Idosos ampliam espaço no mercado de trabalho, mas só 1/4 tem carteira assinada

O interesse das empresas por trabalhadores da terceira idade nunca foi notável, mas já se percebe um olhar um pouco mais amigável para a diversidade etária e a convivência entre gerações dentro do ambiente corporativo. Esse movimento atende a uma crescente demanda de pessoas mais velhas que buscam um emprego.

Ainda que o percentual de pessoas acima de 60 anos no mercado de trabalho venha crescendo – bateu o recorde de 7,9% no segundo trimestre, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – apenas 26% têm carteira assinada. A maior parte ainda está na informalidade ou em ocupações por conta própria.

A faixa etária mais excluída do mercado formal é também a que mais tem sofrido com o fechamento de vagas com carteira assinada, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Em agosto, enquanto a faixa etária até 39 anos criou mais de 140 mil vagas, 37 mil postos foram fechados para pessoas acima de 50 anos.

Contudo, algumas empresas passaram a lançar programas com vagas abertas apenas para pessoas de idade mais avançada, como parte de um esforço de diversidade que já era observado em relação a gênero e raça.

Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgado no primeiro semestre apontou que a proporção de idosos que pararam de trabalhar após perder o emprego caiu de 20%, em 2012, para 16% em 2018. Mas também caiu o percentual dos que conseguiram uma colocação ao passar dos 60 anos. Em seis anos, essa taxa passou de 28% para 23%.

Para o fundador da plataforma de trabalho para a terceira idade MaturiJobs, Mórris Litvak, uma das principais razões para estas pessoas continuarem em busca de trabalho é a necessidade de renda e o fato de a aposentadoria não ser suficiente para cobrir os gastos.

 “Existe também uma vontade de se sentir útil e ter algo para fazer que leva muita gente a continuar trabalhando, mesmo sem precisar”, explica. Há ainda aqueles que após os 60 anos ainda não atingiram o tempo de contribuição ou a idade mínima para obter a aposentadoria e são obrigados a continuar trabalhando.

Boa parte dos idosos que trabalham não teria necessidade própria, mas destina o que ganha para sustentar a família. Cerca de 10 milhões de pessoas dependem da renda dos aposentados para viver, segundo uma pesquisa da LCA Consultores. Em 2017, o percentual de lares em que 75% da renda ou mais vem de indivíduos com mais de 60 anos cresceu 12%, somando 5,7 milhões.

Fonte: Taís Laporta e Marta Cavallini (Adaptado)

Publicidade