Publicidade

Banco Central lança campanha para impulsionar uso de moedas

Ao mesmo tempo em que a Câmara dos Deputados começa a discutir a regulamentação de bitcoins – e a tendência já defendida por deputados é de, no futuro, tributar também essa modalidade de pagamento -, o Banco Central lança, nesta quarta-feira (30), uma campanha para aumentar a circulação de moedas no Brasil.

Chamada de “Caça ao Tesouro”, a ofensiva, divulgada pelo presidente do BC, Ilan Goldfajn, tenta resgatar o uso de moedas para, segundo a própria entidade, “aumentar a oferta do numerário, facilitar o troco e reduzir o gasto público”.

“É papel do Banco Central sensibilizar o público quanto à necessidade de promover a recirculação das moedas guardadas, pois o entesouramento, além de contribuir para a dificuldade de troco, motiva a necessidade de produção de novas moedas, cujos custos têm sido crescentes”, afirmou Goldfajn durante a apresentação das peças publicitárias.

Lançada exclusivamente para as redes sociais – em especial Facebook, Twitter e Instagram -, a campanha vai buscar despertar na população a importância de retirar moedas de cofrinhos, gavetas, cinzeiros, por exemplo, e usá-las no dia a dia. Ela está programada para durar quatro semanas.

“Esperamos o engajamento da sociedade para que possamos trazer bilhões de moedas de volta à circulação”, concluiu o presidente.

O Banco Central não é o primeiro órgão a promover esse tipo de publicidade. O Metrô de São Paulo também enfrentou sérios problemas em 2016 por falta de moedas e chegou a baixar o preço da passagem em algumas estações para ter troco nos guichês das bilheterias.

Hoje, de acordo com o BC, existem mais de 25,1 bilhões de moedas no país, incluindo as criadas em comemoração aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Dessas, 8,7 bilhões estão guardadas, segundo a estimativa do órgão.

Fonte: Redação E-Commerce Brasil

Publicidade