Publicidade

‘Pai do IDH’, Amartya Sen defendeu desenvolvimento além do PIB

Nascido na Índia em 1933, Amartya Kumar Sen ficou conhecido por ter sido o primeiro – e até o momento, único – acadêmico de um dos países não desenvolvidos a ganhar o Prêmio Nobel de Economia. O indiano deu enormes contribuições acadêmicas, sendo ainda reitor e professor na Universidade de Cambridge, professor em Oxford e Harvard. Além disso, foi um dos fundadores do Instituto Mundial de Pesquisa em Economia do Desenvolvimento. Desempenhou um papel importantíssimo na análise do desenvolvimento dos países, ao criar em 1990, em parceria com o paquistanês Mahbub ul Haq, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): uma nova maneira de medir o desenvolvimento dos países, considerando não apenas os fatores econômicos, mas também os sociais.

Para o notório professor, o desenvolvimento de uma sociedade se dá pelo o bem-estar social, e não apenas pela prosperidade econômica. Sen, ao analisar o bem-estar social, entendeu que seria papel do Estado conter as desigualdades sociais, uma vez que o mercado, por si próprio, não se mostraria como elemento suficiente para fazer cumprir tal objetivo. Assim, os serviços prestados pelo Estado deveriam garantir a construção de uma boa sociedade por meio da educação, saúde e proteção das minorias. Por tais estudos, Amartya Sen ganhou o Prêmio Nobel de Economia, em 1998.

Em sua obra “Pobreza e Fome: Um Ensaio sobre Direitos e Privação”, publicada em 1981, ele argumenta que a fome não é só causada pela simples falta de alimento, mas pela dificuldade de acesso ao mesmo. Em uma sociedade com um grande número de desempregados que fatalmente não conseguem comprar seus alimentos, por exemplo, há fome mesmo havendo alimentos disponíveis. Logo, um fator econômico pode gerar a fome em massa, já que o alimento existe, mas poucos têm condição de comprar, dada as condições de mercado existentes. Isso justificaria a ação do Estado para amenizar o problema.

Já nos anos 2000, sua famosa obra “Desenvolvimento como liberdade” afirma que as medidas de desenvolvimento não podem ser baseadas somente em fatores econômicos como o Produto Interno Bruto (PIB), as rendas das famílias, índices de consumo e industrialização. Eles são, sim, uma medida importante, entretanto não são suficientes, já que não levam em conta o fator social. Para Amartya Sen, o desenvolvimento está, na verdade, atrelado à liberdade em seus vários tipos, seja ela instrumental ou constitutiva.

A liberdade instrumental diz respeito à capacidade das pessoas de ter uma vida como elas desejarem, não sendo imposto um estilo de vida, como ocorre em governos autoritários, mas uma vida livre. Por essa razão, Sen diz que a melhor forma de governo para garantir essa liberdade é a democracia. E por liberdade constitutiva, entende-se como o direito ao voto e o próprio exercício da cidadania, sem repressões, como a liberdade de expressão. Essa definição de liberdade como um fator de desenvolvimento se tornou seu principal legado para a humanidade.

Dessa forma, os trabalhos de Amartya Sen contribuíram para melhorar a compreensão da sociedade como um todo. O autor obteve êxito ao trazer o lado social nos debates econômicos, colaborando com novos pontos de vista na análise do desenvolvimento das nações.

Amartya Sen parece mais atual do que nunca.

Fonte: G1 | Samy Dana com colaboração de Marcelo Araújo

Publicidade