Amazon abrirá sua 1ª loja sem caixas e atendentes na segunda-feira

A Amazon abrirá sua loja de conveniências sem caixa registradora na segunda-feira (22), após mais de um ano de testes, disse a empresa, avançando em um experimento que pode alterar dramaticamente o varejo físico. A unidade havia sido aberta para testes em dezembro de 2016.

A loja sediada em Seattle, conhecida como Amazon Go, confia em câmeras e sensores para acompanhar o que os clientes retiram das prateleiras e o que devolvem. As caixas registradoras e filas de pagamento se tornam supérfluas – os clientes são cobrados após deixarem a loja usando o cartão de crédito registrado.

Para as lojas, a abertura da unidade anuncia outra potencial disrupção nas mãos da maior varejista online do mundo, que adquiriu a rede de supermercados de alto padrão Whole Foods Market no ano passado por US$ 13,7 bilhões. Longas filas podem afastar os consumidores, então a empresa que descobrir como erradicar o tempo de espera terá uma vantagem.

A Amazon não comenta sobre quando ou mesmo se abrirá novas unidades Go e reiterou que não há planos para trazer a tecnologia para as maiores e mais complexas lojas do Whole Foods.

A unidade, similar a uma loja de conveniência, abriu as portas para funcionários da Amazon em 5 de dezembro de 2016, em fase de testes. Na época, a Amazon disse que esperava que o público em geral pudesse começar a utilizá-la no início de 2017.

Mas houve desafios, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. Entre eles estava a identificação correta de clientes com biotipos similares, disse a pessoa. Quando crianças iam à loja durante os testes, causavam prejuízos por tirarem os itens da prateleira e deixarem em locais incorretos, acrescentou a pessoa.

A loja de 167 metros quadrados está localizada em um prédio de escritórios da Amazon. Para começar a comprar, clientes devem scanear um código com o aplicativo Amazon Go para smartphones e passar por uma catraca fechada.

Se alguém passa pela porta com algum item, recebe uma cobrança em sua conta. Se o consumidor devolver o item na prateleira, a Amazon remove o item do carrinho virtual.

Fonte: G1 | Reuters

Publicidade