'Quanto mais profunda e ampla' a reforma da Previdência, melhor para o BC, diz Ilan Goldfajn

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira (21) em entrevista ao programa GloboNews Miriam Leitão que quanto "mais profunda e ampla" for a reforma da Previdência, "melhor" para a instituição.

Na avaliação de Goldfajn, uma reforma profunda das regras previdenciárias melhora o ambiente econômico, auxiliando a autoridade monetária no controle da inflação, permitindo a manutenção de uma taxa de juros baixa e, consequentemente, incentivando a recuperação da atividade econômica.

O presidente do Banco Central elogiou a proposta entregue ao Congresso Nacional nesta quarta (20) pelo presidente Jair Bolsonaro. Para Goldfajn, a proposta de emenda à Constituição (PEC) "é ampla e trabalha as injustiças".

Entre outros pontos, o governo propôs na PEC a definição de uma idade mínima de aposentadoria diferenciada para homens e mulheres e a unificação das alíquotas de contribuição de trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos que ganham até o teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

"Para o Banco Central, quanto mais profunda, quanto mais ampla, quanto mais economia tiver, é melhor em termos de inflação, em termos de manter uma taxa de juros mais baixa e em termos de recuperação da economia. Para o Banco Central, quando a gente olha a reforma, quanto mais profunda e ampla, melhor", declarou Ilan Goldfajn.

O presidente da autoridade monetária ressaltou, entretanto, que a reforma da Previdência proposta pelo governo Jair Bolsonaro é um "ótimo passo" para equilibrar a economia brasileira, mas "não resolve tudo".

Fonte: G1 (Adaptado)

Publicidade