Dinheiro faz você sentir menos dor

Na sala, a tarefa não era nada agradável. Jovens estudantes mergulhavam a mão em água quente. A temperatura, de 50º, era motivo de dor, mas não a mesma dor para todos. Alguns reclamaram menos do desconforto do que os outros.

O experimento, conduzido por Kathleen Vohs, queria saber a razão. A psicóloga americana e professora da Carlson School of Management tem se notabilizado com pesquisas sobre como nos relacionamos com um elemento importante da vida de todo mundo: o dinheiro. O objetivo do estudo, realizado em parceria com Xinyue Zhou e Roy Baumeister, era responder a uma questão: o dinheiro é capaz de aliviar a dor?

Por isso, antes de mergulhar a mão na água, metade dos estudantes - eram 96 no total - contou algumas notas de yuan, a moeda chinesa. Outros manipularam pedaços comuns de papel. Minutos depois, com a mão mergulhada na água quente, todos tinham de avaliar quanta dor estavam sentindo. Os resultados foram publicados no Psychological Science Journal em 2009.

O grupo da “Alta dor” reclamou mais do desconforto do que o outro grupo, porém nas duas condições quem contou dinheiro antes sofreu menos com a água quente. Já era bastante documentado que dinheiro possui forte caráter simbólico e psicológico. E é capaz, demonstra o resultado, de aliviar a dor. Em outras palavras, dinheiro cura.

Pesquisas anteriores tinham mostrado que a dor psicológica e a dor física levam ao mesmo tipo de resposta do cérebro. Outra parte do estudo - composto no total por seis experimentos -, investigou como o dinheiro atua sobre os sentimentos de rejeição e exclusão social, causadores de dor psicológica.

Um grupo também contou dinheiro e outro contou papel, mas desta vez, todos tiveram de jogar um videogame com quatro participantes por vez. Só que, enquanto metade deles jogou normalmente, a outra metade foi isolada pelos demais, participando do experimento na condição de “rejeitada”.

Como resultado, os rejeitados relataram um estresse maior com o jogo do que os outros. Mas o sentimento de rejeição foi menos intenso entre o grupo que contou dinheiro. Lidar com notas e moedas também alivia uma dor emocional, sugeriram pesquisadores. Isso é quando temos dinheiro. O que acontece se o perdemos?

Outro experimento foi realizado. Metade dos estudantes teve de lembrar dos gastos que fez nos últimos 30 dias enquanto os demais recordaram da previsão do tempo no mesmo período. Então todos jogaram mais uma vez o videogame, quatro de cada vez, com um grupo mais uma vez sendo excluído.

Desta vez quem lembrou dos gastos que havia feito sofreu muito mais a dor emocional do que quem se lembrou das condições do tempo. Conclui o estudo: dinheiro tem um componente psicológico, conferindo um forte sentimento de que somos mais capazes ou incapazes, se não o temos.

O estudo não sugere que, com dor de cabeça, você troque o analgésico pelas carícias em algumas notas de real - ou de dólar ou de qualquer outra moeda. Mas aponta: com dinheiro na mão, você, como todo mundo, se sente melhor.

Fonte: G1 | Samy Dana

Publicidade