma vitória de Trump teria como efeito imediato um aumento da volatilidade dos mercados e aumento da percepção de risco. “Pode ter um pouco de estresse até o mercado entender o que vai sair do discurso populista e exagerado e vai se transformar em agenda de governo.” Vieira analisa que o principal temor do mercado em relação a Trump é a incerteza. “Esse excesso de dúvida que ele traz para o mercado é o que talvez assuste mais do que qualquer outra coisa”, analisa. “As ideias dele são muito soltas, o plano econômico é confuso. E ele mesmo não tem domínio do que seria o plano econômico. É difícil entender o que ele quer. ” Para o Brasil, os efeitos da vitória de Trump devem ser negativos no que se refere a acordos comerciais, diz Vieira. &ld...

Leia Mais

Produção de veículos no Brasil cai 15,1% em outubro, diz Anfavea

A produção de veículos no Brasil recuou 15,1% em outubro, na comparação com o mesmo mês de 2015, segundo dados divulgados pela associação de fabricantes (Anfavea) nesta segunda-feira (7). Foram montados no total 174.150 carros, comerciais leves, caminhões e ônibus, ante 205,1 mil no mesmo mês do ano passado. O volume de outubro é 2,3% superior ao verificado em setembro deste ano, com 170.304. Já entre janeiro e outubro, a indústria automotiva nacional produziu 1,73 milhão de unidades, o que representa queda de 17,7% em relação às 2,1 milhões registradas no mesmo período de 2015. O resultado do setor é o pior desde 2003 para outubro e também para o acumulado nos 10 primeiros meses do ano, segundo a Anfavea. O encolhimento na produção acompanha o recuo de 17,2% nos licenciamentos novos, na comparação...

Leia Mais

Investimentos recuam pelo terceiro mês consecutivo, aponta Ipea

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), espécie de termômetro do nível dos investimentos no Brasil, recuou em setembro pelo terceiro mês consecutivo, apontando para a manutenção do cenário de recessão econômica no 3º trimestre. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o indicador apontou contração de 2,2% nos investimentos em setembro, em relação a agosto de 2016, na série com ajuste sazonal. Com isso, no trimestre, a queda foi de 4,1%.  “O recuo dos investimentos no terceiro trimestre reforça a expectativa de uma recuperação lenta da economia brasileira”, afirma o técnico de planejamento e pesquisa do Ipea Leonardo Mello de Carvalho. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a FBCF atingiu patamar 10,6% inferior a setembro de 2015. Já na compara&...

Leia Mais

Presidente do BC aponta desafios para a retomada do crescimento

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, enumerou nesta quinta-feira (3), durante eventos realizados em São Paulo (SP), o que ele classificou de "desafios" para a retomada do crescimento da economia brasileira, que, em sua visão, vive a "mais severa recessão de sua história". Para ele, o mercado de trabalho permanece fraco (desemprego e salários), é urgente reconquistar a confiança de investidores e consumidores para fomentar o crescimento e o Brasil deve aprovar e implementar a agenda de reformas proposta pelo governo para reduzir as incertezas e reforçar os fundamentos. Segundo Goldfajn, o crescimento sustentável e a inflação baixa e estável "são os frutos a serem colhidos". Desde o início de outubro, vêm piorando as expectativas do mercado financeiro para a retração da economia brasileira neste ano e para a expansão ...

Leia Mais

As razões que levam profissionais a não se 'desligarem' do trabalho nos momentos de folga

  Traci Fiatte gosta de checar seus emails no domingo à noite. Para ela, isso a ajuda a se preparar para a semana à sua frente. Mas a empresária e presidente da agência de empregados Randstad percebeu há cinco anos que suas tendências workaholic tinham efeitos negativos em seus funcionários. "Percebi que muitos deles não almejavam uma promoção por medo de comprometer suas vidas pessoais - algo que eu estava fazendo", conta. Assim como ela, muitos de nós estamos cada vez mais ligados no trabalho em momentos em que deveríamos curtir nossas horas de lazer. Em uma pesquisa da Associação Americana de Psicologia (APA, na sigla em inglês), realizada em 2013, mais da metade dos entrevistados contou que checa suas mensagens de trabalho pelo menos uma vez por dia durante fins de semana, férias ou até quando estão afastados por licença m&e...

Leia Mais

Confiança da indústria do Brasil volta a cair em outubro

O ICI registrou queda de 1,6 ponto e foi a 86,6 pontos em outubro, depois de subir 2,1 pontos em setembro. O resultado foi influenciado tanto pela queda de 1,8 ponto do Índice da Situação Atual (ISA), para 84,9 pontos no mês, quanto pelo recuo de 1,4 ponto do Índice de Expectativas (IE), a 88,4 pontos. "A sondagem retrata uma evidente perda de fôlego em relação à aceleração produtiva que se desenhava entre março e julho passados", apontou em nota Aloisio Campelo Junior, superintendente de Estatísticas Públicas da FGV/IBRE. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada apresentou queda de 1 ponto percentual e chegou a 73,7% no período na comparação com o mês anterior. A produção industrial do Brasil caiu em agosto 3,% sobre julho, apagando cinco meses de resultados positivos com o pior resultado em quatro anos...

Leia Mais

Inflação do aluguel' acumula alta de 8,78% em 12 meses

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) fechou o mês de outubro em 0,16%, depois de avançar 0,20% em setembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Um ano atrás, a variação foi de 1,89%. No ano, de janeiro a outubro, o índice acumula alta de 6,63% e, em 12 meses, de 8,78%. Usado no cálculo do indicador, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede os preços no atacado, variou de 0,18% para 0,15%. Já o índice que calcula os preços no varejo e é usado no IGP-M registrou variação de 0,17%, em outubro, ante 0,16%, em setembro. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que também entra no cálculo do IGP-M, mas com peso menor do que o dos outros, desacelerou, de 0,37% em setembro para 0,17%, no mês seguinte.

Leia Mais

Brasil perde 1 milhão de autônomos em 3 meses, maior queda já registrada

O Brasil perdeu mais de 1 milhão de trabalhadores por conta própria no terceiro trimestre deste ano em relação ao segundo trimestre, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa categoria engloba profissionais autônomos, tanto da economia formal, como dentistas e advogados, quanto da informal, como vendedores ambulantes. O resultado reverte uma tendência de aumento do trabalho por conta própria durante a crise econômica. Essa é a maior redução do número de trabalhadores por conta própria na série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), iniciada em 2012. Estão nessa categoria profissionais que trabalham no próprio negócio, sozinhos ou com sócios, mas sem empregados. De acordo com a pesquisa, no segundo trimestre deste ano o pa&iac...

Leia Mais

Inadimplência bancária tem leve alta em setembro e bate recorde

A taxa de inadimplência dos clientes bancários pessoas físicas e das empresas, nas operações com recursos livres (exclui crédito imobiliário, rural e do BNDES), voltou a subir em setembro, quando atingiu 5,89%. Trata-se do maior patamar desde o início da série histórica do Banco Central, em março de 2011. Em agosto, a inadimplência nessas operações estava em 5,87%. As informações foram divulgadas pelo BC nesta quarta-feira (26). Considerando apenas a inadimplência com recursos livres para pessoas físicas, houve aumento no mês passado, para 6,23%, contra 6,21% em agosto. Apesar da alta, o nível não é recorde histórico. No caso das operações com empresas, a taxa de inadimplência avançou de 5,50% em agosto para 5,52% em setembro. O aumento da inadimplência das empresas e das famílias ac...

Leia Mais

Juro cai mais rápido se houver queda mais forte da inflação

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta terça-feira (25), em entrevista à GloboNews, que a velocidade da redução da taxa de juros dependerá do ritmo de queda da inflação. Ele deu a declaração no mesmo dia em que o BC divulgou a ata da reunião da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom), que reduziu a taxa de juros de 14,25% para 14% ao ano. "Se houver queda mais forte da inflação, a inflação cair mais rápido, é claro que a política monetária vai se adequar, reduzindo o juro mais rapidamente", afirmou. Segundo ele, há uma "desinflação" em curso, e a política monetária perseguirá a meta de 4,5% de inflação no ano que vem. Para ele, a resistência da inflação foi motivada pela indexação (corre...

Leia Mais

Inadimplência das empresas cresce 12% em setembro

O número de empresas inadimplentes voltou a crescer setembro, de acordo com indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Em relação ao mesmo período de 2015, a alta foi de 12,20%. Também foi registrado crescimento de 14,55% na variação da quantidade de dívidas em atraso em nome de pessoas jurídicas, na mesma base de comparação. Já na comparação mensal, contra agosto, a alta foi de 1,26% na quantidade de empresas inadimplentes e de 1,09% no volume de dívidas. Na análise por região, a que mais teve o maior aumento do número de empresas negativadas foi o Nordeste, com avanço de 14,62% na comparação com o mesmo período de 2015. Na sequência, aparece o Norte, cujo avanço foi de 12,69% na mesma base de compar...

Leia Mais

Brasil e Argentina querem acordo para troca automática de dados fiscais

O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, informou nesta sexta-feira (21), após reunião com o chefe do Fisco argentino, Alberto Abade, em Brasília, que os dois órgãos trabalham para estabelecer um mecanismo de troca de informações financeiras e patrimoniais que aconteça de forma automática e espontânea a partir de 2017. De acordo com a Receita, já existe um mecanismo de troca de informações financeiras entre os dois países mas, para obtê-las, é preciso fazer um pedido. Com o acordo, o envio dos dados será automático, sem a necessidade de um pedido. Além disso, o sistema incluiria a troca de informações patrimoniais. Em posse das informações que o Fisco argentino passar sobre o patrimônio de brasileiros residentes naquele país, a Receita Federal poderá identificar se o contribuinte recolheu os...

Leia Mais

'Prévia' do PIB tem retração de 0,91% em agosto

O nível de atividade da economia brasileira não só continuou no terreno negativo como intensificou o ritmo de queda em agosto, de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira (20) pelo Banco Central. O chamado Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br – um indicador criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), que é divulgado pelo IBGE – teve queda de 0,91% em agosto, na comparação com julho. O resultado foi calculado após ajuste sazonal (uma espécie de "compensação" para poder comparar períodos diferentes). A retração de agosto foi a maior em 15 meses, ou seja, desde maio de 2015, quando o IBC-Br havia registrado queda de 1,02%, segundo números revisados. Em 2016, o indicador caiu em quase todos os meses, com exceção de abril (+0,18%) e junho (+0,27%). O Produto Interno Bruto &e...

Leia Mais

Na 1ª redução em quatro anos, Copom baixa juros para 14% ao ano

O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu baixar os juros básicos da economia de 14,25% para 14% ao ano, um corte de 0,25 ponto percentual. A redução, a primeira da taxa Selic em quatro anos, foi anunciada pelo Banco Central no início da noite desta quarta-feira (19). O corte dos juros já era esperado pelo mercado. Analistas, porém, estavam divididos quanto à intensidade: redução de 0,25 ou de 0,5 ponto percentual. Economistas avaliam que a decisão pode ajudar a economia brasileira, em crise, a se recuperar. Em comunicado, o Banco Central informou entender que a convergência da inflação para a meta central de 4,5%, fixada para 2017 e 2018, é compatível com uma política de corte de juros "moderada e gradual". "O Comitê avaliará o ritmo e a magnitude da flexibilização monetária ao longo do tempo, ...

Leia Mais

Vendas do comércio caem 0,6% em agosto

As vendas do comércio varejista brasileiro seguiram em queda em agosto. Em relação ao mês anterior, a retração foi de 0,6%, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (18). “Com a piora no mercado de trabalho, com a aceleração dos preços e as taxas de juros ainda elevadas... isso inibe as compras no varejo. Todo aquele consumo que você pode postergar ou substituir acaba sendo impactado”, disse Isabella Nunes, gerente de serviços e comércio do IBGE.  Segundo Isabella, em agosto, o varejo está 12,9% abaixo do nível de novembro de 2014, quando foi registrado o "momento mais alto" da atividade. "Era um momento do mercado de trabalho em crescimento e de inflação mais controlada, além de incentivos ao crédito para o consumidor". De julho para agosto, a maioria do...

Leia Mais

Vendas pela internet devem dobrar até 2021

Pesquisa do Google divulgada nesta segunda-feira (17) mostra que o comércio eletrônico deve dobrar sua participação no faturamento do varejo até 2021, crescendo em média 12,4% ao ano. Isso representa que as vendas vão dobrar em cinco anos, chegando a R$ 85 bilhões. A participação deve sair de 5,4% em 2016 para 9,5% em 2021. Segundo a pesquisa, nos próximos 5 anos, mais 27 milhões de pessoas irão fazer sua primeira compra online, totalizando 67,4 milhões. Isso irá representar 44% dos internautas em 2021, segundo o estudo. O levantamento foi realizado entre 14 e 22 de março deste ano com cerca de 4.500 pessoas nas faixas etárias de 16 a 75 anos. Cada uma respondeu a questões sobre três categorias de produtos que foram, aleatoriamente, selecionadas com base nas compras realizadas nos últimos 3 meses, online ou offline, pelo menos em uma das 14 cat...

Leia Mais

BC deve promover nesta semana primeiro corte de juros em 4 anos

Na última vez em que os juros caíram no Brasil, em outubro de 2012, o papa ainda era Bento XVI, Hugo Chavez presidia a Venezuela, Nelson Mandela estava vivo, Anderson Silva era campeão dos pesos médios do UFC e o Facebook ainda não tinha comprado o WhatsApp. Depois de tanto tempo, a aposta do mercado financeiro é de que a taxa básica de juros da economia, atualmente em 14,25% ao ano, voltará a recuar nesta semana, quando se reúne o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. O anúncio sobre o novo patamar da Selic será na próxima quarta-feira (19), por volta das 18h. Os economistas dos bancos apostam maciçamente em um corte da taxa básica. A única dúvida dos analistas é sobre o tamanho da redução. O mercado está dividido, com parte dos economistas estimando uma queda de 0,25 ponto percentual (para 14% ao ano)...

Leia Mais

Trabalho doméstico cresce na crise, especialmente de diaristas

A crise econômica fez aumentar o número de trabalhadores domésticos no Brasil, especialmente as diaristas, que trabalham em mais de uma residência, apontam os novos indicadores do mercado de trabalho divulgados nesta quinta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). No trimestre encerrado em abril deste ano, 6,2 milhões de pessoas trabalhavam como empregados domésticos, 200 mil a mais do que no mesmo período do ano passado. Entre esses trabalhadores, a presença das diaristas aumentou entre o total de trabalhadores domésticos. No segundo trimestre deste ano, as diaristas representavam 26,8% do total de empregados domésticos, mais do que os 25,3% que eram há um ano e três pontos percentuais acima do registrado no segundo trimestre de 2012. Segundo o coordenador de Trabalho e Rendimento do Instituto, Cimar Azeredo, esse aumento está relacionado com a crise ...

Leia Mais

Brasil dá demonstrações de que está mudando para melhor

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, comemorou nesta terça-feira (11) a aprovação da PEC do teto de gastos, afirmando que o país dá "demonstrações sólidas de que está mudando para melhor". "O fato concreto é que o Brasil está dando demonstrações sólidas de que está mudando para melhor", disse. "E o Brasil é um país que tem dimensões muito substanciais, é o oitavo maior mercado do mundo, e vai crescer, vai voltar a recuperar posições", acrescentou. O ministro está em Nova York, onde participa de encontro com investidores. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece um teto para o aumento dos gastos públicos pelas próximas duas décadas foi aprovada pela Câmara dos Deputados em primeiro turno na madrugada desta terça-feira (11...

Leia Mais

Um em cada seis inadimplentes intensificam vícios

A inadimplência intensificou os vícios de 16,8% das pessoas endividadas, como álcool e cigarro, segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). As instituições avaliaram o comportamento de pessoas com contas atrasadas por mais de 90 dias. Além de intensificar seus vícios, as pessoas endividadas sofrem outras alterações de comportamento, apontou a pesquisa. Mais da metade dos devedores (disseram se sentir deprimidos (66%). Outras alterações como insônia (40%), diminuição de auto estima (57,8%), perda de apetite (24,9%), irritabilidade (47,2%) também foram observadas. "A inadimplência altera negativamente o estado emocional dos consumidores, atingindo até mesmo a vida profissional e a saúde dos entrevistados", afirmou a SPC Brasil, em co...

Leia Mais

PEC do teto de gastos pode inibir aumento real do salário mínimo

A proposta de emenda constitucional (PEC) do teto de gastos públicos prevê que o salário mínimo – que serve de referência para mais de 48 milhões de pessoas no Brasil – deixará de ter aumento real, ou seja, acima da inflação, se o limite de despesas fixado pelo governo for superado. Esse possibilidade consta do parecer do relator da PEC, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), já aprovado na comissão especial sobre o assunto. Esse veto ao aumento real (acima da inflação) permaneceria até que as despesas retornassem aos limites previstos "não se restringindo apenas ao ano subsequente ao descumprimento do teto", segundo o texto. Para entrar em vigor, a proposta ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado Federal, em duas votações em cada casa. Se aprovado, o teto de gastos valerá por 20 anos, ou seja,...

Leia Mais

Saques superam depósitos em R$ 50 bilhões na poupança, mas têm queda

Os saques de recursos da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 50,53 bilhões de janeiro a setembro deste ano, informou nesta quinta-feira (6) o Banco Central. Apesar de o volume ainda ser expressivo, foi registrada uma queda de saques em relação ao mesmo período do ano passado – quando a saída líquida de divisas totalizou R$ 53,79 bilhões, recorde histórico de fuga de recursos para os nove primeiros meses de um ano. O volume total aplicado na poupança em setembro, ou seja, o estoque da caderneta, não só parou de cair como voltou a registrar crescimento no mês passado. No fim de agosto, o saldo da poupança estava em R$ 641,12 bilhões, avançando para R$ 642,99 bilhões em setembro. A explicação é que os rendimentos creditados nas contas dos poupadores, que somaram R$ 4,21 bilhões no mês passado, tamb&eacu...

Leia Mais

Temer libera crédito de R$ 30 bilhões para micro e pequenas empresas

O presidente Michel Temer anunciou nesta quarta-feira (5), em uma cerimônia no Palácio do Planalto, a abertura de uma linha de crédito de R$ 30 bilhões com taxa de juros reduzida para estimular o empreendedorismo no país e ajudar micro e pequenas empresas. O anúncio foi feito no Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa, comemorado no dia 5 de outubro. Em um discurso de cerca de dez minutos, Temer disse que, embora haja uma “ideia” de que os micro e pequenos empreendedores são algo “pequeno”, eles são “gigantes” porque, na visão dele, representam atualmente 52% do PIB brasileiro.  Segundo dados da Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa, esses negócios representam 95% das pessoas jurídicas do país e até 27% do Produto Interno Bruto (PIB). As micro e pequenas empresas também são responsáveis por 52% dos empregos formais e 41% ...

Leia Mais

FMI mantém previsão para o PIB do Brasil em 2016 e 2017

O Fundo Monetário Internacional (FMI) não alterou suas previsões a respeito do desempenho da economia brasileira neste ano e no próximo. Em relatório divulgado nesta terça-feira (4), o fundo manteve a projeção de queda de 3,3% do Produto Interno Bruto em 2016 e de alta de 0,5%, em 2017. Nas estimativas mais recentes apresentadas em julho, o FMI havia melhorado pela primeira vez – após cinco revisões para baixo – sua projeção o PIB deste ano. No relatório de abril, o fundo previa que a economia "encolheria" 3,8%. "Na América Latina, a economia do Brasil permanece em recessão, mas a atividade parece estar perto 'da virada', à medida que os efeitos dos choque passados- o declínio nos preços das commodities, os ajustes dos preços administrados de 2015 e a incerteza política- se dissipam. Segundo a avalia&cced...

Leia Mais

Indústria do Brasil reduz produção e funcionários

A indústria brasileira reduziu a produção e o número de funcionários em setembro diante da fraqueza tanto do mercado externo quanto interno, e a contração do setor se prolongou ainda mais, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada nesta segunda-feira (3). O Markit informou que seu PMI sobre a indústria do Brasil subiu ligeiramente a 46,0 em setembro contra 45,7 em agosto, porém permaneceu pelo 20º mês seguido abaixo da marca de 50 que separa crescimento de contração. "Essa fraqueza generalizada tem sido um tema usual há cerca de um ano e meio e há pouco que sugira qualquer mudança iminente na direção para o setor", afirmou em nota a economista do Markit Pollyanna De Lima. A produção caiu no mês passado pelo ritmo mais forte em três meses e de forma generalizada nos ...

Leia Mais

Meirelles diz que desemprego 'certamente' vai cair em 2017

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira (30), que o desemprego "certamente" tende a começar a cair a partir do ano que vem. A declaração foi feita após a divulgação da taxa de desemprego, também nesta sexta, de 11,8% no trimestre encerrado em agosto.  “A expectativa é que sim, no ano que vem. O emprego tem uma certa defasagem em relação à atividade econômica. Quando a atividade começou a dar sinais de arrefecimento já em 2014 o desemprego ainda estava baixo”, disse o ministro. “Com o crescimento da economia, evidentemente a retomada do emprego acontecerá inevitavelmente, não imediatamente. Portanto, acreditamos que durante o ocorrer do ano de 2017, certamente. E com o crescimento acentuado e continuado da economia nos próximos anos aí, de fato, o desemprego vai tender a cair de uma forma consiste...

Leia Mais

Governo enviará PEC para controlar gastos dos estados

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, afirmou nesta quinta-feira (29) que o governo encaminhará ao Congresso Nacional uma segunda proposta de emenda constitucional (PEC) que criará um teto para os gastos dos estados. O governo Michel Temer já enviou ao Congresso uma proposta do tipo. Ela deveria valer para limitar aumento de despesas tanto do governo federal, quanto dos estados, do Legislativo e do Judiciário. Governadores, ao assinarem em junho o acordo que permitiu a renegociação de suas dívidas com a União, concordaram em submeter seus orçamentos ao teto. Entretanto, durante a tramitação na Câmara dos dois projetos (do teto e da renegociação), houve pressões por mudanças e o governo Temer, que antes dizia que as alterações eram inegociáveis, recuou. O teto limita o crescimento dos gastos, de um ano, ao índice de inf...

Leia Mais

Governo federal anuncia leilão da distribuidora Celg-D para novembro

O leilão para privatização da distribuidora de energia Celg-D, controlada pela estatal Eletrobras, será em novembro, informou nesta quarta-feira (28) o Ministério de Minas e Energia, após uma reunião para apresentar a companhia para possíveis investidores. O encontro ocorreu na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Ecônomico e Social (BNDES), no Centro do Rio de Janeiro. A data do leilão inicial, prevista para agosto, foi adiada por falta de interessados em assumir a concessão. O novo edital será lançado no mês que vem. A venda da Celg-D será o primeiro teste do projeto de desestatização do governo do presidente Michel Temer. A decisão de entregar o controle da distribuidora à iniciativa privada foi tomada durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, entretanto, o edital do primeiro leilão, que foi cancelado, foi publicado em junho...

Leia Mais

Brasil cai para a 81ª posição em ranking de competitividade de países

O Brasil perdeu mais 6 posições no ranking das economias mais competitivas do mundo, caindo para a 81ª colocação em 2016 -– a pior posição já atingida no ranking de competitividade elaborado desde 1997 pelo Fórum Econômico Mundial. A pior colocação até então tinha sido o 75º lugar, registrado no ano passado. Em 4 anos, o Brasil caiu 33 posições, revelando o agravamento da crise econômica e o declínio da produtividade no país. Veja gráfico acima O ranking de 2016 avalia 138 países e foi divulgado nesta terça-feira (27) no Brasil pelo Fórum Econômico Mundial em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC). O levantamento é uma espécie de termômetro do nível de produtividade e das condições oferecidas pelos países para gerar oportuniades e para que as emp...

Leia Mais

Movimento do comércio tem alta em agosto, mas acumula queda no ano

O movimento do comércio caiu 4,7% nos últimos 12 meses terminados em agosto, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (26) pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Já entre julho e agosto, houve alta de 1,5%, descontados os efeitos sazonais. Na comparação com agosto de 2015, o avanço foi de 1,1%. No acumulado do ano, o movimento do comércio tem perdas de 4,2%. “Caso o cenário mais benigno apontado pelas projeções de mercado se consolide, o atual movimento inflexão da tendência deverá ser mantido de modo consistente, recuperando gradativamente as vendas do setor para um patamar positivo já no primeiro trimestre de 2017”, disse em nota a Boa Vista SCPC. Entre os 6 setores analisados, a maior queda em agosto na comparação com o mesmo foi do segmento de tecidos, vestuários e calçados, com perdas d...

Leia Mais

Índice da construção tem queda em agosto, mas indica crise diminuindo

O indicador de atividade da construção civil somou 41,8 pontos em agosto deste ano, com queda de 0,5 ponto percentual em relação ao mês anterior, informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta sexta-feira (23), após pesquisa com 595 empresas do setor entre 1º a 14 de setembro. O índice de atividade e de emprego variam de zero a 100 pontos, sendo que somente valores maiores que 50 indicam crescimento. "Apesar da queda [de julho para agosto], o indicador [de atividade] acumula alta de 8,5 pontos no ano, o que indica redução do ritmo de queda da atividade", acrescentou a CNI. Ainda de acordo com a entidade, o nível de atividade está abaixo do usual desde maio de 2012. O índice de emprego no setor, por sua vez, permaneceu praticamente estável, em 39,6 pontos, na passagem de julho para agosto, e acumula um aumento de 6,6 pontos neste ano, acrescen...

Leia Mais

Dívida pública vai cair com controle de gastos do governo

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que a dívida pública do país passará a cair daqui alguns anos com a implantação das medidas que limitam o crescimento dos gastos públicos. A declaração foi feita por áudio divulgado durante evento com o setor empresarial na noite desta quinta-feira (22), em São Paulo. Segundo o ministro, as atuais incertezas na economia estão sendo enfrentadas na medida em que o governo está propondo no Congresso a emenda constitucional que cria um teto para o aumento das despesas públicas pela inflação. “Tudo isso fará com que a dívida pública passe a crescer com moderação, atingir o pico e passar a cair depois de alguns anos”, disse. O Tesouro Nacional estima que dívida pública brasileira poderá subir para R$ 3,3 trilhões em 2016. A dívida, que inclu...

Leia Mais

Reforma trabalhista fica para o 2º semestre de 2017

A proposta de reforma trabalhista deverá ficar para o segundo semestre de 2017, disse nesta quarta-feira (21) o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. Segundo ele, a solução para a crise fiscal e a retomada do crescimento são as prioridades que centram agora a atenção do governo. A previsão inicial era que a proposta de "modernização" da legislação trabalhista – como o governo vem tratando o assunto – fosse enviada ao Congresso até o final deste ano. “Estamos apenas em fase de estudos e de debates, porque a questão é complexa e precisa ter a participação de todos os setores envolvidos", disse Nogueira. Segundo o ministro, antes de discutir mudanças na lei trabalhista, o governo vai focar na recuperação da economia.  "Considero como muito positiva a nossa decisão, do governo, em deixar a moderniza...

Leia Mais

OCDE prevê queda de 3,3% do PIB brasileiro em 2016

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) se mostrou menos pessimista sobre a recessão no Brasil e prevê uma queda do PIB de 3,3% em 2016. A estimativa anterior, anunciada em junho, era de um recuo de 4,3%. Para 2017, a organização projeta uma queda de 0,3% Já o PIB mundial crescerá 2,9% em 2016, 0,1% a menos que nas previsões de junho, de acordo com a OCDE, que considera que a economia "permanece atrelada a um crescimento frágil". "A forte redução do comércio mundial ressalta as preocupações sobre a solidez da economia e as dificuldades para sair desta armadilha do crescimento frágil", afirmou a economista chefe da OCDE, Catherine L. Mann. Este é o caso dos Estados Unidos, onde a OCDE prevê um crescimento de 1,4% este ano e de 2,1% em 2017. Na Eurozona o avanço será de 1,5% ...

Leia Mais

Confiança do consumidor tem maior alta mensal desde 2010

A intenção de consumo das famílias (ICF) teve aumento de 4,1% em setembro, a maior alta mensal desde 2010, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Os sete componentes da pesquisa apresentaram variação positiva no mês, totalizando índice geral de 72,1 pontos, numa escala de 0 a 200. A alta foi puxada, principalmente, pelo indicador perspectiva de consumo, que apresentou alta mensal de 8,5%. Já em relação ao mesmo período do ano passado, todos os itens tiveram forte queda, resultando em recuo de 9,6%. “A comparação com agosto mostra que existe uma percepção de que a crise vem lentamente perdendo força, com suave desaceleração da inflação e retomada gradual da confiança de consumidores e empresários”, avalia Juliana Serapio, assessora Econômica da C...

Leia Mais

Brasil perdeu 1,51 milhão de empregos formais em 2015

O Brasil perdeu 1,510 milhão de empregos formais em 2015, segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira (16). O resultado é o pior da série da pesquisa, iniciada em 1985. Com tamanha baixa no mercado de trabalho formal, o estoque de trabalhadores que era de 49,6 milhões no final de 2014 recuou para 48,1 milhões de postos no final de 2015. Além dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que englobam os trabalhadores celetistas, os números da Rais também incluem os servidores públicos federais, estaduais e municipais, além de trabalhadores temporários. A pesquisa, divulgada anualmente, é considerada uma das principais fontes de informações sobre o mercado de trabalho formal brasileiro. A última vez que o país tinha registrado perda de empre...

Leia Mais

9 em cada 10 cadastrados em lista de 'bom pagador' são das classes D e E

Os brasileiros de renda mais baixa são os que mais participam de forma voluntária do Cadastro Positivo – uma lista de "bons pagadores" que mostra quem não tem o nome sujo, segundo um levantamento nacional divulgado nesta quinta-feira (15) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). As famílias das classes D e E possuem o menor poder aquisitivo, não costumam ter acesso a serviços financeiros e enfrentam dificuldades para comprovar a renda e conseguir crédito, segundo o SPC. Em vigor desde agosto de 2013 após uma resolução do Banco Central, o Cadastro Positivo é um banco de dados que funciona de maneira inversa ao chamado Cadastro Negativo. Em vez de catalogar o CPF de inadimplentes, a lista mostra o histórico de pagamentos em dia. O levantamento do SPC também mostra que após aderirem ao Cadastro Positivo, as financeiras e os bancos ...

Leia Mais

Brasileiros gastaram R$ 546 bilhões usando cartões no 1º semestre

Os brasileiros gastaram mais de meio trilhão de reais usando cartões de crédito e débito no primeiro semestre deste ano, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (14) pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). O valor, de R$ 546 bilhões, representa uma alta de 7,2% em relação aos mesmo período de 2015. A maior parte do volume foi de gastos usando cartões de crédito, de R$ 337 bilhões. Já os cartões de débito foram utilizados em R$ 209 bilhões em gastos. Ao todo, foram 6 bilhões de transações – 3,2 bilhões com débito e 2,8 bilhões com crédito. De acordo com o levantamento, os pagamentos com cartões representaram 28,5% do consumo das famílias nos seis primeiros meses do ano, contra 27,5% no mesmo período de 2015. O aumento de pa...

Leia Mais

Sem ajuda emergencial, estados ameaçam decretar calamidade pública

Governadores de 17 estados, principalmente das regiões Norte e Nordeste, se reuniram nesta terça-feira (13) com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para solicitar novamente uma ajuda emergencial por conta das perdas de recursos devido à queda dos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e informaram que, sem esse apoio extra - ainda não confirmado pelo governo federal - vão decretar nas próximas semanas estado de calamidade pública. A informação foi divulgada pelo governador do Piauí (PI), Wellington Dias. Participaram da reunião com Meirelles os governadores do Distrito Federal e dos seguintes estados: Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Ceará, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Amazonas, Paraná, Acre, Amapá, Roraima e Tocantins. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se limitou a informar, por me...

Leia Mais

Mercado prevê mais inflação e contração menor do PIB em 2016

Os analistas das instituições financeiras estimaram mais inflação para este ano e um "encolhimento" do Produto Interno Bruto (PIB) com uma intensidade menor em 2016. As expectativas foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas nesta segunda-feira (12), por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de 100 instituições financeiras foram ouvidas. A estimativa do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 7,34% para 7,36% na semana passada. Assim, permanece acima do teto de 6,5% do sistema de metas e bem distante do objetivo central de 4,5% fixado para 2016. Recentemente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA - considerado a inflação oficial do país – atingiu 0,52% em julho, ganhando força. Considerando os últimos 12 meses, o &iacu...

Leia Mais

Em nota, ministério nega que reforma vá elevar jornada diária de 8 horas

O Ministério do Trabalho divulgou nota no fim da tarde desta sexta-feira (9) em que afirma que a proposta de reforma trabalhista preparada pelo governo Michel Temer não vai elevar a jornada de 44 horas semanais e nem a jornada diária de 8 horas. A publicação da nota pelo ministério acontece após polêmica causada por declarações do ministro, Ronaldo Nogueira, que, na quinta (8), durante encontro com sindicalistas em Brasília, afirmou que a proposta de reforma trabalhista que será encaminhada ao Congresso até o fim deste ano vai oficializar a carga horária diária de até 12 horas, desde que o trabalhador não exceda o limite de 48 horas semanais. "Não haverá aumento da jornada de trabalho de 44 horas semanais. Não haverá aumento da jornada diária de 8 horas de trabalho", diz a nota desta sexta. "O que está em es...

Leia Mais

Governo quer formalizar jornada diária de até 12h com limite de 48h semanais

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, afirmou nesta quinta-feira (8), durante encontro com sindicalistas em Brasília, que a proposta de reforma trabalhista que será encaminhada pelo governo Michel Temer ao Congresso Nacional até o fim deste ano vai oficializar a carga horária diária de até 12 horas, desde que o trabalhador não exceda o limite de 48 horas semanais. A mudança nas regras trabalhistas elaborada pelo governo Temer, informou o ministro, manterá a jornada de trabalho de 44 horas semanais, mas irá prever a possibilidade de quatro horas extras, chegando, portanto, a 48 horas na semana. Nogueira revelou ainda que o projeto contemplará a possibilidade de contrato de trabalho por horas trabalhadas e por produtividade. Ainda de acordo com o titular do Trabalho, a proposta deve prever que trabalhadores e empregadores possam negociar, em convenção coletiva, como essa jornada semana...

Leia Mais

Interesse por investimentos no Brasil é muito grande

Nesta terça-feira, já em Brasília, Meirelles afirmou que a participação do Brasil na reunião de cúpula do G20 - grupo das vinte maiores economias do mundo - foi um "sucesso" e acrescentou que "todos tinham muito interesse em saber o que estava acontecendo no Brasil". "Nós levantamos os principais pontos que o país hoje defende, seja no âmbito internacional, a questão da área climática, seja na área de relações comerciais justas, e também levantamos claramente qual é a situação do Brasil, o que temos já feito e o que estamos propondo", afirmou. Ele disse ainda que participou de uma série de reuniões bilaterais com ministros da Fazenda de outros países, assim como o presidente Michel Temer também manteve encontros reservados com outros presidentes - além de terem participado...

Leia Mais

Balança tem superávit de US$ 489 milhões no começo de setembro

As exportações brasileiras superaram as importações, resultando em superávit de US$ 489 milhões da balança comercial nos dois primeiros dias úteis de setembro, informou nesta segunda-feira (5) o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Entre 1º e 2 de setembro, as exportações somaram US$ 1,49 bilhão, com média diária de US$ 748 milhões - recuo de 2,6% sobre igual período de 2015. Já as importações totalizaram US$ 1 bilhão, com média de US$ 504 milhões por dia útil - queda de 19,8%. No acumulado deste ano, até 4 de setembro, as exportações brasileiras superaram as importações em US$ 32,86 bilhões. Com isso, registraram crescimento frente ao mesmo período do ano passado, quando o saldo estava positivo em US$ 7,86 bilhões. ...

Leia Mais

Meirelles afirma que Brasil pode crescer 2,5% em 2018

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira (2), na China, que o Brasil pode crescer 2,5% em 2018 e tem potencial de expandir ainda mais, segundo a Reuters. "As previsões são de um crescimento de 1,6% em 2017 e de 2,5% em 2018. A tendência histórica do Brasil é ter taxas substancialmente maiores e vamos trabalhar para voltar a crescer ao redor de 4% em média", disse Meirelles em seminário empresarial em Xangai, onde acompanha o presidente Michel Temer, de acordo com a agência de notícias. De acordo com a pesquisa Focus realizada pelo Banco Central, a expectativa dos economistas consultados é de uma expansão de 1,23% em 2017 e de 2% no ano seguinte. Já o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê crescimento de 0,5% da economia brasileira em 2017, contra uma projeção de crescimento nulo feita nos dois últimos levantamentos do &oac...

Leia Mais

Bancários decidem entrar em greve na próxima terça-feira

Bancários de todo o país decidiram entrar em greve na próxima terça-feira (6) por tempo indeterminado, informou a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf). Todos os sindicados aprovaram a paralisação após assembleia realizada nesta quinta-feira (1º).  A categoria rejeitou a proposta da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) de reajuste de 6,5%  sobre os salários, a PLR e os auxílios refeição, alimentação, creche, e abono de R$ 3 mil. Os sindicatos alegam que a oferta ficou abaixo da inflação projetada em 9,57% para agosto deste ano e representa perdas de 2,8% para o bolso de cada bancário. Os bancários querem reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, no valor do salário mínimo calculad...

Leia Mais

Índia é destaque entre Brics, com crise no Brasil e desaceleração da China

O PIB brasileiro voltou a registrar queda no segundo de 2016, segundo mostram os dados divulgados nesta quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o Brasil e a Rússia em crise, a África do Sul registrando atividade econômica fraca e a desaceleração chinesa, a economia indiana é destaque de expansão entre os Brics (grupo formado por esses países). A economia da Índia cresceu mais que a da China em 2015 pela primeira vez desde 1999, e a previsão do Fundo Monetário Internacional é que essa seja uma tendência pelos próximos anos. No segundo trimestre de 2016, o PIB da Índia cresceu 7,1% contra o mesmo período de 2015. Na mesma base de comparação, a economia da China teve expansão de 7%, e a do Brasil, recuo de 3,8%. Em um ranking dos 34 países que representam 79% do PIB Mundial e que publicaram seus...

Leia Mais

Vendas nos supermercados têm alta real de 0,66% de janeiro a julho

As vendas do setor supermercadista subiram 0,66%, em valores reais (descontada a inflação do período pelo IPCA) de janeiro a julho deste ano, na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em valores nominais (sem considerar a inflação), as vendas do setor subiram 8,14% em relação ao mês anterior e, quando comparadas a julho do ano anterior, alta de 13,31%. No acumulado do ano, as vendas cresceram 10,27% em valores nominais. No mês de julho, a cesta de produtos Abrasmercado, pesquisada pela GfK e analisada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras, subiu 2,96%, passando  de R$ 473,31 para R$ 487,34. No acumulado do ano, de janeiro a julho, a cesta apresentou alta de 17,60%. As maiores altas de preço foram constatadas em produtos como feijão e leite longa vida, segundo a Abras. J&aa...

Leia Mais

Mercado prevê mais inflação e melhora do PIB em 2016 e 2017

Os analistas do mercado financeiro elevaram sua estimativa de inflação e também passaram a esperar um comportamento melhor do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano e em 2017. As expectativas foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas nesta segunda-feira (29), por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de 100 instituições financeiras foram ouvidas. A estimativa do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 7,31% para 7,34% na semana passada. Assim, permanece acima do teto de 6,5% do sistema de metas e bem distante do objetivo central de 4,5% fixado para 2016. Recentemente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA - considerado a inflação oficial do país – atingiu 0,52% em julho, ganhando força. Considerando os últimos 12 meses, o índice...

Leia Mais

Investimentos sobem 0,38% no 2º trimestre

O indicador da chamada formação bruta de capital fixo (FBCF), também conhecida como taxa de investimentos da economia, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) avançou 0,38% no segundo trimestre deste ano, informou o órgão nesta sexta-feira (26). A comparação feita foi "livre de efeitos sazonais". O índice busca antecipar o resultado dos investimentos contidos na divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) - cujo resultado oficial, relativo ao segundo trimestre deste ano, será divulgado na próxima quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Se o indicador do Ipea se confirmar, será interrompida uma sequência de queda dos investimentos que durou dez trimestre consecutivos. Nos três primeiros meses deste ano, por exemplo, houve um recuo de 2,7% na taxa de formação bruta de capital fixo em compar...

Leia Mais

Brasil fecha 94 mil vagas de trabalho formais em julho

O fechamento de vagas de trabalho com carteira assinada teve continuidade em julho deste ano. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), no mês passado as demissões superaram as contratações em 94.724 empregos. Os dados, divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta quinta-feira (25), revelam que este foi o décimo sexto mês seguido de fechamento de vagas formais. O último mês com contratações acima das demissões foi março do ano passado, quando foram criados 19,2 mil postos de trabalho. Apesar de negativo, o resultado do mês passado foi menos ruim do que o registrado em junho de 2015, quando foram fechados 157.905 postos de trabalho – pior resultado para meses de junho desde o início da série histórica do indicador, em 1992. Na parcial dos sete primeiros meses deste ano, as demissões superaram as contrataç&otild...

Leia Mais

Temer defende reforma trabalhista e diz que é saída para manter empregos

O presidente da República em exercício, Michel Temer, defendeu nesta quarta-feira (24), em uma cerimônia no Palácio do Planalto, a proposta de reforma trabalhista que está sendo elaborada por seu governo. Sem detalhar as possíveis mudanças que irá sugerir ao Congresso Nacional nas regras trabalhistas, afirmou que a reforma não tem o objetivo de retirar direitos, mas sim de manter empregos. O Executivo federal pretende encaminhar até o final do ano ao Congresso a proposta de reforma trabalhista e de regulamentação do processo de terceirização. Ao discursar na cerimônia de lançamento do Plano Agro+ – que prevê a desburocratização do setor agropecuário com a revisão de 69 normas em vigor no Ministério da Agricultura – Michel Temer aproveitou para dizer que quer combater a "tese" de que as mudanças nas r...

Leia Mais

Confiança do comércio sobe pelo quarto mês seguido

A confiança do comércio voltou a crescer em agosto, pelo quarto mês seguido, segundo dados divulgados nesta terça-feira (23) pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). A alta foi de 1% na comparação com o mês anterior, influenciada pela melhora na avaliação das condições correntes (+8,3%) e nas intenções de investimentos (+1,8%). Na comparação com julho do ano passado, a confiança cresceu 9,4%, segunda taxa positiva nessa base de comparação desde julho de 2013. O indicador, no entanto, segue abaixo do nível de indiferença, de 100 pontos, refletindo a contínua redução das vendas e da atividade do comércio. “A atividade do comércio ainda não mostra perspectiva de recuperação no curto prazo, embora haja diminuição no ritmo de queda das vendas. As co...

Leia Mais

Na parcial de agosto, balança tem superávit de US$ 2,86 bilhões

As exportações superaram as importações, resultando em superávit da balança comercial brasileira, em US$ 2,86 bilhões na parcial do mês de agosto até domingo (21), informou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Somente na semana passada, o saldo positivo foi de US$ 541 milhões. O superávit no acumulado deste mês já é maior que o registrado em todo o mês de agosto do ano passado, quando ficou em US$ 2,69 bilhões. A melhora do saldo comercial, nesta comparação, se deve ao aumento das exportações e, também, ao recuo das importações. Isso se deve à recessão da economia brasileira e ao dólar ainda relativamente alto, o que torna mais caro para os brasileiros comprar produtos no exterior mas, por outro lado, barateia os produtos brasileiros lá fora. ...

Leia Mais

Arrecadação cai 5,8%, para R$ 107 bilhões, e tem pior julho em 6 anos

A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 107,41 bilhões em julho, o que representa uma queda real (descontada a inflação) de 5,8% frente ao mesmo mês de 2015. Foi o pior mês de julho desde 2010, segundo números da Secretaria da Receita Federal divulgados nesta sexta-feira (19). O fraco desempenho da arrecadação se deve à recessão da economia brasileira, a maior da história. Com a economia fraca, cresce o desemprego e a inadimplência e recuam as vendas de produtos e serviços. Como consequência, as pessoas e empresas pagam menos impostos. No acumulado dos sete primeiros meses deste ano, a arrecadação totalizou R$ 724 bilhões. Comparado ao mesmo período do ano passado, houve queda real de 7,11%. O resultado também é o pior para este período desde 2010, ou seja, em seis anos. Apesar do resultad...

Leia Mais

'PIB mensal' da Serasa tem pior 1º semestre desde 1991

O Indicador Serasa Experian de Atividade Econômica, também chamado de "PIB Mensal" recuou 0,1% em junho na comparação com maio. Já em relação ao mesmo mês de 2015, foi registrada queda de 3,2%. 'PIB mensal' da Serasa teve o pior resultado da história do indicador no 1º semestre. (Foto: reprodução/TV Globo) Os números indicam que, no primeiro semestre, o PIB fechou em baixa de 4,3% frente ao mesmo período do ano anterior. Foi o pior resultado para um primeiro semestre de toda a séria histórica do indicador, iniciada em 1991. No primeiro semestre, pelo lado da oferta agregada, a atividade agropecuária recuou 1,3%; a indústria, 4,8% e o setor de serviços, 3,2%. Já do ponto de vista da demanda agregada, o consumo das famílias caiu 5,9%, consumo do governo, 2,3% e os investimentos, 13,1%. Somente o setor externo contribu...

Leia Mais

Governo eleva de 1,2% para 1,6% projeção de alta do PIB em 2017

O governo revisou de 1,2% para 1,6% a sua estimativa para o crescimento oficial do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017. Essa expectativa constará no proposta de orçamento federal para o ano que vem, que será encaminhada ao Congresso até o final deste mês. O anúncio foi feito pelo secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Carlos Hamilton. De acordo com ele, a antecipação da divulgação visa conferir "transparência" à política econômica e, também, "melhorar o diálogo com a sociedade". Normalmente, o governo torna pública sua estimativa para o PIB juntamente com a proposta de orçamento, ou nos relatórios bimestrais de acompanhamento. "A atividade econômica terá um desempenho muito melhor no segundo semestre deste ano, do que no primeiro. No cenário base, teremos j&a...

Leia Mais

Brasil tem nível alto de gasto e não dá para fazer ajuste rápido

O Brasil tem um nível alto de gastos públicos na comparação com outros países emergentes, afirmou nesta terça-feira (16) o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida. Ele fez a afirmação durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), do Senado, que discute a proposta de emenda constitucional que institui um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos. Segundo Almeida, os gastos públicos, incluindo juros, somam 43% do PIB e, sem as despesas com juros da dívida, totalizam cerca de 33% do PIB, o maior percentual entre os países emergentes. Almeida informou que a média dos gastos públicos em países emergentes é de 31,5% do PIB. Por isso, argumentou, a carga tributária brasileira, em torno de 33% do PIB, também é alta na compara&cce...

Leia Mais

Vendas no Dia dos Pais têm pior resultado desde 2005

Durante a semana do dia 8 ao dia 14 de agosto, as vendas caíram 8,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com a Serasa. No final de semana do Dia dos Pais (de 12 a 14 de agosto), a baixa foi de 8,7% na comparação com o final de semana equivalente ao do ano anterior. Só na cidade de São Paulo, as vendas realizadas na semana do Dia dos Pais caíram 8,1% ante a mesma semana do ano passado. No final de semana da data, as vendas tiveram queda de 7,5% em relação ao período equivalente ao ano anterior. Na avaliação dos economistas da Serasa Experian, a queda do poder de compra dos brasileiros e a inflação ainda em patamar elevado afetaram negativamente o movimento varejista no Dia dos Pais deste ano. A Boa Vista SCPC também divulgou pesquisa sobre as vendas do Dia dos Pais deste ano indicando queda em relação ao ano passado. Segundo o l...

Leia Mais

Ajuste anda rápido e não depende da permanência do governo, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o ajuste fiscal está “caminhando muito rápido” e será definitivo, sem depender da continuidade do governo interino. Ele falou a jornalistas nesta sexta-feira (12) durante evento do Banco Central em São Paulo.  “O ajuste [fiscal] já está sendo feito de forma definitiva. Independentemente do prazo de permanência deste governo, a emenda constitucional define um ritmo para as despesas públicas para os próximos 20 anos, portanto estamos tomando medidas de longo prazo”, afirmou. Meirelles declarou, também, que o ajuste fiscal está "caminhando rápido", apesar da percepção contrária sobre o assunto. "Comparado com a ansiedade geral dos que conhecem o assunto está lento, mas considerando-se que é a primeira reforma estrutural das contas públicas brasileiras desde 1988, e...

Leia Mais

Acordos para reduzir salários e jornada quadruplicam no 1º semestre

Saltou quatro vezes no primeiro semestre de 2016 o número de empresas que reduziram o salário de seus funcionários, por meio de acordos que cortaram as horas de trabalho. Os dados são de uma amostra pesquisada pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) no Ministério do Trabalho. A maior parte dessas reduções (63%) aconteceu fora do Programa de Proteção ao Emprego (PPE), lançado no ano passado para desestimular demissões em empresas que alegam ter dificuldades financeiras. Sindicatos e patrões fecharam 209 acordos do tipo com a promessa de manter os empregos, contra 49 nos seis primeiros meses do ano passado. A jornada e os salários caíram, em média, 20%. A indústria metalúrgica foi o setor com o maior número de acordos no semestre (122), seguida pela indústria química, farmacêutica e de plásticos (...

Leia Mais

Inflação oficial ganha força e fica em 0,52% em julho

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, atingiu 0,52% em julho. No mês anterior, o IPCA havia chegado a 0,35%, segundo informou nesta quarta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com este resultado, o acumulado no ano foi para 4,96%, menor que os 6,83% registrados em igual período do ano anterior. Considerando os últimos 12 meses, o índice é de 8,74%, pouco abaixo dos 8,84% relativos aos 12 meses imediatamente anteriores. Em julho de 2015, o IPCA registrou 0,62%. De acordo com Eulina Nunes, coordenadora de índices de preços do IBGE, a “culpa” de a inflação voltar a ganhar força em julho é “especialmente” do feijão e do leite. “Na verdade, os alimentos aumentaram muito e vários, mas o feijão e o leite se destacaram”, disse. Eulin...

Leia Mais

Quanto custa uma medalha de ouro

Elas são os objetos mais desejados nesses dias no Rio de Janeiro, o reconhecimento com o qual 10.500 atletas de 206 países sonham para coroar os esforços de anos de treinamento e dedicação. Os organizadores dos Jogos Olímpicos de 2016 encomendaram 2.488 medalhas para recompensar seus atletas, dos quais 812 são de ouro. Mas quanto vale uma medalha de ouro da Rio 2016? Para estimar um valor, a primeira coisa a considerar é que no caso de medalhas olímpicas, nem tudo que reluz é ouro. Sua composição atual é de 92,5% de prata; 6,16% de cobre e apenas 1,34% de ouro. O Comitê Olímpico Internacional estabelece que cada medalha de ouro deve conter pelo menos 6 gramas de ouro 24 quilates. As da Rio 2016 pesam cerca de 500 gramas. Seu valor, calculado com base na sua composição, é de cerca de US$ 600, de acordo com estimativas do Conselho Mundial de Ouro. ...

Leia Mais

Analistas do mercado baixam estimativa de inflação para 2016 e 2017

O mercado financeiro baixou sua estimativa de inflação para este ano e para 2017, ao mesmo tempo em que também passou a prever um "encolhimento" menor do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016. As previsões foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas nesta segunda-feira (8), por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de 100 instituições financeiras foram ouvidas. A previsão do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano recuou de 7,21% para 7,20% na semana passada. A estimativa permanece acima do teto de 6,5% do sistema de metas e bem distante do objetivo central de 4,5% fixado para 2016. Recentemente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a inflação oficial do país voltou a perder força e atingiu 0,35% em junho, a menor taxa desde agosto de 2015. N...

Leia Mais

Dólar fecha semana em queda e renova o menor valor do ano

O dólar fechou em queda nesta sexta-feira (5), renovando o menor valor do ano. A moeda norte-americana caiu 0,8%, vendida a R$ 3,1691. Veja a cotação do dólar hoje. Este é o menor valor de fechamento desde o dia 16 de julho de 2015, quando o dólar encerrou os negócios a R$ 3,1582. Na semana, o dólar caiu 2,28%. No ano, o dólar tem queda acumulada de 19,73%. A divisa chegou a operar perto do zero a zero, a R$ 3,1999 na máxima desta sessão, mas voltou a ampliar as perdas após os preços do petróleo reduzirem a baixa. A Bovespa fechou no maior patamar do ano nesta sexta. O Ibovespa subiu 0,12%, a 57.661 pontos, renovando o maior patamar em 15 meses alcançado na véspera. Veja a cotação da bolsa hoje. No cenário local, operadores citavam fluxos de ingresso de recursos como um dos motivos por trás da queda da moeda norte-americana, como na v&eacu...

Leia Mais

Poupança perde R$ 43,7 bilhões e tem saída recorde de recursos até julho

As retiradas de recursos da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 43,72 bilhões no acumulado dos sete primeiros meses deste ano, informou o Banco Central nesta quinta-feira (4). Foi a maior evasão de recursos para este período desde o início da série histórica, em 1995, ou seja, em 22 anos. O movimento acontece em meio à recessão da economia brasileira, ao aumento do desemprego e da inadimplência. A baixa rentabilidade frente a outras opções de investimentos também tem levado poupadores a fazer retiradas. Em todo ano passado, R$ 53,36 bilhões deixaram a poupança. Foi a primeira vez em dez anos que mais recursos saíram que entraram da caderneta. Também foi a maior fuga de valores desde o início da série histórica do BC para um ano fechado. Somente em julho, a saída de recursos da poupança somou R$ 1,11 bilh&...

Leia Mais

Preços dos imóveis têm queda real de 4,8% em 2016

Os preços dos imóveis têm queda real (considerando a inflação) de 4,5 em 2016, segundo dados da pesquisa FipeZap divulgados nesta quarta-feira (2). Considerando dados até julho, os preços tiveram alta de 0,09% - abaixo da inflação esperada para o período, de 4,84%. Já na comparação mensal, os preços dos imóveis se mantiveram praticamente estáveis em julho, com leve alta de 0,06% em relação aos valores de junho – também abaixo da inflação esperada para o período, de 0,41%. Já na variação dos doze meses terminados em julho, houve queda real de 8% dos preços. Isso porque, enquanto os valores se mantiveram praticamente estáveis, com leve queda de 0,09%, a inflação esperada para o período é de 8,62%. Entre os 20 locais pesquisados, todos tiveram queda real nos pre...

Leia Mais

Produção da indústria cresce 1,1% em junho

A produção da indústria brasileira cresceu 1,1% em junho, na comparação com o mês anterior, apresentando o quarto resultado positivo nessa base de comparação, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (2). "Mesmo assim, a indústria recuperou apenas parte da perda registrada ao longo de 2015 e ainda encontra-se 18,4% abaixo do nível recorde alcançado em junho de 2013", disse o IBGE, em nota. Já em relação a junho do ano passado, o tombo da produção foi de 6%. Apesar do resultado positivo de junho, a atividade fabril acumula queda de 9,1% no primeiro semestre e de 9,8% em 12 meses - a maior desde outubro de 2009, quando chegou a 10,3%. De maio para junho, o que puxou o aumento da produção nacional foi o setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, que cresceu 8,4%. N...

Leia Mais

Balança comercial tem superávit recorde de US$ 28,2 bilhões até julho

A soma das exportações entre janeiro e julho foi US$ 28,23 bilhões superior ao valor das importações no mesmo período, resultando, portanto, em um superávit da balança comercial brasileira, informou nesta segunda-feira (1º) o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Trata-se do melhor resultado para os sete primeiros meses de um ano desde o início da série histórica do Ministério da Indústria, em 1989, ou seja, em 28 anos. Até então, o maior saldo para este período havia sido registrado em 2006: superávit de US$ 25,19 bilhões. O resultado positivo da balança nos sete primeiros meses deste ano também é maior que o superávit registrado em todo ano passado (US$ 19,69 bilhões). De janeiro a julho de 2015, as exportações superaram as importações ...

Leia Mais

Mercado financeiro prevê encolhimento menor do PIB neste ano

Os analistas das instituições financeiras passaram a estimar um "encolhimento" menor do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, informou o Banco Central nesta segunda-feira (1) por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de 100 instituições financeiras foram ouvidas na semana passada. De acordo com o levantamento, o mercado melhorou a estimativa para o nível de atividade neste ano de uma contração de 3,27% para uma queda menor, de 3,24%. O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira. Com a previsão de um novo "encolhimento" do PIB neste ano, essa também será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de queda no nível de atividade da economia – a série hist...

Leia Mais

Nova projeção de vendas injeta ânimo nos investidores do varejo alimentar

Primeiro setor do comércio a reverter o encolhimento do mercado se prepara para avanço real de 0,4% este ano, ante a perspectiva anterior de retração na casa de 1,8% entre janeiro e dezembro Depois de enfrentar um ciclo recessivo, o ramo de supermercados desponta como o primeiro a avançar nas vendas, ainda que timidamente, na comparação interanual. No primeiro semestre, o ganho das redes subiu 0,07%, o que levou o setor a reverter a perspectiva de queda na casa de 1,8% no faturamento para o ano, para avanço de 0,4%% Com exceção das farmácias, que não chegaram a apresentar encolhimento dos ganhos durante a recessão, as vendas nos supermercados foram as primeiras a registrar um crescimento real - já descontada a inflação. Os números foram passados ontem (26) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e, para o presidente do conselho consultiv...

Leia Mais

Brasileiros na faixa dos 30 anos são os que mais atrasam contas

Mais da metade dos brasileiros com idade entre 30 e 39 anos tem contas em atraso, segundo dados divulgados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). De acordo com a pesquisa, 50,19% da população nesta faixa etária terminou o último semestre com o nome inscrito em alguma lista de devedores, totalizando aproximadamente 17,0 milhões de inadimplentes em número absoluto. "Geralmente, nessa idade as pessoas já são chefes de família e têm um número maior de compromissos a pagar, como aluguel, água, luz, entre outras despesas domésticas. Todos esses fatores aliados à falta de planejamento orçamentário e os efeitos da crise econômica, impactam negativamente na capacidade de pagamento", explicou em nota a economista-chefe do SPC Brasil Marcela Kawauti. A ...

Leia Mais

Inadimplência das empresas sobe 12% em junho, dizem SPC e CNDL

Instituições destacam que o indicador vem crescendo com menos força. Setor que inclui bancos lidera a participação no total de dívidas em atraso. A inadimplência entre as empresas aumentou 12,3% em junho na comparação com o mesmo mês de 2015, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (25) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). No entanto, as instituições destacam que o indicador vem crescendo com menos força. Na comparação com maio, a inadimplência caiu 0,71%. Crescimento da inadimplência Variação em % das empresas com contas em atraso Fonte: SPC Brasil e CNDL Nos últimos meses, tanto o número de empresas devedoras quanto o de pendências ligadas a estas empresas seguem em crescimento moderado, já que ambos...

Leia Mais

SPC: Seis em cada dez brasileiros não se preparam corretamente para a aposentadoria

Boa parte dos brasileiros ainda não colocou a preparação correta para a aposentadoria como prioridade na sua vida financeira. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), seis em cada dez brasileiros (64,2%) não se preparam corretamente para a aposentadoria, excluídas as contribuições com o INSS. Os motivos mais citados para a ausência de preparação são a falta de recursos financeiros para este fim (32,7%) e o desconhecimento de como começar a poupar (19,6%). O levantamento mostra que 74,1% dos entrevistados contribuem atualmente para o INSS, seja por meio da empresa em que trabalha ou como autônomo. Para os que vão além da contribuição à previdência social, o preparo para a aposentadoria é feito principalme...

Leia Mais

Governo aponta R$ 16,5 bi em 'riscos fiscais', mas não bloqueia orçamento

O governo federal apontou que há "riscos fiscais" adicionais da ordem de R$ 16,5 bilhões no orçamento de 2016 em relação ao cenário feito anteriormente, e que estes riscos poderiam comprometer o atingimento da meta fiscal deste ano. A informação consta no relatório de receitas e despesas do orçamento deste ano, documento divulgado pelo Ministério do Planejamento nesta sexta-feira (22). A meta fiscal fixada para 2016 é de um déficit de até R$ 170,5 bilhões para as contas do governo neste ano. Anteriormente, o governo já havia liberado recursos para gastos e estimado que o rombo deste ano seria deste tamanho. Com a incorporação dos chamados "riscos fiscais", a previsão de rombo fiscal deste ano subiu para R$ 186,99 bilhões - acima da meta de déficit fiscal de 2016 aprovada pelo Congresso Nacional. Entretanto, o Execut...

Leia Mais

FMI faz previsão de dias melhores para o Brasil

Apesar da recessão ainda em curso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) traçou um cenário mais alentador para a economia brasileira. A instituição fez uma revisão nas suas expectativas e agora prevê uma crise menos severa este ano. E a volta do crescimento já é esperada para 2017. A projeção é que o Produto Interno Bruto (PIB) do país tenha contração de 3,3% em 2016, menos do que o previsto quando o Fundo fez sua reunião em abril em Washington e esperava queda de 3,8%. Para o ano que vem, a aposta é de expansão de 0,5%, ante crescimento zero projetado anteriormente, de acordo com relatório de atualização de projeções divulgado ontem. É a primeira vez que o FMI melhora as previsões para o PIB do Brasil desde julho de 2012. Desde aquele ano, a cada novo relatório, os economistas da instituiç&...

Leia Mais

Só 32% compram com consciência

Um em cada três brasileiros pode ser considerado um consumidor consciente. Antes da compra, ele se preocupa com fatores financeiros e até socioambientais. É o que mostra a pesquisa mais recente do SPC Brasil e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). No ano passado, somente 21,8% dos brasileiros podiam ser enquadrados nessa categoria. Neste ano, houve uma evolução. Eles já somam 32%. Para definir o perfil dos consumidores, foram considerados diversos indicadores relacionados a aspectos específicos de uma compra, como a preocupação com o saldo de sua conta corrente e o impacto ambiental. Um dos indicadores, que observa a habilidade para lidar com os apelos do consumismo e a capacidade de gerenciar as finanças, apresentou evolução. A decisão de frear o impulso de fazer compras desnecessárias, por exemplo, se tornou um hábito mais comum. Cerca de...

Leia Mais

Quatro em cada dez brasileiros já pediram nome emprestado para compras a crédito

Se um amigo te pedisse o cartão de crédito emprestado para fazer uma compra, você daria? E se fosse um familiar? Os pedidos são mais comuns do que se imagina: quase 40% dos consumidores brasileiros já pediram o nome emprestado para fazer compras no cartão de crédito. Na maioria das vezes (35,8%), para adquirir roupas. O dado faz parte de um levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Entre os motivos mais comuns para ter pedido o nome emprestado, estão imprevistos e nome sujo na praça. O preocupante é que a maioria das compras não se voltou a algo essencial. Além de roupas, o nome emprestado foi usado para adquirir calçados (21,6%), celulares (17,7%) e brinquedos (14,5%). Item realmente necessário, as compras de supermercado (11%) apareceram somente em quinto lugar. A ec...

Leia Mais

Compras de roupas e calçados são as mais adiadas por falta de dinheiro

Um levantamento nacional feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que os serviços e produtos que os brasileiros mais têm vontade de adquirir para ficar mais bonito, mas que não compram por limitação financeira são o clareamento dentário (21,0%) e a compra de roupas, calçados e acessórios (16,4%), especialmente entre as pessoas das classes C, D e E e residentes no interior. A pesquisa também procurou saber quais são os produtos ou serviços que os brasileiros têm a intenção de adquirir para ficar mais bonito nos próximos três meses e constatou que os cosméticos estão em primeiro lugar do ranking, com mais da metade das citações (50,7%), seguidos pelas roupas, calçados e acessórios (43,9%) e pelos cuidados com ...

Leia Mais

Cheques caem em desuso com avanço da segurança nos cartões de crédito

  De acordo com recente pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), quase metade dos consumidores que possuem cheque (47,5%) nunca o utiliza na modalidade pré-datada e os principais motivos são a preferência pelo cartão de crédito na hora de parcelar (35,8%), a falta de praticidade (24,8%) e a preferência pelo pagamento à vista (19,5%). Conforme o levantamento, a principal justificativa para o uso do cheque pré-datado é o maior prazo de pagamento, com 38,6% dos consumidores respondentes. Em seguida, 16,6% afirmam optar pelo seu uso para ter poder de compra mesmo quando não tem dinheiro e 12% pela possibilidade de parcelamento das suas compras. Ou seja, o estudo mostrou que a vontade de parcelamento entre os consumidores brasileiros continua, mas houve uma alteração na...

Leia Mais

Governo não pode aumentar carga de tributos

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, afirmou nesta quarta-feira (6), por meio de sua conta no microblog Twitter, que o debate sobre as contas públicas no Brasil está "confuso" e que as sugestões de alguns analistas para melhorar o resultado fiscal "não tem viabilidade política porque a população não quer". Segundo ele, o ajuste fiscal precisa vir de cortes de despesas. "Não podemos mais repetir a velha fórmula de aumentar carga tributária", acrescentou o secretário. Em sua visão, a proposta de emenda constitucional instituindo um teto para os gastos públicos possibilita, pela primeira vez, um ajuste das contas do governo pelo lado da despesa. Ele avaliou, porém, que isso "não ocorre em um ano".  "O ajuste fiscal agora precisa ser pelo lado da despesa ...

Leia Mais

Volatilidade cambial e juros inibem investimento em infraestrutura

O diretor presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base (Abdib), Venilton Tadini, criticou a falta de uma política cambial que amenize as fortes variações na cotação do real frente ao dólar, como tem acontecido ao longo do último ano. Essas oscilações atrapalham os investimentos estrangeiros em projetos de longo prazo no País, um dos fatores necessários para alavancar os empreendimentos de infraestrutura para aumentar a competitividade do Brasil, segundo Tadini. "A volatilidade nos últimos 12 meses afasta a possibilidade de cálculo de retorno para projetos de longo prazo. Enquanto não tivermos uma política cambial consistente, não poderemos contar com os recursos externos", afirmou nesta quinta-feira, 30, durante reunião organizada pela consultoria GO Associados, onde apontou os desafios para estimular os em...

Leia Mais

Número de empresas inadimplentes cresce 13,01% em maio

O número de empresas inadimplentes voltou a crescer em maio deste ano, avançando 13,01% na comparação com o mesmo mês do ano passado. O levantamento é do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Além do aumento no número de empresas inadimplentes, houve também um crescimento na variação da quantidade de dívidas em atraso em nome de pessoas jurídicas: 16,21% a mais em maio deste ano, em relação a maio do ano passado. Já na passagem de abril para maio, sem ajuste sazonal, a alta foi de 0,71% na quantidade de empresas inadimplentes e de 0,86% no volume de dívidas. Os dados levam em consideração todas as regiões brasileiras com exceção do Sudeste, onde vigora no estado de São Paulo a Lei Estadual nº 15.659 que dificulta a n...

Leia Mais

Simplificação tributária: única saída

O sistema tributário brasileiro é um dos mais complexos do mundo. Complexo pela quantidade de impostos e taxas que subsistem, criando incidência de bitributação e abrindo exceções que tornam a base tributária restrita a um menor número de contribuintes. A primeira consequência desse tipo de sistema é tornar a carga de impostos regressiva, ou seja, o esforço tributário acaba pesando sobre os contribuintes de menor poder econômico. Outra consequência grave é o elevado custo de administração tributária pelas empresas. De tanta legislação e requisitos normativos, as empresas precisam contratar especialistas para recolher corretamente os impostos. Chama atenção a carga tributária em torno de 35% do PIB, ou seja, mais de um terço de tudo o que se produz no País se destinam aos cofres públicos. Em termos ...

Leia Mais

Novo serviço do SPC Brasil agiliza entrega de documentos em todo país

A mais recente novidade do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) facilita a vida de consumidores em todo Brasil. Com o SPC Cartórios, todo o trabalho de solicitar documentos oficiais nesses órgãos e outras instituições é facilitado. São mais de 60 tipos de documentos disponibilizados, como histórico escolar, tradução juramentada, certidão de nascimento, casamento e batismo, reconhecimento de firma, certidão de protesto, matrícula de imóveis. Uma das principais facilidades e utilidades do novo serviço é que o consumidor consegue documentos emitidos em outras localidades. "Pela internet ou no balcão da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) da cidade, será possível fazer esse tipo de solicitação e receber onde quiser, com total comodidade, evitando processos burocráticos e altos custos com transp...

Leia Mais

Vendas do Dia das Mães caem pelo 3º ano seguido

Recuo foi de 16,4% frente ao ano passado, informaram CNDL e SPC Brasil. Forte queda das vendas é reflexo da crise econômica, avaliou economista. Indicador calculado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) mostra que o volume de vendas parceladas na semana anterior ao Dia das Mães caiu 16,4% em relação ao mesmo período que antecedeu a data comemorativa no ano passado. Com isso, pelo terceiro ano consecutivo, houve queda nas consultas para vendas a prazo. A queda de 2016 se segue a um leve recuo de 0,59% verificado em 2015. Em períodos anteriores, as variações foram de -3,55% (2014), +6,44% (2013), +4,40% (2012), +6,53% (2011) e de +9,43% (2010), informaram as entidades. "A forte queda no volume de vendas desse ano é reflexo da crise econômica pela qual o Brasil passa, com inflaç&at...

Leia Mais

Setor de Serviços lidera entre total de dívidas de empresas

O setor de Serviços, que engloba os bancos e financeiras, lidera a participação no total de dívidas em atraso das empresas em todas as regiões pesquisadas pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Segundo o Indicador de Inadimplência de Pessoas Jurídicas, em março de 2016 o maior crescimento anual no número de pendências atrasadas do segmento de Serviços foi de 21,21% no Nordeste, seguido por uma variação de 16,75% no Centro-Oeste, 14,41% na região Norte e 13,39% no Sul. Os dados do Sudeste não foram divulgados devido à Lei Estadual nº 15.659, que vigora no estado de São Paulo e dificulta a negativação de pessoas físicas e jurídicas no estado. O segundo maior credor em todas as regiões analisadas é o setor de Com&eacu...

Leia Mais

Confiança das MPEs cai 12% em abril

A confiança dos micro e pequenos empresários caiu 12,1% em abril, na relação com março, segundo indicador divulgado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). Com isso, a confiança chegou a 37,92 pontos - o menor número desde setembro do ano passado. O indicador varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, mais confiante está o micro e pequeno empresário consultado. O resultado de abril mostra que os empreendedores estão na zona do pessimismo - trajetória já revelada nos últimos. O indicador avalia as condições atuais e as expectativas desses empresários residentes nas 27 capitais e no interior. Segundo a pesquisa, 85% dos empresários entrevistados consideram que a economia piorou nos últimos seis meses, contra apenas 5,1% que re...

Leia Mais

Valor médio do presente de Dia das Mães deve ser de R$ 93

Quase metade dos brasileiros gastarão menos neste ano, mostra CNDL. As roupas lideram as preferências entre quem pretende presentear. O valor médio dos presentes de Dia das Mães neste ano será de R$ 93,55, segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Esse valor, no entanto, refere-se à média do gasto pretendido entre os consumidores que sabem o quanto irão desembolsar neste ano com cada presente. Segundo o levantamento, 38,3% dos consumidores ainda não sabe ou não decidiu o valor da compra do Dia das Mães. Com a recessão e aumento do desemprego, quase metade (47,5%) dos consumidores disseram que planejam gastar menos com o presente deste ano na comparação com 2015. A data é a segunda mais importante para o varejo em volume de vendas e faturamento, fica...

Leia Mais

Indústria de eletrônicos sofre retração drástica com aperto do consumo

O setor de eletrônicos e informática liderou a forte retração da indústria em março, derrubado pelo encalhe nas vendas de televisores, aparelhos celulares, computadores, geladeiras e fornos de microondas. O tombo foi de 31,1% ante março de 2015, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Até a indústria automobilística, que coleciona repetidas quedas na produção, caiu menos que o setor: 23,8% em março. Foi o 22º mês de contração dos eletroeletrônicos, que fecharam o 1º trimestre com atividade 26,8% menor, mostram dados do IBGE agregados pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). O segmento de bens duráveis – aqueles que têm vida longa e só são descartados após muito uso – é o que mais sofre com a perda da capacid...

Leia Mais

Crise vai deixar mais mães sem presente este ano

A crise econômica vai “minguar” o dia das mães este ano e deixar muita gente sem presente. Segundo pesquisa da Boa Vista SCPC, só 61% dos entrevistados pretendem comprar presentes para comemorar a data – no ano passado, essa parcela era de 75%. A maioria (55%) diz que não poderá comprar nada por não ter condições financeiras ou por estar endividada. E entre as mães que ganharem presentes, muitas terão que se contentar com coisas mais modestas: 52% dos consumidores afirmam que vão gastar menos este ano que em 2015. Entre os entrevistados, 75% dos que irão presentear pretendem gastar até R$ 200. O valor médio será de R$ 197 – o que representa 28% menos que o gasto no ano passado. A Boa Vista também aponta que os consumidores pretendem dar presentes a outras pessoas, além das mães, nessa data. Segundo o levantamento, 44% vão pres...

Leia Mais

Destine dinheiro ao planejamento e à educação financeira

Ter as contas atrasadas virou rotina para pelo menos 58 milhões de brasileiros. Isso significa que, atualmente, mais de um terço da população brasileira está com dívidas, de acordo com levantamento feito em conjunto pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Somente em março deste ano, 700 mil pessoas entraram para a lista de inadimplentes, elevando o saldo de negativados para 7,5% a mais do que foi registrado em março de 2015. O cenário é, muitas vezes, resultado da "cultura tapa-buraco". O termo é explicado por Aigo Pyles, administrador de empresas e sócio da Gênesis Associados - grupo que oferece consultoria financeira para diferentes perfis de clientes. Com exemplo simples, Pyles comenta que a opção pelo "barato" pode sair caro. Traduzindo: é melhor d...

Leia Mais

Número de empresas endividadas cresceu 11,08% nos últimos 12 meses

Estudo abrangeu as regiões Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte; em São Paulo, inibe-se a negativação de empresas. Aumentou o número de empresas endividadas no Brasil nos últimos 12 meses. A constatação é de pesquisa divulgada nesta quarta-feira (27) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. O estudo abrangeu apenas as regiões Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte, pois na região Sudeste o estado de São Paulo tem legislação que inibe a negativação das empresas. De acordo com a pesquisa, nessas quatro regiões o número de empresas inadimplentes, na base de dados do SPC, aumentou 11,08%, em março deste ano, comparado a março de 2015. A região onde houve maior crescimento na inadimplência de empresas foi a Nordeste, com avanço de 16,...

Leia Mais

Pouca esperança com Dia das Mães

A segunda principal data para o varejo, o Dia das Mães -- que fica atrás apenas do Natal --, não deve tirar o setor do vermelho. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), é esperado um recuo de 4,1% nas vendas deste ano, com movimento de R$ 5,7 bilhões. Se a previsão for confirmada, esse será o pior desempenho da data desde o início da série, em 2004. "A expectativa negativa não é surpresa diante do que vem acontecendo; tem sido um ano de perdas para o comércio nas datas comemorativas. Vimos algo parecido acontecer na Páscoa. As próximas datas tendem a seguir o mesmo caminho e registrar os piores índices", apontou Fábio Bentes, economista da CNC. A queda, no entanto, não será generalizada. Os setores de artigos de uso pessoal e doméstico e de vestuário, calçados...

Leia Mais

Um em cada dez brasileiros com dívidas por emprestar nome a terceiros

A solidariedade, que é uma característica importante para a vida em sociedade e é presente no perfil do trabalhador brasileiro, vem trazendo alguns problemas para essas pessoas: nome sujo no Sistema de Proteção ao Crédito (SPC). Segundo uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), um em cada dez consumidores (11,2%) que estão ou ficaram no "vermelho" há, no máximo, doze meses, alegam que o motivo foi ter emprestado o nome para outra pessoa fazer compras ou tomar empréstimos. "Não é uma atitude, nem de longe, aconselhável. Porque o bem comprado vai e a dívida fica", comenta a economista-chefe do SPC Brasil Marcela Kawauti. "Afinal, quem está pedindo dinheiro já é porque não tem 'crédito na praça’ e possivelmente não consiga pagar depoi...

Leia Mais

Crise faz varejo antecipar recebíveis

A escassez de funding e o enfraquecimento da geração de caixa têm forçado varejistas a recorrer com maior intensidade a um instrumento essencial para manter suas operações: a antecipação de recebíveis. O processo traz ao caixa valores de vendas a prazo e pode até mesmo levar em conta vendas ainda não realizadas. Os riscos, porém, avaliam analistas, incluem não só juros elevados, mas a possibilidade de esse fôlego não ser suficiente e as empresas serem obrigadas a reestruturarem suas dívidas já que as indicações são de um cenário macroeconômico difícil por pelo menos um ano. Embora o risco seja considerado mais elevado para os varejistas de menor porte, especialistas afirmam que a antecipação de recebíveis tem sido a alternativa de todo tipo de rede de varejo em um cenário de crédito mai...

Leia Mais

Carga tributária é a principal barreira para jovens

Não são apenas grandes empresas que reclamam do tamanho da carga tributária do País. Pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), com empreendedores com idade entre 18 e 34 anos, mostra que estrutura e carga tributária são as principais reclamações desses jovens. Segundo a pesquisa, 43,8% dos entrevistados sentem falta de políticas públicas que facilitem o pagamento de impostos. Outros 36,3% dos entrevistados acreditam que deveria haver uma redução dos tributos e impostos cobrados de empresas que são geridas por jovens. Além disso, 39,5% dos entrevistados pedem mais cursos gratuitos para novos empresários sobre gestão, finanças, planejamento e tecnologias. O levantamento ainda apurou que apenas 25% desses jovens empreendedores não se...

Leia Mais

Maduro na tecnologia, pagamento móvel precisa convencer usuário

Percorrer as ruas de Miami de táxi não requer carteira ou cartão de crédito: paga-se a corrida com o celular, usando o Android Pay. Em Las Vegas, outdoors cobrem fachadas inteiras de cassinos e hotéis: ali, aceita-se Samsung Pay. Em grandes cidades norte-americanas, compra-se de tudo com o Apple Pay. Somados aos cartões de crédito, débito e pré-pagos, os três produtos parecem indicar um futuro em que as velhas notas de papel serão exclusividade de colecionadores. Em uma pesquisa com 1503 pessoas feita pela IEEE, umas das maiores associações de profissionais de tecnologia do mundo, 70% dos entrevistados, todos tecnologistas, dizem que os pagamentos móveis serão seguros o suficiente para que o dinheiro vivo esteja morto até2030. Por outro lado, um estudo da consultoria Accenture, conduzido entre junho e julho do ano passado, dá conta de que 52% dos norte-american...

Leia Mais

Seis em cada dez brasileiros não sabem quanto devem

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) identificou quais são as principais dívidas e o comportamento frente ao processo de recuperação de crédito dos atuais inadimplentes e de quem esteve nessa situação há no máximo doze meses. Os dados indicam uma situação crítica no orçamento dos brasileiros: seis em cada dez consumidores (58,9%) não sabem quanto estão devendo e 36,0% não sabem também a quantidade de empresas para que devem. Entre os que têm conhecimento, o valor médio das dívidas chega a R$ 3.422,29. O estudo mostra que este descontrole também é expressivo em relação ao desconhecimento do número de parcelas realizadas no momento da compra e que das que não foram pagas. N...

Leia Mais

Confiança do comércio e do consumidor recuam em março

A confiança do comércio, medida pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), recuou 1,7 pontos neste mês, atingindo 67,1 pontos, quarto menor valor da série iniciada em março de 2010 (73 observações). Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 0,7 ponto, na terceira alta consecutiva. De acordo com o superintendente adjunto para ciclos econômicos da FGV/IBRE, Aloisio Campelo Jr., o resultado confirma a relativa estabilização, desde outubro passado, da confiança do comércio. — O setor continua encontrando dificuldade para evitar a contínua queda das vendas e das margens de lucro. Além do ambiente econômico desfavorável, o aumento da incerteza no ambiente político contribuiu negativamente para a queda do índice de confiança do comércio em março. A queda do otimismo no comércio ocorr...

Leia Mais

Vendas fracas derrubam preços dos ovos de Páscoa em até 73%

Quem deixou para comprar os ovos de Páscoa na última hora conseguiu fazer uma economia de até 73%. Com a baixa procura, o varejo derrubou os preços do chocolate e investiu em condições especiais de pagamento para evitar o encalhe do produto. De acordo com o Clube dos Diretores Lojistas (CDL) do Rio de Janeiro, no ano passado, 73,5% do estoque foi vendido uma semana antes da Páscoa, contra 52,5% neste ano. - A Páscoa no ano passado já foi fraca e este ano está sendo ainda pior. Com a recessão, a Páscoa virou uma xepa de feira: quanto mais próximo do fim, mais barato. E os preços vão cair ainda mais, já que os varejistas não podem estocar os ovos - analisa Carlos Thadeu de Freitas, economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio (CNC), que mesmo com todas as promoções, espera vendas 3,2% menores do que ano passado. No Superm...

Leia Mais

Missões comerciais despertam interesse estrangeiro em mercado Goiano

Em entrevista ao Jornal A Redação, o diretor de estratégia e aliança do Conselho de Negócios Brasil-Austrália (Australia Brazil Business Council -AUBRBC), Vinícius Cardoso, afirmou que missões comerciais são grandes impulsionadores do interesse estrangeiro no mercado Goiano. Segundo Vinícius, que participou da última missão do governador de Goiás, Marconi Perillo, na Oceania, em fevereiro, vários empresários australianos já estão em interlocução com lideranças goianas. “Acho que existe uma grande motivação para abrir relações comerciais bilaterais. O governador fez uma excelente exposição das potencialidades do Estado de Goiás durante a missão. Muitos empresários ficaram impressionados com a capacidade do setor de agroindústria, geração de energia, tecnolog...

Leia Mais

Investimento em expansão de varejo cai novamente em 2016

Depois de um ano de freada nos investimentos, o varejo tende a manter os planos de aberturas de novas lojas estagnados. A maior parte das grandes redes abandonou o curso das inaugurações, que vinham se acelerando, pelo menos, desde 2010. Para 2016, o cenário tende a continuar fraco e, em alguns casos, as perspectivas são ainda mais conservadoras do que as de 2015 "Dada a expectativa de que 2016 e 2017 ainda sejam muito ruins para as vendas, o varejo precisa fazer essa parada, o volume de lojas novas esse ano vai ser pequeno", diz Ana Paula Tozzi, CEO da GS&AGR Consultores. Ela lembra que as redes acabam abrindo alguns poucos pontos de venda ao enxergar oportunidades de entrar em regiões de interesse, mas, ao mesmo tempo, seguem revendo operações e fechando lojas abertas durante períodos mais otimistas da economia e que ainda não dão lucro. Entre as companhias de varejo de moda, a mudança de...

Leia Mais

Atividade econômica recuou pelo 11º mês seguido

O indicador de atividade do BC mostrou que a economia brasileira começou 2016 com sinais de aprofundamento da recessão verificada nos últimos trimestres. A atividade econômica recuou 0,61% no primeiro mês do ano em relação a dezembro, de acordo com o IBC-Br, divulgado nesta segunda-feira (14). Foi a 11º primeira que da seguida na comparação com o mês anterior. Em relação ao mesmo período de 2015, o recuo foi de 8,12%, o maior já registrado pelo indicador na série histórica iniciada em 2003. O indicador do BC veio pior que o projetado pelo mercado. Analistas esperavam estabilidade em relação a dezembro e uma queda menor na comparação anual, devido a sinais de melhora nos dados da indústria. Pesaram, no entanto, as retrações em outros setores da economia, como comércio e serviços. No acumulado em 12 me...

Leia Mais

Crise econômica pune setores produtivos e os consumidores (Opinião)

A retração da economia continua a prejudicar diversos setores. Perverso sinalizador disso é a continuidade das demissões nas empresas. A insegurança com relação aos investimentos e as dificuldade relativas ao Custo Brasil ceifam postos de trabalho, colocando em risco o processo de inclusão social. A sociedade é a maior prejudicada. Embora a inflação tenha fechado em 0,90% em fevereiro, taxa menor do que a de janeiro (1,27%), ainda acumula dois dígitos em 12 meses, sendo projetado índice de 10,36% ao ano. Ou seja, algo longe da meta de 4,5%, com viés de 2%. O aperto monetário e o desestímulo aos financiamentos por causa dos juros acabam reduzindo muito os investimentos em produção e, por consequência, retraem o mercado de trabalho. A busca por reverter o quadro deverá ocorrer no cenário político. A maior parte dos problemas que pr...

Leia Mais

Comprometer, no máximo, 70% do salário ajuda o consumidor a ter uma saúde financeira

De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), de 2015 para 2016, 3,4 milhões de novos devedores foram incluídos na lista de inadimplentes, totalizando 58 milhões de devedores. Para não ser mais um nesse rol, a Fiel Consultoria orienta que é preciso fazer uma auditoria nos gastos. "Deve-se começar fazendo o levantamento no seu orçamento, verificando os percentuais que são destinados para custos diários e domiciliares, como água, luz e telefone. Isso, é essencial para manter uma economia doméstica saudável", garante o consultor Cristian Miguel. A recomendação padrão é não comprometer mais do que 70% do seu salário mensal. O consultor ressalta que o tempo todo, o consumidor recebe estímulos para comprar, mas é preciso ser muito consciente dos seus gastos. "As empresas não existem apen...

Leia Mais

Eficiência das forças de segurança nas manifestações

O Vice-governador e secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSAP), José Eliton usou sua página no Facebook para se manifestar sobre os protestos deste domingo (13/3). “Vivemos um momento histórico com as manifestações que tomaram as ruas neste 13 de março”, diz um trecho do texto.  José Eliton expressou o seu “orgulho pelo alto grau de profissionalismo e competência de nossas forças de segurança pública que acompanharam toda movimentação em Goiânia e demais municípios, assegurando a tranquilidade dos participantes, e evitando quaisquer incidentes. Não tivemos nenhum registro relevante em Goiás”.  José Eliton diz que as “guarnições policiais prestaram aos goianos um serviço de proteção à altura do que aspiramos, co...

Leia Mais

Empresas cortam investimentos para tentar se adequar ao ambiente de crise

Sem uma expectativa de retomada da economia brasileira no horizonte, cada vez mais empresas estão reduzindo seus programas de investimento, na tentativa de se adequarem ao ambiente da crise atual, que muitos economistas classificam como a pior da história do País. Com os números já anunciados pelas companhias, os cortes previstos para 2016 atingem bilhões de reais, puxados especialmente pela Petrobras. E tal cenário acaba criando um ciclo vicioso, ao contribuir para uma queda ainda mais pronunciada do PIB (Produto Interno Bruto). Somente para 2016, a Petrobras pretende investir US$ 20 bilhões, 25,9% menos que o sinalizado em junho do ano passado. A simples redução dos investimentos não bastará para solucionar os problemas de liquidez e a elevada alavancagem da estatal petroleira, que já avalia a venda de ativos para gerar caixa e honrar as dívidas com vencimento no curto prazo. Muita...

Leia Mais

58 milhões de devedores estão negativados

3,4 milhões de novos devedores foram incluídos nas listas de inadimplentes desde o início de 2015, segundo estimativa. Alta das dívidas com contas básicas, como água e luz, se destaca entre as regiões O número de consumidores brasileiros com contas em atraso já soma 58 milhões de devedores em todo o país. O dado é do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e representa 39,21% da população entre 18 e 95 anos. O SPC Brasil estima que 3,4 milhões de novos devedores foram incluídos nas listas de inadimplentes desde o início de 2015, quando a estimativa apontava para 54,6 milhões de negativados. Os dados mostram que, ainda que a lei 16.569/2015 esteja dificultando a negativação dos inadimplentes no estado de São Paulo, o número de consumi...

Leia Mais

Gasto menor dos consumidores começa a frear avanço da inflação

A inflação ainda não deu sinais consistentes de desaceleração em resposta à crise, como prevê o Banco Central. Mas a menor demanda de consumidores começa a amainar o avanço de preços de alguns bens e serviços. Esses pequenos sinais foram percebidos em fevereiro nos preços de itens como alimentação fora de casa (restaurantes e lanchonetes), dentistas e médicos, passagens aéreas, produtos de limpeza, motéis e hotéis. "Talvez seja o primeiro mês em que podemos evidenciar esse comportamento. É um movimento inicial e que não é ainda generalizado, até porque o câmbio e impostos afetaram outros preços no período", disse Eulina Nunes dos Santos, técnica do IBGE. Mesmo as mensalidades dos chamados "cursos regulares" –desde as creches até a pós-graduaç&atild...

Leia Mais

Aplicativos e monitoramento de redes sociais são alvo de lojista

Integrar operações físicas e eletrônicas para fisgar consumidores cada vez mais conectados e, ao mesmo tempo, menos fiéis às marcas. Esta é a tendência no varejo brasileiro, que recorre a aplicativos e monitoramento das redes sociais como ponto de partida para uma estratégia nesse sentido. "Ao invés de pensar em termos de meios on-line e off-line, os varejistas astutos adotam uma abordagem integrada para alavancar as vendas nos dois meios e proporcionar uma experiência envolvente para os consumidores, não importando se fazem compras na loja física ou virtual", diz o presidente da Vertical Global, Patrick Dodd. Em parceria com a consultoria Nielsen, a empresa elaborou uma pesquisa em mais de 20 países, com 13 mil clientes, e revelou como os consumidores estão agindo em relação ao comércio nas redes sociais, além de quais ferramentas têm ...

Leia Mais

E-commerce turbina microempresas

O Mercado Livre divulgou nesta semana uma pesquisa realizada em parceria com o instituto Ibope Conecta que aponta crescimento médio de 45% em vendas feitas por médias, pequenas e microempresas (MPMEs) por meio da internet. Segundo o estudo, 81% das MPMEs que atuam no e-commerce apresentaram crescimento. O resultado é superior à expectativa dos lojistas, que contavam com um crescimento médio de 25%. Os entrevistados atribuem seu crescimento a fatores internos, como ampliação da oferta de produtos e serviços (segundo 78%), frete grátis (34%) e investimento em tecnologia (33%). Entre os fatores externos, 48% acreditam que colaborou o aumento da confiança do consumidor em transações on-line e, para 47%, a expansão do acesso à internet entre a população. Essa é a segundo edição da pesquisa realizada pela plataforma em parceria com o instituto. O estud...

Leia Mais

OAB e mais de 100 entidades lançam movimento nacional contra CPMF

Agora chega de aumentos na carga tributária. Foi esta a mensagem transmitida pela OAB Nacional e por mais de 100 outras entidades da sociedade civil, que se reuniram na manhã desta quarta-feira, 2 der fevereiro, em Brasília. Cobrando do governo a boa aplicação dos já fartos recursos arrecadados dos cidadãos, os participantes contam agora com a mobilização de todos os brasileiros nesta luta. O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, ressalvou logo no início do ato que o movimento não tem donos, sendo a união dos esforços de cada entidade que trará sucesso à empreitada. Segundo o advogado, a Ordem replicará o evento desta quarta em todas as suas 27 seccionais, permitindo que a mensagem chegue ao maior número de pessoas. Todas as entidades de alcance nacional farão o mesmo movimento. Presente no evento, o presidente da OAB-TO, Walter Ohofugi, criticou q...

Leia Mais

Mais da metade das MPEs registra piora no desempenho

O Indicador de Confiança dos micro e pequenos empresários (MPEs) calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) atingiu os 43 pontos, abaixo do nível neutro de 50 pontos, demonstrando que os empresários continuam pouco confiantes com as condições econômicas do país e de seus negócios. O levantamento do SPC Brasil mostra que 56% dos micro e pequenos empresários notaram uma piora em seus negócios nos últimos seis meses. Em relação à economia do país, esse percentual aumenta para 78%. "O impasse político e o aprofundamento da recessão acabaram por reforçar a crise de confiança que já existia, iniciando um ciclo vicioso de descrédito na economia e queda da atividade", analisou em nota o presidente do SPC Brasil, Roq...

Leia Mais

Recolocação no mercado de trabalho pode levar até 8 meses

Em 2011, apenas cinco anos atrás, quando a taxa de desemprego ainda era de 6% - a menor da história -, a média de tempo para recolocação no mercado de trabalho era de 1 mês. Um dos maiores efeitos da crise econômica pela qual o Brasil passa é o desemprego: segundo a Pesquisa Mensal do Emprego feita pelo IBGE, a taxa de pessoas desempregadas cresceu de 6,9% em dezembro para 7,6% em janeiro. Além do desemprego, o que também preocupa os brasileiros é a recolocação no mercado, que, segundo estimativa realizada pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), deve levar cerca de oito meses. O levantamento foi feito com base em novos dados do IBGE sobre o desemprego, cuja taxa avançou mais de 2 pontos percentuais em 2015 -- um total de 1,7 milhão de pessoas desempregadas no final do ano. Em 2014, esse número era 42,5% menor. Em 2011, apenas cinco ano...

Leia Mais

Redes sociais assumem o comando do consumo

O consumo recebe influência direta das redes sociais. Prova disso é o resultado da pesquisa "O Perfil de Consumo das Mulheres Brasileiras", do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O levantamento revelou que 64,8% das brasileiras entrevistadas já mudaram os hábitos de compra em função das redes sociais. Em outras palavras, o fato de acompanhar posts, dicas e comentários têm algum efeito sobre o cotidiano e comportamento de consumo da mulher brasileira, fazendo com que ela passasse a comprar produtos sugeridos ou mudasse algumas prática do dia a dia. De acordo com os dados obtidos, as redes sociais são utilizadas por 94,3% das entrevistadas. A plataforma mais popular é o Facebook, citado por 89,2% das mulheres entrevistadas, seguido pelo Youtube (43,4%) e pelo Instagram (34,4%). A pesquisa tam...

Leia Mais

Crise faz pequenas empresas fugirem de crédito e investimentos

A crise está assustando os empreendedores. O levantamento mensal feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 86,7% das pequenas empresas não pretendem buscar crédito nos próximos três meses. O indicador, que vai de 0 a 100, está em 12,15 pontos, abaixo dos 13,14 pontos de dezembro. Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a desaceleração da economia e a alta dos juros estão contribuindo para este cenário. Na pesquisa, os empreendedores dizem que é possível manter os negócios sem buscar recursos externos. Entre as empresas que pretendem buscar dinheiro, a modalidade mais citada foi o microcrédito (32,8%), seguido por cartão de crédito empresarial (13,1%). Este crédito será usado, em 72% dos casos, para compra de maquiná...

Leia Mais

Número de companhias negativadas cresce 14,5%

O número de empresas negativadas cresceu 14,5% em 2015, ante 2014, em todas as regiões do País, excluindo o Sudeste, de acordo com o indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). A aceleração da inadimplência ao longo do último ano foi observada nas regiões Nordeste, Sul, Centro-Oeste e Norte, sendo no Nordeste, o maior aumento no número de empresas negativadas em 2015, com avanço de 17,35% na comparação com 2014. Em seguida, o Centro-Oeste registrou avanço de 14,84% na mesma base de comparação e o Sul com 12,09%. Em janeiro de 2016, na comparação com o mesmo mês de 2015, a região Nordeste registrou leve desaceleração da inadimplência e a variação anual passou de 17,35% para 16,38%. No Centro-Oeste, a compara...

Leia Mais

De olho no estoque

Adotar cautela no volume de estoques tem sido uma estratégia escolhida cada vez mais pelo varejo, que busca se adaptar ao cenário de 2016, de uma economia arrefecida e impactada diretamente pela crise. Com isso, os pedidos à indústria devem seguir o mesmo ritmo desacelerado de vendas. Conforme a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), isso é um bom termômetro, já que boa parte do setor se mostra atento e acredita que a melhor saída é adotar um volume mais adequado de mercadorias para evitar alto índice de encalhe e prejuízo. Uma comprovação disso é que neste mês houve maior proporção de empresários que afirmaram exatamente estar com os estoques em situação adequada, após amargar alguns meses de encalhe de algumas categorias nas prateleiras nas lojas. N...

Leia Mais

Crise derruba vagas temporárias de Páscoa

A crise derrubou não apenas o emprego regular, mas também as contratações temporárias para datas comemorativas. Para a Páscoa, a expectativa é que 55 mil vagas sejam abertas na indústria e no comércio em todo o País. É um número 35% menor em relação às vagas temporárias abertas no mesmo período de 2015 e a menor marca desde 2009, quando a Federação Nacional dos Sindicatos de Empresas de Recursos Humanos, Trabalho Temporário e Terceirizado (Fenaserhtt) iniciou o levantamento. "O cenário é preocupante: o mercado nãoestá aquecido e as empresas estão contratando muito pouco", diz a gerente da Fenaserhtt, Joelma de Matos Dantas. Desconfiança. De acordo com a pesquisa, que tem como amostra as empresas de trabalho temporário que prestam serviços para o varejo de hiper e supermercados, lo...

Leia Mais

89% acreditam que situação econômica do País vai melhorar em 2016

Apesar dos números nos noticiários aparecerem desanimadores, com aumento da inflação e diminuição do poder aquisitivo da população, entre outros fatores, uma pesquisa da Randstad, empresa multinacional de Recursos Humanos, apontou que 89% dos brasileiros acreditam que a situação econômica do País irá melhorar ao longo de 2016. A expectativa positiva no Brasil só não é maior que na Índia, onde 90% das pessoas responderam acreditar em uma retomada ainda este ano. A média mundial, no entanto, ao contrário dos números anteriores, mostrou-se mais baixo, com 58%. Na outra ponta da lista, puxando a média global para baixo, está a Grécia com 19%. O otimismo dos brasileiros se reflete também no que se refere à expectativa de receber um aumento salarial em 2016. Os brasileiros, por exemplo, estão em terceiro lug...

Leia Mais

Consumo de combustíveis registra em janeiro menor volume desde 2013

O consumo de combustíveis no Brasil deve ter caído 12% e registrado em janeiro o menor volume desde igual mês de 2013. Dados compilados pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) e que serão divulgados ainda nesta sexta (19) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostram que a demanda no mês passado foi 4,17 bilhões de litros. Há três anos, foram 3,94 bilhões de litros. Em 2014, o volume alcançado foi de 4,36 bilhões de litros e, em 2015, de 4,73 bilhões de litros De acordo com a entidade, o etanol hidratado apresentou queda de 3,2% em relação a janeiro de 2015. Desde de novembro de 2014, o consumo de hidratado se manteve acima de 1,2 bilhão de litros. Mas quando comparado a janeiro de 2014 e 2013, observa-se aumentos de 9,64% e 38,32%, respectivamente. Por sua vez, no mercado dos com...

Leia Mais

Fartura de dólares

Há dinheiro saindo pelo ladrão no mercado internacional. Só o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) despejou US$ 3,5 trilhões no mercado global. Há oito anos, os grandes bancos centrais vêm trabalhando a juros muito próximos do zero. E, agora, toma corpo o que antes apenas excepcionalmente chegou a acontecer: os grandes bancos centrais ou já começaram a operar com juros negativos ou vêm estudando a partir para essa. Juro zero ou juro negativo (abaixo de zero) é a situação em que o dinheiro está tão abundante que o preço pago por ele (no crédito, por exemplo) fica insignificante. No caso dos juros negativos, em vez de ganhar dinheiro com aplicações financeiras, o investidor tem de pagar para que o banco aceite ficar com o dinheiro dele. Quando um banco central opera a juros negativos, os bancos também têm de pagar para dei...

Leia Mais

Crise faz crescer inadimplência das contas de água e luz

O número de consumidores brasileiros com contas atrasadas registrou um crescimento nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Norte e Sul em janeiro e as contas básicas, como água e luz, são o destaque, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Os especialistas responsáveis pelo levantamento estimam que com a crise econômica e a alta do desemprego, a inadimplência seguirá avançando em 2016, mesmo com o aumento da seletividade na concessão do crédito. Das quatro regiões pesquisadas pelo SPC Brasil, a Nordeste foi a que registrou avanço mais expressivo no total de consumidores com contas em atraso na comparação com janeiro de 2015, com alta de 6,86%, seguido por Sul (4,77%), Centro-Oeste (4,59%) e Norte (3,71%). Em relação a dezembro do ano passado, todas as re...

Leia Mais

Em Goiânia, Shopping Cerrado vai gerar cerca de 3 mil empregos

O Shopping Cerrado, que será  inaugurado no dia 19 de abril, na Avenida Anhanguera, Setor Aeroviário, em Goiânia, vai gerar cerca de 3 mil empregos no primeiro semestre de 2016, sendo 250 profissionais ligados diretamente ao shopping. Com área bruta locável (ABL) de 27.805 m² em um terreno com área total de 65 mil m², o centro de compras vai contar com 151 lojas, sete salas de cinema Stadium Cinépolis, e 2.094 vagas de estacionamento. Marcas como Riachuelo, Renner, Magic Games e Kalunga já confirmaram presença. Segundo o superintendente do shopping, Humberto Moreira, a contratação das equipes já está sendo realizada. “Teremos cerca de 250 profissionais entre orgânicos e terceirizados ligados diretamente ao Shopping, que ocuparão cargos administrativos e operacionais, além dos profissionais que trabalharão nas lojas”. O Shopping Cerrado...

Leia Mais

Varejistas de médio porte puxaram o fechamento de lojas ao longo de 2015

Com menos poder de barganha para segurar a operação na crise do que grandes redes, e com mais empregados que os pequenos, 15,7 mil operações de até 100 funcionários foram encerradas. Esse foi o cenário para empresas com menos capital de giro para se sustentar durante o período de baixa nas vendas, os varejistas de médio porte foram os que mais fecharam as portas ao longo de 2015, segundo levantamento da CNC. Com 16,5% menos lojas em 2015, na comparação com 2014, os lojistas com até 100 funcionários passam por um cenário desafiador. "Eles são grande demais para ser pequenos, e pequenos demais para ser grandes", resume o professor de macroeconomia e especialista em varejo pela Universidade de São Paulo (USP), César Beltrão. Na visão do acadêmico, o crédito mais caro e a folha de pagamentos elevada são alguns dos fatores q...

Leia Mais

Governo amplia crédito do BNDES para destravar concessões

Oito meses depois de anunciar o endurecimento das condições de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para as concessões em infraestrutura, o governo voltou atrás e anunciará, nos próximos dias, que a parcela de recursos a juros baixos fornecida pelo banco aos concessionários será ampliada, segundo informaram técnicos envolvidos no programa. Atualmente, o banco empresta pelo menos 35% do valor do projeto ao custo da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), fixada em 7,5% ao ano. A expectativa é que essa parcela suba para algo como 60%, bem próxima dos 70% oferecidos na primeira etapa do Programa de Investimentos em Logística (PIL). O governo decidiu melhorar as condições de financiamento depois de constatar que elas haviam se tornado uma ameaça à retomada do programa de concessões. Os juros salgados estavam tornando os inv...

Leia Mais

Confiança entre micro e pequenos tem leve melhora em janeiro

O Indicador de Confiança dos micro e pequenos empresários (MPEs), calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apresentou leve melhora em janeiro, na comparação com dezembro. O indicador, que varia de 0 a 100, passou de 40,03 pontos para 42,03 pontos, mas segue abaixo do nível neutro (50 pontos). De acordo com a CNDL, esse resultado indica que os empresários entrevistados continuam pouco confiantes com as condições econômicas do país e de seus negócios. O Indicador de Confiança do SPC Brasil e da CNDL é baseado nas avaliações dos micro e pequenos empresários sobre as condições gerais da economia brasileira e também sobre o ambiente de negócios, além das expectativas para os próximos seis meses tanto para a economia quan...

Leia Mais

A Geração Y (Opinião)

Os jovens da geração Y vêm transformando os processos, deixando as relações mais horizontais, fazendo com que as empresas fiquem mais dinâmicas e mostrando que unir paixão e trabalho é a melhor maneira de aliar a realização pessoal com a profissional. Essa “molecada” que é conhecida como “Milleannials” resolve tudo na velocidade de um clique e possuem uma percepção de realidade distinta das anteriores, porque cresceu com a sensação de que as distâncias são menores. E acredite, são! Eles desenvolveram suas habilidades de relacionamento pessoal com base nos relacionamentos virtuais. E, na internet, agilidade e proximidade são palavras de ordem. Grande parte desta geração encara o trabalho como uma experiência que favoreça a troca de conhecimento, porque eles precisam sentir que podem compartilhar tamb&eacut...

Leia Mais

Mortes nas rodovias goianas durante carnaval deste ano aumenta em 400%

O feriadão de carnaval deste ano ainda nem terminou e o número de mortes nas estradas federais que cortam Goiás supera as estatísticas de todo o período do ano passado. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), de sexta-feira (5/02) até esta segunda-feira (8) foram registradas seis mortes. Esse número já é 400% maior do que o registrado no feriadão do 2015: duas mortes. A maior causa desses acidentes continua sendo a combinação perigosa de álcool e direção.  No levantamento preliminar da corporação foram registrados nos três primeiros dias do feriado 60 acidentes com 60 feridos. No mesmo período, 61 condutores foram autuados por embriaguez ao volante, sendo que sete deles acabaram presos por envolvimento em acidentes. "Apesar de todo nosso esforço de conscientização e trabalho de orientaç&atild...

Leia Mais

Vendas de materiais de construção caem 8% em janeiro ante dezembro

As vendas de material de construção no varejo tiveram retração de 8% em janeiro, em relação a dezembro de 2015, conforme estudo mensal realizado pelo Instituto de Pesquisas da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), com o apoio da Abrafati, Instituto Crisotila Brasil, Anfacer e Siamfesp. Na comparação com janeiro do ano passado, o desempenho ficou 6% abaixo e o foi o menor registrado no período nos últimos cinco anos. O levantamento ouviu 530 lojistas, das cinco regiões do País, entre os dias 26 a 30 de janeiro. A margem de erro é de 4,3%. Segundo a pesquisa, a queda nas vendas foi sentida menos fortemente pelas lojas de material de construção de grande porte, que tiveram recuo de 3%. "As lojas pequenas e médias, que representam 75% dos estabelecimentos do setor, sentiram mais a retração no m&...

Leia Mais

Sem grandes perspectivas

A restrição de crédito no mercado, ocasionada pela crise econômica não poupou praticamente ninguém. A grande maioria das modalidades, inclusive o crédito imobiliário que vinha apresentando bons números se retraiu. E a perspectiva para 2016 é de seja mais um ano fraco, repetindo o quadro do ano passado. De acordo com a economista chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, há dois motivos que devem causar enfraquecimento desse crédito. "Em primeiro lugar, o crédito em geral está mais fraco, e os bancos também estão com um pouco menos de oferta. Em segundo lugar, como esse compromisso tem um prazo muito mais longo do que qualquer outro, as pessoas têm que tomar um cuidado maior", afirma. Além de a conjuntura econômica ser desfavorável, o que faz com que os consumidores tenham mais receio e menos dinheiro para tomar crédito, as taxas altas ...

Leia Mais

Pedidos de falência sobem 4,8% em janeiro ante mesmo mês de 2015

O prolongamento da crise econômica está elevando o total de empresas em dificuldade financeira. Em janeiro, o número de pedidos de falência no País avançou 4,8% ante o mesmo mês de 2015, mas cedeu 10,3% em relação a dezembro, de acordo com dados da Boa Vista SCPC. No acumulado de 12 meses até janeiro, os pedidos de falência registraram alta de 16,0%, na comparação com igual período anterior. Em 12 meses, as falências decretadas subiram 17,8%. Na comparação com janeiro de 2015 o avanço foi de 15,0%, enquanto que em relação a dezembro a alta foi de 21,1%. Por sua vez, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas apresentaram forte avanço na comparação com janeiro de 2015. O aumento foi, respectivamente, de 112,1% e de 58,6%. Na opinião da equipe da Boa Vista, o ce...

Leia Mais

Como organizar a empresa para ter bons resultados em 2016

O ano já começa com receio por parte dos empresários brasileiros. Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que 54% dos comerciantes e prestadores de serviços ouvidos temem que o Brasil não supere a crise econômica que se instalou no país ano passado. Em um momento como esse, que exige cautela, o ideal é arrumar a "casa" para driblar a má fase e, conforme explica a administradora e sócia do Roda Sistema de Governança Corporativa, Roberta Zen, a tecnologia pode ser a sua grande aliada. Confira as dicas: Comunicação e transparência: o ponto de partida para planejar a sua empresa neste novo ano é deixar todos os envolvidos a par das estratégias. Comunicação e transparência sempre. Nenhum negócio vai para ...

Leia Mais

Pacote de crédito traz alívio, mas efeito será limitado

O pacote de R$ 83 bilhões em novas linhas de crédito anunciado pelo governo traz um certo alívio, sobretudo para empresas com dificuldades financeiras, mas seu efeito para estimular a economia será limitado, segundo especialistas, em razão da fraca demanda por novos financiamentos como também da necessidade de aprovação do Congresso para que todas as medidas saiam do papel. O objetivo das 7 linhas de crédito, segundo anunciou o governo, é estimular o nível de atividade econômica e tentar evitar um impacto maior da recessão na taxa de desemprego – que vem crescendo nos últimos meses. As novas linhas são voltadas para setores como infraestrutura, habitação, agricultura, exportação e pequenas e médias empresas. Parte das medidas, entretanto, ainda depende de regulamentação ou aprovação do Congresso para entrar em...

Leia Mais

Microempresários evitam investir mais e pegar empréstimos

Preocupados, micro e pequenos empresários abrem mão de investir e evitam contrair empréstimos, aponta o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito). Só 9,4% pretendem contratar crédito nos primeiros três meses do ano para o qual previsões de queda do PIB vão de 2,99% (Banco Central) a 3,5% (FMI). De maio a dezembro de 2015, a proporção variou basicamente entre 11% e 16% no IDCI-MPE, indicador de demanda por crédito calculado em 800 empreendimentos com até 49 funcionários. A desconfiança é o principal motivo da cautela, segundo a economista-chefe do SPC Marcela Kawauti, que ressalta redução no "incentivo para expandir os negócios ou realizar melhorias". Há seis anos no mercado de pós-produção em áudio, Jesse Marmo, 42, sócio da Audiorama Filmes, evita investir há um ano. Um...

Leia Mais

Apostas dos economistas em 2016

O mercado financeiro aguarda com expectativa a Ata do Copom que sai nesta quinta-feira na crença de que o documento traga informações incomuns aos anteriores que expliquem a também incomum iniciativa de Alexandre Tombini, presidente do Banco Central do Brasil, de mudar o discurso da casa. Há uma semana, foi desencadeado um extraordinário desmonte de posições na BM&FBovespa à indicação de Tombini de que a taxa Selic não deveria mais incorporar outra forte alta naquele momento já embutida na curva de juros. A opção de Tombini por um discurso 'dovish' contrariou projeções da maioria dos analistas, mas a pesquisa Valor, realizada dias antes sobre a tendência da política monetária, mostrou que apenas 3 fontes __ Bradesco, Austin Rating e GO Associados __ não viam espaço para mais juro neste mês. De 36 entrevistados, 5 c...

Leia Mais

Lei proíbe cobrança de valores diferentes para pagamento no cartão

Preço em compras à vista no dinheiro ou nos cartões de crédito e débito tem de ser o mesmo, avisa Procon Preços devem ser os mesmos da vitrine. (Marcos Leandro/Tribuna Araraquara) Oferecer descontos a clientes que pagam no dinheiro ou estabelecer limite para compras no cartão de crédito ou débito é inaceitável, afirma Rodrigo Martins, coordenador do Procon Araraquara. Segundo Martins, dinheiro, débito e crédito à vista são formas de compra equivalentes, portanto, não pode haver qualquer diferenciação entre elas. Mesmo assim, pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) apontou que sete em cada dez lojistas costumam oferecer descontos a clientes que pagam à vista no dinheiro, principalmente empresas de pequeno porte. O argumento dos comerciantes é que no pagamento à vista é possíve...

Leia Mais

8 em 10 brasileiros pagam mais, mas não trocam de loja

A grande maioria dos brasileiros não troca de local de compras mesmo que esteja pagando mais caro pelos produtos. Ê o que mostra pesquisa do SPC Brasil e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) obtida com exclusividade pela Folha. De acordo com o levantamento, realizado em dezembro do ano passado, apenas 24% dos consumidores trocam de supermercado por causa do preço. Além disso, a grande maioria (51,1%) não pesquisa preço antes de comprar. A pesquisa indica ainda que, ao comprar, quatro em dez não tentam barganhar desconto e apenas 20,4% costumam guardar dinheiro para comprar os produtos à vista. "Isso reforça a ideia de comodismo. O consumidor está acostumado com aquele local e não troca, mesmo que isso signifique pagar mais", avalia José Vignoli, educador financeiro do SPC Brasil. "Hoje há várias formas de pesquisar preço, a pr&o...

Leia Mais

Especialistas dão dicas para organizar vitrines e lojas de roupa

O que pode e o que é proibido expor numa vitrine? E os cabides e araras? Onde devem ficar? O repórter Marcelo Baccarini foi conhecer a loja modelo, um “laboratório do varejo”, montado pelo Sebrae, no Brás, um dos bairros mais populares de São Paulo. Empresários da cidade inteira visitam a loja para aprender. A especialista do Sebrae, Patrícia Marinangelo, fez um trabalho diferente para a reportagem: ela desarrumou toda a loja. E dois comerciantes foram convidados para visitar o espaço e apontar os sete erros que um empresário nunca deve cometer. Eles andaram, observaram e vasculharam. O empresário Lincoln Faria, dono de uma loja de bijuterias e acessórios, observou que tinha algo errado na vitrine: um cartaz muito na frente e mal colocado. A especialista explica que, realmente, está tudo muito entulhado na vitrine. A gerente de loja de lingerie Cintia percebe outro erro grave: as pe...

Leia Mais

Empresários pedem ao Confaz revisão de novas regras do ICMS

Sebrae e mais 11 entidades representativas do comércio e da indústria elaboraram um documento no qual defendem que as micro e pequenas empresas devem ter a garantia de tratamento diferenciado na tributação Brasília - O presidente do Serviço de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae), Guilherme Afif Domingos, entregou ontem (20) à área técnica do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) documento do Sebrae e mais 11 entidades representativas do comércio e da indústria defendendo alterações nas novas regras para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Segundo o novo modelo, aprovado por meio de emenda à Constituição, em vigor desde 1° de janeiro deste ano, os impostos estaduais das mercadorias compradas em outro estado passam a ser repartidos entre os locais de origem e de destino do bem. Posteri...

Leia Mais

Parcial de janeiro mostra saída de US$ 843 milhões do Brasil

A saída de dólares superou o ingresso de recursos em US$ 843 milhões na parcial do mês de janeiro, até a última sexta-feira (15), informou o Banco Central nesta quarta-feira (20). Somente na semana passada, porém, houve a entrada de US$ 269 milhões na economia brasileira. Em 2015, houve ingresso de recursos no Brasil, no valor de US$ 9,4 bilhões, revertendo as retiradas registradas nos dois anos anteriores. A saída de valores registrada no começo deste ano favoreceria, em tese, a alta do dólar. Isso porque, com menos moeda norte-americana no mercado, seu preço tenderia, teoricamente, a ficar maior. De fato, a moeda norte-americana começou este ano pressionada. No fim de 2015, estava cotada a R$ 3,95. Nesta quarta-feira (20), porém, já estava sendo negociada a R$ 4,08, por volta das 12h40. Veja a cotação Além do fluxo de recursos, outros fatores ta...

Leia Mais

Nota Fiscal Goiana realiza primeiro sorteio do ano dia 28 de janeiro

O primeiro sorteio da Nota Fiscal Goiana este ano está marcado para o dia 28 de janeiro. Os consumidores já cadastrados em 2015 estarão automaticamente participando, caso tenham somado pontos. Já aqueles que desejam concorrer aos prêmios pela primeira vez em janeiro têm até este domingo (17/1) para fazer o cadastro. Para se cadastrar, é preciso acessar o site da Nota Goiana e informar o número do CPF e o nome da mãe. A inscrição também pode ser feita nas agências do Vapt Vupt. Para aqueles que já estão inscritos, é necessário pedir a inclusão do CPF nas notas fiscais para continuar a concorrer aos prêmios mensais. Assim como no ano passado, em toda última quinta-feira do mês há um sorteio de R$ 200 mil, três de R$ 10 mil, quatro de R$ 5 mil e 32 de R$ 1 mil. O programa começou a cadastrar consumidores em fevere...

Leia Mais

54% dos empresários temem que Brasil não saia da crise em 2016

O maior temor dos empresários em relação a 2016 é de que o País não supere a crise econômica. É o que mostra levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). De acordo com a pesquisa, 54% dos comerciantes ouvidos dizem ter receio de que a recessão deste ano se prolongue. O temor do prolongamento da crise econômica é apontado à frente de outras opções mais voltadas ao próprio negócio do entrevistado, como o risco de não conseguir pagar dívidas (38%), ser assaltado ou vítima de violência (38%) e ser obrigado a fechar a empresa (37%). Por sua vez, os empresários se mostram divididos em relação às expectativas para a economia do Brasil. Do total, 53% acreditam que 2016 será igual ou pior q...

Leia Mais

36% dos consumidores fazem compras para aliviar o estresse

Levantamento realizado em todas as capitais e no interior do país pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que mais de um terço (36,3%) dos entrevistados admite que o ato de fazer compras é uma forma que eles encontram para aliviar o estresse do cotidiano. O hábito vem principalmente as mulheres (43,7%) e dos consumidores das classes A e B (40,2%), e 47,7% admitem fazer comprar para se sentir bem. O estudo aponta ainda que 3 em cada 10 (29,5%) consumidores concordam que fazer compras melhora o humor e 24,5% confessam realizar compras quando se sentem deprimidos. As mulheres são mais suscetíveis às emoções quando compram por impulso - elas admitem a sensação de prazer ao comprar algo sem planejar (37,7% contra 26,5% dos homens), além de serem as que mais citam o ato de fazer compras c...

Leia Mais

Volume do setor de serviços cai 6,3% em novembro

O volume do setor de serviços do país registrou queda de 6,3% em novembro na comparação com o mesmo mês de 2014, segundo informou nesta quinta-feira (17) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa é a maior retração da série histórica do indicador, iniciada em 2012. No ano, o índice acumula baixa de 3,4% e, em 12 meses, de 3,1%. Todos os segmentos do setor de serviços analisados pela pesquisa mostraram taxas negativas. Em serviços prestados às famílias, a queda foi de 6,6%; em serviços de informação e comunicação, de 4,4%; em serviços profissionais, administrativos e complementares, de 6,6%, em transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, de 8,2% e em outros serviços, de 7,4%. Na comparação de novembro de 2015 com novembro de 2014, a receita nominal recuou 0,8%. No an...

Leia Mais

Comércio tem pior desempenho desde 2002

A atividade do comércio brasileiro teve queda de 1,3% em 2015, no pior desempenho desde 2002, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira (12) pela Serasa. Em 2014, o movimento dos consumidores nas lojas teve alta de 3,7%. De acordo com a entidade, o resultado fraco foi provocado pelo aumento da inflação, pela queda dos níveis de confiança dos consumidores e pelo aumento dos juros dos financiamentos e crediários, que encareceu as prestações. A queda nas vendas no ano passado atingiu todos os segmentos do varejo nacional. A mais intensa foi vista em veículos, motos e peças, de 19%. Houve recuo ainda em tecidos, vestuário, calçados e acessórios (-3,5%); combustíveis e lubrificantes (-1,0%); material de construção (-2,1%); supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas (-1,1%); móveis, eletroeletrônicos e equipamentos de informática (-0,9...

Leia Mais

Venda de materiais de construção cai para nível de 2007

As vendas de materiais de construção encerraram 2015 com queda de 12,6% em relação ao ano anterior, recuando ao nível registrado em 2007, informou nesta segunda-feira (11) a Abramat, associação que representa o setor, estimando baixa de 4,5% do indicador em 2016. O resultado do ano passado ficou abaixo das expectativas da entidade, que previa recuo de 11% nas vendas, estimativa que foi sendo piorada ao longo do ano diante da retração da economia e dos desdobramentos da Operação Lava Jato. A Abramat iniciou 2015 avaliando que as vendas do setor teriam queda de 9%. Em novembro passado, o presidente da Abramat, Walter Cover, disse à Reuters que esperava um recuo entre 4% e 5% nas vendas do setor em 2016. A indústria de materiais de construção representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto, segundo Cover. As vendas voltadas para reformas em 2015 caíram 8%, enquanto as vend...

Leia Mais

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, informou nesta sexta-feira (8) que o controle da inflação é uma prioridade do governo e acrescentou que o Banco Central está empenhado em adotar as "medidas necessárias" para alcançar o centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional até o final de 2017. "Nesse processo, o Ministério da Fazenda contribuirá no combate à inflação mediante a adoção de ações para o reequilíbrio fiscal e para o aumento da produtividade da economia", afirmou o ministro da Fazenda, em declaração divulgada por meio de sua assessoria de imprensa. Nesta sexta, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, ficou em 0,96% em dezembro, fechando o ano de 2015 em...

Leia Mais

'Unhas e dentes' não salvam a economia

Não, você não está no país errado. Também não pense que quem enlouqueceu foi você. O governo do Partido dos Trabalhadores está defendendo a “unhas e dentes” a idade mínima para aposentadoria e a volta da CPMF. É bem verdade que, no café da manhã que teve com jornalistas em Brasília, a presidente Dilma Rousseff falou das unhas e dos dentes para falar da luta pelo crescimento da economia. Mas a ferocidade com o PIB só vai dar certo se o país agarrar, mastigar, engolir e digerir os ajustes inevitáveis e inadiáveis. Este segundo ano de segundo mandato da presidência da república está bem parecido com o que foi primeiro ano desta mesma etapa: um discurso em defesa das reformas, do equilíbrio fiscal, do combate à inflação, da volta dos investimentos e do crescimento da economia. De um ano para cá, o d...

Leia Mais

PMGO recebe 742 novos integrantes

Ocorreu na manhã desta quarta-feira, (6), na Academia de Polícia Militar, a apresentação dos candidatos excedentes do último concurso público para ingresso na PMGO. Os futuros soldados e oficiais começaram o curso de formação hoje. Sete músicos, 685 soldados, 40 cadetes e 10 alunos oficiais da área de saúde serão distribuídos para realizarem o curso nas cidades de Goiânia, Luziânia, Rio verde, Anápolis, Itumbiara e Jataí. Nos próximos meses eles já estarão aptos para realizarem a segurança pública do estado. No evento, os alunos foram apresentados ao vice-governador de Goiás, Dr José Eliton, o Secretário de Segurança Pública, Dr. Joaquim Mesquita e o Comandante Geral da PMGO, Cel Silvio Benedito Alves. “Esperamos que em três ou quatro meses esses alunos já estejam tra...

Leia Mais

Pedidos de falência aumentam 16,4% em 2015

Os pedidos de falência no país aumentaram 16,4% no acumulado de 2015, na comparação com o ano anterior, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). No acumulado do ano passado, as falências decretadas subiram 16,7% em relação ao período equivalente do ano anterior. Já os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas registraram alta de 51,0% e 39,3%, respectivamente. "A fraca atividade econômica e os elevados custos dificultaram a geração de caixa das empresas, que viram a tomada de crédito como uma possível solução. Entretanto, a restrição e o encarecimento do crédito às empresas agravaram ainda mais a situação, levando a piora destes indicadores. Em 2016, os indicadores devem conservar a tendência observada ao ...

Leia Mais

Novas indústrias vão gerar 20 mil empregos em Goiás

Em 2015, os investimentos privados captados pelo Governo de Goiás por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SED) atingiram a soma de R$ 1,7 bilhão. Foram assinados 23 protocolos de intenções para instalação de novas empresas nos setores farmacêutico, tecnológico, automotivo, mineração, indústria alimentícia, fabricação de ração animal, refrigerantes e energéticos, água mineral, motores, produtos de informática, metalurgia, tintas, fabricação de produtos de papel, indústria de painéis solares e água mineral.  Os acordos preveem criação de 20 mil vagas no estoque de empregos dos goianos. Os investimentos contemplam 13 municípios das regiões Metropolitana, Centro Goiano, Entorno do Distrito Federal, Oeste, Sul, Sudeste, Sudoeste, Noroeste e Nordeste.  De acordo com...

Leia Mais

14,5 milhões de trabalhadores estão aptos ao abono salarial

O Ministério do Trabalho informou nesta quinta-feira (31) que, a partir de partir de 14 de janeiro de 2016, os trabalhadores e trabalhadoras nascidos nos meses de janeiro e fevereiro que sejam titulares de conta na Caixa Econômica Federal poderão receber o sétimo lote do abono salarial PIS. Para clientes de outros bancos, o benefício estará disponível para quem possuir inscrição Pasep com número final 5. Segundo o governo, mais de 23 milhões de trabalhadores e trabalhadoras foram identificados para o recebimento do Abono Salarial PIS/Pasep, considerando o período de julho a novembro de 2015, e deste total 8,9 milhões, ou 38%, já receberam o benefício. "Ainda há 14,5 milhões de trabalhadores aptos ao recebimento que não solicitaram o benefício. O montante de recursos utilizados pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social para pa...

Leia Mais

Tesouro Nacional diz que quitou todas as pedaladas fiscais neste ano

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (3) que concluiu o pagamento de todas as "obrigações" devidas ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), ao Fundo de Garantia  por Tempo de Serviço (FGTS) e ao Banco do Brasil. Os valores referem-se às chamadas "pedaladas fiscais" - atrasos de pagamentos que levaram o Tribunal de Contas da União (TCU) a rejeitar as contas do governo federal de 2014. Segundo informou a Secretaria do Tesouro Nacional, foram pagos nos últimos dias R$ 55,8 bilhões, referentes a atrasos de pagamentos aos bancos por conta de benefícios sociais, subsídios e operações de crédito rural e ao programa habitacional Minha Casa Minha Vida até o fim do ano de 2014. "Quando enviamos o PL ao Congresso Nacional, estimamos um montante de obrigações, que depois percebemos ser menores", informou o secret&aa...

Leia Mais

Salário mínimo vai a R$ 880 e cria rombo de R$ 2,9 bilhões no Orçamento

O governo fixou nessa terça, 29, o salário mínimo em R$ 880 a partir de 1º de janeiro de 2016, um reajuste de 11,67% no valor em vigor hoje, de R$ 788. Apesar de estar entre os maiores aumentos porcentuais desde o início da gestão petista, o novo valor vai trazer um ganho real - considerada a inflação - próximo de zero ao trabalhador. A atualização vai custar R$ 30,2 bilhões para as contas do governo, pressionando ainda mais o caixa da União, que já opera no vermelho. O Ministério do Planejamento esclareceu que, dos R$ 30,2 bilhões a mais de despesa com o aumento, R$ 27,3 bilhões já estão previstos no Orçamento de 2016. Outros R$ 2,9 bilhões não estão na peça orçamentária e será necessário encontrar maneiras de equacionar a conta. O Planejamento não informa quais seriam as maneiras par...

Leia Mais

Comércio tem o pior Natal desde 2003

Na semana de 18 a 24 de dezembro, as vendas do varejo caíram 6,4% em todo o país em relação à mesma semana de 2014, segundo o Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio – Natal 2015. De acordo com a entidade, foi o pior desempenho do varejo para as vendas de Natal desde a criação do indicador, em 2003, considerando a comparação com o ano anterior. No final de semana da data, ou seja, de 18 a 20 de dezembro, a queda foi de 1,7% na comparação com o final de semana equivalente do ano anterior (19 a 21 de dezembro). Na cidade de São Paulo, as vendas realizadas na semana do Natal caíram 6,1% ante a mesma semana do ano passado. No final de semana da data, as vendas tiveram queda de 2,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Para os economistas da Serasa Experian, inflação e desemprego em alta, crediário caro, quedas da re...

Leia Mais

Relação dívida/PIB piora mesmo sem alta da Selic

O aumento da taxa básica de juros no ano que vem está na maioria das análises dos economistas, mas não é unanimidade. Mesmo assim, não há dúvidas de que a relação entre a dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB) vai atingir 70% no ano que vem. "Em nossa estimativa, a relação dívida/PIB supera 70% em qualquer cenário (de Selic), e o faz em torno de meados do ano que vem", afirma o economista Homero Guizzo, da MCM Consultores, que trabalha com projeção de estabilidade da taxa básica ao longo de 2016. "Mas, sem dúvida, o aperto monetário adianta a ultrapassagem desse patamar, ao aumentar diretamente o custo da dívida", diz Guizzo, que prevê impacto de R$ 14,8 bilhões sobre a dívida em caso de avanço da Selic em 1 ponto. Na mesma linha da MCM, para Thiago Biscuola, economista da RC C...

Leia Mais

Confiança do consumidor cai em dezembro

As expectativas pioraram com força em dezembro e o Índice de Confiança de Comércio (Icom) caiu 4,5 pontos na comparação com o mês anterior, voltando a perder força, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira (23). Em dezembro, o Icom atingiu 61,4 pontos, contra 65,9 pontos em novembro, quando havia subido 4,6 pontos. O resultado de dezembro representa o segundo menor nível da série iniciada em março de 2010. Segundo a FGV, o Índice da Situação Atual (ISA) registrou recuo de 1,8 ponto e foi a 57,3 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) caiu 7,2 pontos, para 66,5 pontos, menor patamar da série. A FGV realizou no mês passado algumas mudanças metodológicas nas pesquisas de sondagem de confiança, passando a informar a diferença em relação ao mês anterior em pontos, e não mai...

Leia Mais

Goiás está entre os 10 mais competitivos do País

O Ranking de Competitividade dos Estados, lançado nesta quarta-feira (18/11), colocou Goiás no 10º lugar entre os entes federados com melhores condições de desenvolvimento do País. Durante a solenidade, que ocorreu na sede da BM&F/Bovespa, estiveram presentes o governador Marconi Perillo, a secretária da Fazenda, Ana Carla Abrão Costa, além do secretário de Meio Ambiente, Vilmar Rocha.  O Ranking dos Estados sistematiza 64 indicadores públicos para compor 10 pilares estratégicos em áreas como infraestrutura, saúde, educação, solidez fiscal, eficiência da máquina, potencial de mercado e inovação. O principal objetivo é identificar métricas comparáveis entre si para produzir um diagnóstico “factível”. Além disso, metodologias utilizadas no mundo todo também são levadas em co...

Leia Mais

Polícia indicia 91 donos de postos de combustíveis por formação de cartel

A Polícia Civil indiciou 91 donos de postos de combustíveis, nesta terça-feira (15),  por formação de cartel e aumento abusivo dos preços da gasolina e do etanol, realizado em julho deste ano. As investigações mostraram que não houve nenhuma justificativa para o reajuste nos valores, que chegaram a quase 50%. Na época, a Justiça determinou que estabelecimentos voltassem o valor ao preço antigo. As investigações começaram logo após o reajuste, no último dia 23 de julho, quando os policiais visitaram 114 postos. Após depoimentos e análise da planilha de custo, os investigadores perceberam um alinhamento indireto dos preços, pois não havia provas concretas que os donos dos estabelecimentos fizeram acordos formais. "Esse alinhamento fere o princípio da livre concorrência. O aumento não podia ser igual para tod...

Leia Mais

'Vamos aperfeiçoar a política econômica'

O novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, prometeu aperfeiçoar a política econômica do governo para promover uma retomada mais rápida do crescimento da economia, e disse que espera a aprovação da CPMF no Congresso até maio, apesar da crise política, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada neste domingo. Barbosa, que deixou o Ministério do Planejamento para substituir Joaquim Levy no comando da Fazenda na sexta-feira, disse ainda que a reforma da Previdência será uma das prioridades para 2016, e garantiu que, com tempo, irá "resolver todos os problemas". "Vamos aperfeiçoar a política econômica. Promover uma estabilização mais rápida e uma retomada mais rápida do crescimento. Com aprovação das medidas que estão no Congresso e com a adoção de medidas institucionais e regulatórias qu...

Leia Mais

Reduzir meta de superávit ajuda a estabilizar investimento

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse nesta quinta-feira (17) que o governo propôs a redução da meta de superávit (economia para pagamento dos juros da dívida) para 2016, de 0,7% para 0,5% do PIB, para “estabilizar” os investimentos no ano que vem, o que, segundo ele, deve contribuir para uma recuperação mais rápida da economia brasileira.  “Nós defendemos uma revisão da meta que inicialmente tinha sido proposto, que era 0,7%, se propôs 0,5% do PIB, tendo em vista a revisão das receitas”, disse Barbosa ao participar de evento no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em Brasília.  “No momento que a economia brasileira atravessa, nós temos agora o desafio de estabilizar o nível de atividade econômica. E para estabilizar o nível de atividade econômica é crucial estabilizar o investimento&...

Leia Mais

Novo corte do Brasil não surpreende e é 'mais um retrocesso'

A perda do grau de investimento do Brasil por mais uma agência de risco, a Fitch, não surpreendeu analistas e foi recebido como "mais um retrocesso", diante da redução da meta fiscal de 2016 para 0,5% do PIB, na véspera, e da possível saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. O economista especializado em investimentos, Marcelo D'Agosto, avalia que a notícia do rebaixamento vai agravar ainda mais a situação da economia brasileira, mas é "apenas um reflexo do que foi feito" até agora. "Não é novidade, é mais um retrocesso", diz. Para D'Agosto, perder o selo de bom pagador (grau de investimento) por mais uma agência, depois da ação da Standard and Poor's, em setembro, reduz ainda mais o leque de investidores interessados em aplicar seu dinheiro no Brasil. Muitos fundos são obrigados a vender seus ativos bra...

Leia Mais

Política de juros continua eficaz para controlar inflação

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, reforçou nesta terça-feira (15) que o Brasil não está vivendo uma situação de dominância fiscal, em referência à avaliação de que a política monetária estaria perdendo sua eficácia diante dos desarranjos nas contas públicas, segundo a agência de notícias Reuters. Ao participar de audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Tombini salientou que o BC detém instrumentos necessários para fazer com que sua determinação e perseverança se traduzam em redução da inflação, com mecanismos que "estão e continuarão operantes". Na semana passada, o presidente do BC já havia afirmado que a política monetária continua sendo eficaz para controlar a inflação, e negou que as qu...

Leia Mais

31% dos brasileiros costumam participar de amigo secreto

Mesmo com a economia em crise, no final de ano não devem faltar presentes e comemorações de Natal. Quando os gastos começam a aumentar sem planejamento, o jeito é utilizar estratégias para aliviar o bolso na hora da compra. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que seis em cada dez brasileiros (65,6%) costumam participar de amigo secreto, e para 30,6% a principal justificativa é a economia de dinheiro que a brincadeira proporciona. A grande maioria (85,5%) irá participar de comemorações de Natal no geral, com um gasto médio de R$ 196,85. Por outro lado, o levantamento também indica que 21,1% dos entrevistados não pretendem participar de nenhum amigo secreto por estarem sem dinheiro e outros 9,6% afirmam que não gostam da comemoração, mas participa...

Leia Mais

Índices tímidos

As empresas de pequeno e médio porte são parte importante do mercado financeiro e do mercado de crédito. Mas, com o cenário econômico mais retraído, elas também são afetadas. Segundo Marcela Kawauti, economista chefe do SPC, o ano de 2015 apresentou uma média baixa para a demanda de crédito das empresas, que girou em torno de 12 pontos em uma escala que vai de zero a cem. Apesar de baixa, a média do ano se manteve estável, ficando no mesmo patamar desde o mês de maio até a última pesquisa, em outubro, segundo Marcela. Atualmente, o índice de busca por crédito das empresas está em 13,15 pontos. O fim de ano, que geralmente, representa maior movimento para as empresas e consequentemente a busca por crédito também fica elevada, porém, em 2015, os índices estão mais retraídos. Segundo Marcela Kawauti, até mesmo o m&e...

Leia Mais

Uma catástrofe anunciada (Opinião)

Pela primeira vez desde que existem dados confiáveis, a taxa de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do Brasil (Pesquisa Mensal de Emprego) aumentou no mês de outubro, em relação a setembro do mesmo ano; os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que cobre todo o território nacional, mostraram aceleração na taxa de desemprego no terceiro trimestre, atingindo 8,9% da força de trabalho; e foram destruídos 170 mil empregos formais no mês de outubro, totalizando quase 1,5 milhão de empregos destruídos em 12 meses. Estes dados são uma amostra da profundidade da contração do mercado de trabalho brasileiro em 2015. E essa contração está se aprofundando. Em janeiro de 2015, a taxa de desemprego registrou aumento de 0,5 ponto de porcentagem em relação a janeiro de 2014- Essa diferença ...

Leia Mais

Dívidas contraídas no Natal do ano passado deixaram 17% dos brasileiros com o nome sujo

Mais da metade dos consumidores prefere parcelar as compras natalinas. Neste ano, mais brasileiros vão pagar os presentes com o cartão de crédito As dívidas assumidas com os presentes de Natal no ano passado levaram 17,2% dos consumidores brasileiros a terem o nome incluído em cadastros de proteção ao crédito. O percentual de consumidores que ficaram inadimplentes porque se descontrolaram com as compras natalinas é ainda maior entre as pessoas das classes C, D e E (21,7%). Os dados são de uma pesquisa nacional realizada em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Outro dado que constata a falta de controle dos consumidores com os gastos natalinos, é que 56% dos que entraram na lista de inadimplentes não sabem ao certo o valor das dívidas que os colocaram nesta situ...

Leia Mais

Brasil ocupa a 66ª posição em lista de educação financeira

A agência Standard & Poor's (S&P) realizou uma pesquisa com mais de 150 mil pessoas de 148 países, em 2014, e descobriu que a cada três pessoas, duas não possuem educação financeira adequada. Dinamarca, Noruega e Suécia estão em primeiro lugar com 71% de aprovação. O Brasil se encontra na posição 66, com taxa de 35% de educação financeira, empatado com países como Costa Rica, Chipre, Siri Lanka, Costa do Marfim. Para o consultor do site de Educação Financeira do Mercantil do Brasil, Carlos Eduardo Costa, o estudo comprova dado recente no Brasil: aumento no número de endividados, que foi intensificado pela situação de crise. Além disso, a falta de hábito de guardar dinheiro para urgências demonstra a falta de educação financeira. "Um dos caminhos para mudar o cenário é pensar no fu...

Leia Mais

Crise eleva casos de insônia e depressão entre executivos

A crise econômica, que se agravou neste ano, aumentou os casos de problemas de saúde relacionados ao estresse, como depressão, insônia e ansiedade, entre executivos, gerentes e empresários. Levantamento feito pela clínica Med-Rio Check Up, que realiza check-ups médicos em executivos e funcionários de alta gerência de grandes empresas do país, mostrou que houve elevação de 37,5% no número de pacientes com depressão no primeiro semestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. A clínica faz anualmente pesquisa com 5.000 pacientes, que pagam cerca de R$ 4.000 por uma bateria de exames laboratoriais e clínicos. A pesquisa apontou mais ocorrências de casos de insônia (alta de 19%), ansiedade (60%) e estresse (27,7%). O temor de perder o emprego e a dificuldade em resolver problemas de gestão fazem com que os funci...

Leia Mais

Saques da poupança superam depósitos pelo 11º mês seguido

A retirada de recursos superou as aplicações na caderneta de poupança em R$ 58,3 bilhões de janeiro a novembro deste ano, informou o Banco Central nesta sexta-feira (4). Somente em novembro, a saída de recursos da poupança, ainda de acordo com dados oficiais, somou R$ 1,3 bilhão. Esta é a maior retirada líquida de valores dessa modalidade de investimento para os 11 primeiros meses de um ano desde o início da série histórica do BC, em 1995, e também o pior resultado para meses de novembro desde então. Em 2015, novembro representou o 11º mês seguido de captação líquida negativa (saques maiores que depósitos) neste tipo de aplicação financeira. No mês anterior, as retiradas haviam superado as aplicações em patamar ainda maior, de R$ 3,26 bilhões. Com a forte saída de valores da poupança no a...

Leia Mais

Para 87% dos empresários situação piorou

O Indicador de Condições Gerais do SPC Brasil, que reflete a percepção dos micro e pequenos empresários sobre a trajetória da economia e seus negócios, registrou um resultado fraco. Em novembro foram alcançados apenas 21,53 pontos na escala que vai de 0 a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, melhor é a percepção. Os dados revelam uma piora em relação a outubro, quando havia atingido 23,34. "Ao longo do ano, o impasse em torno do ajuste fiscal produziu uma forte apreciação do dólar, agravando a recessão com aumento do custo do capital e diminuindo o faturamento de serviços e varejo", diz a CNDL. As Condições Gerais do Negócio atingiram 26,56 pontos, abaixo dos 29,38 pontos de outubro. "Na opinião dos entrevistados, tanto a situação econômica do Brasil quanto a situaç&atild...

Leia Mais

A queda do preços dos imóveis acumula 7% no ano

O preço médio dos imóveis anunciados para venda já acumulam no ano, até novembro, queda real de mais de 7%, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (3) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e pelo portal ZAP Imóveis, que monitora o mercado imobiliários em 20 cidades brasileiras. Segundo o Índice FipeZap, em novembro o preço do metro quadrado registrou queda nominal de 0,05%, na comparação com outubro - a quarta queda nominal consecutiva. No acumulado nos 11 primeiros meses de 2015, o indicador registrou um crescimento de 1,32% nos preços dos imóveis anunciados. Como a inflação esperada para o IPCA (IBGE) neste  período é de 9,47%, o preço médio anunciado teve, portanto, uma queda real de 7,44%, segundo o FipeZap. Todas as cidades pesquisadas tiveram variação de preços inferior &...

Leia Mais

Segunda-feira é o dia campeão de horas extras no trabalho

Pesquisa da Regus aponta que 13% dos brasileiros têm a tendência de fazer mais horas extras na segunda-feira, enquanto 11% as fazem na sexta-feira. Foram entrevistados mais de 44 mil profissionais em mais de 100 países, incluindo o Brasil, e constatou-se que longas horas de trabalho se tornaram norma para maioria dos colaboradores, que acabam trabalhando pelo menos uma pequena quantidade de horas extras por semana. A pesquisa revela ainda que 19% dos brasileiros fazem um período de duas a quatro horas extras por semana, 15% trabalham de quatro a seis horas e 14% trabalham de seis a oito horas a mais. Outros 14% estão realizando mais de 15 horas extras por semana que, somadas, geram uma carga superior a uma semana a mais de trabalho no fim do mês (60 horas totais). Outros resultados da pesquisa revelam que 49% dos brasileiros não têm preferência de dia para fazer horas extras; 11% fazem mais horas extras às sextas...

Leia Mais

Endividamento de empresas brasileiras deve crescer em 2016

A combinação de fraca atividade econômica brasileira e aumento das taxas de juros dos empréstimos deve pressionar as métricas de endividamento da maioria das empresas do país em 2016, disse nesta segunda-feira (30) a agência de classificação de risco Fitch. Em relatório, a agência citou nominalmente empresas como as siderúrgicas CSN e Usiminas, que poderiam se tornar inviáveis diante desse cenário. Além disso, a Fitch considerou que companhias como o grupo Camargo Corrêa, a Eletrobras e Oi podem ter seus ratings de crédito rebaixados. "O aumento das taxas de juros brasileiras têm impedido a geração de fluxo de caixa livre (FCF), ameaçando a viabilidade de empresas como CSN e Usiminas e contribuindo para os downgrades da Camargo Corrêa, Eletrobras e Oi ", disse Cristina Madero, A Fitch ressaltou que a taxa Selic subiu de 7...

Leia Mais

Rede de mães empreendedoras

Em 2013, quando a Ana Laura Castro e a Camila Conti ficaram grávidas, elas não quiseram voltar para o mercado de trabalho, para ficar mais perto dos filhos. Mas elas decidiram criar um grupo de mães empreendedoras, e formaram uma rede, hoje com 2,5 mil mulheres ativas. O site funciona como uma ponte entre consumidores e a mãe que está produzindo alguma coisa para vender. Depois de criar a plataforma, as empresárias passaram a promover encontros presenciais com um tema para debater. Pra participar dos encontros, as mães não pagam nada, nem pra cadastrar as empresas na rede. Por isso o modelo de negócio é baseado na economia colaborativa. As empreendedoras pensam em receber patrocínio ou mesmo ter um investidor anjo, para poder ampliar a atuação da plataforma. Rosângela Alves é uma das participantes da plataforma e empreendedora do grupo. Ela tem uma empresa de sling (carregadore...

Leia Mais

Mercado prevê inflação acima da meta em 2016 e aumenta projeção para taxa de juro

As estimativas dos analistas de mercado para a inflação continuam a se deteriorar de forma expressiva e agora eles não esperam mais que o índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique dentro do intervalo da meta definida para o ano que vem. De acordo com o boletim Focus, do Banco Central (BC), a mediana das previsões dos analistas para o IPCA em 2016 subiu de 6,50% para 6,64%. Foi o 16-ajuste consecutivo para cima. Para 2015, a projeção saiu de 10,04% para 10,33%. Assim, a inflação deste ano deve deixar uma "herança" maior para 2016. Os analistas também elevaram as apostas na alta dos preços administrados, de 17% para 17,43% em 2015, mas mantiveram a previsão para 2016 em 7%. Na semana passada, o IBGE informou que o IPCA-15 de novembro, prévia da inflação do mês, subiu 0,85%, pressionado pelos administrados, e acumulou 10,28% em 12 me...

Leia Mais

Expectativa é de queda nas vendas para o período natalino

Ricardo Júnior/Nominuto Presidente da CDL, Augusto Vaz, disse que nesse período de crise econômica o comerciante tem que ser criativo para estimular vendas. As vendas previstas para o período de final de ano no comércio não são otimistas. De acordo com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Augusto Vaz, a expectativa é de queda em relação ao ano anterior. “A gente teve um ano que realmente os números não são interessantes e a expectativa nesse Natal de ter um empate em relação ao ano anterior ou uma queda de 3%”, revelou. Com a baixa expectativa, reduziu também a oferta de empregos temporários, que tradicionalmente ocorrem com o aumento de clientes durante as compras do Natal. “A expectativa que se deve abrir algo em torno de 1800 vagas temporárias nesse período de final de ano. As vagas são para dezembro, ma...

Leia Mais

Consumidor está mais cético com Black Friday

Mais céticos com a Black Friday e com o bolso apertado pela crise, quatro entre cada dez consumidores que pretendem comprar nessa data vão pesquisar se de fato os descontos são reais. Metade deles ainda não sabe se vai comprar algum produto e diz que a decisão dependerá de uma oportunidade (lê-se preço) que valha a pena. O evento acontece na sexta-feira (27). Os resultados constam de levantamento do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) Brasil e da CNDL (confederação nacional dos lojistas), com 1.794 pessoas, entre 29 de outubro e 11 de novembro. Para Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC, chama a atenção o fato de 34% dos entrevistados que compraram no evento em 2014 terem a intenção de comprar ainda mais neste ano, mesmo com o país em crise. A intenção de aumento de gastos é maior entre as pessoas de renda menor. "...

Leia Mais

Governo admite queda maior do PIB e menos receitas com CPMF em 2016

Após piorar a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, o governo admitiu oficialmente, nesta segunda-feira (23), que o nível de atividade da economia deverá registrar um desempenho pior no ano de 2016 e, também, que deverá arrecadar menos com um eventual retorno da CPMF do que estimado anteriormente, em setembro. Em mensagem enviada à Comissão Mista de Orçamento (CMO), o Ministério do Planejamento estimou um "encolhimento" de 1,9% para o PIB no ano que vem, contra a previsão anterior de um recuo de 1%. O governo tem informado que utiliza as projeções do mercado financeiro para as suas estimativas oficiais. Se a previsão se concretizar, será a primeira vez que o país registrará dois anos seguidos de contração na economia – a série histórica oficial, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ...

Leia Mais

Comércio online cresce mesmo em tempos de crise

Uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio mostra que 7 em cada 10 brasileiros pensam em gastar menos no Natal este ano. Para quem vende pela internet, existem algumas dicas para evitar a queda do faturamento. O mercado de comércio online continua crescendo: 16% no primeiro semestre e a previsão é de fechar em alta também no segundo semestre. Mas isso não quer dizer que o empresário do varejo online pode ficar despreocupado. Ricardo Alvite está há 11 anos no mercado com um e-commerce de brinquedos para festas infantis e playgrounds, e se planejou com antecedência. Ele saiu de um espaço alugado do tamanho de uma pequena garagem e construiu um galpão gigante de 2 mil metros quadrados. Para não perder vendas em tempos de crise, a primeira estratégia foi negociar com fornecedores. A segunda foi fazer os clientes entrarem no site, onde é possível parcelar...

Leia Mais

Real não deve se recuperar antes de 2019, aponta 'Bloomberg'

Moeda com a pior performance em 2015 entre as mais relevantes do mundo, o real vai continuar a enfraquecer até o final deste ano, e não vai se recuperar antes de 2019, segundo estimativas feitas pelo "Bloomberg LATAM Brief" a partir de pesquisas. "Estrategistas de Wall Street estão alertando clientes a não se deixarem enganar pela aparente calma do real", diz o boletim. "As oscilações de preço estão diminuindo com ao declínio dos clamores pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, reduzindo a preocupação com um caos político no Brasil. No entanto, analistas dizem que o otimismo é exagerado e que a calma momentária não muda as perspectivas de longo prazo, que incluem uma potencial rebaixamento da nota de crédito e uma recessão mais profunda", aponta. O real já perdeu cerca de 30% de seu valor frente ao dólar deste...

Leia Mais

Problema de crédito é 'pontual', segundo Levy

O Ministério da Fazenda avalia adotar novas medidas para facilitar e estimular a concessão de crédito no Brasil em segmentos em que foram detectados problemas. Estão em estudo ações para melhorar a oferta de linhas de financiamento de curto prazo, como para capital de giro, e para ampliar o financiamento privado para a infraestrutura. Além disso, estão sendo discutidas medidas para ajudar a indústria em 2016, principalmente a de base. A avaliação do ministro Joaquim Levy é que não há um problema de crédito na economia brasileira, mas sim gargalos e questões pontuais que poderão ser melhorados, como essa questão do capital de giro para as empresas. Domingo, na Turquia - onde participou de reunião do G-20 -, Levy enfatizou esse pensamento e afirmou que o problema não é falta de financiamentos, mas de demanda retraída. "A situa&c...

Leia Mais

Consumidor reduzirá gastos com presentes e ceia de Natal

O consumidor vai gastar menos neste Natal, de acordo com pesquisa nacional realizada pela Boa Vista SCPC. O valor médio por presente será de R$ 48 por pessoa, redução de 5,5% em comparação ao mesmo período do ano passado. A pesquisa mostra ainda que 78% comprarão menos presentes e apenas 9% pretendem consumir mais. A Boa Vista SCPC constatou também em sua pesquisa que 62% dos consumidores deverão gastar até R$ 50 por pessoa nas festas de fim de ano e 31% gastarão até R$ 30, enquanto 31% preveem gastos entre R$ 31 e R$ 50. Os gastos totais com as festas (incluindo presentes, ceias de Natal e de Ano Novo, despesas gerais) deverão somar até, no máximo, R$ 500, segundo 66% dos pesquisados. O levantamento mostrou também que 81% pretendem reduzir os gastos com presentes e que as classes A/B estão menos dispostas a consumir: 86% responderam que gastarão me...

Leia Mais

Qual porcentagem da renda familiar deve ser gasta com a escola dos filhos?

Chegou o fim do ano, hora de renovar a matrícula escolar. A decisão de estudar em um determinado colégio não deve levar em conta apenas o projeto pedagógico ou a classificação no Enem, mas a capacidade de a família arcar com o custo, no caso das escolas particulares. Esse custo não inclui apenas as mensalidades, mas também o uniforme, a alimentação, o transporte, os gastos com material escolar e até mesmo passeios ou outras atividades das quais as crianças ou os adolescentes serão convidados a participar. Segundo o educador financeiro Gustavo Cerbasi, os gastos com a escola geralmente representam entre 10% a 15% do orçamento da família. "Famílias de classe média, com ganhos totais entre R$ 3.500 e R$ 6.000, são as que mais gastam proporcionalmente com educação, pois a colocam como prioridade e vão sofrer muito mai...

Leia Mais

Pedidos de recuperação judicial crescem 41,4% e batem recorde

O número de recuperações judiciais requeridas entre janeiro e outubro superou em 41,4% o registrado em igual período do ano passado. Foram 1.015 ocorrências contra 718. Os dados são da Serasa Experian. É o maior número para o acumulado nos dez primeiros meses do ano desde 2006, período em que já se aplicava a Nova Lei de Falências, que entrou em vigor em junho de 2005. No acumulado do ano, as micro e pequenas empresas são as que mais enfrentam dificuldades financeiras, com 517 pedidos, seguidas pelas médias (301) e grandes empresas (197). Na comparação de pedidos de recuperação judicial entre outubro de 2015 e o mesmo mês de 2014, há uma alta de 17,24%. Já o número de falências subiu 5,55% nos primeiros dez meses do ano na comparação com igual período de 2014 - 1.483 pedidos contra 1.405. Mais uma vez, as micro ...

Leia Mais

Consumidor tem até 7 dias para devolver compras online

Você já fez compras pela internet por impulso e, pouco tempo depois, se arrependeu? Saiba que nada está perdido nessa situação. Existe uma lei destinada a auxiliar as pessoas que compram produtos por impulso à distância - isso vale para compras pelo telefone, pela internet ou por qualquer outro meio que sem o contato direto entre o comprador e o produto. Uma pesquisa recente do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) confirma a chance de você se arrepender de uma determinada compra: quatro em cada dez internautas brasileiros vivem fora do padrão de vida que seria adequado à sua realidade financeira. Para salvar o consumidor "mais empolgado", o artigo 49 do CDC (Código de Defesa do Consumidor) serve como uma "tecla delete" para quem se arrependeu da compra virtual. Segundo a lei, é possível desistir de aquisições online dentro de...

Leia Mais

Dar mesada para os filhos ajuda a dar limites e criar regras

Dar mesada para a criança é uma maneira de dar limites e estabelecer regras, segundo a psicopedagoga de São Carlos (SP) Renata Muniz. Contudo, os pais precisam ser rigorosos quando o dinheiro acabar e não dar dinheiro extra. Segundo uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), uma em cada quatro mães no Brasil dá mesada aos filhos, mas 26% não têm controle dos gastos. Com a mesada ou semanada, eles já pensam no que gastar: uma chuteira, um brinquedo e até uma viagem para Moscou. A mesada pode ser uma maneira de ensinar a criança a controlar os próprios gastos. Quando dói no bolso, fica mais fácil aprender a economizar. Dar dinheiro todo mês para o filho também tem seus riscos e é importante tomar alguns cuidados. "A criança pode acabar gastando tudo na primeira semana e ficar sem dinheiro para o resto do m&eci...

Leia Mais

Desocupação sobe, mas gasto com seguro-desemprego cai

O Brasil ganhou 2,1 milhões de novos desempregados nos últimos 12 meses, somando, até setembro, 8,8 milhões de trabalhadores nessas condições. Apesar do aumento expressivo, o volume de novos beneficiários do seguro-desemprego encolheu 13% no quadrimestre até agosto e quase 5% no ano - queda suficiente para reduzir em termos reais os gastos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) com o benefício na comparação com 2014. Descontada a inflação, as despesas diminuíram 1,6%, conforme o relatório fiscal do Tesouro referente ao período janeiro-setembro. A mudança recente nas regras de acesso ao seguro, que elevou o período mínimo de serviço dos novos requerentes de seis para 12 meses, explica em parte o cenário, que também reflete a dinâmica da recessão. Em 2015, o ritmo de demissões está menor e as empresas deix...

Leia Mais

25% dos internautas gastam mais do que podem para agradar os outros

Pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) realizada em todas as capitais somente com internautas que vivem fora do seu padrão de vida, ou seja, gastam mais do que podem ou fecham o mês sem sobras de dinheiro, revela que 1/4 (25%) dos entrevistados admite comprar produtos que extrapolam o seu orçamento apenas para agradar os outros. O percentual é maior entre pessoas com idade entre 25 e 35 anos (35%). O levantamento revela ainda que 12% dos entrevistados compram mais do que podem com o intuito de manter a reputação ou a boa imagem perante os demais e 11% realizam suas compras pensando mais no que as pessoas ao seu redor vão achar deles do que na própria satisfação pessoal. Para o educador financeiro do portal "Meu Bolso Feliz", José Vignoli, o estudo constata que muitos consumidores idea...

Leia Mais

Pesquisa indica crescimento da confiança do pequeno empresário

Dos 800 empresários consultados em todo o país 31% estão confiantes no futuro da economia O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário (ICMPE), calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), registrou 38,72 pontos em outubro -- um pouco acima dos 37,62 pontos de setembro, mas abaixo do nível neutro de 50 pontos, numa escala até 100. Os dados foram divulgados nesta quarta (4) pela economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. Segundo ela, os números evidenciam um cenário recessivo e pouco animador para os empresários, mas o índice colhido foi ligeiramente melhor em relação à expectativa da economia interna para os próximos seis meses. De acordo com Marcela, a conjuntura econômica afeta a confiança dos pequenos varejistas, que sentem impa...

Leia Mais

Empresários apostam no atendimento por mensagens instantâneas

Donos de pequenos negócios estão investindo em uma maneira mais ágil e digital de se relacionar com seus clientes, fornecedores e parceiros: aplicativos de mensagens instantâneas no celular. Uma pesquisa inédita do Sebrae mostra que quatro em cada dez donos de e-commerce de pequeno porte do país, aqueles que faturam até R$ 3,6 milhões por ano, usam o WhatsApp para atender o cliente. Em um ano, o percentual dobrou, o que mostra a enorme popularização da prática. Segundo a 2ª Pesquisa Nacional do Varejo Online, feita em parceria com o E-commerce Brasil, 39% das empresas de pequeno porte que atuam no comércio eletrônico usam o WhatsApp, tanto no pré como no pós venda. Percentual que era de apenas 19% em 2014. A pesquisa que mostrou o crescimento do aplicativo como canal de atendimento também evidenciou a redução do uso do telefone, que caiu de 64% para 55%. ...

Leia Mais

Varejo adia pedidos e vendas para o Natal estão abaixo do previsto

A crise jogou uma pá de cal sobre a sazonalidade positiva do fim do ano para a indústria. Enquanto indicadores mostram que as demissões e a queda da produção se acentuaram justamente nos meses em que começam as encomendas para o Natal, associações industriais ouvidas pelo Valor relatam vendas abaixo do previsto para o período. Com o horizonte turvo em relação às vendas nos próximos meses e estoques ainda elevados, empresários contam que o varejo tem adiado ao máximo os pedidos, reduzindo cada vez mais a expectativa de alguma reação da atividade nas fábricas nos últimos meses de 2015. Mesmo sobre a base de comparação fraca de 2014, quando a atividade do setor manufatureiro encolheu 4,1%, a produção caiu 8,8% de janeiro a agosto, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal, do IBGE. Para o dado de setembro, que será d...

Leia Mais

Serasa realiza feirão online

A Serasa Experian realiza mais um Feirão Limpa Nome para ajudar os consumidores a saírem dos cadastros de restrição ao crédito, renegociando dívidas atrasadas diretamente com os credores. Entre os dias 3 e 14 de novembro, os consumidores inadimplentes poderão fazer as renegociações online. Poderão participar consumidores de todo o país. Para participar, é preciso acessar o site www.serasaconsumidor.com.br/superfeirao e preencher um cadastro. O consumidor será levado a uma página onde estarão listadas todas as empresas com as quais ele possui alguma dívida pendente e que consta na base de dados da Serasa. O site é desenvolvido em ambiente protegido, segundo a Serasa. Assim, quem não tiver internet em casa poderá usar qualquer computador para negociar suas pendências. Ao escolher e clicar no nome da companhia surgirá uma pági...

Leia Mais

Endividamento das famílias cai em outubro

O percentual de famílias com dívidas em outubro ficou em 62,1%, e foi menor do que o observado em setembro, 63,5%. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). No entanto, houve crescimento em relação ao percentual de famílias endividadas observado em outubro do ano passado, que foi de 60,2%. Segundo a entidade, em setembro, o indicador havia alcançado o maior patamar deste ano. “A CNC acredita que, apesar da moderação observada nos indicadores de consumo, o aumento do custo do crédito e a retração do emprego e da renda real dos consumidores mantêm o nível de endividamento das famílias em patamares superiores em relação ao ano passado”. O cartão de crédito foi apontado por 78,5% das família...

Leia Mais

Senado aprova MP que permite reduzir jornada de trabalho

O Senado aprovou nesta quarta-feira (28) a medida provisória que cria o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). O programa permite a empresas com dificuldades financeiras temporárias reduzir a jornada de trabalho dos funcionários, com a respectiva diminuição dos salários. O texto já havia passado pela Câmara dos Deputados e segue agora para sanção presidencial. A MP foi enviada pela União ao Congresso em julho, como parte das medidas para conter a crise econômica. Ela prevê que a jornada de trabalho pode ser reduzida em até 30% com a redução proporcional do salário pago pelo empregador. A diminuição salarial será compensada parcialmente pelo governo com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que já está deficitário, no limite de R$ 900,84, correspondente a 65% do valor do maior benefício do ...

Leia Mais

Terceirizados recebem 17% menos que contratados

Trabalhadores terceirizados recebem salários em média 17% menores do que os diretamente contratados pela empresa para a qual trabalham, concluiu um boletim divulgado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) nesta terça-feira (27). O trabalho também conclui que, quando se leva em consideração outros fatores como gênero, escolaridade, idade e tipo de empresa, essa diferença salarial cai para 12%. Segundo o estudo, a diferença média na remuneração de um trabalhador que muda de emprego e é contratado em outro de forma terceirizada cai para 3%. O estudo assinado pelos economistas Guilherme Stein e Eduardo e Hélio Zylbertajn avaliou ocupações de montagem e manutenção de equipamentos, segurança/vigilância, TI, limpeza e conservação, P&D e telemarketing. Para os autores do estudo, os dados indicam uma transforma&c...

Leia Mais

Como Falar em Publico

Ei, isso, você mesmo, que tem dificuldades de falar em publico a CDL estará promovendo nos dias 28 a 30/10 o curso; COMO FALAR EM PUBLICO com a instrutora Claudia Pinheira do SENAC, venha participar vagas limitadas! Faça sua inscrição na CDL ou ligue no fone: 3551-1800 / 3551-1866 para ter mais informações . Não perca essa oportunidade

Leia Mais

Confiança do consumidor atinge menor nível da série pelo 4º mês

"A falta de sinalizações positivas no front econômico associada às incertezas políticas mantêm a confiança no mínimo histórico. Os consumidores continuam bastante insatisfeitos com o presente e pessimistas em relação ao futuro ”, afirmou Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da Sondagem do Consumidor, em nota. No 10º mês do ano, o Índice da Situação Atual, usado no cálculo do indicar de confiança, recuou 2,1%, porque piorararam as avaliações dos consumidores a respeito da economia quanto das finanças pessoais. O Índice de Expectativas, por outro lado, ficou estável, no menor nível da série, 81,1 pontos. O índice que mede o grau de satisfação com a situação econômica foi o que mais contribuiu para a queda da confiança do consumuidor no mês. Em outub...

Leia Mais

Crise freia expectativas na Black Friday

A crise provocou uma freada na expectativa de vendas para comércio online na Black Friday deste ano. A megaliquidação que ocorre na última sexta-feira de novembro e imita o evento tradicional nos Estados Unidos deve ter uma expansão de faturamento de 12%, segundo projeções da ClearSale, empresa especializada em detectar fraudes em transações eletrônicas. É uma taxa de crescimento muito inferior à registrada nos últimos anos, especialmente em 2014, quando o avanço foi de 95%. A expectativa é que o faturamento do comércio online atinja R$ 978 milhões em um único dia, em comparação a R$ 871 milhões na mesma data do ano passado. Crise. Segundo o vice-presidente da ClearSale, Bernardo Lustosa, a crise é o fator que mais pesa na projeção de crescimento menor de vendas para este ano. De toda forma, ele pondera que existe o ef...

Leia Mais

Caged de setembro vai apontar maior desemprego

O ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rosseto, afirmou nesta quinta-feira (22) que o governo vai divulgar até esta sexta (23) o resultado de setembro do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), com números negativos. Segundo ele, houve redução dos postos de trabalho no Brasil. “Estamos fechando e pretendemos até o final da semana divulgar o Caged do mês de setembro. Haverá redução, queda do nível de emprego”, disse Rosseto, após participar de audiência na Câmara dos Deputados. Em agosto, o Caged apontou o 5º mês seguido de perda de vagas de empregos formais, quando as demissões superaram as contratações em 86.543. O resultado foi o pior para o mês desde 1995, quando foram fechadas 116 mil vagas. Nesta quinta (22), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que  a taxa de des...

Leia Mais

Contratações temporárias no comércio podem cair até 50%

Crise econômica e possibilidade de baixas vendas preocupam lojistas. Redução de vagas para o fim do ano atingirá vários setores. A crise que atinge a economia em todo o Brasil deve afetar de forma negativa a geração de empregos temporários de fim de ano no comércio amapaense. A estimativa é que a diminuição seja de até 50%, em praticamente todos os setores, segundo informou a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) no Amapá. A criação de vagas para as festas de fim de ano normalmente tem início em outubro e ganha força em novembro, mês que historicamente registra a maior geração líquida de vagas formais mais admissões e menos desligamentos no varejo amapaense, segundo a câmara. Mas poucos varejistas no Amapá pretendem fazer contratação de funcionários nos próximos meses, pois...

Leia Mais

Intenção de consumo das famílias atinge nova mínima histórica

O indicador que mede a Intenção de Consumos das Famílias (ICF), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), atingiu 78,4 pontos em outubro, o menor resultado desde o início da série histórica. O índice começou a ser apurado pela entidade em 2010. Segundo a confederação, a intenção de compra, que teve queda de 1,8% em relação a setembro - o nono resultado negativo consecutivo - e recuo de 35,5%, em comparação com outubro de 2014, está há seis meses abaixo dos 100 pontos, permanecendo na zona negativa, "o que indica uma percepção de insatisfação com a situação atual”. “A queda da ICF é resultado da continuidade do quadro de deterioração do país nos últimos 12 meses, com aceleração da inflaç...

Leia Mais

Em outubro, confiança do empresário cai e é a menor desde 1999

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu 0,7 ponto em outubro, para 35 pontos, no segundo recuo seguido, informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta segunda-feira (19). Com a nova queda, o indicador registrou seu menor valor desde o início da pesquisa, em 1999. O índice varia de zero a 100 pontos. Valores abaixo dos 50 pontos indicam falta da confiança. Quanto menor o índice, maior e mais disseminada é a falta de confiança na indústria, explicou a CNI. A entidade informou que o índice de confiança de outubro é fruto de pesquisa realizada com 3.097 empresas de todo o país, sendo 1.223 de pequeno porte, 1.159 de médio porte e 715 de grande porte, entre os dias  1 e 15 deste mês. O ICEI deste mês, acrescentou a CNI, ficou 10,8 pontos abaixo do registrado em outubro de 2014 e 20,4 pontos menor que a mé...

Leia Mais

Economia brasileira vai demorar para se recuperar

A economia brasileira vai demorar para sair do buraco. Segundo a percepção de economistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central e analistas consultados pelo G1, as previsões que, no início de 2015, indicavam um ajuste mais rápido para controle da inflação, para as contas públicas e nível de atividade, agora mostram que esse processo deve demorar bem mais tempo – podendo abranger o segundo mandato inteiro da presidente Dilma Rousseff. No início deste ano, o mercado financeiro estimava um dólar abaixo de R$ 3 até 2019, um Produto Interno Bruto (PIB) crescendo nos quatro anos do segundo mandato de Dilma, superávit primário das contas públicas (a economia feita para pagar juros da dívida) em todo este período, de 2015 a 2018, e inflação média (nos quatro anos de governo) abaixo de 6% – além de taxas de juros mais baixas...

Leia Mais

Comércio torce por um Natal menos ruim

Um Natal melhor que o Dia das Crianças e pior que o Dia das Mães. Essa é a expectativa da Confederação Nacional do Comércio e dos Dirigentes Lojistas. A primeira, divulgou ontem uma previsão de queda nas vendas do período de 4,1%, o que tornará esse o pior Natal desde 2004 para o comércio. Já a CNDL também liberou ontem o resultado das vendas do comércio varejista no Dia das Crianças, que aponta uma queda de 8,95% em relação ao mesmo período do ano passado. O Dia das Mães, a segunda data mais importante do segmento, também teve queda neste ano com saldo de vendas de 0,59%. Juntos, os índices são um termômetro para o setor e mostram que é urgente buscar novas estratégias. É isso o que Ricardo Galdino, presidente da Associação de Lojistas de Shopping de Pernambuco (Aloshop), defende. "Temos q...

Leia Mais

Serviços básicos lideram alta de inadimplência em setembro

Cerca de 57 milhões de consumidores têm o nome registrado em cadastro de devedores, segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Logistas em parceria com SPC Brasil. O tatuador Cleison Pereira está sentindo no bolso a recessão. A percepção do consumidor não está errada. O estudo constatou que os setores de serviços básicos, como água e luz, são os que tiveram a maior alta de inadimplência, cerca de 12,5%, na comparação entre setembro deste ano com o mesmo período do ano passado. E para superar as dificuldades, a auxiliar de serviços gerais, Delcina Silva, está dando aquele jeitinho. Segundo a análise, o endividamento entre os brasileiros também aumentou. Despesas com cartão de crédito, empréstimos, financiamentos e seguros são os compromissos que deixam de ser pagos com mais frequência...

Leia Mais

Chegou a hora dos trabalhadores temporários

Embora a demanda por funcionários pontuais seja menor do que em anos anteriores, há mais gente qualificada no mercado, o que é vantajoso para as empresas. Além da presença de panetones nas prateleiras dos supermercados, outro fator evidencia que as festividades de fim de ano estão próximas: a contração de trabalhadores temporários. Eles são responsáveis por ajudar o comércio e a indústria a suprir a maior demanda dos últimos meses do ano. São vendedores, repositores, estoquistas, auxiliares de serviços gerais, operadores de máquinas, entre outras funções. Segundo estimativas da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Assertem), serão cerca de 130 mil contratações em dezembro -- e 490 mil no acumulado entre outubro e janeiro -- em todo território nacional. Nas melhores das hipó...

Leia Mais

Inmetro alerta para a segurança dos brinquedos no Dia das Crianças

Com a proximidade do Dia das Crianças, comemorado na próxima segunda-feira (12), o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) alertou nesta sexta-feira (9), aos pais e responsáveis que sigam as recomendações de segurança na hora de comprar os presentes para os pequenos, como brinquedos, que têm grande procura nesta época do ano. Desde 1992, a certificação de brinquedos é compulsória no Brasil. A supervisão durante o uso pela criança e a escolha adequada do produto por faixa etária são as principais dicas, além da observação da presença do Selo de Identificação da Conformidade do Inmetro. "Esse tipo de medida evita acidentes. Para se ter uma ideia, segundo registros do Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo (Sinmac), os artigos da linha infantil são responsáveis por 13% dos...

Leia Mais

Dia das Crianças: mães cedem ao comprar presente e se complicam

Quando entrou ontem em uma loja de brinquedos, a pequena Ana Luiza, 8 anos, foi em busca de uma máquina de fazer sorvete, por R$ 149. Até chegar à prateleira, já estava agarrada ao diário da Barbie, R$ 10 mais caro que a sorveteria e de olho em outro brinquedo. "Ai meu Deus, eu escolho o quê? Quero os três, mãe", decretou. Apelos como o de Luiza são responsáveis por 64,4% dos gastos além da conta das mães, conforme aponta o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Além disso, 46% não impõem regras para presenteá-los, o que para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, irá dificultar um ajuste financeiro nas contas em tempos de crise. "É a falsa sensação de que você está compensando alguma coisa. Fica muito ...

Leia Mais

53% dos micro e pequenos empresários estão pessimistas com o futuro